11 FRASES DITAS PELAS CRIANÇAS QUE SÃO CÓDIGOS PARA "ESTOU ANSIOSO"

Resultado de imagem para ansiedade infantil


Os sintomas da ansiedade nem sempre são óbvios, principalmente em crianças.
Isso pode significar muitas crianças com ansiedade — por exemplo, 25% das crianças de 13 a 18 anos que sofrem de ansiedade a cada ano podem ficar sem tratamento e ter mais problemas de ansiedade na vida adulta.
De muitas maneiras, a ansiedade tem efeitos semelhantes em adultos e crianças:
Qualquer pessoa com ansiedade pode se sentir nervosa, mal-humorada, tímida ou cansada — ou sofrer de distúrbios relacionados à ansiedade, como o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).
No entanto, ao contrário dos adultos, as crianças podem não saber como comunicar sua ansiedade adequadamente.
Então, sem mais delongas, aqui estão algumas maneiras pelas quais as crianças podem “contar” aos pais sobre a ansiedade que estão vivenciando, conforme relatado por pais preocupados e pessoas com experiências infantis de ansiedade no The Mighty.
Se os seus filhos usarem 2, 3 ou mais destas frases repetidamente, pode ser uma boa ideia começar a falar com eles sobre ansiedade — e como tratá-la!
Confira a seguir 11 frases que as crianças podem usar para dizer “estou ansioso”.
Ansiedade nas crianças

1. “O que há de errado comigo?”

Se o seu filho começar a expressar uma dúvida em excesso com muita frequência, talvez seja melhor manter os olhos abertos para outros sinais de ansiedade.
“Eu não sabia que tinha ansiedade e meus pais também não. Eles apenas pensaram que eu estava sendo dramática quando começava a chorar: ‘O que há de errado comigo?’”, observou uma usuária do The Mighty. (Kylie L.)

2. “Estou cansado.”

Talvez seu filho esteja constantemente esgotado por causa de ruminações relacionadas à ansiedade.
“Quando era criança, sofri distúrbios do sono por muito tempo”, disse outra usuária ao The Mighty.
“Todo o processo de ir à escola, passar o dia, tentar não ser intimidada e voltar para casa foi sempre ensaiado mentalmente na noite anterior.” (Julie A.)

3. “Eu estou com dor de cabeça” ou “não me faça fazer isso”.

Embora poucas crianças gostem de ir à escola, a recusa de seu filho de ir à escola ainda pode ser indicativa de algo mais profundo do que não gostar de algumas aulas.
“Eu usava a desculpa de me sentir doente muitas vezes para evitar ir à escola”, comentou uma das participantes na pesquisa do The Mighty.
“Eu não sabia que tinha ansiedade na época, mas tudo faz sentido quando olho para trás agora. Eu não estava apenas sendo ‘preguiçosa’ naquela época.” (Ada T.)

4. “Desculpa.”

Saber quando se desculpar é uma coisa boa. Pedir desculpas muitas vezes não é.
“Eu constantemente me desculpava por coisas que não eram realmente um problema, ou eu simplesmente não interagia”, disse outra participante sobre suas dúvidas intrusivas.
“Eu ainda tenho problemas em pedir desculpas constantemente em situações onde não há um problema e por estar muito quieta em situações difíceis.” (Teresa R.)

5. “Não podemos ficar em casa?”

Seu filho prefere ficar em ambientes familiares e tranquilos em vez de novas experiências — até mesmo divertidas e excitantes?
“Eu odiava sair porque o barulho me incomodava. Agora, como adulta, tento equilibrar as coisas, mas ainda é um desafio”, admitiu uma participante. (Elyse B.)

6. “Você faz isso” ou “Eu não quero!”

Se seu filho evita ativamente até mesmo as interações sociais mais mínimas, ele pode estar sofrendo de ansiedade social severa.
Uma participante do The Mighty lembrou:
“Eu tinha tanta dificuldade em fazer um pedido de comida, que eu dizia o que eu queria para qualquer um que estivesse comigo e ele fazia o pedido para mim”. (Becky B.)

7. “Já é hora de ir embora?” ou “Eu quero ir para casa”.

Embora as festas possam ser incômodas para qualquer um quando são prolongadas por muito tempo, elas podem ser particularmente problemáticas para crianças com ansiedade.
“Eu sempre dizia isso porque multidões de mais de duas pessoas provocavam minha ansiedade”, confessou outra comentarista. “Eu não conseguia esperar até que os eventos ou funções fossem concluídas.” (Shannon C.)

8. “Não me deixe.”

Se seu filho nunca quiser deixá-lo, mesmo que por pouco tempo, ele pode estar exibindo ansiedade de separação.
“Eu ficava muito ansiosa sobre ser abandonada quando criança”, disse outra comentarista. “Eu acreditava que as pessoas me deixariam se eu não fosse boa o suficiente, e seria minha culpa.” (Jennifer P.)

9. “Você pode ligar a luz do corredor para mim à noite?”

Uma coisa é ter medo do escuro — e outra, inteiramente, é ser sobrecarregado com pensamentos ruins sobre isso.
“Eu vivi com medo por alguns anos que alguém iria entrar no meu quarto e me sequestrar”, explicou um usuário. “A luz não ajudava. Eu ficava deitada na cama por duas horas apenas esperando. Ainda não durmo bem.” (Laura R.)

10. “Meu corpo está desconfortável.”

É possível que seu filho esteja confundindo saúde física e mental.
“Eu costumava dizer: ‘Meu corpo está desconfortável, meu corpo está desconfortável!’ Eu não sabia o que era na época. Anos depois, finalmente descobri!”, exclamou outra usuária. (Barb S.)

11. “Eu não estou me sentindo bem.”

Às vezes, uma queixa sobre dores no corpo pode ser apenas isso.
“Ou mais especificamente, ‘meu estômago está doendo’. Mesmo agora, meu estômago e meus sentimentos ainda são muito conectados”, acrescentou uma comentarista. (Carrie M.)

Sinais de ansiedade em crianças e adultos

Ansiedade nas criançasEm adultos e crianças, a ansiedade se refere aos sintomas mentais e físicos de leve a grave, que deixam a pessoa se sentindo desconfortável e nervosa.
Qualquer um pode desenvolver ansiedade e transtornos relacionados à ansiedade, como síndrome do pânico e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).
De natureza complexa, a ansiedade pode ser causada tanto por fatores mentais, como padrões de pensamentos negativos, quanto por fatores físicos, como a síndrome do intestino irritável (SII) e fatores sociais, como eventos traumáticos da vida.
Para adultos e crianças, os sintomas de ansiedade podem incluir:
  • Fadiga
  • Dificuldade de concentração ou “apagão”
  • Irritabilidade
  • Tensão muscular
  • Dificuldade em controlar a preocupação
  • Sentir-se enjoado, em pânico ou doente
  • Problemas de sono (por exemplo, inquietação, sono insatisfatório)
  • Sentir-se muito ansioso por estar com outras pessoas
  • Dificuldade em conversar com outras pessoas
  • Ficar constrangido ou com medo em torno de outras pessoas
  • Evitar situações e eventos sociais
  • Ficar vermelho, suando ou tremendo em torno de outras pessoas
  • Sentir-se enjoado ou com dor de estômago quando outras pessoas estão por perto
No entanto, quando se trata de crianças, você deve procurar por mais sinais físicos de ansiedade, pois as crianças podem não saber como expressar suas dificuldades mentais verbalmente.
Portanto, atente para esses sinais físicos de ansiedade nas crianças, que às vezes podem ser mal compreendidos como indicadores de outras doenças físicas ou problemas de aprendizado:
  • Mal equilíbrio (de tontura)
  • Batimento cardíaco acelerado
  • Dificuldade ao respirar
  • Mãos ou pés suados ou trêmulos
  • Reclamações sobre dores de cabeça, dores de estômago e cansaço
  • Silêncio e recusa em falar
  • Mudanças repentinas nos hábitos alimentares
  • Mudanças de humor
  • Querer ficar em casa ou com os pais o tempo todo
  • Querer evitar atividades sociais ou escola
  • Ataques de pânico e desmaios
  • Distúrbios do sono (por exemplo, pesadelos, insônia)
  • Irritabilidade e inquietação
  • Incapacidade de se concentrar
  • Mudanças repentinas nas notas
  • Baixa autoestima (por exemplo, dizer coisas negativas sobre si mesmos)

Tratando ansiedade em crianças

Ansiedade nas criançasSe o seu filho estiver passando por uma ansiedade que esteja interferindo no cotidiano e no seu funcionamento, você deve consultar um profissional médico para investigar as possíveis causas e explorar possíveis opções de tratamento.
As opções de tratamento para ansiedade, tanto para adultos como para crianças, podem incluir:
Terapia da fala e terapia cognitivo-comportamental (TCC). Para adultos, isso pode significar lidar com padrões de pensamento negativos com intervenções baseadas em conversas.
Para as crianças, isso pode significar situações de dramatização que as tornam ansiosas e praticar como agir em situações estressantes.
Terapia de grupo. Discutir ansiedade e buscar apoio social em um grupo de autoajuda pode ajudar a aliviar a ansiedade.
Aprender técnicas de gerenciamento de estresse. Adultos e crianças podem aprender técnicas de atenção plena e exercícios de meditação que podem ajudar a acalmá-los.
Exercícios leves, como 30 minutos de caminhada ou brincar ativamente com amigos, também podem ajudar a aliviar a ansiedade.
Buscar suporte social. Ter uma rede social forte, como pais que apoiam e amigos que não julgam, pode ajudar a manter a calma e buscar ajuda quando necessário.
Comer alimentos antiansiedade. Moderar alimentos que causam ansiedade, como cafeína ou grandes quantidades de açúcar e comer mais temperos e superalimentos ansiolíticos pode ajudar a aliviar a ansiedade.
Você deve, no entanto, consultar seu médico primeiro para ver se algum desses alimentos interferirá com qualquer medicação que você ou seu filho tome regularmente.
Tomar medicação, se necessário. Se a ansiedade é causada por problemas biológicos e neurológicos, como a química do cérebro, ou se outras intervenções não forem úteis, os antidepressivos e os ansiolíticos, como os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS ou SSRI) e os benzodiazepínicos, podem ajudar os adultos.
No entanto, os antidepressivos devem ser tomados com cautela quando se trata de crianças e adolescentes, pois podem ter efeitos colaterais de risco, como a ideação suicida.
Portanto, se você perceber que seu filho está passando por mudanças bruscas de humor, notas, níveis de energia e atitudes sobre ir à escola ou ir a eventos sociais, considere falar com eles sobre ansiedade.
Mesmo as queixas leves, quando repetidas o suficiente, podem se transformar em uma expressão codificada de ansiedade.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Healthy Holistic Living.
Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos!

 

Fonte:https://awebic.com/mente/criancas-ansiedade/?