ARTE RUPESTRE,A MAIS ANTIGA REPRESENTAÇÃO ARTÍSTICA,GRAVURA OU PINTURA DA HISTÓRIA DO HOMEM


Imagem relacionada

ARTE RUPESTRE,A MAIS ANTIGA REPRESENTAÇÃO ARTÍSTICA,GRAVURA OU PINTURA DA HISTÓRIA DO HOMEM


Arte rupestre é o nome da mais antiga representação artística da história do homem. Os mais antigos indícios dessa arte são datados no período Paleolítico Superior (40.000 a.C.); consistiam em pinturas e desenhos gravados em paredes e tetos das cavernas. Isso demonstra que o homem pré-histórico já sentia a necessidade de expressão através das artes, algo inerente ao ser humano. 

As representações feitas nas cavernas eram de grandes animais selvagens, na tentativa de tentar reproduzir as caçadas da forma mais real possível. O homem pré-histórico usava ossos de animais, cerâmicas e pedras como pincéis, além de fabricar suas próprias tinturas através de folhas de árvores, sangue de animais e excrementos humanos.



Émile Cartilhac, um dos mais respeitados historiadores da Pré-História do final do século XIX, acreditava que as manifestações artísticas feitas nas cavernas eram algo de autoria dos criacionistas (aqueles que crêem que Deus criou o universo), pois assim, eles poderiam desmentir a teoria evolucionista de Charles Darwin, visto segundo ela, o homem da época não era dotado de capacidade suficiente para fazer aquilo. 

No entanto, a veracidade da arte rupestre foi comprovada mediante recentes reavaliações, demonstrando o alto nível de capacidade de arte do homem pré-histórico, que, com ferramentas básicas, produziu manifestações artísticas bastante relevantes para sua época, transformando as cavernas nos primeiros museus da humanidade. Os principais sítios de arte rupestre estão localizados na França, norte da Espanha, Itália, Portugal e Alemanha.




O que é arte rupestre?


A arte rupestre foi a primeira manifestação artística realizada pelos humanos ainda na Pré-história, demonstrando um grande refinamento de formas e de abstração.A caverna de Altamira, na Espanha, detém alguns dos principais exemplos de arte rupestre, como esse cavalo exposto em uma de suas paredes

A caverna de Altamira, na Espanha, detém alguns dos principais exemplos de arte rupestre, como esse cavalo exposto em uma de suas paredes

Arte rupestre é o nome dado às primeiras produções artísticas realizadas pelos seres humanos durante a Pré-história. Essa produção artística surgiu ainda durante o período Paleolítico, em torno de 30 mil anos atrás, e continuou a ser praticada durante o período subsequente, o Neolítico.
A arte rupestre consistiu principalmente em pinturas feitas nas paredes de cavernas, mas também foram verificadas outras manifestações, notadamente as esculturas e as cerâmicas, em período mais recente.
As imagens consistiram principalmente na representação de animais, de seres humanos, de objetos celestes e de figuras híbridas de humanos e animais. Várias cenas de caçadas eram também representadas nas pinturas.
Selo grego comemorativo do Ano Internacional da Mulher estampando uma divindade feminina do Neolítico *
Selo grego comemorativo do Ano Internacional da Mulher estampando uma divindade feminina do Neolítico *
Estudiosos do tema apontam que a representação das caçadas tinha também uma dimensão que transcendia a representação, já que possivelmente às pessoas da época, ao pintar um animal na parede, estavam elas colocando naquele espaço os próprios animais. Ao atacar os animais nas cenas de caçadas, as pessoas enfraqueceriam os animais antes da prática real de busca de alimentos, situação que os favoreceria posteriormente.
Os materiais utilizados para as pinturas eram pedaços de carvão de suas fogueiras e outras substâncias usadas na coloração. Ossos, chifres e dentes eram também utilizados na confecção de esculturas que também expressavam situações e seres do cotidiano das pessoas da Pré-história.
Apesar de ser uma arte primitiva, não se pode considerá-la inferior ao que é feito na contemporaneidade. O refinamento das formas e a diversidade da produção são consideradas de grande qualidade.
Exemplos de arte rupestre podem ser encontrados nas cavernas de Altamira, na Espanha, e de Lascaux e de Chauvet, na França. Uma dos exemplos mais conhecidos de esculturas do período pré-histórico é a denominada Vênus de Willendorf, uma escultura que representa a figura feminina e possivelmente também a fertilidade dos ciclos agrícolas.
* Crédito da Imagem: Lefteris Papaulakis e Shutterstock.com

Por Me. Tales Pinto
Fonte:https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-e-arte-rupestre.htm

Arte Rupestre


Conhecida também como gravura ou pintura rupestre, a arte rupestre surgiu durante o Paleolítico Superior (cerca de 40.000 a.C.) e simbolizava as manifestações artísticas dos povos antigos. Em 1902, pesquisadores concordaram que esses achados representavam a arte na pré-história.
Basicamente, eram representações gráficas, através de desenhos, símbolos e sinais, em paredes, tetos e outras superfícies de cavernas. Esse tipo de arte é conhecido como a expressão artística mais antiga da história.
Extrato de folhas, sangue de animais e fragmentos de rochas eram utilizados para tingir na parede pinturas de seus próprios hábitos, como a caça de animais (acreditavam que a pintura de uma caça bem sucedida se refletiria na realidade), danças, lutas corporais e rituais.
Os costumes e a rotina do homem pré-histórico eram reproduzidos nas cavernas, de maneira individual, ou coletiva, até mesmo partos e relações sexuais eram registrados. Há estudos que investigam a possibilidade dessa atividade ser dotada de um sentido especial para o homem primitivo, pois a produção de arte rupestre se distanciava de suas aldeias.
A pintura rupestre não se limitava apenas a registros do cotidiano, mas abrangia também aspectos religiosos da pré-história. Círculos, espirais, cruzes e outros objetos geométricos eram pintados, tornando a interpretação disso mais complexa e misteriosa. Isso demonstra o desafio enfrentado por arqueólogos e paleontólogos envolvidos nas pesquisas a respeito.
Observa-se que naqueles tempos já havia noção de proporção na pintura e que o homem procurava destacar um objeto com diferentes tonalidades, apesar de ser totalmente desprovido de senso estético.

Arte Rupestre no Brasil e no Mundo

Em todos os continentes é possível observar a pintura rupestre e, através dela, os pesquisadores conseguem obter estudos e informações da cultura primitiva. São mais de 400 mil sítios arqueológicos que contêm arte rupestre.
No Brasil, por exemplo, é possível encontrar vários sítios de arte rupestre pré-histórica. O maior deles se encontra no Parque Nacional da Serra da Capivara, na cidade de São Raimundo Nonato, no estado do Piauí. Outros parques brasileiros com sítios de arte rupestre:
  • Peruaçu, em Minas Gerais;
  • Lagoa Santa, em Minas Gerais;
  • Rondonópolis, no Mato Grosso;
  • Cariris Velhos, na Paraíba e
  • Parque Nacional Sete Cidades, no Piauí.
Em outros países, é possível encontrar os sítios na Caverna de Les Trois-Frères, Complexo de Cavernas de Lascaux, ambos na França e a última uma das de maior reconhecimento mundial e patrimônio da Unesco, Caverna de Altamira, na Espanha e Vale Camonica, na Itália.

Apesar de ser considerado um patrimônio da humanidade, a arte rupestre não é devidamente preservada, principalmente a brasileira, pois sofre ação de queimadas e depredação turística. Veja algumas imagens da arte rupestre:
Arte Rupestre Brasil Mundo


Fonte:http://historia-da-arte.info/arte-na-pre-historia/arte-rupestre.html


ARTE RUPESTRE- VÍDEOS DOCUMENTAIS









Arte na Pré-História - Arte Rupestre - Arte Primitiva


História da arte na pré-história, as características da arte rupestre, pinturas em cavernas, arte primitiva dos povos nativos, representação artística do tempo das cavernas, esculturas primitivas, arte indígena.


Introdução 

Há cerca de 40 mil anos, os homens pré-históricos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem a escrita, eles eram capazes de produzir obras de arte. A arte rupestre é composta por representações gráficas (desenhos, símbolos, sinais), feitas em paredes de cavernas ou nas superfícies de rochas de grande porte, pelos homens da Pré-História. Elas são de fundamental importância para o estudo da Pré-história, pois fornecem dados e informações para o entendimento do desenvolvimento cultural desta época.

Características principais da arte rupestre

O homem pré-histórico era capaz de se expressar artisticamente através dos desenhos que fazia nas paredes de suas cavernas. Suas pinturas mostravam os animais e pessoas do período em que vivia, além de cenas de seu cotidiano (caça, rituais, danças, alimentação, etc.). Expressava-se também através de suas esculturas em madeira, osso e pedra. O estudo desta forma de expressão contribui com os conhecimentos que os cientistas têm a respeito do dia a dia dos povos antigos.

Para fazerem as pinturas nas paredes de cavernas, os homens da Pré-História usavam sangue de animais, saliva, fragmentos de rochas, argila, etc. 

Foto de uma pintura rupestre: a arte na pré-história
 Foto de uma pintura rupestre: a arte na pré-história

Arte indígena 

Além da arte pré-histórica vista no parágrafo acima, há outro tipo de arte primitiva: a realizada pelos índios e outros povos que habitavam a América antes da chegada de Cristóvão Colombo. Os povos: maias, astecas e incas são representantes da arte pré-colombiana. A história destes povos é contada através de sua arte (pinturas, esculturas e templos grandiosos, construídos com pedras ou materiais preciosos). 

Arte Primitiva na atualidade

Nos dias de hoje também é possível encontrar arte primitiva; alguns exemplos são as máscaras para rituais, esculturas e pinturas que são feitas pelos negros africanos. Há ainda a arte primitiva entre os nativos da Oceania e também entre os índios americanos, que fazem objetos de arte primitiva muito apreciados entre os povos atuais. 



Pintura rupestre do Parque Nacional da Serra da Capivara (Toca do Boqueirão da Pedra Furada)


Locais com pinturas rupestres no Brasil:

- Parque Nacional da Serra da Capivara em São Raimundo Nonato (Piauí)

- Parque Nacional Sete Cidades (Piauí)

- Cariris Velhos (Paraíba)

- Lagoa Santa (Minas Gerais)

- Rondonópolis (Mato Grosso)

- Sítio arqueológico da Serra do Cabral (Minas Gerais)

- Serra do Gentio, Serra do Garimpo e Pedra Pintada (Cocais, Minas Gerais).

- Peruaçu (Minas Gerais)

Locais com pinturas rupestres na Europa:

- Caverna de Les Trois-Frères - França (pinturas rupestres do Paleolítico Superior);

- Complexo de Cavernas de Lascaux - França (uma das mais conhecidas do mundo e Patrimônio Mundial da UNESCO);

- Caverna de Altamira - cidade de Santander na Espanha (arte rupestre do período Paleolítico Superior);

- Arte Rupestre do Val Camonica - Itália (pinturas feitas na Idade do Ferro).

Curiosidade:

- As pinturas rupestres mais antigas já encontradas estão na gruta de El Castillo, na província da Cantábria (Espanha). Elas foram feitas a, aproximadamente, quarenta mil anos e retratam imagens de animais e desenhos de mãos humanas. Todas as pinturas foram feitas na cor vermelha.

Bibliografia Indicada

- Brasil Rupestre - Arte Pré-Histórica Brasileira
  Autor: Prous, Andre; Jorge, Marcos; Ribeiro, Loredana
  Editora: Zencrane

- Arte Rupestre na Amazônia Pará
  Autor: Pereira, Edithe
  Editora: UNESP

Arte Pré-Histórica

Características e exemplos da arte pré-histórica, pinturas rupestres, manifestações artísticas no paleolítico, neolítico, resumo, arte cerâmica na Pré-História, esculturas

Introdução

Graças à Arqueologia, muitos aspectos artísticos do período pré-histórico puderam ser conhecidos e analisados. Mesmo apresentando uma vida mais simples e rústica em relação às culturas posteriores, os homens da Pré-História criaram arte como parte de sua vida cultural.

Arte no Paleolítico

As pinturas rupestres podem ser consideradas uma das principais manifestações artísticas do período. Eram feitas pelos homens pré-históricos, principalmente, em paredes de cavernas. Estes usavam, geralmente, sangue de animais e carvão para elaborarem os desenhos. As pinturas representavam a vida cotidiana destes homens e mulheres como, por exemplo, cenas de caça, danças, relações sexuais e animais conhecidos.

Outro exemplo de arte paleolítica são as esculturas feitas de argila. Estas esculturas eram, em sua maioria, pequenas estátuas representando a figura feminina com ênfase para a fertilidade. Muitos arqueólogos afirmam que estas estátuas eram usadas em espécies de cultos relacionados à sexualidade e fertilidade. As mulheres representadas nestas esculturas, geralmente, apresentam traços físicos (seios, barriga e quadril) exagerados.

Arte no Neolítico

Com a prática da agricultura e a sedentarização, a vida do homem pré-histórico se transformou e teve reflexos significativos na arte.

No Neolítico, a arte cerâmica teve um grande avanço. Além de esculturas (estatuetas de animais e seres humanos com traços mais próximos da realidade), a decoração de vasos cerâmicos deu um grande avanço.

Outro importante exemplo da arte no Neolítico são os monumentos megalíticos encontrados, principalmente, na Europa. O mais conhecido deles é o Stonehenge, localizado no sul da Inglaterra.

Também podemos destacar neste período os túmulos de pedra com presença de pinturas e relevos. De acordo com muitos arqueólogos, esta expressão artística estava ligada diretamente com questões religiosas.


Pintura rupestre: exemplo de arte pré-histórica do Paleolítico

Pintura rupestre: exemplo de arte pré-histórica do Paleolítico


Fonte:https://www.suapesquisa.com/artesliteratura/arte_pre_historica.htm

Sobre Arte rupestre


Se hoje os pintores compram suas tintas e pinceis, no passado suas ferramentas eram bastante diferentes. Utilizavam terra colorida, sangue e pelos de animais para criar imagens de silhuetas de grandes feras em paredes e tetos de escuras e quase inacessíveis cavernas.

Arte Rupestre em rocha nos EUA. Foto: Mark Herreid / Shutterstock.comArte Rupestre em rocha nos EUA. Foto: Mark Herreid / Shutterstock.com
Usa-se o termo arte rupestre para designar as inúmeras pinturas encontradas no interior de cavernas pré-históricas por todo mundo. Mas será que os desbravadores dessas cavernas que a usavam como tela para seus desenhos tinham a intenção de fazer arte? Este é uma questão quase impossível de responder, hoje tratamos essas representações como arte em função das suas qualidades técnicas, no entanto a hipótese mais aceita entre os historiadores é de que, nossos antepassados pensavam e criavam essas imagens como algo, acima de tudo, utilitárias. Assim é quase certo que nossos antepassados não penetrariam cavernas tão inacessíveis com o simples propósito de decora-las.
A sugestão mais viável para tal feito é de que esses homens e mulheres primitivos que viviam essencialmente da caça, acreditavam no “poder das imagens” que desenhavam, ou seja, eles imaginavam que criando imagens de suas presas em situação de caça, os animais reais também se renderiam às suas caças. Assim as criações dessas imagens poderiam servir como uma espécie de magia para uma caça bem sucedida. Mesmo assim é difícil afirmar com exatidão o significado e função dessas imagens, exceto que elas nos trazem valiosas pistas acerca da cultura e modo de vida dessas antigas civilizações e, principalmente, que nossos antepassados possuíam uma capacidade simbólica, intelectual e artística similar ao homem contemporâneo.
A maioria dessas pinturas, feitas com restos de carvão, pigmentos de plantas e terra colorida, combinadas ao sangue de animais, representavam animais selvagens, pessoas, geralmente em situação de caça, plantas e símbolos abstratos. Para tanto usavam pinceis feitos com pelos de animais e as próprias mãos. Em outros casos, suas mãos serviam como uma espécie de carimbo nas paredes.
Arte rupestre. Foto: Janelle Lugge / Shutterstock.com
Arte rupestre. Foto: Janelle Lugge / Shutterstock.com
Em muitos países do mundo encontram-se cavernas com pinturas rupestres, uma das mais famosas cavernas – Lascaux - localiza-se ao sul da França e foi descoberta em 1940 por um grupo de jovens. Desde então vários historiadores a visitaram com a intenção de estuda-la e descreve-la. Atualmente a caverna não pode ser visitada por turistas para evitar eventuais prejuízos as pinturas. Pesquisas sugerem que esses desenhos datam de aproximadamente 17.000 anos atrás, embora existam outras pinturas rupestres muito mais antigas como as encontradas na gruta de El Castillo, na Espanha que datam de 40.000 anos atrás.
Caverna de Lascaux, França. Foto: Everett - Art / Shutterstock.com
Caverna de Lascaux, França. Foto: Everett - Art / Shutterstock.com
No Brasil também é possível encontrar manifestação de pinturas rupestres por todo território nacional. Um dos mais estudados e importante sítio arqueológico fica no Parque Nacional da Serra da Capivara no Piauí. Tem o maior acervo do continente americano e é, assim como a caverna de Lascaux na França, considerado Patrimônio Mundial da Unesco.

Mestre em Artes Visuais (UDESC, 2010)
Graduada em Licenciatura em Desenho e Plástica (UFSM, 2008
)


Referências bibliográficas:
Arte Rupestre. Disponível em: < http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo5354/arte-rupestre >.
Arte rupestre encontrada na Espanha tem 40 mil anos, diz estudo. Disponível em: <http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/06/na-espanha-primera-arte-rupestre-do-mundo-tem-40-mil-anos-revela-estudo.html>.
GOMBRICH, E.H. A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 2013

Fonte:

O BEIJO. E MAIS DEZ OBRAS-PRIMAS DA ARTE RUPESTRE PRÉ-HISTÓRICA




Por: Luis Pellegrini



A tradição das pinturas rupestres – obras de arte que utilizam as paredes de cavernas e de rochedos como suporte – existe desde que o homem surgiu na face da Terra. Os sítios onde elas podem ser admiradas estão espalhados por todos os continentes, e certamente constituem a prova mais evidente e tangível de que o ser humano, desde as origens, não pode prescindir da criatividade artística como uma das suas prerrogativas mais importantes.

A Pedra Furada, formação geológica que dá nome ao parque.
A Pedra Furada, formação geológica que dá nome ao parque.

Alguns desses sítios, como os da Serra da Capivara, no Brasil, Lascaux e Chauvet na França, Altamira na Espanha, e tantos outros, são verdadeiras galerias de arte de surpreendente alta qualidade capazes de deixar não apenas os turistas visitantes, mas também os grandes especialistas literalmente de queixo caído quando as contemplam. Há obras cuja qualidade técnica rivaliza e até mesmo supera as capacidades dos melhores artistas contemporâneos.

A arqueóloga franco-brasileira Niède Guidon, diretora e mentora do Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí.
A arqueóloga franco-brasileira Niède Guidon, diretora e mentora do Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí

Apesar do seu inigualável valor artístico, histórico e cultural, no Brasil, nossas autoridades dedicam pouca ou nenhuma atenção a tais sítios. No que diz respeito ao maior e mais importante deles, o Sítio da Pedra Furada, na Serra da Capivara, sul do Piauí, o descaso chegou a tal ponto que a arqueóloga Niède Guidon, diretora e mentora do parque preferiu recentemente, em desespero de causa, fechar suas portas e parar todas as atividades. As verbas federais foram cortadas e os funcionários da fundação que controla o parque da Serra da Capivara sequer tinham dinheiro para comer!

Pintura de mãos e animais na parede da Caverna das Mãos, na Patagônia argentina.
Pintura de mãos e animais na parede da Caverna das Mãos, na Patagônia argentina

Enquanto isso, no resto do mundo, os governos zelam por esses patrimônios culturais da humanidade localizados em seus territórios. Eles são protegidos e amparados, e a população local é educada para não cometer atos de vandalismo, roubos ou depredações…
Aqui vão alguns exemplos de arte rupestre provenientes de vários sítios ao redor do mundo. Começando com o fascinante O Beijo, uma das pinturas emblemáticas da nossa Serra da Capivara.

Pinturas da Pedra Furada, Serra da Capivara
1 Pedra Furada, Serra da Capivara, Piauí, Brasil
Mais de mil pinturas rupestres foram descobertas nas imediações da Pedra Furada, no Parque Nacional da Serra da Capivara, no Nordeste do Brasil. Esses sítios, de extrema beleza, provocaram uma certa controvérsia quanto à sua exata datação, já que alguns especialistas acreditam que os primeiros homens que viveram na área ali chegaram antes da assim chamada “Tribo de Clóvis”. Outros estudiosos da pré-história afirmam os membros dessa “tribo” foram os primeiros humanos a se estabelecer nas Américas.
No Parque da Serra da Capivara existem centenas de sítios arqueológicos, o que faz dele uma das mais ricas e importantes zonas pré-históricas do mundo. Mais de 150, incluindo vários repletos de obras de arte rupestre, estão abertos ao público. Informe-se contudo antes de visitar o parque, pois sua diretora e mentora, a arqueóloga franco-brasileira Niède Guidon, fechou os portões recentemente devido ao quase total desemparo financeiro por parte das autoridades brasileiras.

2-horses-bulls-lascaux-cave-art-jpg-1000x0_q80_crop-smart
2 Cavernas de Lascaux, França
As pinturas rupestres das cavernas de Lascaux, no sudoeste da França, não figuram entre os mais antigos exemplos dessa arte no mundo, mas são consideradas dentre as mais surpreendentes pela sua qualidade e riqueza. Tais pinturas, realizadas aproximadamente há 17 mil anos, mostram grandes animais, tais como touros e cavalos, abundantes nessa região da Europa durante a era Paleolítica. As imagens foram descobertas em 1940 por um grupo de adolescentes, e a caverna foi designada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1979.
Infelizmente, Lascaux está agora fechada à visitação pública porque as pinturas começaram a se deteriorar e no seu interior foram descobertos fungos e mofos. Mas os turistas curiosos podem visitar uma réplica das partes principais da caverna original, denominada “Lascaux II”, localizada a cerca de 200 metros da caverna real. Intensos trabalhos são realizados no momento para proteger as pinturas originais de ulteriores deteriorações.

3-cave-of-swimmers-cave-art-jpg-1000x0_q80_crop-smart
3 Caverna dos Nadadores (Cave of Swimmers), Egito
Turistas podem ver pinturas originais em outro sítio famoso: a Caverna dos Nadadores. Tais pinturas retratam pessoas nadando, embora a caverna esteja localizada num dos últimos lugares da face da Terra que poderíamos associar a atividades baseadas na presença de água: o deserto do Saara, no Egito. Alguns cientistas defendem a hipótese de que um grande lago ou rio existia naquela área em tempos pre-históricos, anteriores à sua desertificação.
Muitas pessoas podem reconhecer essa caverna porque ela foi mostrada no filme “The English Patient” (O Paciente Inglês). Partes do seu interior foram danificadas por visitantes, mas as autoridades locais têm desenvolvido esforços para treinar guias de modo a impedir que os turistas cometam mais danos. Por causa da localização remota, relativamente poucos turistas visitam a caverna na atualidade. Ela é, na verdade, apenas a mais importante das muitas cavernas da área que contêm pinturas rupestres.

4-bison-painting-altamira-cave-cave-art-jpg-1000x0_q80_crop-smart
4 A Caverna de Altamira, Espanha
Pinturas rupestres foram encontradas em toda a extensão desta grande caverna situadas no norte da Espanha, a cerca de 40 quilômetros da cidade de Santander. Cientistas acreditam que as pinturas que se sucedem ao longo de um quilômetro de corredores, foram feitas no decurso dos últimos 20 mil anos, com alguns pesquisadores sugerindo que as mais antigas foram produzidas por neandertais.
A caverna foi aparentemente selada pela queda de uma grande rocha, e graças a isso as pinturas permaneceram muito bem conservadas até a data da sua descoberta, nos anos 1880. Foram necessárias décadas para que os céticos se convencessem da sua autenticidade, já que muitos achavam que as obras eram sofisticadas demais para serem feitas por homens tão primitivos. As pinturas de Altamira infelizmente começaram a se deteriorar por causa do CO2 produzido pela respiração dos visitantes. Hoje, estuda-se a possibilidade de criação de uma réplica da caverna. Enquanto isso, os administradores desse extraordinário patrimônio reduziram a uma cifra muito pequena o número de visitantes na caverna original, apesar do receio de alguns expertos de que até mesmo um número limitado de visitantes poderá arruinar as pinturas.

5-rock-paintings-kakadu-national-park-cave-art-jpg-1000x0_q80_crop-smart
 5 Parque Nacional Kakadu, na Austrália.
O Parque Nacional Kakadu, situado na região escassamente povoada do norte da Austrália, contem alguns dos mais importantes exemplos da “arte sobre pedra” criada pelos nativos australianos. As pinturas foram feitas em paredões sob os quais os aborígenes se abrigavam para se proteger dos elementos. Acredita-se que algumas dessas imagens tenham cerca de 20 mil anos de idade.
Essas pinturas contam a história da presença humana na Austrália, desde os tempos pré-históricos até os primeiros contatos com exploradores e colonizadores vindos de outros continentes. Para esses antigos artistas, o ato de pintar era considerado mais importante que a própria imagem resultante desse trabalho.

6-magura-cave-bulgaria-cave-art-jpg-1000x0_q80_crop-smart
6 A caverna Magura, Bulgária
Situada na Bulgária, a Caverna Magura contem pinturas rupestres que datam entre 8 mil a 10 mil anos. Acredita-se que as imagens retratem festivais, eventos importantes e as divindades específicas da cultura dos antigos habitantes balcânicos. Nela existem também evidências de um calendário solar, um dos mais antigos jamais descobertos. Depois de estudar essas imagens, cientistas descobriram que elas foram feitas usando-se guano (fezes) de morcego.
Visitantes podem atualmente apreciar algumas dessas pinturas durante uma visita à caverna. Mas essas visitas exigem a presença de um guia treinado, e o pagamento de uma taxa extra se o visitante quiser visitar as câmeras onde as pinturas foram feitas.

7-hand-stencils-cueva-de-las-manos-jpg-1000x0_q80_crop-smart
7 Caverna das Mãos (Cueva de las Manos), Argentina
Um dos mais interessantes exemplos de arte pré-histórica pode ser apreciado na Patagônia argentina. Adequadamente chamada de Caverna das Mãos, ela mostra o contorno de um grande número de mãos humanas, pintadas com uma técnica similar à do estêncil sobre uma parede rochoso. A caverna contem outros tipos de pinturas também, quase todas mostrando cenas de caça a animais selvagens.
Tais impressões de mãos e outras imagens foram feitas a cerca de 9 mil anos. Muitos desses estênceis são de mãos esquerdas, o que sugere que o pintor segurava o recipiente com tinta na outra mão. A tinta era espirrada provavelmente com a boca sobre e ao redor da mão esquerda. Visitas guiadas dessa caverna são possíveis a todos que se dispuserem a viajar para essa região remota.

8-bheem-baithika-caves-paintings-cave-art-jpg-1000x0_q80_crop-smart
8 Abrigos de pedra em Bhimbetka (Bhimbetka Rock Shelters), Índia
Situado no estado indiano de Madhya Pradesh, esse sítios arqueológico contem algumas das pinturas rupestres mais antigas da Ásia do Sul. As imagens permaneceram extraordinariamente bem conservadas ao longo dos anos. Cientistas estimam que os exemplos mais antigos foram pintados aproximadamente há 30 mil anos.
Algumas imagens no entanto são muito mais recentes, existindo inclusive algumas que datam da Idade Média. Possuir num único lugar obras de arte que datam desde a pré-história até a Idade Média é coisa muito rara. Os abrigos, que fazem parte do acervo do Patrimônio da Humanidade da Unesco estão diariamente abertos à visitação pública.

9-hands-stencil-pettakere-cave-art-jpg-1000x0_q80_crop-smart
9 Caverna Pettakere, Indonésia
Esta caverna, situada na ilha de Sulawesi, na Indonésia, tem atraído a atenção porque datações recentes efetuadas com carbono 14 remontam a idade das primeiras obras nela contidas a até 40 mil anos. Se esses cálculos estiverem corretos, significa que os artistas que pintaram Pettakere viveram muito antes do aparecimento daqueles que trabalharam nas cavernas europeias.
Pettakere contem muitos estênceis de mãos, como aqueles da Argentina. Aparecem também pinturas de animais. Turistas podem visitá-la como parte de um tour que inclui também uma parada para se visitar interessantes formações rochosas situadas na mesma área.

chauvet_panorama
11 Caverna Chauvet, França
A Caverna de Chauvet ou Chauvet-Pont-d’Arc está localizada na região de Ardeche, no sul da França. Tornou-se famosa em 1994 quando um trio de espeleólogos a descobriu, verificando-se que além de restos fossilizados de muitos animais, alguns já extintos, ela continha um grande número de obras de arte rupestre de extraordinário nível de beleza e qualidade técnica.
Chauvet contem alguns dos mais extraordinários desenhos e pinturas rupestres pré-históricas jamais encontrados. E, o mais surpreendente, é a antiguidade das obras, que datam de cerca 35 mil anos! Essa caverna está selada desde a sua descoberta para preservar o seu precioso acervo artístico. O local só é aberto de vez em quando, para permitir a entrada de cientistas ou de fotógrafos e jornalistas. Os serviços do patrimônio cultural francês construíram nas imediações um grande museu e centro de estudos, onde os visitantes podem encontrar réplicas muito bem executadas das principais pinturas de Chauvet.
Fonte:https://www.brasil247.com/pt/247/revista_oasis/260544/O-Beijo-E-mais-dez-obras-primas-da-arte-rupestre-pr%C3%A9-hist%C3%B3rica.htm


PINTURA RUPESTRE 

Uma das primeiras formas que o ser humano encontrou para deixar seus vestígios foi a pintura. A arte rupestre consistiu na maneira utilizada para se ilustrar sonhos e cenas do cotidiano. Símbolos da vida, da morte, de céu e da terra foram encontrados nas paredes cálidas das cavernas.
A aguda sensibilidade do homem (sentimento de suma importância para o desenvolvimento da arquitetura e escultura), levou-o a pintar. Muitos dizem que os antigos pintavam por fome, teorias mais recentes asseguram que o faziam por uma "predeterminação sexual". É sabido que a tela primordial em que nossos parentes longínquos plasmaram suas idéias pictórica foi a rocha pura.

As cores deviam ser aplicadas com aglutinantes para assegurar a aderência. Das cavernas francocantrábicas (Altamira, Lascaux - imagem a esquerda) às levantinas (Cogul) resulta uma evidente transição técnico-estilística: do realismo estático ao dinâmico, primeiro, e depois à uma acentuada estilização. A temática é comum: animais e cenas de caça e dança, as primeiras; homens e cenas várias, as segundas.

Um grande acervo de arte rupestre na América Latina é La Cueva de Las Manos, na Argentina. Nesta caverna encontram-se centenas de gravações de mãos além de ricas gravuras multicoloridas. Já no Brasil, temos a Serra da Capivara, no Piauí. Lá os primeiros habitantes das Américas trataram de deixar seus vestígios na rocha.
É uma verdadeira galeria de arte rupestre que se confunde com a beleza natural das cavernas locais. Observando a pintura, podemos notar cenas que ilustram a vida pré-histórica, caçadas, ritos religiosos, sexo, enfim...




PINTURA RUPESTRE 
Arte rupestre, pintura rupestre ou ainda gravura rupestre, são termos dados às mais antigas representações artísticas conhecidas, as mais antigas datadas do período Paleolítico Superior (40.000 a.C.) gravadas em abrigos ou cavernas, em suas paredes e tetos rochosos, ou também em superfícies rochosas ao ar livre, mas em lugares protegidos, normalmente datando de épocas pré-históricas.
Na vida do Homem pré-histórico tinham lugar a Arte e o espírito de conservação daquilo de que necessitava. Estudos arqueológicos demonstram que o Homem da Pré-História (a fase da História que precede a escrita) já conservava, além de cerâmicas, armas e utensílios trabalhados na pedra, nos ossos dos animais que abatiam e no metal. Arqueólogos e antropólogos datando e estudando peças extraídas em escavações conferem a estes vestígios seu real valor como "documentos históricos", verdadeiros testemunhos da vida do Homem em tempos remotos e de culturas extintas.
Prospecções arqueológicas realizadas na Europa, Ásia e África, entre outras, revelam em que meio surgiram entre os primitivos homens caçadores os primeiros artistas, que pintavam, esculpiam e gravavam. A cor na pintura já era conhecida pelo Homem de Neandertal. As "Venus Esteatopígicas", esculturas em pedra ou marfim de figuras femininas estilizadas, com formas muito acentuadas, são manifestações artísticas das mais primitivas do "Homo Sapiens" (Paleolítico Superior, início 40000 a.C) e que demonstram sua capacidade de simbolizar. A estas esculturas é atribuído um sentido mágico, propiciatório da fertilidade feminina e ao primeiro registro de um sentimento religioso ou de divindade, o qual convencionou-se denominar de Deusa mãe, Mãe Cósmica ou Mãe-terra.
Não é menos notável o desenvolvimento da pintura na mesma época. Encontradas nos tetos e paredes das escuras grutas, descobertas por acaso, situadas em fundos de cavernas. São pinturas vibrantes realizadas em policromia que causam grande impressão, com a firme determinação de imitar a natureza com o máximo de realismo, a partir de observações feitas durante a caçada. Na Caverna de Altamira (a chamada Capela Sistina da Pré-História), na Espanha, a pintura rupestre do bisonte impressiona pelo tamanho e pelo volume conseguido com a técnica claro-escuro. Em outros locais e em outras grutas, pinturas que impressionam pelo realismo. Em algumas, pontos vitais do animal marcados por flechas. Para alguns, "a magia propiciatória" destinada a garantir o êxito do caçador. Para outros estudiosos, era a vontade de produzir arte.

Pintura Rupestre Serra da Capivara Piauí Brasil


Qualquer que seja a justificativa, a arte preservada por milênios permitiu que as grutas pré-históricas se transformassem nos primeiros museus da humanidade.
Considera-se arte rupestre as representações sobre rochas do homem da pré-história, em que se incluem gravuras e pinturas. Acredita-se que estas pinturas, cujos materiais mais usados são o sangue, saliva, argila, e excrementos de morcegos (cujo habitat natural são as cavernas),[1] têm um cunho ritualístico. Estima-se que esta arte tenha começado no Período Aurignaciano (Hohle Fels, Alemanha), alcançando o seu apogeu no final do Período Magdaleniano do Paleolítico.
A importância do estudo da arte rupestre deve-se, não tanto à interpretação das figuras existentes, mas antes obter um entendimento dos motivos e contextos que levaram uma comunidade a usar muito do seu tempo e esforço na execução da dita arte rupestre. Como estas sociedades primitivas se estendem no tempo e na sua essência são consideravelmente diferentes das nossas vivências actuais, o estudo da arte rupestre de forma ciêntifica permite analisar o comportamento do homem em contextos muito díspares, pelo que acaba por ser de certa forma um estudo transdisciplinar entre a psicanálise, a antropologia e o nosso próprio conceito de arte.
Normalmente os desenhos são formados por figuras de grandes animais selvagens, como bisões, cavalos, cervos entre outros. A figura humana surge raramente, sugerindo muitas vezes actividades como a dança e, principalmente, a caça, mas normalmente em desenhos esquemáticos e não de forma naturalista, como acontece com os dos animais. Paralelamente encontram-se também palmas de mãos humanas e motivos abstratos (linhas emaranhadas), chamados por Henri Breuil de macarrões.
Nos sítios espalhados pelo mundo, é padrão encontrar, além dos desenhos parietais, figuras e objetos decorativos talhados em osso, modelados em argila, pedra ou chifres de animais.
Descoberta e autenticidade
Quando os europeus (mais precisamente Marcelino Sanz de Sautuola) encontraram pela primeira vez as pinturas de Magdalenia da caverna de Altamira, na Cantábria, Espanha, em torno de 150 anos, elas foram consideradas como fraude por acadêmicos.
O novo pensamento darwiniano sobre a evolução das espécies foi interpretado como significando que os primitivos humanos não poderiam ter sido suficientemente avançados para criar arte.
Émile Cartailhac, um dos mais respeitados historiadores da Pré-História do final do século XIX, acreditava que as pinturas tinham sido forjadas pelos criacionistas (que sustentavam a criação do homem por Deus) para apoiar suas ideias e ridicularizar Darwin. Recentes reavaliações e o crescente número de descobertas têm ilustrado a autenticidade das figuras encontradas e indicam o alto nível de capacidade de arte dos humanos do Paleolítico Superior, que usavam apenas ferramentas básicas. As pinturas rupestres podem proporcionar, também, valiosas pistas quanto à cultura e às crenças daquela época.
No entanto, a idade das pinturas permanece, em muitos sítios arqueológicos, uma questão controvertida, dado que métodos como a datação por radiocarbono podem facilmente levar a resultados errôneos pela contaminação de amostras de material mais antigo ou mais novo, e que as cavernas e superfícies rochosas estão tipicamente atulhadas com resíduos de diversas épocas.
A escolha da datação pelo material subjacente pode indicar a data, por exemplo, da rena na caverna espanhola denominada Cueva de Las Monedas, que foi determinada como sendo do período da última glaciação. A caverna mais antiga é a de Chauvet, com 32 000 anos.
Contudo, como ocorre com toda a Pré-História, é impossível estar-se seguro dessa hipótese devido à relativa falta de evidência material e a diversas lacunas associadas com a tentativa de entender o pensar pré-histórico aplicando a maneira de raciocinar do Homem moderno.
Sítios mais conhecidos
Os sítios mais conhecidos e estudados encontram-se na Europa, sobretudo França e no norte da Espanha, a denominada arte franco-cantábrica; em Portugal, na Itália e na Sicília; Alemanha; Balcãs e Roménia. No norte mediterrâneo da África; na Austrália e Sibéria são conhecidas milhares de localidades, porém não tão estudadas, como é o caso do Brasil. Em 2003, pinturas rupestres foram também descobertas em Creswell Crags, Nottinghamshire, Inglaterra.
Europa
Gravura rupestre - Vila Nova de Foz Côa - Portugal
Na Europa, as pinturas rupestres mais bem conhecidas são as localizadas em:
Arte rupestre de Val Camonica, Itália (sítio do Unesco)
Lascaux, França.
La Marche, perto de Lussac-les-Chateaux, França.
Chauvet-Pont-d'Arc, perto de Vallon-Pont-d'Arc, França.
Caverna de Altamira, perto de Santillana del Mar, Cantábria, Espanha.
Caverna de Cosquer, com uma área ao nível do mar perto de Marselha, França.
Font de Gaume, no vale de Dordogne, França.
Caverna de Pech Merle, França.
Caverna de Les Trois-Frères, França.
Lascaux - França


Altamira Espanha

Altamira - El Castilo

Bisão - Altamira Espanha

 

Portugal
Em Portugal são conhecidas mais de trezentas localidades de arte rupestre, destacando-se os complexos do Vale do rio Côa e do Vale do Tejo, dos mais antigos ao ar livre, a gruta do Escoural, fundamental no estudo do Cro-Magnon e Neandertal, e gravuras rupestres como o cavalo de Mazouco. A Anta Pintada de Antelas, em Oliveira de Frades, é um monumento nacional que apresenta as pinturas rupestres melhor conservadas de toda a Península Ibérica [2].
Brasil
Pinturas Rupestres no Cidade de Ivolândia.
No Brasil são encontradas diversas manifestações de arte rupestre. Os locais mais conhecidos ficam em Naspolini, no estado de Santa Catarina, na região Sul do país. Em Minas Gerais na região de Prata, próximo a Serra da Boa Vista, em Lagoa Santa, Varzelândia e Diamantina próximo à cachoeira da Sentinela. Destacam-se também a Toca da Esperança, região central da Bahia e Florianópolis, estado de Santa Catarina, no sul. No nordeste também foram encontradas pinturas no estado do Piauí, na Serra da Capivara. As cidades mais próximas dos sítios arqueológicos são Coronel José Dias e São Raimundo Nonato (30 km). Outros registros foram encontrados na fronteira com o Chile, no Lago dos Diamantes. Muitos registros estão em condições precárias. No estado do Rio Grande do Norte, diversos sítios também são encontrados, principalmente nas regiões do Seridó e na chapada do Apodi, tendo como o Lajedo de Soledade. No estado de Pernambuco encontram-se pinturas rupestres no município de Itapetim, nascente do rio Pajeú, nos Sítios Boa Vista e Riacho Salgado e no município de Afogados da Ingazeira, próximo 5 quilômetros do povoado de Queimada Grande e no município de Carnaíba, na Serra do Giz, próximo ao povoado da Serra Carapuça.
Segundo informação da FUMDHAM (Fundação Museu do Homem Americano), de São Raimundo Nonato, há 260 sítios arqueológicos com pinturas rupestres na área do Parque Nacional da Serra da Capivara, que foi criado em 1979.
No Brasil são encontradas diversas manifestações de arte rupestre. Os locais mais conhecidos ficam em Naspolini, no estado de Santa Catarina, na região Sul do país. Em Minas Gerais na região de Lagoa Santa, Varzelândia e Diamantina próximo à cachoeira da Sentinela. Destacam-se também a Toca da Esperança, região central da Bahia e Florianópolis, estado de Santa Catarina, no sul. No nordeste também foram encontradas pinturas no estado do Piauí, na Serra da Capivara. As cidades mais próximas dos sítios arqueológicos são Coronel José Dias e São Raimundo Nonato (30 km). Muitos registros estão em condições precárias. No estado do Rio Grande do Norte, diversos sítios também são encontrados, principalmente nas regiões do Seridó e na chapada do Apodi, tendo como destaque o Lajedo de Soledade. No estado de Pernambuco encontram-se pinturas rupestres no município de Itapetim, nascente do rio Pajeú, nos Sítios Boa Vista e Riacho Salgado e no município de Afogados da Ingazeira, próximo 5 quilômetros do povoado de Queimada Grande e no município de Carnaíba, na Serra do Giz, próximo ao povoado da Serra Carapuça.
Segundo informação da FUMDHAM (Fundação Museu do Homem Americano), de São Raimundo Nonato, há 260 sítios arqueológicos com pinturas rupestres na área do Parque Nacional da Serra da Capivara, que foi criado em 1979.

As itaquatiaras
Esta forma de manifestação é comum na região Nordeste. Possui também técnicas laboriosas na produção de outro tipo de grafismos e neste caso, trata-se de uma produção esculpida em suportes rochosos duríssimos (como o granito – rocha metamórfica), o que requer muito empenho e trabalho na obtenção das gravuras. Geralmente, são encontrados nas proximidades de riachos, cachoeiras, arroios e qualquer lugar que tenha sido curso d'água e hoje comumente extinto.
Se utilizássemos os mesmos critérios de classificação das pinturas podíamos afirmar que esta arte é bastante complexa dentre todas devido à maioria de suas representações serem enquadradas àquilo que é mais difícil de classificar: os grafismos puros. No entanto, pode apresentar também raras figuras antropomorfas e zoomorfas, mais as figuras indefinidas são bastante dominantes nesses painéis.
Existe a suposição de que a maioria dos sítios com Itaquatiaras envolvem de algum modo um culto as águas, contudo não podemos provar tal teoria. Esta ideia se norteia a partir do princípio de que nas regiões de clima semi-árido os locais que, de alguma maneira, forneçam água aos habitantes sedentos são levados a considerar como sendo locais sagrados. Sobre as explicações dessa arte vamos transcrever o que falaram a professora Gabriela Martin da UFPE:
Nos cursos de muitos rios, arroios e torrentes do Brasil existem disseminados de norte a sul, desde o Amazonas ao Rio Grande do Sul, gravuras indígenas realizadas nas rochas das margens e nos leitos dos cursos d'água. São conhecidas pelo nome de itaquatiaras (pedras pintadas, em língua tupi) e que são, de todas as manifestações rupestres pré-históricas do Brasil, aquelas que mais se têm prestado a interpretações fantásticas. Estes petróglifos são de feitura, tamanho e técnica de gravura muito diferentes, dependendo da ampla geografia brasileira. [...] Nessa tradição, típica da região nordestina, predominam grafismos puros, porém deve se registrar a presença de antropomorfos, alguns muito elaborados, inclusive com atributos, como os encontrados na beira do São Francisco, em Petrolândia, PE. Há marcas de pés, lagartos e pássaros em grandes paredões, sempre próximos d'água, e também desenhos muito complexos, que, na imensa solidão dos sertões. Indubitavelmente as itaquatiaras formam a tradição ou as tradições mais enigmáticas de toda arte rupestre do Brasil. Por estarem quase sempre nos cursos d'água e, muitas vezes, em contato com ela, resulta difícil relacioná-las com algum grupo humano, sobretudo pela impossibilidade, na maioria dos casos, de estabelecerem-se associações com restos de cultura material. Entretanto, existem algumas exceções quando as itaquatiaras identificam-se com culturas de caçadores, em abrigos próximos a rios ou em caldeirões. Estes depósitos naturais que se enchem d'água na estação das chuvas, têm, às vezes, as paredes cobertas de petroglifos e tem sido possível realizar-se escavações nas proximidades com bons resultados. É também muito difícil fixar cronologias para esta variedade de arte rupestre. (MARTIN, 2005)
Sem dúvidas, as itaquatiaras do Nordeste do Brasil são os registros rupestres mais enigmáticos e de difícil estudo arqueológico, devido à falta de sedimentos nos locais onde foram gravados os registros, isso estabelece barreiras na prática de prospecção arqueológica de um modo geral.
Provavelmente as itaquatiaras são mais recentes que as pinturas da Tradição Agreste, por serem pouco numerosas em número de figuras, isso levou a acreditar-se que não ultrapassem dois milênios Antes do Presente.
Painel do Sítio Pedra Lavrada de Ingá, PB.








Fonte:http://www.portaldarte.com.br/pinturarupestre.htm