MULHERES DIZEM: 'AINDA AMO,MAS PERDI O TESÃO!" - A FALTA DE DESEJO SEXUAL FEMININO,CAUSAS E SOLUÇÕES

Resultado de imagem para falta de libido feminina

"Ainda o amo, mas perdi o tesão!"

Um dos momentos mais delicados da vida de um casal é quando, ainda existe amor, mas o tesão de um dos cônjuges diminuiu ou mesmo acabou.
O texto de hoje será dedicado, em especial, à diminuição do desejo sexual feminino. Na próxima semana daremos destaque à falta de desejo masculino.
A diminuição ou a perda do desejo sexual é influenciada por fatores fisiológicos, hormonais, endócrinos, psicológicos, culturais, religiosos dentre outros. As pessoas aprendem a inibir seus desejos de acordo com suas experiências pessoais.No início do relacionamentoé comum os beijos serem mais ardentes e as relações sexuais mais frequentes. Com o passar do tempo e com a rotina, para muitos casais, essa paixão vai diminuindo e a frequência sexual já não é a mesma do inicio do namoro.
Quero salientar que o tempo em si não acaba com o tesão, mas a forma como o casal se relaciona. Podemos citar como fatores que diminuem ou mesmo acabam com o desejo sexual, a falta de cuidado um com o outro, a falta de atenção, os problemas de comunicação, as brigas constantes, a falta de empatia e de compaixão, a falta de admiração e de respeito, disputa de poder na educação dos filhos, os valores divergentes, falta de tempo a dois e todas aquelas coisas do dia-a-dia que desgastam a relação.
A falta de vaidade e a baixa autoestima são variáveis que também merecem destaque.
O grande problema é que muitos casais se acomodam com a diminuição da frequência sexual e encontram várias desculpas para justificar a situação. A procura por ajuda de um especialista só acontece quando o parceiro se sente extremamente frustrado e rejeitado e a companheira já não tem mais interesse sexual.
Antes que este quadro se instale, é possível fazer uma autoanálise respondendo as perguntas abaixo sobre sua sexualidade durante os últimos seis meses:
  1. Acho-me atraente?
  2. Penso em sexo espontaneamente?
  3. Os preliminares (carícias, beijos, abraços etc.) me estimulam a continuar a relação sexual?
  4. Fico lubrificada durante a relação sexual?
  5. Durante a relação sexual, à medida que a excitação do meu parceiro vai aumentando, também me sinto mais estimulada para o sexo?
  6. Invento desculpas para evitar relações sexuais?
  7. Nego-me a ter relações sexuais?
  8. É difícil eu estar de bom humor para ter relações sexuais?
  9. Recuso as aproximações sexuais do meu par?
  10. Finjo estar dormindo para que meu par não tente ter relações sexuais comigo?
  11. Tenho discussões e brigas com meu par porque não desejo ter relações sexuais?
Se você se identificou com poucas questões, então algumas mudanças no comportamento do casal já seriam suficientes.
Coloque a imaginação em prática para solucionar os problemas relacionados à rotina. Planejar um final de semana a dois num local diferente, mudar os horários e os ambientes em que vocês costumam fazer sexo e tentar colocar alguma fantasia em prática podem ajudar.
Filhos requerem muita atenção, principalmente quando são pequenos, então peça ajuda aos familiares e aos amigos. Habituem deixar as crianças na casa dos seus pais, irmãos ou amigos uma vez por semana. Com a casa vazia vocês poderão tomar um bom vinho, explorar novos espaços, assistir a um filmeque aflore a fantasia do casal e terem uma noite de sexo com qualidade, sem pressa e sem interrupções.
Mas se você respondeu não para a maioria das perguntas de 1 a 5 e respondeu não para as perguntas de 6 a 11 já é hora de buscar a ajuda de um terapeuta sexual.
Para iniciar uma terapia sexual é importante que sejam descartadas quaisquer possibilidades de causas orgânicas, como por exemplo, doenças da tireoide, problemas hormonais, uso de medicação como os psicotrópicos etc. Alguns fatores orgânicos necessitam ser investigados para que o terapeuta tenha certeza de que os fatores que estão influenciando na inibição do desejo do paciente são, exclusivamente, por questões psicológicas.
Pela minha experiência, a maiorias dos fatores que explicam as disfunções sexuais são de origem psicológica e a terapia sexual é o tratamento apropriado.
Trabalhar terapeuticamente os conflitos emocionais e as crenças limitantes do cliente, concomitantemente com as técnicas sexuais que vai realizar na privacidade do seu lar, é de grande importância para o sucesso da terapia. A participação do parceiro também é imprescindível, a fim de se trabalhar os aspectos sexuais como também o relacionamento conjugal.
Uma vida sexual prazerosa e de qualidade melhora o sistema imunológico, reduz o estresse, aumenta a autoestima, melhora a qualidade do sono, aumenta a conexão entre o casal e afeta positivamente o desempenho no trabalho.
Então não abra mão de viver uma vida em sua plenitude. Se você já identificou que algo não vai bem, busque ajuda de um terapeuta sexual.
Fonte:https://oficinadepsicologia.com/ainda-o-amo-mas-perdi-o-tesao/

Falta de desejo sexual: possíveis causas e como contornar a situação

FOTO: ISTOCK
A falta de apetite sexual é mais comum do que muitos podem pensar. Cada um tem seu tempo e sua maneira de lidar com o sexo e com as necessidades sexuais. Por isso, dependendo da necessidade e da vontade de cada um e de cada casal, a falta de desejo pode representar desde um simples momento passageiro, até algum problema mais incômodo que deve ser avaliado.

A falta de apetite sexual é mais comum do que se imagina. Conheça os principais motivos da queda da libido faminina e como solucioná-los

Não é incomum que as mulheres caiam na clássica armadilha da comparação: se meu parceiro tem desejos sexuais muito mais frequentes e constantes, qual será o problema comigo? O primeiro erro pode se encontrar nessa reflexão. Para começar, a maneira como o desejo sexual acontece é diferente para cada pessoa e também é diferente entre os gêneros.
Muitas mulheres sofrem diariamente com medo de não conseguirem satisfazer o parceiro sexualmente tanto quanto gostariam. Claro que receber carinhos é muito importante para que uma pessoa se sinta amada mas, apesar do sexo ser um fator importante no relacionamento (em diferentes intensidades dependendo de cada casal), ele não deve ser o único termômetro para o amor.
Saiba mais sobre as causas da falta de desejo sexual e o que pode te ajudar a reverter essa situação de maneira saudável e simples.

O que pode causar a falta de desejo sexual?


FOTO: ISTOCK
A falta de desejo pode ser temporária e, dessa forma, mais do que normal levando-se em conta de que todos têm ciclos e questões pessoais, ou, pode ser uma condição mais duradoura e, nesse caso, significar algum problema físico ou emocional.
Para tentar identificar qual o seu caso comece avaliando o que pode estar acontecendo. Há quanto tempo você se sente sem vontade? Há algum desconforto físico que tem tirado seu desejo? Alguma angústia relacionada a outros fatores da vida ou um episódio que desencadeou essa situação? Essa busca íntima por detalhes vai ser essencial para o entendimento e, consequentemente, para contornar a situação.
De acordo com o Dr. Domingos Mantelli, ginecologista e obstetra da Clínica Mantelli, o desejo sexual feminino é regido por dois fatores principais: hormônios e emoções: “qualquer um desses fatores que sofra mudanças acaba por alterar totalmente o organismo da mulher, principalmente a libido”. Por isso, é primordial buscar desvendar qual pode ser o motivo da falta de desejo. Entre os mais comuns estão:

Oscilação Hormonal


FOTO: ISTOCK
Tanto a queda quanto o aumento da libido feminina podem ser causados por oscilação hormonal. Aí estão incluídas também a menopausa, a gravidez e as alterações ocorridas durante o ciclo menstrual.

Alterações emocionais


FOTO: ISTOCK
Estados emocionais alterados, como uma depressão, a perda de um parente ou amigo, o estresse e a ansiedade podem influenciar no desejo sexual da mulher. O tesão feminino está diretamente relacionado ao campo emocional. Desde algum simples problema pessoal com o parceiro até um dos maiores vilões do apetite sexual, a depressão, na maioria dos casos o problema de falta de desejo está relacionado à questões psicológicas ou emocionais que podem gerar um bloqueio sexual.

Desconforto físico


FOTO: ISTOCK
Dor durante a penetração, cólicas, corrimento, vaginite ou até mesmo o cansaço do dia a dia também são grandes influenciadores da libido feminina. Em caso de desconforto físico na hora do sexo, se não for algo facilmente identificável, como uma cólica passageira, é indicado procurar por um especialista para que seja feita uma análise mais profunda das causas e dos tratamentos possíveis.

Repressão sexual


FOTO: ISTOCK
Histórica e culturalmente, a liberdade e o prazer sexual feminino são vistos como tabu. Desde pequenas, as meninas são impedidas de buscar pelo prazer e conhecer seu corpo. Esse é um motivo mais do que comum e que hoje, felizmente, tem enfraquecido diante dos debates e do incentivo à busca do prazer pela mulher. Se o sexo for feito pensando na satisfação de apenas um lado, vai ser difícil que haja realmente uma vontade verdadeira da parte da mulher. Uma vida sexual realmente saudável depende da satisfação de ambos os lados.

Rotina


FOTO: ISTOCK
O cansaço e o estresse da rotina, do trabalho, do cuidado dos filhos, entre outros diversos fatores, também influenciam no apetite sexual. Após um dia longo e cansativo, é mais do que plausível que você não esteja a fim de sexo. Problemas conjugais com o parceiro também são grandes causadores da falta de desejo.
Portanto, a recomendação mais importante é primeiramente buscar o motivo da perda da libido e, se necessário, procurar um ginecologista ou um psicólogo para identificar as causas que estão provocando o desinteresse sexual – desse jeito será mais fácil descobrir a melhor maneira de resolver a situação.

7 maneiras de aumentar seu desejo sexual


FOTO: ISTOCK
A psicóloga Lizandra Arita considera que é muito importante que se investigue se existe algum bloqueio em relação ao sexo: “pois se houver qualquer questão emocional bloqueando o sexo, deverá ser feita uma investigação com o terapeuta ou psicólogo e muita vontade da paciente em mudar”. Se o problema não for provocado por bloqueios psicológicos, algumas dicas simples podem ajudar:
1. Proporcionar ambientes relaxantes: “Pessoas estressadas não têm desejo sexual, isso é fato! Então, é preciso deixar os problemas para fora do quarto, relaxar e proporcionar um ambiente livre das preocupações e das cobranças”, aponta Lizandra.

2. Sentimento é afrodisíaco: se você não sente segurança no amor do parceiro, é bem provável que o desejo caia. Mulheres que se sentem amadas têm a libido mais em alta, já que sexo tem a ver com o emocional feminino. E essa segurança precisa ser genuína e verdadeira, pois não basta o parceiro demonstrar o amor e a mulher não sentir. É preciso que você se sinta segura.
3. Se conheça e se ame: o autoconhecimento do seu corpo e dos seus ciclos é fundamental para entender como funciona a sua libido. Quanto mais você se conhece, mais você tende a se amar e, dessa forma, gostando de si, vai ser mais fácil sentir prazer.
4. Deixar de lado grandes rituais: a psicóloga Lizandra Arita sugere que existem alguns fatores externos como um jantar especial, uma noite romântica, um bom vinho, que podem acender o desejo por criar um clima propício ao sexo. “Mas retirar as exigências para o sexo também pode deixar tudo mais fluido. Casualmente, olhar para o parceiro, dar um abraço, um beijo e se soltar para o sexo em qualquer horário, sem tantas exigências, pode funcionar.”
5. Quanto mais sexo, mais desejo: fazer sexo aumenta o desejo sexual. Quanto mais você fizer, mais desejo terá. De acordo com Lizandra Arita “essa é a regra do corpo e da mente. Tudo começa na mente. Exatamente tudo, inclusive as questões físicas. Portanto, pensar em sexo é algo que funciona muito para ativar a libido no corpo. Preparar uma cena interna, se cuidar, passar um hidratante, escolher uma lingerie. Esses são pequenos rituais particulares da mulher, que vão preparando sua mente para ativar o desejo sexual”.
6. “Viagra feminino”: já existem no mercado medicamentos que prometem aumentar a libido feminina. Eles são indicados principalmente para mulheres na menopausa ou com perda severa do interesse sexual. Tais medicamentos agem no sistema nervoso e os testes têm demonstrado bons resultados. Mas, para começar este tipo de tratamento, será necessária uma prescrição médica.
7. Corpo são, mente sã: uma das maneiras mais simples e eficazes de aumentar o apetite sexual é fazendo exercícios físicos regularmente. Os motivos de funcionar tão bem são simples: a atividade física aumenta a autoestima, mexe com os níveis de testosterona (um dos principais hormônios ligados ao sexo e à sensação de bem-estar) e mantém seu organismo em bom funcionamento, evitando a fadiga mental e o estresse.
Uma vida sexual saudável é um dos pontos chaves para a realização pessoal. Por isso, talvez a dica mais importante em casos de falta de desejo sexual seja: é possível resolver, então não se acomode. Principalmente se essa situação traz desconforto pessoal ou conjugal. Aceitar os ciclos naturais do seu corpo é fundamental, assim como investigar os possíveis motivos dessa alteração. Então, use e abuse das nossas dicas para deixar sua vida sexual nos trinques!
Fonte:https://www.dicasdemulher.com.br/falta-de-desejo-sexual/