quarta-feira, 30 de novembro de 2016

UMA NOVA ERA PARA A POLÍTICA E PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

USelection.jpg

Uma nova era para a política e para a segurança da informação


Garry Kasparov, Avast Security Ambassador

22 Novembro 2016
A eleição de terça-feira passada nos Estados Unidos desafiou quase todas as opiniões que os experts divulgaram nos canais de mídia tradicionais. Como muitos especialistas acabaram notando, ainda que tardiamente, o resultado foi uma completa rejeição do status quo político do país. Mais do que isso, foi um repúdio da rede de informação centralizada e elitista que erroneamente acreditava que ainda tinha o monopólio da opinião pública. O resultado da eleição presidencial deste ano é um forte indicador de que o domínio dos jornais e das televisões a cabo já passou, e que o novo barômetro da opinião pública é a mídia social que, aliás, Donald Trump entendeu melhor do que qualquer analista e comentarista que estava prevendo a sua derrota.
Pense em todas as críticas à campanha Trump por não ter um forte "jogo de campo", enquanto o imenso pessoal de Hillary e a vasta equipe de voluntários chamavam cada telefone e batiam em todas as portas. Enquanto isso, a estratégia de Trump (se se pode chamar isso de estratégia) consistia em inundar o Twitter com insultos, ostentações e mentiras flagrantes, muitas vezes até tarde da noite. No entanto, essa abordagem mostrou-se muito mais adequada ao momento em que nos encontramos, no qual podemos amadurecer os nossos próprios canais de informação, ao invés de aceitar passivamente o que os guardiões dos meios de comunicação deixam que seja filtrado até chegar a nós.
Além disso, pode ser necessário um alto grau de educação para separar os fatos da ficção nessa densa floresta de informações que recebemos on-line, deixando muitos à mercê das táticas do medo ao desconhecido, nas quais Trump é um especialista. O presidente eleito dos Estados Unidos explorou o potencial da internet melhor do que os outros candidatos neste ciclo eleitoral, com mordidas sonoras que reverberaram nas redes sociais e deixaram uma impressão duradoura em milhões de americanos. Suas opiniões podiam ser resumidas em frases breves, explosivas, visceralmente emotivas: "Construa um Muro", "Hillary é falsa". E ele provou que, hoje, esta é uma moeda mais eficaz do que as informações detalhadas da política que a equipe de Clinton publicava no site dela.
Em última análise, a eleição tornou-se um referendo sobre Clinton, uma candidata com falhas profundas. Trump aproveitou a incisividade e a intimidade dos novos modos de comunicação disponíveis para cimentar o seu perfil de outsider e, portanto, de um legítimo crítico da classe política entrincheirada. O índice de aprovação na saída de Obama está maior do que 50% (se ainda podemos confiar em alguma pesquisa!). Com esse tipo de apoio, os precedentes históricos nos dizem que um candidato do mesmo partido deveria ganhar. A forte aparição de Trump foi em grande parte uma acusação contra o caráter manchado de Hillary, e não apenas uma insatisfação com as políticas da atual administração.
Não vou tentar extrair aqui todas as lições para a política dos Estados Unidos, pois tenho certeza de que muitos estão agora tentando construir uma visão coerente para o futuro. Limitei-me a comentar as implicações sobre como compartilhamos e como consumimos informações.
Mas um ponto ainda mais vital continua nos questionando: qual a proteção desta informação? Assim como temos acesso a conteúdos cada vez mais diversificados, cresce o risco sobre a sua segurança, seja pelo ataque de hackers solitários ou de governos estrangeiros. O maior erro de Hillary Clinton - usar um servidor de email privado inseguro para documentos governamentais altamente confidenciais - tornou-se um ponto central nos ataques de Trump. Os contínuos vazamentos dos emails roubados entre Clinton e seus assessores deram às acusações de Trump contínua munição e passaram por cima das réplicas de Hillary. Não é exagero dizer que a pouca segurança online decidiu a eleição e o curso da história americana e, inevitavelmente, do mundo inteiro.
Aprendemos uma lição indiscutível com a derrota de Clinton: os sistemas modernos exigem modernas medidas de segurança. Todos nós devemos entender que a excluir ou apagar são noções antiquadas e algo privado não é sinônimo de algo seguro. Ao refletirmos sobre como estruturar e operar melhor os sistemas de informação para garantir democracias saudáveis, não esqueçamos o primeiro passo de qualquer plano: manter as nossas comunicações privadas e nacionais seguras.


Garry Kasparov nasceu em Baku, Azerbaijão, na antiga União Soviética em 1963. Em 1985, ele se tornou o mais jovem campeão mundial de xadrez da história e foi o melhor jogador do mundo por 20 anos, até se aposentar em 2005. Seus jogos contra o arquirrival Anatoly Karpov e o supercomputador IBM Deep Blue popularizaram o xadrez e a inteligência de máquinas de uma maneira sem precedentes no mundo. Kasparov tornou-se um líder pró-democracia na Rússia e um franco defensor da liberdade individual em todo o mundo, uma missão que ele continua como presidente da Fundação dos Direitos Humanos de Nova York. Ele é um Visiting Fellow na Oxford-Martin School, onde suas palestras se concentram na colaboração homem-máquina. Kasparov é um alto-falante provocante que aparece frequentemente diante do público empresarial, acadêmico e político para falar sobre tomada de decisão, estratégia, tecnologia e inteligência artificial. Seus influentes escritos sobre política, cognição e tecnologia apareceram em dezenas de grandes publicações em todo o mundo. Ele escreveu duas aclamadas séries de livros de xadrez e os best-sellers How Life Imitates Chess on decision-making e Winter Is Coming on Russia and Vladimir Putin. Seu novo livro, Deep Thinking: Where Machine Intelligence Ends and Human Creativity Begins será publicado em maio de 2017. Em 2016, foi nomeado Embaixador de Segurança pela Avast Software, onde discute a cibersegurança e o futuro digital. Vive em Nova York com sua esposa Dasha e seus dois filhos.

Fonte:
https://blog.avast.com/pt-br/a-new-era-for-politics-and-for-information-security-0?

USelection.jpg