STARTUPS - "A NOSSA SAÚDE MENTAL NUNCA ESTEVE TÃO PERTURBADA COMO AGORA"

Resultado de imagem para Startups


Startups


Resultado de imagem para Startups

Startups - “A nossa saúde mental nunca esteve tão perturbada como agora”


Por Ana Pimentel, Editora de Tecnologia e Startups
Não sei onde está a ler este email, mas se desviar os olhos do ecrã durante dois segundos e olhar à sua volta, atente nisto: uma em cada quatro pessoas que o rodeiam está a sofrer, já sofreu ou há-de vir a sofrer com uma depressão. Se lhe perguntar se está tudo bem, o mais provável é que responda: “Claro que sim e contigo?”. Se for à sua página de Facebook, Instagram, Twitter ou blogue, vai estar tudo melhor ainda: não faltará sentido de humor apurado sobre os mais diversos tópicos e polémicas, nem as fotografias em eventos e sítios de fazer inveja a todo e qualquer comum mortal que nunca tem tempo para nada.
O tema não é novo. A pressão das redes sociais e a epidemia da solidão digitalvieram enaltecer um estigma que é antigo e que todos nós conhecemos relativamente bem: que a depressão é coisa de “fracos” e que a ansiedade “está toda na nossa cabeça”. Quantas vezes já ouviu alguém dizer que “as tristezas não pagam dívidas”? Mas pagam: não há dívida mais prejudicial ao nosso bem-estar do que a emocional.
Alison Darcy conhece bem esta realidade: doutorada e investigadora em psicologia clínica na Universidade de Stanford, nos EUA, depois de ter trabalhado com pessoas que estavam mentalmente muito doentes, percebeu que quanto mais cedo chegasse a elas, melhor. E com um sistema de inteligência artificial que se socorre de táticas da psicologia cognitiva comportamental decidiu ajudar quem está emocionalmente mais vulnerável.Foi assim que nasceu o Woebot, um robô amarelo que tem pouco mais de um ano, com quem qualquer pessoa pode trocar mensagens (em inglês) sobre o seu estado de espírito.
A ideia não é a de substituir ajuda profissional, disse-me Alison, é a de encorajar a partilha entre humanos. Um sistema de inteligência artificial bem humorado pode ser bom para afastar um pensamento negativo, mas nunca substituirá aquilo que no fim do dia realmente interessa: quem esteve lá, quem perguntou, quem nos ouviu, quem nos abraçou e quem se lembrou.
Todos nós temos o nosso pequeno exército amarelo a quem recorrer. Usem o vosso, por favor
Fonte:https://observador.pt/