ÍNDIA: UMA EXPERIÊNCIA PROFUNDAMENTE IMPACTANTE

Imagem relacionada

Índia

Uma experiência profundamente impactante.


Imagem

Relatos de 2016 para reviver em 2018.


Por Tiago Botelho (Lisbon Yoga Festival 2017)


Muito se fala da Índia como o berço de uma das mais antigas civilizações, rica em inúmeras tradições, também elas ancestrais, com uma mística muito própria que a transformam num dos locais mais apetecíveis para visitar.

Foi tudo isto, e muito mais, que me levou, em 2016, a embarcar na aventura desta viagem. 

Começar por dizer que a Índia é enorme e que a minha passagem por estas terras foi relativamente curta e limitada, não podendo expressar uma opinião global sobre este país, que é só 35 vezes maior do Portugal e que é o segundo país mais populoso do mundo, com mais de 1 bilhão de habitantes. 

Uma das impressões que fica da Índia é que, tudo é muito. Muito diferente, muito grande, muita gente, muito barulho, muito trânsito, muita poluição, muita pobreza e também muito diversificado, muito bonito, muito místico, muito espiritual, muito colorido, muito aromático, muito enriquecedor, muito profundo ... Como se pode perceber, alguns destes muitos até podem parecer opostos. Mas é mesmo assim, uma vida cheia de contrastes, e estes, na Índia, são mais do que muitos.

Na verdade, a Índia parece-me que não deixa ninguém indiferente. Uns por uns motivos outros por outros, mas toca profundamente todos aqueles que por lá passam. 

A minha experiência resume-se à zona norte, a 3 dos 28 estados que constituem a Índia (Rajastão, Uttar Pradesh e Uttarakhand) e a locais como Delhi, Jaipur, Pushkar, Agra, Varanasi, Sarnath e Rishikesh.

Em 2018, visitaremos “apenas” Delhi, Pushkar, Varanasi e Rishikesh, para que possamos aprofundar a vivência em cada um destes locais.

Cada um dos locais apresenta experiências únicas e diferenças consideráveis entre si. A chegada a Delhi é o primeiro embate com uma realidade tão diferente da nossa. Uma metrópole com mais de 10 milhões de habitantes, que vive entre a pobreza extrema de alguns e os SUV’s e iPhones de última geração de outros. Entre as pessoas que dormem no passeio junto ao seu riquexó, e aqueles que vivem em zona semelhantes ao nosso Restelo em Lisboa ou Av. da Boavista no Porto. É uma cidade que acorda cedo com um trânsito caótico. São milhares e milhares de carros, motas, riquexós, bicicletas e muitas, muitas buzinas. Aliás a bizuna pareceu-se ser o denominador comum de todos os locais por onde passámos. O tom de fundo quase sempre presente. Ao principio enerva confesso, mas depois, como tudo na vida, habituamo-nos.

Descendo para Pushkar, o berço da criação na mitologia Hindu, deparamo-nos com uma cidade mais pequena e calma, hippie-cool e que é um dos cinco locais sagrados e de peregrinação obrigatória para todo o Hindu. Nós não somos, mas foi um prazer estar por lá. 
Fica à beira do lago sagrado, miticamente criado por uma flor de lótus deixada cair por Brahma. Ai encontramos o único templo no mundo dedicado a Brahma, onde se pode participar na cerimónia (puja) diária, em adoração ao criador Brahma. São mais de 50 ghats e cerca de 400 templos (grande parte deles azul celeste) em torno deste lago. A experiência de ver o sol nascer e meditar junto ao lago, foi das mais marcantes de toda a viagem. Sentir os primeiros raios de sol e assistir aos rituais realizados por homens e mulheres de todas as idades, sob o olhar atento e paciente de algumas vacas que vão passeando pelo local, é uma imagem que nunca mais se esquece.


Falando em ghats, é importante explicar a sua importância em vários locais sagrados da índia como Pushkar, Varanasi, Haridwar ou Rishikesh. São basicamente escadarias que ligam a população a um corpo de água sagrado, onde se fazem vários rituais, depositando oferendas como flores, incenso ou velas e se pede a bênção e proteção aos deuses.


Em Varanasi, estes mesmo ghats assumem um papel único, pois são neles, junto ao rio Ganges, que se procedem, dia e noite, às cremações. Algo que é indescritível. Na verdade, sinto que aceitam esse momento como uma passagem, entregando-se ao fluir do rio. Varanasi é definitivamente uma experiência só por si. As ruelas super estreitas, onde convivem vacas, cães, pessoas, lojas, scooters, e muito mais, num labirinto em que muito facilmente perdemos o norte. Como aconteceu algumas vezes. O bom é que tudo acaba por nos levar até ao Ganges e aí, através dos ghats, é mais fácil encontrarmos o caminho para a guest house. 


Este é outro assunto sui generis na India – o alojamento. Aquilo que entendemos por limpeza, nem sempre é o mesmo que o indiano. Aquilo que entendemos por água quente, nem sempre é o mesmo que o indiano. Aquilo que entendemos por pequeno almoço, nem sempre é o mesmo que o indiano. Ora bem. Dormir, pode ser uma experiência pouco reconfortante aqui e ali, mas o melhor é colocar os nossos padrões ocidentais de lado, e, se for o caso, pedir para colocar lenções lavados à nossa frente e descansar o melhor que se pode, porque o dia seguinte é sempre longo. 


Saltemos para Rishikesh, a nossa última paragem e local que se distingue de todos os outros. Deixámos a confusão das cidades maiores e, apesar da buzina continuar a fazer parte do nosso dia-a-dia, já nem lhe ligamos. Estamos no sopé dos Himalaias, à beira do sagrado rio Ganges, que aqui se apresenta limpo e convida a um banho, não fosse a temperatura da água ser tão baixa. Mas, como nunca sabemos se lá vamos voltar, o melhor é não perder a oportunidade e, descer o rio num barco de rafting, para mergulhar mesmo no meio de um dos rápidos. Entre as duas famosas pontes de Ram Jhula e Laxman Jhula, encontramos, dos dois lados das margens, uma concentração espiritual. Claro que, no meio de muito negócio e comércio, a cada porta ou esquina. Mas de facto, Rishikesh, considerada o epicentro mundial do yoga, é um local muito especial e profundo. Estamos no meio da natureza, com montanhas de uma vegetação densa a todo o nosso redor e somos levados a olhar para o rio a cada passo que damos. O rio é uma presença constante e que nos dá uma serenidade e um fluxo interno impar. Há aqui uma tradição, que tem passado de geração em geração e que tem trazido a este local, grandes pessoas, que marcam a história do yoga, do conhecimento védico e da espiritualidade de forma impar. Poder meditar no pequeno o modesto kutir (local de refúgio) de Swami Sivananda (um dos mais influentes mestres do yoga moderno), sem ninguém a teu lado, apenas com uma enorme fotografia do mesmo à tua frente, é inarrável. É também um local onde hoje coabitam pessoas de todo o mundo, que comungam de um mesmo principio: a união. Seja a união entre as próprias pessoas, seja entre corpo, mente e espírito, seja entre os dois lados do rio. Na verdade, Rishikesh é mesmo isso, um local de profunda união contigo e com tudo o que te rodeia. Na verdade, este é para mim, o espírito profundo da mãe Índia.


Fonte:https://www.portoyogafestival.com/blog/category/iacutendia

Resultado de imagem para Rajastão