O ESTADO ISLÂMICO DO SÉCULO 19 : DURANTE 10 ANOS,PAUS,PEDRAS E FANATISMO VENCERAM FUZIS COLONIAIS

Batalha de Omdurman | <i>Crédito: Domínio Público
Batalha de Omdurman | Crédito: Domínio Público








O Estado Islâmico do século 19

Por mais de 10 anos, paus, pedras e fanatismo venceram fuzis coloniais

Fabio Marton
Do vapor estacionado às margens do Rio Nilo, na Ilha de Aba, desceram 200 soldados, armados com fuzis de repetição Remington, um canhão e duas metralhadoras. Eles se dividiram em duas companhias, que foram guiadas por comerciantes locais até seu destino, a vila onde morava o clérigo Muhammad Ahmad bin Abd Allah. Ao chegarem lá, entraram na casa de seu alvo e atiraram no primeiro homem que encontraram. Era só um convidado. Dos arbustos nas imediações, saltaram sobre os soldados duas centenas de seguidores de Ahmad, esfarrapados e armados com pedras, paus, enxadas. As poucas armas de verdade eram um luxo, e ainda assim completas relíquias para aquele agosto de 1882: lanças, espadas e escudos.
O uso que os soldados profissionais encontraram para sua tecnologia superior foi atirar a esmo, atingindo a todos. Eles não agiam como uma companhia. Seu comando estava dividido em dois, porque haviam recebido a promessa de promoção imediata a quem capturasse o religioso. O moral era baixíssimo, e só pensavam em voltar para casa. "No Exército egípcio, estar no Sudão era visto como uma forma de punição, e às vezes era mesmo", afirma o major e historiador militar Robert Rossi, professor da Universidade de Comando e Equipe Geral em Fort Leavenworth, Kansas, Estados Unidos.
Em minutos, a onda humana paleolítica deixou 120 egípcios jazendo na lama, mortos ou incapacitados. Outros nove foram capturados. Os sobreviventes, obviamente, foram aqueles que conseguiram fugir de volta para o barco.
Muhammad Ahmad conseguia sua primeira vitória. Ele a compararia à Batalha de Badr, em 624, na qual o profeta Maomé venceu uma força três vezes maior - e que também foi sua conquista inaugural. Era uma ação de propaganda: "Ele cuidadosamente comparava suas ações à do Profeta", afirma o major Rossi.
O escolhido
Dois meses antes, Ahmad havia feito circular cartas com uma mensagem perturbadora. Ele dizia ser o Mahdi. É mais ou menos afirmar ser o segundo Cristo. "De acordo com os hadiths [textos sobre a vida de Maomé], o Mahdi vai aparecer quando o final do mundo for iminente, e preencher a terra com justiça e piedade", diz o historiador Kim Searcy, da Universidade Loyola de Chicago.
O Mahdi é o parceiro de Cristo em sua segunda vinda. Na escatologia islâmica, ele e Jesus (chamado Isa no Islã) enfrentarão o falso profeta Masih ad-Dajjal, acabando com o mal, unificando o mundo em paz e reinando até o dia do Juízo Final.
No Islã, Jesus não é Deus - essa ideia é considerada uma profunda heresia na religião. Tão grande que é considerada uma das razões para Maomé ter recebido sua revelação, fundando uma nova religião para corrigir os erros dos cristãos. O Jesus islâmico é humano, não morreu na cruz, rejeita o cristianismo e é o segundo profeta mais importante - após, obviamente, Maomé. Ainda hoje, os guerreiros apocalípticos do Estado Islâmico acreditam que uma batalha entre eles e os Estados Unidos será o sinal para que Jesus volte.
A declaração de Ahmad soou ridícula para os clérigos islâmicos na capital sudanesa, Cartum. Mas alarmou as autoridades egípcias, que dominavam o Sudão havia seis décadas. Ahmad já era conhecido por sua retórica puritana e antiotomana, conclamando os fiéis verdadeiros do Islã a lutar contra os "turcos", os desviados decadentes que não aplicavam a sharia (leis islâmicas) com rigor e se aliavam a infiéis. Em verdade, lutava contra o governo do Egito. Segundo a historiadora Patrícia Teixeira Santos, da Universidade Federal Paulista (Unifesp), "o Egito era ligado ao Império Otomano, mas tinha uma enorme independência regional. O Sudão era a base de sua economia, de onde vinham marfim e escravos". 

Outros Mahdis
Muhammad Ahmad está longe de ser o único a se denominar o Mahdi da profecia. No século 11, o marroquino Abdallah Muhammad Ibn Tumart assumiu o título, pegou armas e derrotou a dinastia almorávida na Andaluzia e norte da África, fundando um império que duraria quase 150 anos. Décadas antes, em 1844, Ali Muhammad Shírází também disse ser o Mahdi, sendo morto por um pelotão de fuzilamento por isso. Mas os resultados foram positivos: ele se tornou o fundador da religião Ba¿hai, que prega a paz entre religiões, a aceitação da ciência e a igualdade entre os gêneros. E há mahdis vivos: o malaio Ariffin Mohammed afirma ser não só o Mahdi (mas só vai cumprir a profecia na próxima encarnação) mas também a reencarnação de Buda, Jesus, Maomé e do deus indiano Shiva. Seu culto, que foi banido na Malásia, incluía venerar uma chaleira gigante, do tamanho de um prédio de dois andares. Hoje em dia, mais de 3 mil pessoas estão presas apenas no Irã por se dizerem mahdis.

⇨ Mas havia algo de verdade no jeito como Ahmad se referia a eles. "Baseado na composição étnica do governo egípcio, essa descrição era bastante precisa", diz Rossi. "A maior parte do governo colonial no Sudão era composta de não egípcios. A linguagem oficial do governo sudanês era o turco. Os funcionários coloniais empregados pelo Egito vinham do mundo otomano."
Mas isso era também uma manobra diplomática. Segundo o major Rossi, "Muhammad Ahmad não declarou os egípcios seus inimigos. Era mais fácil apontar os turcos como uma ameaça à comunidade islâmica, de diversas formas: eles eram não árabes, dominavam um império e suas práticas violavam as regras islâmicas (numa interpretação estrita): eles fumavam em público e usavam infiéis para controlar os fiéis. Contra eles, uma jihad podia ser justificada".
Antes do ataque, o governo egípcio havia enviado Abu Saud, um conhecido de Ahmad, para convencê-lo a ir para a capital, Cartum, ser interrogado. O Mahdi o mandou de volta. Seria Saud a comandar as tropas na fracassada ofensiva de dois meses depois - o que fez do conforto de seu navio.
Self-made man
Muhammad Ahmad inventou a si próprio. Nasceu numa família de fabricantes de barcos, no então mais extenso e complicado lugar do continente. "O Sudão era gigantesco, o maior país da África até 2010", afirma Patrícia Teixeira Santos. "É importante perceber a grande diversidade étnica e populacional que existe ali."
Essa diversidade colocava alguns povos contra outros. O Rio Nilo estava no centro da economia do Sudão e seu maior produto de exportação eram escravos. Os escravos sudaneses eram cristãos e animistas capturados no sul do país pelos árabes do norte. Depois da perda dos clientes na América, os egípcios haviam se tornado os principais compradores. Eles usavam escravos em seus tradicionais regimentos de mamelucos, soldados escravizados, mas de alto prestígio. Eles davam com uma mão e tiravam com a outra: "O governo egípcio impôs pesados impostos na população do norte e isso resultou na maioria sendo forçada a se envolver em um aspecto ou outro do negócio de escravos para pagar esses impostos", afirma o professor Kim Searcy.
Em 1877, sob pressão das potências ocidentais, o Egito aboliu a escravidão, com a regra se aplicando à sua colônia, o Sudão. Famílias que dependiam do negócio, como indiretamente a de Ahmad, foram à falência. O país entrou em depressão econômica. "Os conflitos que surgem no século 19 vêm da desestruturação das atividades econômicas de tráfico de escravos e das relações de poder tradicional a partir da entrada da Inglaterra", afirma a historiadora Patrícia Teixeira Santos. "Com ela, chegam as estruturas comerciais e religiosas europeias." Isso criou um clima de revolta no qual as pregações apocalípticas do autointitulado Mahdi soariam atraentes.
Ahmad aprendeu a ler sozinho e decorou o Corão inteiro. No Islã, não existe realmente a posição de sacerdote - qualquer pessoa educada pode se tornar um imã, xeique ou ulemá, entre os vários títulos para aqueles que estudam os escritos e conduzem as cerimônias. O critério é ser aceito por outros religiosos e pela congregação. Assim, isso bastava para que ele se tornasse oficialmente um clérigo.
Em 1878, o religioso entrou em conflito com seu xeique porque ele havia permitido dança e música em cerimônias de circuncisão. Ele achava um absurdo um xeique local ter a pretensão de "abolir a sharia". Eles tentaram se reconciliar, mas, ao final das contas, Ahmad acabou fundando sua própria congregação. Que era pacífica, mas fundamentalista. "Suas pregações advogavam por uma interpretação literal do Corão e uma observância estrita da lei e valores islâmicos, que permitem a escravidão", afirma Rossi. "Também um modo de vida devoto e de desprezo para aqueles considerados desprovidos de devoção verdadeira. A vida terrena não tinha qualquer consequência exceto como um teste para determinar quem entraria no paraíso."
O Islã não rejeita a escravidão (como o cristianismo também não, melhor não se esquecer). Voltar às condições da época do Profeta, que fez escravos, incluía liberá-la - assim como e pelas mesmas razões que o Estado Islâmico faz hoje. Isso era extremamente atraente aos árabes sudaneses, não era a mensagem inteira. Ahmad acabou por rejeitar a autoridade egípcia e otomana, que não se encaixava em sua visão estrita de uma vida pura. Egípcios e otomanos eram, para ele, corruptos, desviados, incapazes de liderar uma verdadeira comunidade islâmica.
Nasce o Estado Islâmico
Ahmad podia ter origem humilde, mas era um exímio propagandista. Percebendo que não teria a mesma sorte no inevitável contra-ataque egípcio, retirou-se com seus fiéis da Ilha de Aba. Afirmou que havia tido uma visão para levá-lo à "Jebel Masa" - esse é o nome de uma montanha que aparece na profecia islâmica. Em verdade, levou sua trupe para Jebil Gedir, uma montanha não relacionada na província de Kordofan.
Lá ele enfrentaria 1 400 egípcios. Novamente, combatia armas de fogo com instrumentos medievais, quando não da Idade da Pedra. Mas, graças ao sucesso de suas ações de propaganda, seu Exército havia aumentado para 8 mil homens. E também contava com a simpatia da população local, que formava uma rede de informantes que o permitia conhecer cada passo da coluna inimiga. Em 7 de dezembro de 1881, os egípcios caíram numa emboscada e tiveram o mesmo destino dos 200 da ilha, humilhados por uma onda humana quase desarmada, mas muito mais inspirada que eles. 

O filho do Mahdi
Abd al-Rahman al-Mahdi nasceu em 1885 após a morte de Muhammad Ahmad, seu pai. Por toda a vida, defendeu a herança da Revolução Mahdista. Ele e seus aliados continuaram a se chamar de ansar, como os guerreiros do século 19, e defender que Ahmad foi, de fato, o esperado Mahdi. Curiosamente, porém, acabou se tornando um símbolo da moderação. Inicialmente perseguido pelos britânicos, acabou se tornando um interlocutor deles no país, convencendo os sudaneses a darem-lhes suporte na Primeira Guerra. O Ummah, o partido que fundou, é centrista e defende o nacionalismo, não a revolução islâmica. É hoje liderado por Sadiq al-Mahdi, neto do revolucionário.

⇨ Em maio do ano seguinte, seria feita uma terceira tentativa. Seis mil soldados foram enviados para Jebel Masa. Em junho, encontram com as forças mahdistas - e acharam engraçado. Toparam com um pequeno grupo, e notaram como pareciam famélicos, vestidos em trapos e armados com pedras e porretes. Decidiram então acampar por ali mesmo, sem nem se preocupar em deixar sentinelas acordados. À noite do dia 7, outro tsunami de fanáticos desorganizados caiu sobre eles, com o mesmo desfecho de antes.
Desta vez, porém, houve uma diferença nos resultados: o Exército mahdista se saiu com um enorme butim, em armas, uniformes, munições, suprimentos e, o mais notável, soldados - os sobreviventes do Exército egípcio se juntaram a eles. E essa seria uma prática constante de Ahmad: ele oferecia o perdão a qualquer soldado que prestasse juramento.
A revolta espalhou a insurreição - e a guerra - por todo o país. "Forças leais ao Mahdi começaram a se formar e atacar forças do governo, mesmo sem sua presença física", afirma o major Rossi. "O uso de emissários para espalhar sua mensagem e o sucesso militar de seus seguidores começaram a dar frutos."
Humilhação europeia
A vitória se seguiu a um ataque à cidade de Al Ubbayyid (or El Obeid). O Mahdi agora tinha canhões e fuzis, mas isso não era suficiente para tornar a invasão segura. Ele instalou um cerco, para fazer as forças de defesa desistir por fome.
O Exército do Egito deu sua quarta cartada. Buscou ajuda estrangeira, com o coronel inglês aposentado William Hicks, veterano de batalhas na Índia e Abissínia (atual Etiópia). A ele foi dada uma tropa de 10 mil egípcios e vários oficiais europeus, armados com o melhor que o Egito podia comprar de seus aliados ocidentais.
Hicks podia ser experiente, mas seu Exército não era. Eles eram veteranos da revolta de Urabi, entre 1879 e 1882. A revolta, em verdade um golpe militar que pôs o general Ahmed Urabi no poder, levou à ocupação do Egito pelos britânicos para contê-la. Na época da revolta mahdista, o Egito continuava a ser formalmente independente, mas os britânicos praticamente mandavam no vice-rei Muhammed Pasha, que havia pedido sua ajuda contra os rebeldes.
No meio do caminho, Hicks recebeu a notícia de que El Obeid já havia caído. Mas, com a arrogância de um militar do império mais poderoso da História, decidiu prosseguir para aniquilar a ameaça. Ahmad a essa altura contava com uma rede de espionagem e a intensa lealdade do que já era a maioria dos sudaneses. Os guias da expedição eram na verdade agentes duplos. Conduziram Hicks e sua tropa para uma emboscada numa floresta a 30 quilômetros do destino.
Eram 40 mil mahdistas, e um número grande de armas de fogo. Hicks foi o último a cair. Após esvaziar seu revólver, recorreu à espada para se defender. E terminou trespassado pela lança do general inimigo, Mahommed Sherif. Dos 10 mil da coluna de Hicks, apenas 300 sobreviveram.
A batalha de El Obeid, em 5 de novembro de 1883, não desencorajou os egípcios de enviarem mais militares britânicos aposentados para tentar salvar a situação. Do outro lado do país, em Suakin, onde fica o porto mais importante do país, suas forças estavam sitiadas. O major Valentine Baker foi enviado com uma força de 3 500 homens contra o general Osman Digna.
Ainda que o objetivo dessa vez fosse modesto e local, o resultado não foi melhor que com Hicks. Em 4 de fevereiro de 1884, a tropa egípcia liderada por europeus mostraria outra vez a precariedade do Exército egípcio - e o terror que seus inimigos inspiravam. Ao encontrar uma força de meros mil mahdistas, eles se desesperaram ao primeiro disparo e se puseram a correr. Os rebeldes os perseguiriam e apenas 700 voltariam para casa - incluindo o major Baker.
Os ingleses desafiam
Ainda que Hicks e Baker não fossem mais parte do Exército britânico, a derrota causou furor em seu país natal. A facção imperialista no Parlamento, que clamava por novas conquistas, exigiu a intervenção imediata. O general Gerald Graham foi enviado para salvar Suakin.
Contra uma força de 4 500 ingleses disciplinados, as táticas mahdistas não puderam fazer muito. Eles não conseguiram emboscá-los, como antes. Tiveram que se entrincheirar e lutar de igual para igual. Após uma troca de tiros de artilharia, os canhões dos rebeldes, operados sem a mesma experiência, acabaram destruídos. Eles tentaram então atacar de suas trincheiras, não numa onda humana, mas em pequenos destacamentos. Apesar da cautela, 2 000 deles seriam mortos contra apenas 30 britânicos. Mas a grande maioria, 8 mil outros, conseguiu se retirar com sucesso.
Os britânicos não perseguiram os mahdistas e se conformaram em manter a capital. Em 3 de abril, a força expedicionária de Graham deixou a cidade. Suakin não seria capturada, mas a província permaneceria sob controle dos rebeldes.

Os combatentes
 
Forças egípcias lideradas por Hicks, a caminho do combate / Domínio público
BritânicosOs britânicos usavam uniforme cáqui ou vermelho, com o estereotípico pith helmet, um capacete feito da fibra de uma planta indiana coberta com tecido. Oficiais e cavalaria eram armados com espadas - ambas funcionais, e, de fato, a arma principal no combate montado. A infantaria carregava o fuzil Martini-Henry, um tanto antiquado, que dava um tiro só, substituído na década de 1890 pelo Lee-Metford, de dez tiros.
MahdiOs guerreiros mahdistas chamavam a si mesmos de "ansar", nome dado aos membros do Exército do profeta Maomé. No começo, eram um bando confuso de esfarrapados, mas, a partir da batalha de El Obeid, passaram a usar uniformes brancos, uma cor relacionada à pureza no Islã, baseados nas vestimentas tradicionais sudanesas. As armas eram qualquer coisa em que conseguissem pôr as mãos. Sem treinamento formal - exceto por soldados egípcios que viraram a casaca -, o que contava mesmo eram os números superiores.
EgípciosOs egípcios tinham casacas ocidentalizadas, que seguiam a moda francesa, não britânica - isso se refletia no azul do oficialato. Usavam armas de países ocidentais, inclusive fuzis de repetição americanos, muito mais modernos que as armas inglesas. Era um Exército multiétnico, formado de gente de diversos países, inclusive do próprio Sudão. O problema era a falta de motivação: ganhavam mal, a maioria não queria estar no Sudão, e às vezes até se identificavam com o Mahdi.

 Vitória final
Após o pequeno revés em Suakin, quase todo o Sudão pertencia ao Mahdi. Mas uma vila resistia, e era o Grande Prêmio: a capital colonial Cartum. Nela também havia um inglês.
Os egípcios e seus mandachuvas britânicos haviam jogado a toalha. O general Charles George Gordon chegou a Cartum em 19 de fevereiro de 1884, com ordens para evacuar a cidade. Mas decidiu defendê-la. Afirmava que estava determinado a "esmagar o Mahdi".
Esse excesso de confiança talvez viesse do fato que Cartum parecia facilmente defensável. Dois terços de suas bordas eram cercados pelos rios Nilo Branco e Nilo Azul, que se unem para formar o Nilo no então ponto mais ao norte da cidade. Gordon contava com oito vapores de guerra, um luxo a que o Mahdi não podia se dar. Ao sul, acreditava poder usar sua vantagem em artilharia para mantê-los sob controle. Gordon também tinha experiência em cercos, obtida em suas campanhas na China, que deram a ele uma reputação legendária.
Mas Gordon não entendia seu inimigo. Para ter uma ideia, antes de chegar a Cartum, ele havia mandado cartas para Ahmad com a oferta do governo de uma província. Com elas, ia um fez - o estereotípico chapéu cilíndrico turco, então na moda e usado amplamente pelos europeus em suas aventuras coloniais. "Turco", já vimos, era o nome como o Mahdi se referia a seus inimigos - o presente sincero parecia uma provocação, um pedido para trair tudo em que acreditava e, literalmente, botar o chapéu do inimigo. "Ahmad recusava as honras e o butim trazidos por seus seguidores. Vestia-se com um jibbah [túnica sudanesa] comum, comia frugalmente e vivia uma vida simples. Acreditava no que estava fazendo e se recusava a trair seus princípios", diz Rossi.
As forças mahdistas chegaram a Cartum em março. A cidade já estava sitiada na prática, com toda a região no entorno sob o controle dos rebeldes - que nem podiam mais ser chamados assim, porque haviam estabelecido um Estado, com impostos, ministros, controle de finanças e até serviços sociais, todos copiados do que foi criado pelo profeta Maomé no século 7.
O general havia colocado a si próprio numa armadilha mortal. Como em El Obeid, o Mahdi decidiu esperar para que a fome fizesse seu trabalho. Até abril, quando o cabo telegráfico foi cortado, o general Gordon pediu por reforços, que foram recusados, já que ele estava descumprindo ordens. Mas a notícia de um britânico marcado para morrer chegou à imprensa em Londres e causou furor. A rainha Vitória interveio em pessoa. A seu pedido, duas expedições de resgate foram enviadas. A primeira foi em setembro, mas acabou repelida. Outra chegou em janeiro e entrou em confronto com as forças mahdistas, conseguindo avançar com sucesso.

A morte do general Gordon / Domínio Público
Mas isso serviu apenas como sinal para o ataque. Em 26 de janeiro de 1885, 50 mil mahdistas invadiram Cartum andando através dos rios, que estavam em nível baixo naquela época do ano. Foi um massacre. A cabeça de Gordon foi levada a Muhammad Ahmad, que não recebeu o presente com muita gratidão, porque tinha respeito pelo inimigo e havia dado ordens para capturá-lo vivo.
A expedição britânica chegou a Cartum com dois dias de atraso e deu meia-volta. No dia 30, o Mahdi adentrou a cidade pessoalmente e rezou na mesquita, como havia prometido nas correspondências com Gordon. E a abandonou. Com seu desdém por tudo que era relacionado ao governo colonial, preferiu criar outra capital para si, do outro lado do rio - Cartum havia sido fundada pelos egípcios em 1824. Não importava: imperialistas europeus e egípcios foram arrasados. O Sudão não pertencia mais aos "turcos".
O legado
Muhammad Ahmad morreu no auge de sua glória. Em 22 de junho, ele padeceria em sua nova capital. Seria vítima de tifo, contraído nas campanhas. Tinha apenas 40 anos. O governo foi passado para Abdallahi ibn Muhammad, que passou a se chamar de "califa". A palavra quer dizer "sucessor" em árabe, como os sucessores do Profeta. É o título dado ao líder espiritual e material de todos os islâmicos do mundo - ao menos é a pretensão.
Abdallahi era um tirano brutal, sem o carisma de Ahmad. Governaria por 14 anos, levando o Estado mahdista às portas do século 20. Resistiu a diversas incursões inimigas, que tomaram regiões uma por uma, em pequenas mordidas. Eram britânicas, italianas, francesas e até os vizinhos africanos mas cristãos da Etiópia. Acabou morto por uma coluna egípcia controlada por um britânico, em 24 de novembro de 1899. A única vez em que a tática funcionou.
Contamos a história de Muhammad Ahmad, um homem que se acreditava o arauto do Apocalipse. A História provou que ele não era o Mahdi. Jesus também não apareceu para ajudálo a liderar tropas. Mas é fácil ver como acreditar que ele era o escolhido de Alá era completamente plausível para os sudaneses islâmicos durante sua fase de vitórias.
Em tudo isso, não fizemos nenhuma comparação direta com extremistas islâmicos modernos. O que seria uma tentação fácil: as semelhanças com o Estado Islâmico são incríveis, afinal. Um clérigo - Abu Bakr al-Baghdadi - torna-se um líder de um estado baseado numa interpretação literal do Corão, tentando recriar a vida como na época do profeta Maomé, o que inclui recriar a escravidão. Suas armas foram conquistadas dos inimigos, que são governos de países islâmicos aliados dos ocidentais, vistos como ilegítimos e capachos. Abu Bakr não se declarou Mahdi, mas califa, e acredita que o Mahdi e Jesus voltarão para auxiliá-lo numa batalha contra os Estados Unidos.
Mas os terroristas modernos vêm de uma genealogia não relacionada. "A história do Mahdi nada tem a ver com os movimentos modernos do chamado extremismo islâmico", afirma Patrícia. "Ela e várias outras revoltas islâmicas do século 19 estão lidando com um fator novo na época, que era a entrada das potências europeias com seus projetos coloniais. Elas se inserem num movimento de contestação dessa forma de inserção da África e da Ásia na geopolítica como colônias subalternas das potências europeias."
Kim Searcy concorda: "A Revolta Mahdista no Sudão não é o começo da era atual do Islã político ou do extremismo islâmico". E explica a origem dos movimentos modernos: "Em minha opinião, há vários fatores que podem ser atribuídos ao terrorismo atual, como a natureza arbitrária de como as potências europeias dividiram o Oriente Médio após a Primeira Guerra, uma reação aos regimes corruptos e ineptos da região e à presença militar dos Estados Unidos e da União Europeia na região pelos últimos 20 anos".
O extremismo islâmico tem origens na Irmandade Muçulmana, fundada no Egito em 1928 - que não era um movimento terrorista. Essa parte data dos anos 1980. Xomeça pela adoção por fundamentalistas islâmicos das táticas terroristas usadas por movimentos nacionalistas e completamente seculares, principalmente a Organização para Libertação da Palestina. E existe num mundo diferente. "O EI faz recrutamento na própria Europa entre a juventude marginalizada dos imigrantes", diz Patrícia Teixeira. "A forma de recrutar é muito parecida com movimentos paramilitares de outras partes do mundo, como os narcotraficantes, que se direcionam a uma juventude marginalizada e sem perspectiva, que não encontra formas de se enquadrar na cidadania."
Muhammad Ahmad parece não inspirar corações e mentes nos extremistas de hoje. No mundo islâmico, exceto pelo Sudão, pouco é mencionado. Afinal, ele obviamente não era o Mahdi. E perdeu. Mas sua história ilustra os perigos do imperialismo e de não conhecer o próprio inimigo, a ignorância ocidental da mentalidade dos extremistas islâmicos que combate. 
Fonte:http://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/guerras/o-estado-islamico-do-seculo-19.phtml#.WGut3_krKUk

Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA