sábado, 30 de agosto de 2014

MENINO DE14 ANOS DEIXA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEL 500 VEZES MAIS EFICIENTE


As algas são excelentes matérias-primas para a fabricação de biocombustível.

As algas são excelentes matérias-primas para 
a fabricação de biocombustível. 
Foto :©iStock/Micro_photo

Menino de 14 anos deixa produção de biocombustível 500 vezes mais eficiente


As algas são excelentes matérias-primas para a fabricação de biocombustível. No entanto, os sistemas tradicionais de produção ainda não lentos, o que encarece seu uso. Porém, se depender de Gregory Martin, um norte-americano de 14 anos, isso logo vai mudar.
O adolescente, que é um dos finalistas do concurso de ciência do Google, desenvolveu um método que aumenta a quantidade de lipídios nas algas em 500%. A técnica é simples e os resultados mostram que essa alternativa poderia elevar os rendimentos em números bem expressivos.
A premissa considerada por Martin para desenvolver seu experimento é a de que a produção de lipídeos em uma alga varia de acordo com a quantidade de nitrogênio. Naturalmente as algas consomem esse nitrogênio, mas este processo é demorado e somente a partir da escassez dessa substância é que aumenta-se a produção de lipídios. Então, o jovem considerou maneiras de acelerar essa relação.
Em suas análises, o norte-americano considerou dez tipos diferentes de concentração de algas, vitaminas e nitrogênio. Os testes foram feitos com variações até que chegasse a 0% de nitrogênio dentro do tubo de algas. A expectativa inicial era de que a falta do elemento pudesse elevar a produção de lipídios em 30%. Mas, no sétimo dia o resultado já era 300% maior que o natural e em dez dias a produção chegou a 500% acima da média.
Esse experimento pode ajudar a tornar a produção de biocombustíveis mais eficientes. As algas podem ser trabalhadas em uma área muito menor, devido à melhor produtividade, reduzindo o tempo, a matéria-prima e até mesmo a mão-de-obra envolvida no processo.

Fonte:http://ciclovivo.com.br/noticia/menino-14-anos-deixa-producao-de-biocombustivel-500-vezes-mais-eficiente

As algas são excelentes matérias-primas para a fabricação de biocombustível.

CASAL MAPEIA ECOVILAS ESPALHADAS PELO MUNDO


Casal mapeia ecovilas espalhadas pelo mundo


O fotógrafo argentino Hernán Paz e a bio-arquiteta chilena Natália Faúndez uniram a paixão em comum pelas comunidades ecológicas e, desde 2012, começaram a reunir informações sobre mais de 200 ecovilas no continente americano.
A viagem teve início na América do Sul, mais precisamente em Chile e Argentina, e foi ganhando novos contornos. Tudo foi registrado no blog Mapa EcoAldeas AbyaYala, que pode ajudar novos viajantes e interessados no assunto a conhecer espaços alternativos para morar.
Todas as comunidades visitadas são indicadas com um número e o nome no mapa do país. Logo abaixo, há um site ou blog com mais informações sobre cada local. No Brasil, por exemplo, o casal passou pelo nordeste, região central e sul do país.
Foram listadas ecovilas no Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Goiás e nos estados da região sul.


Mapa EcoAldeas AbyaYala




CHILE CENTRO


01- ECOALDEA EL ROMERO
http://www.ecoaldeaelromero.org/

02 - BLOWING IN THE WIND


03 - ALDEA DE PAZ
http://aldeadepazchile.wordpress.com/

04 - ECOALDEA ARCO IRIS
http://www.facebook.com/ecoaldea.arcoiris.olmue

05 - ECOESCUELA VIVENCIAL
http://ecoescuelavivencial.blogspot.com.ar/

06 - ECOALDEA ANDALICAN
http://www.facebook.com/andalican

07 - COMUNIDAD ECOLÓGICA
http://comunidadecologicapenalolen.bligoo.com/

08 - LEMULAWEN
http://lemulawen.blogspot.com.ar/

09 - VUELO DEL SAUCE
http://elvuelodelsauce.wix.com/arcoiris#!home/mainPage 

10 - PACHAMRITA
http://www.pachamrita.cl/

11 - AITUÉ ECOALDEA
http://www.facebook.com/aitue.ecoaldea?sk=wall

12 - ECOCENTRO ELUWN
http://www.eluwn.cl/eluwn

13 - PAILIMAY ECO-ALDEA
http://www.facebook.com/pailimay.ecoaldea


WALLMAPU



14 - LA BELLA ECOALDEA
http://www.facebook.com/LaBellaEcoaldea

15 - ECOCENTRO EL ESPINO
http://www.elespino.bligoo.cl/

16 - RUKA TRUNKAI
http://www.facebook.com/RukaTrunkai

17 - ECOESCUELA EL MANZANO
http://www.elmanzano.org/

18 - CENTRO ARCA
http://www.centroarca.com/

19 - REFUGIO MAWENKO
http://www.refugiomawenko.blogspot.com.ar/

20 - JARDÍN DE PAZ EPUYÉN
http://www.facebook.com/jardinepuyen?fref=ts

21 - ECOBARRIO LA COMARCA
http://ecobarriolacomarca.blogspot.com.ar/

22 - RINCÓN DE CHAKRAS
http://www.rincondechakras.com.ar/

23 - BIOCONSTRUYENDO PATAGONIA
http://www.bioconstruyendo.org/

24 - CONFLUIR PERMACULTURA
http://www.facebook.com/confluir.permacultura?fref=ts

25 - TIERRA MADRE
http://www.facebook.com/grupotierramadre?fref=ts


ARGENTINA CENTRO




28 - ECOTRIBU LUNLUNTA
http://www.facebook.com/ecotribu.lunlunta?fref=ts

29 - REGRESO A LAS FUENTES
http://regresoalasfuentes.blogspot.com.ar/

30 - ECOALDEA PANGEA
http://www.facebook.com/ecoaldea.pangea?fref=ts

31 - CASA TIERRA
http://www.casatierra.org.ar/

32 - SEMILLA DEL SUR
http://www.facebook.com/semilladelsur?fref=ts

33 - ALDEA DE PAZ TANTI
http://aldeadepaztanti.blogspot.com.ar/

34 - ECO BARRIO VILLA SOL
http://www.ecobarriovillasol.com.ar/

35 - JARDÍN DE LOS PRESENTES
http://eljardindelospresentes.bligoo.com.ar/

36 - YACU YURA
http://www.facebook.com/yacuyura

37 - MAGOS DE TOLLAN
http://aldeadepaz.blogspot.com.ar/

38 - SHAMBALLA
http://www.facebook.com/shamballa.permaculture

39 - TIEMPO DE BROTAR
http://www.crest13.org/profiles/crest13/capilladelmonte-spanish.html


TERRITORIO GUARANÍ


42 - MAMA ROJA
http://mamaroja.blogspot.com.ar/2011/01/informacion-en-espanol.html

43 - PERMACULTURA DELTA
http://www.facebook.com/permacultura.delta?fref=ts

44 - LA COCOVILLA
http://www.facebook.com/lacocovilla

45 - ECOVILLA GAIA
http://www.gaia.org.ar/

46 - COMUNIDAD CHOBITA
http://www.guiaverde.info/localizacion/argentina/ecoaldea-comunidad-chobita

47 - ALDEA ATRAPASUEÑOS
http://www.facebook.com/aldea.atrapasuenos?fref=ts

48 - ECO ALDEA VELATROPA
http://www.velatropa.com.ar/

49 - JARDÍN UR GAIA
http://www.facebook.com/jardin.urgaia?fref=ts

50 - LA CHAKRA
http://www.volviendoacasa.info/

51 - LA TIERRA COMUNAL
http://naturalezarte.com/la-tierra-comunal/


BRASIL SUR




54 - NATURALMENTE
http://www.facebook.com/naturalmente.espacoalternativo?fref=ts

55 - SÍTIO GRAVATÁ
http://sitiogravata.blogspot.com.ar/

56 - SÍTIO DA AMIZADE
http://www.facebook.com/sitiodaamizade?fref=ts

57 - ECOCENTRO DA COXILHA
http://www.ecocentrodacoxilha.blogspot.com.ar/

58 - ARCA VERDE
http://www.arcaverde.org/new/

59 - VELATROPA 
http://www.facebook.com/profile.php?id=100004093441518&fref=ts

60 - ALDEIA ARAWIKAY
http://www.ecoaldeia.org/

61 - INSTITUTO ÇARAKURA
http://www.institutocarakura.org.br/


BRASIL CENTRO




64 - ECOVILA TIBÁ
http://www.ecovilatiba.org.br/

65 - ECOVILA CLAREANDO
http://www.clareando.com.br/

66 - SÍTIO ESMERALDA
http://www.facebook.com/sitio.esmeralda.7?fref=ts

67 - ECOVILA CORCOVADO
http://novo.ipemabrasil.org.br/

68 - ECOVILA CUNHA
http://www.ecovilacunha.org/pt/

69 - VIVER SIMPLES
http://www.viversimples.com.br/

70 - ECOETRIX PARQUESCOLA
http://www.ecoetrix.com.br/

71 - TERRA UNA
http://www.terrauna.org.br/

72 - PURNA ANANDA ECOVILA
http://purnanandashram.blogspot.com.ar/

73 - INSTITUTO PINDORAMA
http://www.pindorama.org.br/

74 - ECOVILA VIVA
http://ecovilaviva.blogspot.com.ar/

Fonte:http://ciclovivo.com.br/noticia/
casal-mapeia-ecovilas-espalhadas-pelo-mundo

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

ELEFANTE SIMBOLIZA NA ÁSIA LONGEVIDADE,PROTEÇÃO E SABEDORIA


Significado do Bichos: Elefante


Na Ásia os elefante possuem um significado muito profundo. A devoção é tão intensa que a cidade indiana de Jaipur celebra o festival dos elefantes todos os anos. Os animais são ornamentados e pintados com beleza pelos tratadores, que querem ganhar por terem o " elefante mais bonito".





Em geral os elefantes carregam como simbologia a longevidade, proteção e sabedoria, além de atrair prosperidade para quem o possui. O elefantes brancos simbolizam ainda a bondade.


O grande motivo do elefante ser considerado um ser sagrado na Índia, é o fato de um de seus Deuses mais populares e cultuados Ganesh, ter uma cabeça de elefante em seu corpo humano.

Fonte:http://lojafleurdelotus.blogspot.com.br/2013/05/significado-do-bichos-elefante.html


O MUNDO DA GENTE MORRE ANTES DA GENTE

Kanji japonês com longevidade, longa vida, e idade avançada do significado. Segundo significado: Felicitações, celebrações, felicitations, e cumprimentos.

O mundo da gente morre antes da gente

A vida que conhecemos começa a desaparecer lentamente, num movimento silencioso que se infiltra nos dias, junto com aqueles que fizeram da nossa época o que ela é


A expressão mais perfeita que conheço para explicar a brutalidade do acaso em nossas vidas é ainda a de Joan Didion. Ela disse, em simplicidade exata: “A vida muda num instante. Você se senta para jantar e a vida que você conhecia acaba de repente”. Joan, jornalista e escritora americana, escreveu essa frase em seu livro O ano do pensamento mágico, no qual narra a morte repentina do marido e a sua busca para compreender o incompreensível. Nos últimos dias, Renata, a mulher de Eduardo Campos, repetiria aos amigos: “Não estava no script”.
Não poderia estar no script. Poucos homens planejaram a sua carreira política de forma tão meticulosa quanto Eduardo Campos. E então, ele toma café com a família, embarca num avião para dar sequência à sua primeira campanha presidencial, aquela que poderia levá-lo à presidência do Brasil não agora, mas em 2018, e morre. O gesto largo de uma vida interrompido num instante. Antes do final da manhã ele já não está. E os brasileiros de qualquer ideologia, ou sem nenhuma, são atravessados pela tragédia. A do homem perdido, em seu momento de máxima potência, mas também a de ser atingido pela força do incontrolável. Penso que cada um de nós, ou pelo menos a maioria, sentiu a lufada de vento entre as costelas, aquela que está sempre ali, mas fingimos que não existe.
De fato, a morte – repentina ou penosa, como nas doenças prolongadas, precoce ou tardia – é, como sabemos, a única certeza do nosso script. Um dia, simplesmente, já não se está. Como na cena do documentário de João Moreira Salles em que Santiago, o mordomo que dá título ao filme, cita o cineasta Ingmar Bergman: “Somos mortos insepultos, apodrecendo debaixo de um céu cruento e vazio”.
O drama de quem alcançou a promessa de uma vida longa é a solidão de estar vivo numa vida que já morreu
Se fizéssemos um retrato agora, de todos os vivos, teríamos também um obituário: daqui a 100 anos estaremos todos mortos. Olhamos pela janela e todos os que vimos em seu esforço cotidiano, carregando-se para o ponto de ônibus, sintonizando a rádio preferida ao sentar-se no carro, puxando assunto na padaria ou desferindo seu ódio e seu medo em pequenas brutalidades serão finados (palavra de tanto simbolismo), em menor ou maior prazo. Assim como finado será aquele que espia a única paisagem que não muda numa vida humana, a de que, para o indivíduo, o futuro está morto.
A verdade, que talvez nem todos percebam, é que se morre aos poucos. Não apenas pela frase clássica de que começamos a morrer ao nascer. De que cada dia seguinte arrasta o cadáver do dia anterior. De que cada amanhã é um dia a mais – mas porque é um dia a menos. Ao entrevistar os que envelheceram, descubro-os surpreendidos pelo drama menos nítido, aquele se infiltra lentamente nos interstícios dos dias: o de que o mundo da gente morre antes da gente.
Esse é o susto de quem alcançou a promessa da nossa época, a de uma vida longa. A de morrer só, mesmo quando cercado por filhos e netos. Só, porque aqueles que sabiam dele, aqueles que compartilharam o mesmo tempo, morreram antes. Aqueles que conheceram o menino, o levaram embora ao partir. Os que o viram jovem carregaram a sua juventude em lembranças que desapareceram porque já não há quem delas possa lembrar. Só, porque um certo modo de estar no mundo acabou antes. A solidão de estar vivo numa vida que já morreu.
Pouco antes de lançar O ano do pensamento mágico, Joan Didion perdeu a única filha. Depois do marido, a filha. Era a dor não nomeável da inversão da lógica, a de sepultar aquela que deveria sepultá-la. Mas era algo ainda além, o de se tornar a mulher que restou. Seu livro seguinte, Noites Azuis, fala dessa condição, a de ter sobrado viva ao envelhecer. A de se descobrir só e frágil, atenta aos degraus para não cair. Para mim, é um livro melhor do que o primeiro, mas diz de algo ainda mais duro do que a perda do companheiro de uma vida. Talvez tenha feito menos sucesso por falar dessa dor insuportável, em que viver mais do que os seus afetos é ter de viver a morte que ultrapassa a morte.
Pensava que essa era uma condição restrita à velhice. A surpresa final de que o melhor cenário, o de viver mais, era também o de perder mais. Mas descobri que esse morrer começa muito antes. E de forma ainda mais insidiosa. Esses meses de 2014 têm nos mostrado isso com uma força talvez maior. É uma coincidência, claro, não uma confluência escrita nas estrelas ou em qualquer profecia. O mundo da gente, em especial das gentes com mais de 40 anos, porque é nessa altura que sentimos que já temos um passado e o futuro é uma segunda metade incerta, tem morrido muito. E rápido, às vezes um sobressalto por dia, às vezes dois.
Há algo de desestabilizador no ato de testemunhar o momento exato em que um imortal morre
Cada um tem seu susto. Acho que o meu foi com Nico Nicolaiewsky, que levava junto com ele momentos em que fui completamente feliz – e são tão raras as vezes em que somos completamente felizes – assistindo aTangos &Tragédias no Theatro São Pedro, em Porto Alegre. Morreu cinco dias depois de Eduardo Coutinho e Philip Seymour Hoffman, dois gigantes. Cada um com sua tragédia, abriram um buraco na paisagem do mundo. Depois, José Wilker um dia não acordou. E não haveria Vadinho para me assombrar.
Não parou mais. De repente o mundo já não tinha mais Gabriel García Márquez, Jair Rodrigues, Alan Resnais, Paco de Lucia, Shirley Temple, Luciano do Valle, Nadine Gordimer, Paulo Goulart, Bellini, James Garner, Rose Marie Muraro, Max Nunes, Plinio de Arruda Sampaio, Lauren Bacall. No espaço de seis dias de julho, Rubem Alves, João Ubaldo Ribeiro e Ariano Suassuna desapareceram. Rubem Alves, que desfazia anos nos aniversários e dizia que “a hora para comer morangos é sempre agora”. De repente o mundo já não tinha Vange Leonel. Como é possível? Eu a tinha lido no Twitter um instante atrás. E Nicolau Sevcenko se foi horas depois de Eduardo Campos.
Nenhuma dessas pessoas convivia comigo, eu não frequentava a casa de nenhuma. A maioria delas nunca sequer vi. De fato, o que delas vive em mim independe de sua existência física. Algumas são apenas flashes de um cotidiano em que por décadas elas apareceram, seja em novelas, na narrativa de um jogo de futebol, num debate político. Outras, me constituem. Seus livros e músicas não têm idade, nos filmes ainda são jovens e belas. Concretamente, deveria fazer tão pouca diferença estarem ou não aqui, na miudeza dos dias, numa rotina que de qualquer modo não faria parte da minha, quanto Sófocles, que morreu mais de dois mil e quatrocentos anos atrás, ou Shakespeare ou Beethoven ou Picasso. Ou Machado de Assis. Ou mesmo Garrincha. Estes, que conseguiram transcender sua vida ao proporcionar transcendência pela grandeza de sua obra, para as sucessivas gerações, ao infinito, são imortais. É um fato, todo mundo sabe, mas descubro que não é bem assim.
Qual é a diferença de Gabriel García Márquez estar vivo ou morto, se a chance de eu tomar um café com ele era remota e sempre vou ter meuO amor nos tempos do cólera na estante, para que ele possa reviver em mim? O que percebo é que há uma diferença. Há algo de melancólico, desestabilizador, em testemunhar o momento exato em que um imortal morre.
Suspeito que, naquele momento-limite em que a vida se extingue, a permanência da obra faça pouca diferença. Talvez o imortal que morre trocasse toda a sua imortalidade por dividir uma última vez uma garrafa de vinho com o melhor amigo ou por mais uma noite de amor lambuzado com a mulher que ama ou apenas para ler o jornal na mesa da cozinha no café da manhã. Talvez o imortal fique mortal demais nessa hora, fique parecido demais com todos os outros. Como disse Woody Allen: “Não quero atingir a imortalidade através de minha obra. Quero atingi-la não morrendo”. E desde então temo me confrontar com seu obituário numa manchete na internet.
De certo modo, é assim que o mundo da gente começa a morrer antes da gente. Não apenas pela perda dos nossos afetos de perto, mas também pelo filme que Philip Seymour Hoffman não fará ou pelo livro que Ariano Suassuna não escreverá enquanto dividimos com ele o mesmo tempo histórico. Ou simplesmente por nenhum deles poder dizer mais nada de comezinho ou mesmo fazer alguma besteira, qualquer coisa de humano. Deles ficaremos só com o que foi grande, mesmo a bobagem terá de ser relevante para merecer permanecer na biografia. Ao mesmo tempo em que a morte os devolve de imediato à condição humana, os tira para sempre dela. E logo o boteco de João Ubaldo já não terá cheiro.
A primeira vez que senti a infiltração de algo irreversível no meu mundo foi a morte de Marlon Brando, dez anos atrás. A morte ainda não me bafejava como hoje, mas passei alguns dias prostrada por alguém que para mim já tinha nascido imortal. Percebi então que fazia diferença lembrar dele berrando “Steeeeeeeela” em Um bonde chamado desejo e, ao mesmo tempo, poder mencionar qualquer coisa boba como: “Nossa, como ele está gordo agora”. De repente, ele não podia mais engordar nem nos espantar com sua existência descuidada. Só restaria grandioso. E, portanto, fora da vida. (Da nossa vida.)
Marlon Brando, como García Márquez, como Ariano Suassuna, como tantos agora, não se sabiam meus, mas eram. Ao me deixarem, morro um pouco. Uma versão de nós morre sempre que morre alguém que amamos e que nos ama, porque essa pessoa leva com ela o seu olhar sobre nós, que é único. Uma parte de nós também morre quando não podemos mais compartilhar a mesma época com quem fez do nosso mundo o que ele é. E agora, fico esperando a cada momento uma nova notícia, porque sei que elas não mais deixarão de chegar.
Tive uma reação estranha ao saber da morte de Robin Williams. Quantos anos ele tinha?, perguntei primeiro. Sessenta e três. E me senti apunhalada com a resposta. Muito cedo, muito cedo. De que morreu? Parece que foi suicídio. E me senti de imediato aliviada. Pode parecer surpreendente, mas meu alívio se deu porque de que alguma maneira era uma escolha. Não era coração, não era câncer, não era AVC, não era avião. Por mais terrível que seja o ato de interromper a vida, ele pressupõe, em alguma medida, uma potência e um controle.
Ao mesmo tempo em que a morte devolve aqueles que admiramos à condição humana, os tira dela para sempre
Pode-se argumentar que uma depressão ou um desespero impede a escolha, mas acho que essa não é toda a verdade. Nossas escolhas nunca são consumadas em condições ideais nem nosso arbítrio é totalmente livre. Só conseguimos fazer escolhas determinadas pelas circunstâncias do que vivemos e do que somos naquele momento. Por mais que nos surpreenda a escuridão do homem que nos deu tanta alegria, de algum modo ele elegeu a hora de morrer. O que para muitos foi razão para aumentar a dor pela sua morte, porque ela poderia ter sido evitada, para mim foi alívio por ele não ter sua vida interrompida à revelia. De algum modo, me soaria mais insuportável se Robin Williams tivesse morrido tão cedo por um infarto ou um acidente.
Acredito mais na interpretação do jornalista americano Lee Siegel, quando ele diz que “talvez tenha sido a empatia que o matou – e não seu desespero com o diagnóstico recente de Parkinson”. A capacidade de Robin Williams para vestir a pele do outro, de todos os outros, levada por ele a patamares quase insuperáveis. “Sua necessidade passional de se transformar em todos que ele encontrava, qualquer que fosse sua origem étnica ou social – como se com isso pudesse vencer sua solitária e irreversível finitude humana.” Há algum tempo o lento morrer do seu mundo o assombrava, segundo os mais próximos Robin parecia incapaz de superar o desaparecimento do amigo e do homem que o inspirou, o comediante Jonathan Winters, que se foi em abril.
Seus fãs, as pessoas cuja vida a sua vida tornou melhor, deixaram flores nos lugares em que viveram seus personagens. Um banco de praça em que gravou cenas de O Gênio Indomável, com Matt Damon. A casa em que foi Ms. Doubtfire, a babá. Era ali que ele morria para nunca morrer. Era ali que ele jamais deixaria de estar. Não há lugar para a morte. Como haveria lugar para a morte? Mas é preciso dar um lugar à morte para que a vida possa continuar. É para isso que criamos nossos cemitérios dentro ou fora de nós. Em geral, mais dentro do que fora. A vida é também carregar os mortos no último lugar em que podem viver, em nossas memórias. E aos poucos nos tornamos um cemitério cada vez mais habitado por aqueles que só vivem em nós.
A morte de Robin Williams, Gabriel García Márquez, Ariano Suassuna e de tantos levou um pouco de mim. Minha morte levará um pouco deles e de tantos, como a lembrança das lágrimas que chorei ao ver Sociedade dos poetas mortos ou a imagem de Aureliano Buendía que só eu tinha ou a minha pedra do reino. Morro um pouco com cada um deles porque vivi um pouco com cada um deles.
É essa a morte silenciosa que vai se alastrando pelos dias. Conto meus imortais ainda vivos, os de longe e os de perto. Digo seus nomes, como se os invocando. Peço que não se apressem, que não me deixem só, que não me deixem sem saber de mim. O acaso, a vida que muda num instante, me assusta tanto quanto esse meu mundo que morre devagar. É essa a brisa quase imperceptível que adivinho soprando nos meus ossos. Muitas vezes finjo que não a escuto. Mas ela continua ali, intermitente, sussurrando para eu não esquecer de viver.

Por Eliane Brum *
*Eliane Brum é escritora, repórter e documentarista. Autora dos livros de não ficçãoColuna Prestes - o Avesso da Lenda, A Vida Que Ninguém vê, O Olho da RuaA Menina Quebrada, Meus Desacontecimentos e do romance Uma Duas. Site: elianebrum.com Email: elianebrum.coluna@gmail.com Twitter: @brumelianebrum
Fonte: