5 MITOS SOBRE MINDFULNESS QUE GERAM EQÍVOCOS E CONFUSÕES


Equívocos e Confusões. 5 mitos sobre Mindfulness


Equívocos e Confusões. 5 mitos sobre Mindfulness

Pense menos, pratique mais!

Mindfulness tem sido um tópico importante nos últimos anos. Muitos estudos científicos estão mostrando seus notáveis benefícios. A prática altera nosso funcionamento cerebral, reduz o estresse e pode chegar a melhorar nossa memória. No entanto, houve vários equívocos e confusões sobre o que é Mindfulness e como se dá a sua prática. Espero que este artigo ajude a desconstruir alguns destes mitos e equívocos sobre o conceito.

1) Mindfulness e Meditação são a mesma coisa.

Isso não é totalmente verdade. A meditação é praticada de forma sentada, através de caminhada e ou com o praticante deitado e, geralmente, é completada entre 10 a 30 minutos. É uma prática formal onde você precisa reservar um certo tempo para fazê-la. Comumente envolve a necessidade de concentrar-se em sua respiração, em uma parte específica do seu corpo ou em um objeto.
Mindfulness é sobre perceber o que está acontecendo dentro de nós e em torno de nós enquanto nos ocupamos de nossas tarefas diárias. Isso envolve uma atitude sem julgamento enquanto observamos nossa respiração, pensamentos, sentimentos, sensações e aspectos do nosso entorno.
 Esta é uma constatação importante pois muitas pessoas acreditam que não podem praticar a atenção plena, o Mindfulness, se não puderem meditar. A verdade é que todos podem praticar a atenção plena!
 Como Sharon Salzberg diz:
“Mindfulness não é difícil, precisamos apenas lembrar de praticá-la”

2) Precisamos estar presentes o TEMPO TODO

O objetivo da atenção plena não é estar presente em todo e qualquer momento. Se fosse assim, nos sentiríamos muito sobrecarregados pelos nossos sentidos. Precisamos sonhar acordados para sermos criativos e poder pensar em soluções.
Mindfulness significa evitar pensar sobre o passado e o futuro quando não é útil.
 O mestre budista Thich Nhat Thanh explica isso perfeitamente:
Viver no aqui e no agora não significa que você nunca pense sobre o seu passado ou possa planejar de forma responsável o futuro. A ideia é simplesmente não se permitir perder-se nos arrependimentos passados ou nas preocupações com o futuro. Se você está firme no momento presente, o passado pode passar a ser um objeto de investigação, um objeto para sua atenção plena e sua concentração. Você pode ter muitos insights olhando para o passado, mas  estando  firme no seu momento presente.

3) Sua mente deve ser tranquila para praticar a meditação

Muitas pessoas acham que não podem meditar porque não conseguem se manter com a mente silenciosa. Entretanto, com Mindfulness, não tentamos bloquear os pensamentos. Em vez disso, reconhecemos nossos pensamentos, depois voltamos nosso foco à respiração (ou ao que você está focando). Mindfulness é sobre tomar consciência de nossos pensamentos, para que possamos criar um espaço entre a mente e o observador.
 Isso é descrito como “libertação” por Eckhart Tolle:
Que libertação é perceber que a “voz na minha cabeça” não é quem eu sou.
Quem sou eu então? Aquele que enxerga isso.
 
A atenção plena é sobre tomar consciência de nossos pensamentos, ao invés de bloqueá-los.

4) O objetivo da atenção plena é alcançar a paz

Isso não é inteiramente comprovado. Não há objetivo na meditação ou no Mindfulness. A meditação em Mindfulness envolve uma vontade de simplesmente estar com aquilo que está acontecendo dentro de nós e ao nosso redor – através de  uma mente gentil e aberta. Isso pode nos fazer descobrir coisas sobre quem somos e o que queremos na vida. Ter atenção plena exige coragem para ver as coisas como elas são, ao invés vez de como desejamos que fossem.
 Alan Watts diz o melhor:
Poderíamos dizer que a meditação não tem um motivo ou não tem um propósito. Neste sentido é diferente de quase todas as outras coisas que fazemos, com exceção talvez de quando fazemos música e dança. Quando fazemos música, não o fazemos para alcançar um determinado ponto, como o final de uma composição. Se esse fosse o propósito da música, então, obviamente, os músicos mais rápidos seriam os melhores. Além disso, quando estamos dançando não buscamos chegar a um lugar particular no solo, assim como em uma viagem. Quando dançamos, a jornada em si já é o ponto, assim como quando tocamos música, o tocar em si é o ponto. E exatamente o mesmo ponto é verdade para a meditação. A meditação é a descoberta de que o ponto vida sempre é alcançado em seu momento.
 Mindfulness é simplesmente estar com aquilo que acontece dentro de nós e ao nosso redor.

5) Mindfulness é passivo

Definitivamente não é! A atenção plena envolve estar no momento presente, para que possamos tomar as medidas adequadas para dada situação. Significa aprender a responder a situações estressantes, ao invés de reagir a elas. Também envolve uma prática consistente. A atenção plena não é difícil. É apenas uma questão de entrar no hábito de realmente fazê-lo.
De acordo com o especialista em atenção plena Jon Kabat-Zinn:
A melhor maneira de capturar momentos é ter atenção. É assim que cultivamos a atenção plena. Mindfulness significa estar desperto. Significa saber o que você está fazendo.

Fonte: ClaraMente
http://www.voicers.com.br/equivocos-e-confusoes-5-mitos-sobre-mindfulness/