A PRIMEIRA RELAÇÃO SEXUAL: SAIBA TUDO O QUE NINGUÉM TE CONTOU

Imagem relacionada

Primeira relação sexual: muitos mitos e poucas verdades


A primeira relação sexual é um momento raramente esquecido. Isso é verdade. Significa abrir uma porta para novas sensações, novas formas de se relacionar com o parceiro e, por isso, com a vida. No entanto, apesar da aparente liberdade que prevalece nos tempos em que vivemos, alguns até falam de libertinagem, o sexo ainda é um assunto tabu e ainda existem muitos equívocos que sobrevivem na sociedade graças à forma mais antiga de comunicação: o boca a boca.
O maior erro de todos é crer que a sexualidade começa com esse primeiro relacionamento. Isso é completamente falso, já que chegamos ao mundo como seres sexuais. Há especialistas que afirmam que existem “prazeres da ordem erótica” que já são experimentados ao sugar o peito da mãe e que controlam ou liberam os esfíncteres. Também tocando em nosso corpo ou experimentando o toque da pele com alguma textura que nos sentimos gratificados.
A genitalidade é apenas uma das muitas dimensões da sexualidade. Portanto, em sentido estrito, a primeira relação sexual é apenas relativamente a primeira. Ao mesmo tempo, para o ser humano há muitas primeiras vezes, mesmo falando sobre o mesmo terreno.
Tudo isso é um exemplo claro da miríade de mitos e verdades que foram construídas em torno do sexo e, em particular, da primeira relação sexual. Vamos rever alguns desses mal-entendidos abaixo:

A idade da primeira relação sexual

Não há uma idade certa para ter o primeiro relacionamento sexual. Apenas algumas décadas atrás, uma garota de 14 anos já tinha idade para casar e aí começava a ter filhos. Na verdade, isso é mantido em muitos lugares do mundo até hoje. O contrário também ocorre. Você ficará surpreso ao saber que, em um estudo realizado no Japão, 42% dos homens entre 18 e 34 são virgens.
Casal jovem no campo
De acordo com os dados estatísticos, a idade média da primeira relação sexual é de 17 anos. Isso varia de cultura para cultura e até mesmo entre classes ou grupos sociais da mesma cultura. Começar sua vida sexual antes, depois ou muito mais tarde é uma escolha pessoal. Não estar dentro da média não significa ser anormal no sentido negativo do termo.

A primeira relação sexual deve ser maravilhosa

É um dos mitos mais difundidos e mais errôneos que existe. O habitual é que o oposto aconteça, pois a inexperiência e a ansiedade podem nos deixar muito desajeitados.Raramente as primeiras vezes têm algo mais memorável do que terem sido as primeiras vezes; Isso não só acontece no domínio sexual, mas também em muitas outras áreas da vida.
De acordo com pesquisas realizadas nos Estados Unidos, até 85% das mulheres disseram ter ficado profundamente desapontadas durante a primeira vez. Os violinos não tocaram, nem elas tocaram o céu com as mãos. Foram se explorando, conhecendo, e assim o progresso aconteceu no campo do amor físico do casal. Nada além disso.

O homem deve se encarregar da situação

É um mito imposto pelo machismo e também pelo medo, tanto de homens quanto de mulheres. Se ele tem mais experiência do que ela, pode “ter uma vantagem” e assumir uma maior responsabilidade quando se trata de reduzir a tensão que pode flutuar no ambiente. Simplesmente o contrário. No entanto, os mais experientes não podem nem devem assumir as emoções ou sensações do outro.
Casal adolescente de mãos dadas
Homens e mulheres devem ter sua primeira relação sexual – e o resto, é claro – voluntariamente. Nem um nem o outro tem que aceitar pressões. Também não é aconselhável que alguém tome o passo antes de ter resolvido as possíveis contradições com suas crenças ou esperar que o casal assuma uma responsabilidade que corresponda a ambos.
Existe um bom indicador de que você está pronta ou pronto para ter seu primeiro relacionamento sexual. Se você é capaz de expressar de forma clara e direta as suas emoções, necessidades e desejos para o seu parceiro, certamente você tem muitas cartas a seu favor para que, desse jeito, você aproveite e cresça. Se, por outro lado, você não se sente confortável ou experimenta confusão, talvez o tempo ainda não tenha chegado.

O uso do álcool ou outras drogas

Um dos efeitos do álcool é que ajuda a criar um estado de desinibição. É por isso que muitos casais jovens gerenciam seus medos recorrendo a este ou a drogas similares. A primeira relação sexual, bem como toda nova experiência, traz consigo dúvidas e medos. Por mais convicção que haja, haverá também inibições.
Adolescente tomando bebida alcoólica
O único que é alcançado com um psicoativo é falsificar essa experiência. Este tipo de droga afeta os sentidos e impede claramente que outras sensações sejam experimentadas. Eles também fazem o comportamento mudar e, nesse sentido, não contribuem muito para o seu autoconhecimento.
A primeira relação sexual não é como um procedimento bancário porque exige um envolvimento muito mais íntimo de nós, mas tampouco é uma marca indelével. Idealmente, deve ser uma experiência amorosa e gratificante que aumenta a confiança e a apreciação que se sente pelo outro. O essencial para que a experiência seja boa parte do desejo de querer viver e experimentar livremente e em sintonia com o resto das dimensões. O resto é deixar-se levar pelas sensações e pela intuição.
Fonte:https://amenteemaravilhosa.com.br/primeira-relacao-sexual/

Saiba tudo o que ninguém te contou sobre a primeira vez!


Vivemos em uma sociedade super-acelerada, onde homens e mulheres iniciam sua vida sexual cada vez mais cedo. No entanto, em meio à toda modernidade, há uma minoria que decide esperar. Seja por crenças religiosas ou porque querem a primeira vez com a pessoa certa ou porque têm medo, essas pessoas adiam sua primeira vez; mas o que acontece quando essa espera se torna muito longa? O tempo passa, elas chegam aos 30 e até mesmo 40 e ainda não perderam sua virgindade. Se você está nesse grupo, fique tranquila… Não é uma exigência fazer sexo antes de uma determinada idade. Para te ajudar quando você resolver dar esse passo, eu trouxe alguns segredinhos sobre a primeira vez. Vamos lá?
No texto de hoje vamos abordar os tópicos:
  • Virgindade é tão importante?
  • Medo da primeira vez
  • Sinais de alerta
  • Mitos
  • Conversar sempre é uma opção
  • Alguns conselhos
  • Segredos sobre a primeira vez
  • Reflita

Virgindade é tão importante?

A virgindade ou a ideia de virgindade é uma construção social e cultural. Não há nada dentro do nosso corpo ou da nossa vagina que se chama “virgindade”. É simplesmente uma ideia que foi criada para, muitas vezes, controlar o desejo e a sexualidade das pessoas. Biologicamente, dizemos que a virgindade é o atributo de uma pessoa que nunca teve relações sociais. Portanto, não é tão importante ser virgem ou não, mas ser feliz e se contentar com suas decisões.
Agora, se você se sente atormentada e até mesmo se sente envergonhada de admitir com seus amigos que você é virgem, analise o que poderia estar acontecendo e a partir daí, você pode mudar o seu comportamento.

Medo da primeira vez

Os preconceitos que cercam a primeira vez, a criação ou religião podem afetar a sexualidade de algumas mulheres. Comentários como “vai doer” ou “uma vez que o homem consegue o que quer, deixa você” ainda estão na boca de muita gente. Além do medo da dor, também há a velha crença de encontrar a alma gêmea, o príncipe encantado, o homem ideal, por isso muitas adiam a primeira vez. O problema, nesse caso, é que elas acabam idealizando a relação sexual.
Muitas evitam enfrentar a realidade por medo de cometer erros e, por essa razão, atrasam a primeira vez o máximo possível. Ao mesmo tempo, a mídia, o cinema e a literatura feminina transmitem mensagens erradas sobre a “primeira vez”, que é definida pela paixão e pelo orgasmo. Isso gera muitas pressões e angústias. Por esse motivo, um mau começo pode causar um bloqueio duradouro.
A virgindade tardia, ou o receio de ter relações com alguém, também pode ter sua origem em abusos sexuais. Nesse caso, é fundamental ir a um profissional para poder desfrutar a sexualidade completa novamente. Por sorte, esta não é a razão mais frequente para a “virgindade tardia”.
primeira vez

Sinais de alerta

As “virgens tardias” podem inventar uma vida sexual imaginária ou jogar o cartão de mulher misteriosa. Algumas são capazes de iniciar um relacionamento, mas terminam quando o momento fatídico chega.
Outras, por outro lado, escolhem não ter qualquer relação sentimental e, em casos extremos, se isolam socialmente. Existe também o risco de rejeição do próprio corpo, especialmente no caso das meninas. Enquanto os meninos se masturbam para controlar seus impulsos, as meninas se afastam de seus próprios corpos e deixam de lado seus próprios desejos.

Mitos

Costuma-se dizer que um órgão que não é usado atrofia e que, se o pênis ou a vagina não conhecem  nenhuma atividade coital deixam de funcionar. Isso é uma grande mentira! A vida sexual é estimulada pelos hormônios sexuais e estes diminuem com a idade, mas continuam produzindo.  Também há tratamentos de complemento para as pessoas que os produzem em pequena quantidade. É por isso que a idade não é um impedimento para iniciar uma vida sexual completa.

Conversar sempre é uma opção

Falar sobre o assunto com a pessoa que está ao seu lado é a melhor coisa a fazer. Isso ajudará a naturalizar o problema e reduzir gradualmente as barreiras criadas em relação ao sexo. E uma mensagem para seus parceiros: aproveitem! Explorem seu potencial sexual completo! Então, uma vez que você se sinta confortável, você só precisa se divertir!

Alguns conselhos

  • Tenha em mente que o exercício da sexualidade é um longo processo de aprendizagem que se desenvolve ao longo da vida. Começa antes da primeira vez e envolve mais do que alguns minutos de relações sexuais.
  • Não reprima a sexualidade, viva-a ao seu próprio ritmo, espaço e concepção.
  • Tome consciência de si mesma: você deve aprender sobre seu corpo antes de tudo.
  • Isso não significa apenas saber onde seus órgãos sexuais estão e como eles são, mas também como eles respondem aos mais variados estímulos.
  • Reconheça que, embora seja virgem, você é um ser sexual com sentimentos, emoções e pensamentos sexuais. E isso é ótimo.
  • Aprenda a fazer amor consigo mesma: toque-se, masturbe, acaricie, sinta, teste, divirta-se e desfrute de si mesma antes de estar sexualmente com outra pessoa, para explorar sua reação a diferentes sensações. Não há nada de errado em conhecer seu corpo intimamente.
  • Você decide quando deve dar o grande passo. Se algo faz você duvidar, então você não está pronta para fazer isso. Tire seu tempo e espere até se sentir 100% segura.
conselhos-primeira-vez-catia-damasceno

Segredos sobre a primeira vez

A virgindade só é perdida uma vez, portanto, aproveite o momento. Se você está planejando perder sua virgindade em breve, essas dicas serão muito úteis. Não dê tanta importância à idade e relaxe.

A primeira vez não é necessariamente dolorosa

Dizem que dói e algumas mulheres dizem que não se lembram disso, mas, na realidade, não há motivo para ficar obcecada com esse assunto. A vagina é um órgão elástico e quando a mulher está relaxada, não há dor. Na maioria das vezes o motivo da primeira vez ser dolorosa é muito mais a tensão e expectativa do ato do que uma questão física. Muitas vão praticar sexo pela primeira vez nervosas, esperando a dor, o que realmente ocorre devido a tensão.

Hímen não é sinônimo de virgindade

O hímen é uma fina camada de pele que cobre a vagina para proteger bactérias antes do aparecimento do cabelo púbico. Sem tecido nervoso, essa membrana é insensível, mas tem poucos vasos sanguíneos que causam hemorragia para quebrar. A penetração não é a única maneira de romper o hímen. Algumas mulheres nascem sem hímen e outras podem tê-lo intacto, mesmo após três anos de atividade sexual.

A penetração não é a única maneira de perder a sua virgindade

A virgindade é um conceito cultural para o período que ocorre antes de fazer sexo. Não há necessidade de penetração vaginal para considerar que você não é mais virgem. O sexo oral e anal também são considerados sexo.

Tempo x experiência

Homem ou mulher, não há como saber se você já teve relações sexuais. Por um lado, nenhuma mudança física ocorre após a primeira vez e, em segundo lugar, é impossível avaliar a experiência. Na verdade, a experiência sexual é adquirida ao longo do tempo e, no entanto, muitas pessoas não aprenderam nada, mesmo após anos de prática.
Eu sempre aconselho a conversar abertamente com o parceiro, até para que ele tenha um pouco mais de cuidado nessa primeira relação.
segredos-primeira-vez-catia-damasceno

Não é obrigatório estar apaixonada

O sexo e o amor não andam necessariamente de mãos dadas. Algumas pessoas precisam estar apaixonadas para ter relações sexuais, mas não é algo que se aplica a todos. Para fazer sexo, você tem que ser emocionalmente madura para que você não se sinta pressionada a fazer nada que não queira. Não há necessidade de mais.

A primeira vez sempre será lembrada

A primeira vez é inesquecível, no entanto, raramente é associada a uma experiência maravilhosa. Como sempre, quando fazemos uma coisa pela primeira vez temos a mania de nos concentrar em como fazer do modo certo e não apreciamos a experiência, o que causa estresse. Não entre em pânico, você irá melhorar ao longo do tempo e depois tudo será mais agradável.

Você pode ficar grávida na primeira vez

É algo que você provavelmente já ouviu, mas sempre é bom reforçar. Existe sempre um risco de gravidez toda vez que você  faz sexo sem proteção. A penetração e a ejaculação na vagina, seja na primeira ou na vigésima vez, pode resultar em uma gravidez ou na transmissão de uma doença sexualmente transmissível.

Preliminares fazem toda a diferença

Antes do ato sexual é  aconselhável realizar uma série de jogos preliminares. Dessa forma, você se sentirá mais confortável diante de uma situação estranha e também ficará mais preparada para o ato sexual. Quanto mais lubrificada, menos dor você poderá sentir na relação.

Não espere perder a sua virgindade e alcançar o orgasmo

O estresse não perdoa as mulheres e muitas vezes isso resulta em uma tensão vaginal, pouca lubrificação, o que causa desconforto e dor durante as relações sexuais. Além disso, o orgasmo vaginal na primeira vez é muito raro. No início da vida sexual, o prazer do clitóris permanece mais acessível e mais rápido. Não se decepcione se não atingir o clímax na sua primeira relação sexual. Fique tranquila, haverá muitas chances mais tarde.

A idade não interfere no orgasmo

Para alcançá-lo, só é necessário se render ao que está sentindo no momento. Quem tenta controlar seus sentimentos, começa a pensar durante o ato sexual e para de se divertir. Se vocês dois estiverem dispostos a se conhecer, então você precisa se libertar das especulações para se deixar levar pelo sentimento do momento. Isso, inevitavelmente, os levará ao orgasmo, independentemente da idade.
orgasmo

Reflita

A primeira vez pode ser difícil para muita gente. A sexualidade não é inata, como muitos acreditam, e isso é algo que sempre deve ser levado em consideração. O mais importante, sem dúvida nenhuma é confiar em você mesma e no seu próprio corpo. Seja aos 20, 25 ou 30 anos, a decisão é sua. No entanto, se a primeira vez se tornar um obstáculo intransponível, consulte um profissional. Isso a ajudará a olhar a situação sob uma ótica diferente e irá lhe fornecer ferramentas para superar os seus medos.
Não é tão importante ser virgem ou não, mas ser feliz e estar satisfeita com suas decisões. O início da relação sexual é um processo muito pessoal e depende de muitas circunstâncias, que variam de acordo com a experiência de vida de cada um. Viva o seu caminho, tente se sentir confortável em explorar primeiro outras expressões sexuais antes de entrar nas relações sexuais; vá em frente! E pare de tratar a virgindade como um tema de outro mundo. É difícil, mas quando você encontra uma pessoa com quem sente que pode falar sobre isso e ser entendida, as coisas fluirão naturalmente. Não se preocupe!
Fonte:http://www.mulheresbemresolvidas.com.br/primeira-vez/
Primeira vez: o que é mito e o que é verdade sobre a primeira relação sexual?

Falta de orientação e de conhecimento sobre o próprio corpo podem gerar medos infundados; conheça os mitos que rondam a perda da virgindade

Para meninas, a primeira vez no sexo pode ser um tópico de dar arrepios. O medo de perder a virgindade vem de diversos aspectos; a falta de orientação, por exemplo, pode fazer com que a mulher não saiba o que esperar na hora do “vamos ver”. Histórias de amigas sobre sangramentos hemorrágicos e dores intensas também podem aumentar o nervosismo antes da primeira relação sexual. Entenda o que é mito e o que é verdade acerca do assunto.

Sangramento
Muitas meninas esperam que haja sangramento intenso durante a primeira vez  e, quando ele não ocorre, acham que há algo errado ou que não perderam a virgindade. Segundo a educadora sexual Débora Padua, não é bem assim que funciona. "Geralmente o que acontece é um pequeno sangramento, nada muito diferente de uma menstruação", esclarece ela. 
Débora ainda explica que a quantidade (ou ausência) de sangue nesse momento está diretamente relacionada com as características do hímen da pessoa. Segundo a educadora, há himens de diversos formatos e espessuras e, durante a primeira penetração, podem nem chegar a se romper. "O buraquinho do hímen pode, sim, se expandir se a penetração for devagar. Dependendo da penetração, pode haver um rompimento nas laterais, podendo ocasionar o sangramento", explica Débora.
Outro fator que influencia esse medo é a falta de conhecimento sobre a fisiologia feminina. "As meninas imaginam um hímen fechado, sem uma abertura, e que será rasgado", diz.
Dor
É comum que as pessoas relacionem a primeira relação sexual à dor e, segundo Débora, é normal que haja certo incômodo durante as primeiras transas, mas isso não ocorre por questões puramente físicas.
O nervosismo acerca de perder a virgindade e o nível de excitação da mulher podem influenciar aspectos do corpo, como a lubrificação e a contração da vagina . "No primeiro momento, a menina pode ficar nervosa e a lubrificação pode ser menor. Estando menor, pode haver dor. Além disso, quando a menina está nervosa, provoca uma contração que dificulta a penetração", informa a educadora.
Além de aumentar o nervosismo, a falta de orientação sobre sexo pode influenciar as expectativas da mulher. Segundo Débora, ter informações suficientes sobre o assunto pode fazer com que a pessoa se sinta mais segura com o momento e, consequentemente, permita-se ficar mais excitada. Para as mulheres que não conseguem relaxar, a educadora diz que o uso de lubrificantes pode tornar a experiência muito mais fácil.
Muitos dos medos das mulheres acerca da primeira vez vêm da falta de conhecimento sobre o próprio corpo
Quanto mais velha, mais dor? 
A não ser que a mulher perca a virgindade em uma idade muito avançada e já esteja passando por alterações hormonais que influenciam na lubrificação (como a menopausa), a idade não interfere no que acontece durante a primeira transa.

Dor, sangramento e mais: conheça alguns mitos sobre a primeira vez

Muitos dos medos das mulheres acerca da primeira vez vêm da falta de conhecimento sobre o próprio corpo

Primeira vez não dá prazer
Segundo Débora, grande parte das mulheres não sente prazer com a penetração. Durante a primeira relação sexual, a falta de conhecimento sobre os próprios desejos e até mesmo sobre o corpo pode fazer com que a mulher não saiba o que a excita e acabe não sentindo prazer.
Mesmo assim, ela explica que isso não é obrigatório. "Talvez elas não tenham prazer com a penetração, mas tenham com outras coisas. Podem ter um orgasmo clitoriano, não um vaginal. Quanto mais segura essa pessoa estiver, as chances de ela sentir prazer são maiores", esclarece a educadora. Ela explica ainda que, caso a pessoa já tenha algum tipo de relação com  o parceiro e já tenha feito outras "brincadeiras", ela já tem alguma noção do que esperar, aumentando as chances de haver prazer.

Após transar, a mulher terá candidíase
Não necessariamente. Débora diz que o rompimento do hímen – que serve para proteger o canal vaginal de bactérias e outros fatores causadores de doenças – faz com que a mulher fique, sim, mais suscetível a qualquer tipo de infecção.
Apesar disso, há outros fatores sem ligação com a primeira vez que também podem contribuir para o desenvolvimento de doenças ou incômodos, como a substância lubrificante do preservativo, a saliva que entra em contato com a vagina e algo presente no próprio pênis.


Saiba por que quase metade das meninas consideram a primeira relação sexual pior do que o imaginado

Em pesquisa realizada pelo Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) da USP, descobriu-se que 47,9% das meninas acharam a primeira vez no sexo pior do que elas imaginavam . Apenas 10%, acham que o sexo foi melhor do que o esperado.
Cena do filme Confissões de Adolescente, em que o casal tem sua primeira vez
 Divulgação
Cena do filme Confissões de Adolescente, em que o casal tem sua primeira vez
A frustração na primeira vez é um problema muito frequente e principalmente feminino. Ao responder a mesma pesquisa, apenas 25,5% dos meninos disseram ter se decepcionado na primeira experiência sexual.

Por que isso acontece?
A sexóloga Lelah Monteiro explica que o principal motivo para a decepção na primeira vez é a fantasia de que vai ser perfeito: “Ela idealiza que vai ser um conto de fadas, que vai sentir prazer e, muitas vezes, sente dor ”, explica ela.
Muitas sentem dor ao perder a virgindade por que estão tensas, diz Lelah, e o relaxamento na hora do sexo é essencial, ele que ajuda na lubrificação e no solta os músculos da vagina, facilitando a entrada do pênis.
As razões para essa preocupação podem ser inúmeras. A sexóloga lembra que muitas meninas fazem o ato escondidas e se desesperam ao pensar que outras pessoas irão descobrir. Algumas cedem ao parceiro por pressão: do companheiro, dos amigos, ou dela mesmo.
Outro motivo para a frustração é o fato de a menina não conhecer ao certo seu corpo e a maneira como sente prazer, antes de se entregar a outra pessoa.
Como evitar a decepção?
Para conhecer o corpo é preciso masturbação. Em um país em que 20% das mulheres nunca se masturbou, Lelah é categórica: “É preciso que ela se toque, e a partir das percepções, sinalize para o parceiro o que gosta”.
Mas de nada adianta se no momento da primeira relação sexual a menina estiver com alguma preocupação.
Para não ter medo de engravidar, Lelah adverte que antes de transar pela primeira vez é preciso saber colocar a camisinha: “Além de deixar claro para o parceiro que é necessário usar preservativo na relação.”
Além do relaxamento, para deixar a relação melhor e mais confortável, as preeliminares são essenciais. "Muito beijo, preeliminar e só depois vai para os finalmentes", sugere a sexóloga. 
Orgasmo
É comum não ter orgasmo logo na primeira vez , mesmo com todas estas dicas. “Orgasmo é um caminho, ele é aprendido”, conta Lelah. Ela explica que, apesar de correr tudo bem, cada menina vai gostar mais de uma posição e, muitas vezes, a primeira realizada não é a preferida dela, ou a melhor para que ela tenha o orgasmo.