ÍSIS,A VIRGEM MÃE DO COSMOS

isis-pássaro-egito


ÍSIS, a Virgem Mãe do Cosmos


Posted by  on 22/07/2017
maat-isis-egitoEsta deusa egípcia sob muitos nomes aparece como o princípio feminino da fecundidade natural entre todas as religiões do mundo antigo. Ela era conhecida como a deusa com dez mil denominações e foi muito mais tarde metamorfoseada pelo catolicismo da igreja de Roma na Virgem Maria, pois Ísis, embora tenha dado à luz a todos os seres vivos – o principal entre eles sendo o Sol (Ísis é a mãe de todos os sóis,inclusive do SOL CENTRAL…) – ainda permaneceu virgem, de acordo com as lendárias histórias.
Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch
ÍSIS (em grego antigo: Ἶσις; original egípcio “Ast, Aset, Auset” ou “Iset”), a Virgem do Mundo
É especialmente apropriado que um estudo do simbolismo hermético comece com uma discussão dos símbolos e atributos da Ísis de Sais. Esta é a Ísis de (da cidade de ) Sais, famosa pela inscrição escrita sobre ela que aparece na frente de seu templo naquela cidade:
Eu, Ísis, sou tudo o que FOI, É e virá a SER, e a nenhum homem mortal jamais me revelei“.
Plutarco afirma que muitos autores antigos acreditavam (erroneamente) que essa deusa era filha de Hermes (Thoth); outros mantiveram a opinião de que ela era filha de Prometheus. Ambos os semideuses foram conhecidos por sua sabedoria divina. Não é improvável que seu parentesco com eles seja meramente alegórico. Plutarco traduz o nome Isis para significar sabedoria. Godfrey Higgins, em sua Anacalypsis, deriva o nome de Isis do hebraico ישע, Iso e do grego ζωω, para salvar (ou salvadora). 
union-of-isis-and-thoth
Algumas “autoridades”, no entanto, por exemplo, Richard Payne Knight (como afirmado em sua obra Symbolical Language of Ancient Art and Mythology – Linguagem Simbólica da Arte Antiga e Mitologia), acreditam que a palavra seja de extração do norte, possivelmente escandinava ou gótica. Nessas línguas, o nome é pronunciado Isa , que significa gelo, ou água em seu significado mais passivo, cristalizado,
Esta deidade egípcia sob muitos nomes aparece como o princípio da fecundidade natural entre quase todas as religiões do mundo antigo. Ela era conhecida como a deusa com dez mil denominações e foi muito mais tarde metamorfoseada pelo catolicismo da igreja de Roma na Virgem Maria, pois Ísis, embora tenha dado à luz a todos os seres vivos – o principal entre eles sendo o Sol (Ísis é a mãe de todos os sóis) – ainda permaneceu virgem, de acordo com as lendárias histórias. 
Apuleius no décimo primeiro livro de The Golden Ass atribui à deusa a seguinte declaração sobre seus poderes e atributos: “Eis que *, eu, movida por suas orações, estou presente com você, eu, que sou a natureza, a mãe de todas as coisas, a rainha de todos os elementos, a descendência primordial das eras, a suprema das divindades, a soberana dos espíritos dos mortos, a primeira dos celestiais e a semelhança uniforme dos deuses e das deusas. Eu, que governo pelo meu aceno de cabeça os cumes luminosos dos céus, as brisas salubres do mar e os silenciosos deploráveis dos reinos abaixo, e cuja divindade o orbe inteiro da Terra venera sob uma forma múltipla, por diferentes ritos e uma variedade de denominações. Phrygians primogeniais me chamam de Pessinuntica, a mãe dos deuses, os aborígenes da Attica, Cecropian Minerva; Cipriotas flutuantes, Vênus Papuense; Os Cretens da flecha, Diana Dictynna; Os sicilianos de três línguas, Styger Proserpine; E os eleusinos, a antiga Deusa Ceres. 
Alguns também me chamam de Juno, outros por Bellona, outros de Hecate e ainda outros Rhamnusia. E aqueles que são iluminados pelos raios incipientes dessa divindade, o Sol, em outras palavras, quando ele sobe. Os etíopes, os Arii e os egípcios habilidosos na aprendizagem antiga, me adorando por cerimônias perfeitamente apropriadas, me chamam pelo meu verdadeiro nome, a rainha Isis “. 
Le Plongeon acredita que o mito egípcio de Isis teve uma base histórica entre os Mayas da América Central, onde esta deusa (ou o PRINCÍPIO FEMININO por ela representado) era conhecida como Rainha Moo. Em Prince Coh, o mesmo autor encontra uma correspondência com Osiris, o marido-irmão de Isis. A teoria de Le Plongeon é que a civilização maia era muito mais antiga do que a do Egito. Após a morte do príncipe Coh, sua viúva, a rainha Moo, fugindo para escapar da ira de seus assassinos, buscou refúgio entre as colônias maia no Egito, onde foi aceita como sua rainha e recebeu o nome de Isis. Enquanto Le Plongeon pode estar certo, a possível rainha histórica afunda em insignificância quando comparada com a Virgem do mundo alegórica e simbólica; e o fato de que ela aparece entre tantas raças e povos diferentes desacredita a teoria de que ela tenha sido (em qualquer momento) uma pessoa histórica (mas podendo se manifestar através de uma mulher que buscasse unir-se a Ela em consciência).
De acordo com Sextus Empírico, a guerra de Tróia foi travada sobre uma estátua da deusa da lua. Para esta lua Helena, e não para uma mulher, os gregos e os troianos lutaram em frente aos portões de Tróia.
Vários autores tentaram provar que Isis, Osiris, Typhon, Nephthys e Aroueris (Thoth ou Mercúrio) eram netos do grande patriarca judeu Noé pelo seu filho Ham. Mas, como a história de Noé e sua arca é uma alegoria cósmica quanto à repovoamento dos planetas no início de cada período mundial, isso só torna muito menos provável que fossem personagens históricos. De acordo com Robert Fludd, o sol tem três propriedades – vida , luz e calor. Estes três vivificam e vitalizam os três mundos – espiritual, intelectual e material. Portanto, é dito ” de uma luz, três luzes “, ou seja, os três primeiros maçons. 
Com toda a probabilidade, Osiris representa o terceiro aspecto, ou material, da atividade solar, Que por suas influências benéficas vitaliza e anima a flora e a fauna da terra. Osiris não é o sol, mas o sol simboliza o princípio vital que fecunda a natureza, que os antigos conheciam como Osiris. Seu símbolo, portanto, era um olho aberto, em homenagem ao Grande Olho do universo, o sol. Oposto ao princípio ativo (masculino) e radiante do fogo impregnador, e do movimento havia o princípio passivo (feminino) e receptivo da Natureza.
A ciência moderna provou que formas que variam em magnitude dos sistemas solares aos átomos são compostas de núcleos positivos e radiantes rodeados por corpos negativos que existem nas emanações da vida central. A partir desta alegoria, temos a história de Salomão e suas esposas, pois Salomão é o sol e suas esposas e concubinas são os planetas, as luas, cometas, asteróides e outros corpos receptivos dentro de sua casa – a mansão solar. Isis, representada na Canção de Salomão pela escrava negra de Jerusalém, é simbólica da natureza feminina receptiva e passiva – o princípio aquoso e maternal que cria todas as coisas por si mesmo após a impregnação ter sido alcançada pela fecundidade dos raios do sol, princípio ativo impregnando a Terra e gerando a vida (nota de Thoth.: como um espermatozoide fecundando um óvulo para gerar um corpo humano).
{“Verum sine mendacio, certum et verissimumQuod est inferius est sicut quod est superius, et quod est superius est sicut quod est inferius” (É verdade, sem mentira, certo e muito verdadeiro: O que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o que está embaixo).}
tabuas-esmeralda-thoth-hermes
THOTH e o controle do “DRAGÃO”, na mão direita AS TÁBUAS DE ESMERALDA, na mão esquerda o caduceu, símbolo do DNA, dos canais de energias IDA, PINGALA e SUSHUMNA
No mundo antigo, o ano tinha 360 dias. Os cinco dias extras foram reunidos pelo Deus da Inteligência Cósmica para servir como aniversários dos cinco deuses e deusas que são chamados de filhos e filhas de Ham. No primeiro desses dias especiais, nasceu Osiris (princípio masculino, positivo e ativo) e, no quarto dia, nasceu Isis. (princípio feminino, negativo e passivo. O número quatro mostra a relação que esta deusa tem com a terra e seus elementos). Seth, o Demônio egípcio ou o Espírito do Adversário, nasceu no terceiro dia. Seth é muitas vezes simbolizado por um crocodilo; Às vezes seu corpo é uma combinação de crocodilo e porco. Isis significa conhecimento e sabedoria, e de acordo com Plutarco, a palavra Seth significa insolência, rebeldia, orgulho. egotismo, egocentrismo, e o orgulho é o inimigo mortal da compreensão e da verdade. Esta parte da alegoria é revelada.
Depois de Osiris, aqui simbolizado como o sol, tornou-se o Rei do Egito e deu a seu povo a plena vantagem de sua luz intelectual, ele continuou seu caminho através dos céus, visitando os povos de outras nações e convertendo todos com quem ele entrou em contato. Plutarco afirma ainda que os gregos reconheceram em Osiris a mesma pessoa que reverenciaram sob os nomes de Dionysos e Bacchus. Enquanto ele estava longe de seu país, seu irmão, Seth, o Maligno, como Loki (irmão adotivo de Thor, filhos de Odin) da Escandinávia, conspirou contra o Deus Sol para destruí-lo. 
Reunindo setenta e duas pessoas como conspiradores companheiros, ele alcançou seu final nefasto de uma maneira muito sutil. Ele tinha uma maravilhosa caixa ornamentada feita justo do tamanho do corpo de Osiris. Ele a trouxe para um salão de banquetes onde os deuses e deusas se banqueteavam juntos. Todos admiravam o belo baú, e Seth prometeu dá-lo a alguém cujo corpo nele coubesse perfeitamente. Um após o outro os deuses presentes se deitaram na caixa, mas sempre com decepção se levantavam até que finalmente Osiris também tentou. 

isis-sistro
ISIS, Rainha dos céus.
Da obra Mosaize Historie der Hebreeuwse Kerke:
Diodoro escreve sobre ter visto uma inscrição famosa gravada em uma coluna em Nysa, na distante ARÁBIA, onde Ísis descrevia-se como segue:
“Eu sou Ísis, Rainha deste país (da Arábia). Eu fui instruída por Thoth. Ninguém pode destruir as leis que estabeleci. Eu sou a filha mais velha de Saturno (o Tempo), o mais antigo dos deuses.
“Eu sou a esposa e a irmã de Osiris, o Rei. Eu fui a primeira a ensinar aos mortais o uso do trigo. Eu sou a mãe de Hórus o Rei. Em minha honra foi a a cidade de Bubaste construída. Regozijai-vos, ó Egito, regozijai-vos, terra que me deu nascimento!” (Veja “Moral e Dogma”, de Albert Pike.)

No momento em que ele estava deitado dentro do baú, Seth e seus cúmplices pregaram sua tampa e selaram as rachaduras com chumbo derretido. Eles então lançaram a caixa no Nilo, abaixo do qual flutuava para o mar. Plutarco afirma que a data em que isso ocorreu foi o décimo sétimo dia do mês de Athyr, quando o sol estava na constelação de Escorpião. Isso é muito significativo, pois o Escorpião é o símbolo da traição. A hora em que Osiris entrou no baú teria sido a mesma estação em que Noé entrou na arca para escapar do Dilúvio.
Plutarco declara ainda que os Pans e os Satyrs (os espíritos da Natureza e elementais) descobriram pela primeira vez que Osiris havia sido assassinado. Estes levantaram imediatamente um alarme, e desse incidente se originou a palavra pânico, que significa susto ou espanto das multidões. Isis, depois de receber a notícia do assassinato de seu marido, que ela aprendeu com algumas crianças que haviam visto os assassinos sair com a caixa, vestiu-se de luto e começou a procurá-lo.
Finalmente Isis descobriu que o baú flutuava perto da costa de Byblos (na costa do atual Líbano, no Mar Mediterrâneo, bem longe do delta do rio Nilo). Lá tinha se alojado nos ramos de uma árvore, que em um curto espaço de tempo cresceu milagrosamente ao redor da caixa. Isso causou espanto ao rei daquele país, tanto que ele ordenou que a árvore fosse cortada e um pilar feito de seu baú para sustentar o telhado de seu palácio. 
ÍSIS ressuscitando Osíris
ÍSIS ressuscitando Osíris
Ísis, visitando Byblos, recuperou o corpo de seu marido, mas que novamente foi roubado por Seth, que cortou o corpo de Osíris em catorze partes, que ele espalhou por toda a terra. Ísis, em desespero, começou procurar, encontrar e reunir os restos cortados de seu marido, mas encontrou apenas treze peças. A décima quarta parte (o falo) não encontrada ela reproduziu em ouro, pois o original havia caído no rio Nilo e tinha sido comido por um peixe.
Seth foi mais tarde morto em batalha pelo filho de Osiris e Ísis, Hórus. Alguns egípcios acreditavam que as almas dos deuses eram levadas para o céu, onde brilhavam como estrelas. Supunha-se que a alma de Ísis brilhasse na Estrela da constelação de Canis Major (Cão Maior), chamada de Sírius(a estrela mais brilhante do céu da Terra), enquanto Seth se tornou a constelação do Urso. No entanto, é duvidoso que essa ideia tenha sido geralmente aceita. Osíris é considerado como a constelação do caçador, Órion.
Entre os egípcios, Ísis é muitas vezes representada com um tocado que consiste na cadeira do trono vazio de seu marido assassinado, Osiris, e essa estrutura peculiar foi aceita durante certas dinastias como seu hieróglifo. Os tocados dos egípcios têm grande importância simbólica ocultista e emblemática, pois representam os corpos áuricos das inteligências sobre-humanas, e são usados da mesma forma que os nimbus, halo e aurele que são usados na arte religiosa católica. Frank C. Higgins, um conhecido simbolista maçônico, observou com astúcia que as lâminas ornamentadas de certos deuses e faraós estão inclinadas para trás no mesmo ângulo que o eixo da Terra. 
As vestes, as insígnias, as jóias e os ornamentos dos hierofantes antigos simbolizavam as energias espirituais que irradiavam do seu corpo de luz através do corpo humano. A ciência moderna está redescobrindo alguns dos segredos perdidos da filosofia hermética. Uma delas é a capacidade de avaliar o desenvolvimento mental, as qualidades da alma e a saúde física de um indivíduo das flâmulas de força elétrica semi-visível que derramam da superfície da pele de todo ser humano em todos os momentos durante sua vida. (Para detalhes sobre um processo científico para tornar visíveis as emanações áuricas, veja The Human Atmosphere por Dr. Walter J. Kilner.)
Ísis às vezes é simbolizada pela cabeça de uma vaca; ocasionalmente, todo o animal é o símbolo dela. Os primeiros deuses dos escandinavos foram lambidos de blocos de gelo pela Mãe Vaca (Audhumla), que simbolizava o princípio do nutrimento natural e a fecundidade devido ao seu leite. Ocasionalmente, Ísis é representada como um pássaro. Ela costuma carregar em uma mão a cruz ansata (Anhk), o símbolo da vida eterna e, na outra, o cetro florido, simbólico de sua autoridade.
A Constelação de Cão Maior e sua principal estrela, a mais brilhante nos céus da Terra, SÍRIUS, que fica distante 8,57 anos luz de nosso sistema solar.
O deus egípcio Thoth, mais tarde o grego Hermes Trismegistus (e mais tarde ainda, Mercúrio, em Roma), o criador da civilização egípcia e também o fundador da escola de sabedoria do Egíto, o sábio do mundo (muito) antigo, insinou aos hierofantes e filósofos da antiguidade os segredos preservados até hoje em mitos, rituais, símbolos e lendas. Essas alegorias e figuras emblemáticas escondem a formulação secreta para a regeneração espiritual, mental, moral e física comumente conhecida como a Química Mística da Alma (alquimia). Essas verdades sublimes eram comunicadas aos poucos iniciados das Escolas do Mistério, mas eram escondidas do profano, da massa ignorante presa na satisfação de suas necessidades meramente materiais (o pessoal do PÃO e CIRCO). O último, incapaz de entender os princípios filosóficos abstratos, adorava os ídolos esculpidos dos deuses em qualquer material concreto que eram emblemáticos dessas verdades secretas, sem nunca entende-las. 
A sabedoria e o sigilo do sagrado no Egito também estão resumidos na Esfinge, que preservou seu segredo dos buscadores de mais de mil gerações. Os mistérios do Hermetismo, as grandes verdades espirituais escondidas prudentemente do mundo pela ignorância das massas e as chaves das doutrinas secretas dos antigos hierofantes são todas simbolizadas pela Ísis Virgem. Velada da cabeça aos pés, ela revela sua sabedoria apenas aos poucos iniciados testados pela sabedoria que ganharam o direito de entrar em sua presença sagrada, e levantar da figura velada da Natureza seu manto de obscuridade e enfrentar (compreender) a Realidade Divina (do feminino sagrado).
{“Por trás do véu de caos existe ainda outro e outro desse tipo. Seja sincero, não lisonjeie e nem amaldiçoe  falsamente o divino, e posso, então, garantir-lhes que uma vez na vida lhes será oferecida uma oportunidade de saber tudo o que existe para saber e, assim, trazer a vocês a paz espiritual. Se vocês estiverem desconfortáveis dentro da vestimenta (O CORPO HUMANO DE BARROde peregrinação (como a maior parte dos de sua raça), tenham paciência e esperem, pois foi profetizado: os grandes mistérios serão revelados a todos no dia em que o sumo sacerdote de Ra chegar ao meio-dia e gritar: “Venham todos, aprendam e conheçam, pois “ÍSIS está sem VÉU“.  Eu Sou Benagabra de Delment}
As explicações nestas páginas dos símbolos peculiares da Ísis Virgem são baseadas (a menos que seja indicado de outra forma) em seleções de uma tradução livre do quarto livro de Bibliotèque des Philosophes Hermétiques, intitulado “The Hermetical Signification of the Symbols and Attributes of Isis”, com interpolações pelo compilador para amplificar e esclarecer o texto.
As estátuas de Ísis eram decoradas com o sol, a lua e as estrelas, e muitos emblemas pertencentes à mãe Terra, sobre os quais se acreditava que Ísis governava (como o espírito guardião da natureza que personificava). Várias imagens da deusa foram encontradas em que as marcas de sua dignidade e posição ainda estavam intactas. De acordo com os filósofos antigos, ela personificou a Natureza (cósmica) Universal, a mãe de todas as produções (a criadora, a mãe de todos os SÓIS). A deidade era geralmente representada como uma mulher parcialmente nua, muitas vezes grávida, às vezes coberta vagamente com uma peça de cor verde ou preta, ou de quatro tons diferentes entremeados: preto, branco, amarelo e vermelho.
Isiscosmi
ÍSIS a mãe CÓSMICA de todos os sóis….
Mas o que mais me deslumbrava excessivamente, era uma túnica muito negra, fulgida com um esplendor escuro, e que, espalhando-se e passando por seu lado direito, e subindo para o ombro esquerdo, subia protuberante como o centro de um escudo, A parte pendente da túnica caindo em muitas dobras, e tendo pequenos nós de franja, fluindo graciosamente nas extremidades. Estrelas brilhantes foram dispersas através da borda bordada da túnica e através de toda a sua superfície: e a lua cheia, brilhando no meio das estrelas, soprava labaredas flamejantes. No entanto, uma coroa, inteiramente composta de flores e frutos de todo tipo, aderia com conexão indivisível ao limite dessa túnica conspícua, em todos os seus movimentos ondulantes. 
O que ela carregava em suas mãos também consistia em coisas de natureza muito diferente. Por sua mão direita, de fato, carregava um chocalho de bronze através da lâmina estreita dobrada como um cinto, com algumas hastes que passavam, produzia um som triplo acentuado, através do movimento vibratório de seu braço. Um vaso oblongo, na forma de um barco, pendia de sua mão esquerda, na alça da qual, naquela parte em que era conspícua, uma bela serpente áspide erguia a cabeça ereta e o pescoço em grande parte intumescido. E os calçados tecidos das folhas da palmeira vitoriosa cobriam seus pés imortais. 
A cor verde alude à vegetação que cobre a face da terra e, portanto, representa a túnica da natureza. O negro representa a morte e a corrupção da matéria como sendo o caminho para uma nova vida e uma nova geração. [“Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. João 3:3] O branco, o amarelo e o vermelho significam as três principais cores da medicina universal alquímica, hermética, depois que o negrume da sua putrefação acabou.
Os antigos davam o nome de Ísis a um dos seus medicamentos ocultos; portanto, a descrição aqui dada relaciona-se um pouco com a química. Sua cobertura negra também significa que a lua, ou a umidade lunar – o mercúrio universal e a substância operativa da Natureza na terminologia alquímica – não tem luz própria, mas recebe sua luz, seu fogo e sua força vitalizante do sol. Ísis era a imagem ou representante das Grandes Obras dos sábios: a Pedra Filosofal, o Elixir da Vida e a Medicina Universal.
Uma serpente entrelaçada entre as folhas de azeitona em sua cabeça, devorando sua própria cauda, denota que a unctuosidade aurífera estava suja com o veneno da corrupção terrestre que o cercou e deve ser mortificado e purificado por sete circulações planetárias ou purificações chamadas águias voadoras (terminologia alquímica) Para torná-lo medicinal para a restauração da saúde. (Aqui as emanações do sol são reconhecidas como um remédio para a cura de doenças humanas.) As sete circulações planetárias são representadas pelas circunvoluções da loja maçônica; pela marcha dos sacerdotes judeus sete vezes ao redor dos muros de Jericó e dos sacerdotes maometanos sete vezes ao redor da Kaabba, o cubo negro em Meca. Da coroa de ouro se projetam três cornucópias de abundância, significando a plenitude dos dons da Natureza procedentes de uma raiz que tem sua origem nos céus (a cabeça de Ísis).

O SISTRUM.
O SISTRUM.
Para aquela parte do universo que está sujeita à geração e a corrupção ela está contida na esfera da Lua; e quaisquer movimentos ou mudanças podem acontecer nela, são todos efetuados pelas diferentes combinações dos quatro elementos primários, fogo, terra, água e ar (todos originados do invisível Aether) – além disso, na parte superior da superfície convexa do sistrum estão esculpidas as efígies De um gato com um rosto humano, como na parte inferior dele, sob aquelas cordas móveis, está gravada de um lado o rosto de Ísis e, por outro, o de Nephthys – pelos rostos representando simbolicamente geração e corrupção (Que, como já foi observado, não é senão o movimento e a transmutação dos quatro elementos uns nos outros), ” (De Plutarch’s Isis e Osiris .)

Outros hieróglifos vistos em conexão com Isis não são menos curiosos do que aqueles já descritos, mas é impossível enumerar tudo, pois muitos símbolos foram usados indistintamente pelos hermetistas egípcios. A deusa geralmente usava na cabeça um chapéu feito de galhos de ciprestes, para significar o luto pelo marido (Osíris) morto e também pela morte física que ela fazia passar cada criatura para receber uma nova vida na posteridade ou uma ressurreição periódica. A cabeça de Isis às vezes é ornamentada com uma coroa de ouro ou uma guirlanda de folhas de oliveira, como marcas visíveis de sua soberania como rainha do mundo e mãe de todo o universo. A coroa de ouro significa também a suntuosidade ou a gordura sulfúrgica dos fogos solares e vitais que ela dispensa a cada indivíduo por uma circulação contínua dos elementos, esta circulação é simbolizada pelo chocalho musical que ela carrega em sua mão. Este sistrum é também o símbolo da pureza.
Nesta figura, os naturalistas pagãos representam todos os poderes vitais dos três reinos e famílias de natureza sublunar – mineral, vegetal e animal (homem considerado como um animal). Em um de seus ouvidos estava a lua e no outro o sol, para indicar que estes dois eram os agentes ativo e passivo, ou os princípios pai e mãe de todos os objetos naturais; e que Isis, ela própria a Natureza, faz uso desses dois luminares para comunicar seus poderes a todo os reinos, o mineral, vegetal, animal e humano. Na parte de trás do seu pescoço estavam os personagens dos planetas e os simbolos do zodíaco que ajudavam os planetas em suas funções. Isto significava que as influências celestiais dirigiam os destinos dos princípios e fecundidade de todas as coisas, porque eram os governadores de todos os corpos subliminares,
Isis segura na mão direita um pequeno veleiro com o fuso de uma roda giratória para o seu mastro. Do topo do mastro projeta uma jarra de água, seu punho em forma de serpente inchada com veneno. Isso indica que Isis dirige o castigo da vida, cheio de problemas e misérias, no oceano tempestuoso do tempo. O fuso simboliza o fato de ela girar e cortar o fio da vida. Estes emblemas significam ainda que Isis abunda em umidade, através da qual ela nutre todos os corpos naturais, preservando-os do calor do sol, humidificando-os com umidade nutritiva da atmosfera. A umidade suporta a vegetação, mas essa umidade sutil (o éter vital) é sempre mais ou menos infectada por algum veneno que decorre da corrupção ou decaimento. Deve ser purificado ao ser posto em contato com o fogo de limpeza invisível da natureza.
A serpente muda sua pele anualmente e, assim, renovada (simbólica da ressurreição da vida espiritual a partir da natureza material). Essa renovação da Terra ocorre a cada inverno e primavera, quando o espírito vivificante do sol retorna aos países do Hemisfério Norte,
A Virgem simbólica carrega em sua mão esquerda um sistrum e um prato ou um quadrado de metal, que quando atingido dá a nota-chave da Natureza (Fa); Às vezes também um ramo de oliveira, para indicar a harmonia que ela preserva entre as coisas naturais com seu poder de regeneração. Pelo processo de morte e corrupção ela dá vida a todas as criaturas de diversas formas através de períodos de mudança perpétua. O címbalo é feito em quadrado em vez da forma triangular usual para simbolizar que todas as coisas são transmutadas e regeneradas de acordo com a harmonia dos quatro elementos.
O Dr. Sigismund Bacstrom acreditava que, se um médico pudesse estabelecer harmonia entre os elementos da terra, do fogo, do ar e da água, e uni-los em uma pedra (a Pedra Filosofal) simbolizada pela estrela de seis pontas ou dois triângulos entrelaçados, ele faria Possuir o meio de curar todas as doenças. O Dr. Bacstrom afirmou ainda que não havia dúvida em sua mente de que o fogo universal (omnipresente) da Natureza Universal “produz tudo e é tudo em tudo”. Por atração, repulsão, movimento, calor, sublimação, evaporação, exsudação, inspiração, coagulação e fixação, o Fogo Universal (o Espírito, a causa) manipula a matéria (efeito) e se manifesta ao longo da criação universal. Qualquer indivíduo que possa entender esses princípios e adaptá-los aos três departamentos da Natureza se torna um verdadeiro filósofo.
isis-pássaro-egito
Do peito direito de Isis, projetava um cacho de uvas e do esquerdo uma espiga de milho ou um feixe de trigo de cor dourada. Estes indicam que a Natureza é a fonte de nutrição para a vida mineral, vegetal, animal e humana, alimentando tudo de si mesma. A cor dourada no trigo (milho) indica que na luz solar ou no ouro espiritual está escondido o primeiro germe que fecunda toda a vida.
No cinto que circunda a parte superior do corpo da estátua aparecem uma série de emblemas misteriosos. O cinto é unido na frente por quatro placas de ouro (os elementos), colocados na forma de um quadrado. Isto significava que Isis, ou Natureza, a primeira questão (terminologia alquímica), era a essência dos quatro elementos (vida, luz, calor e força), que a quintessência gerava todas as coisas. Numerosas estrelas são representadas neste cinto, indicando assim sua influência na escuridão, bem como a influência do sol na geração da luz material. Isis é a Virgem imortalizada na constelação de Virgem, onde a Mãe do Mundo é colocada com a serpente sob seus pés e uma coroa de estrelas em sua cabeça. Em seus braços, ela carrega um feixe de grãos e às vezes o jovem Deus do Sol.
A estátua de Ísis era colocada em um pedestal de pedra escura, ornamentada com cabeças de carneiros. Os pés dela pisavam uma série de répteis venenosos. Isso indica que a Natureza tem poder para libertar a acidez ou o sal de todos os corrosivos e superar todas as impurezas da corrupção terrestre que aderem aos corpos. As cabeças dos carneiros indicam que o tempo mais auspicioso para a geração de vida é durante o período em que o sol passa pelo signo de Áries (o começo da primavera no hemisfério norte). As serpentes sob seus pés indicam que a Natureza está inclinada a preservar a vida e curar doenças, expulsando impurezas e corrupção e a necessidade de se ter autodomínio em relação ao animal no ser humano. Nesse sentido, os axiomas conhecidos pelos antigos filósofos são verificados; nomeadamente:
“A natureza contém a natureza, a natureza se alegra em sua própria natureza, a natureza supera a natureza; a natureza não pode ser alterada, a não ser em sua própria natureza”.
[o parágrafo continua] Portanto, ao contemplar a estátua de Isis, não devemos perder de vista o sentido oculto de suas alegorias; de outra forma, a Virgem continuará a ser um enigma inexplicável.
De um anel dourado no braço esquerdo, desce uma linha, ao fim da qual é suspensa uma caixa profunda cheia de carvões e incenso flamejantes. Isis, ou a Natureza personificada, traz consigo o fogo sagrado, religiosamente sendo preservado queimando em um templo especial pelas sacerdotisas virgens vestais. Este fogo é a chama genuína e imortal da Natureza – etérea, essencial, o criador da vida. O óleo inconsumível; o bálsamo da vida, muito louvado pelo sábio e muitas vezes referido nas Escrituras, é frequentemente simbolizado como o combustível dessa chama imortal. Do braço direito da figura também desce um fio, ao fim do qual é fixado um par de escalas, para denotar a exatidão da Natureza em seus pesos e medidas. Ísis é muitas vezes representada como o símbolo da justiça, porque a Natureza é eternamente consistente.

isis-madona-horusDe Lenoir’s La Franche-Maconnerie .
Isis é mostrado com seu filho Hórus em seus braços. Ela é coroada com a esfera lunar, ornamentada com os chifres de um touro. Hórus como ele é conhecido, era filho de Isis e Osiris. Ele era o deus do tempo (do ano), das horas, dos dias e da extensão da vida reconhecida como existência mortal. Com toda a probabilidade, os quatro filhos de Hórus representam os quatro reinos da natureza. Foi Hórus que finalmente vingou o assassinato de seu pai, Osiris, matando Seth, seu tio e símbolo do Mal.

A Virgem Mundial às vezes é mostrada em pé entre dois grandes pilares – o Jachin (princípio ativo, masculino, polaridade positiva) e Boaz (princípio passivo, feminino, polaridade negativa) do Templo de Salomão – que simbolizam o fato de a Natureza criar e atingir a produtividade por meio da união das polaridades. Como a sabedoria (sophia) personificada, Isis está entre os pilares dos opostos, demonstrando que a compreensão sempre é encontrada no ponto de equilíbrio e que a verdade é muitas vezes crucificada entre os “dois ladrões” de aparente contradição.
O brilho de ouro em seus cabelos escuros indica que, enquanto ela é lunar, seu poder é devido aos raios do sol, de onde ela assegura sua pele corada. Como a lua é vestida na luz refletida do sol, Isis, como a virgem do Apocalipse, está vestida com a glória da luminosidade solar. Apuleius afirma que enquanto ele estava dormindo, viu a venerável deusa Isis saindo do oceano. Os antigos perceberam que as formas primárias de vida saíram da água (pela ordem, decrescente, do mais espiritual para o material: Aether, fogo, ar, água e finalmente terra…), e a ciência moderna concorda com essa visão. HG Wells, em seu Esboço da História, descrevendo a vida primitiva na terra, afirma: “Mas, embora o oceano e a água intermareal já estufassem com a vida, a terra acima da linha da maré alta ainda era, até onde podemos adivinhar, uma região selvagem das pedras sem vestígios de vida”. 
No próximo capítulo, ele acrescenta: “Onde quer que a linha de terra corresse, havia vida, e a vida continuava por dentro e com a água como sua casa, seu meio e sua necessidade fundamental”. Os antigos acreditavam que os espermas universais procedessem de vapor quente, úmido mas ardente. A Ísis velada, cujas próprias revestimentos representam o vapor, é simbólica dessa umidade, que é o veículo ou o veículo para a vida espermática do sol, representada por uma criança em seus braços. Porque o sol, a lua e as estrelas(outros sóis, mais distantes) no cenário parecem afundar no mar e também porque a água recebe seus raios em si mesma, acreditava-se que o mar era o caldo de cultivo para o esperma dos seres vivos. Este esperma é gerado a partir da combinação das influências dos corpos celestes; Portanto, Isis às vezes é representada como grávida. 
Freqüentemente, a estátua de Ísis era acompanhada pela figura de um grande touro preto e branco. O touro representa Osiris como princípio ativo, fecundador, o touro do zodíaco, ou Apis, um animal sagrado para Osiris por causa de suas simbologia do mundo material, o corpo físico. Daí a presença do animal era um lembrete dos trabalhos pacientemente realizados pela Natureza para que todas as criaturas pudessem ser criadas e ter saúde. Harpócrates, o deus do Silêncio, colocando os dedos na boca, muitas vezes acompanha a estátua de Ísis. Ele adverte a todos para manter os segredos do sábio daqueles incapazes de conhecê-los.
Os druidas da Grã-Bretanha e da Gália tinham um profundo conhecimento sobre os mistérios (do feminino) de Ísis e adoravam-na sob o símbolo da lua. Godfrey Higgins considera um erro considerar Ísis como sinônimo da lua. A lua foi escolhida para Isis por causa de seu domínio sobre a água. Os druidas consideravam o sol ser o pai e a lua a mãe de todas as coisas. Por meio desses símbolos, eles adoravam a Natureza Universal.
virgem-jophra-zodiaco
A figura de Isis às vezes é usada para representar as artes ocultas e mágicas, como necromancia, invocação, feitiçaria e taumaturgia. Em um dos muitos mitos a respeito dela, Ísis disse ter conjurado o deus das eternidades, Ra, para lhe contar seu nome secreto e sagrado, o que ele fez. Este nome é equivalente à palavra perdida da maçonaria. Por meio desta palavra, um mágico poderia exigir a obediência das divindades invisíveis e inferiores. Os sacerdotes de Ísis tornaram-se adeptos no uso das forças criativas (elementais) invisíveis da natureza. Eles entenderam o hipnotismo, o mesmerismo e outras práticas similares antes do mundo moderno sonhar com a sua possibilidade. Plutarco descreve os requisitos de um seguidor de Ísis desta maneira:
“Pois, não é o comprimento da barba, ou a textura das vestes que faz um filósofo, um hierofante, assim nem as aparas freqüentes, nem o mero vestido [de] uma roupa de linho que constitui um devoto(a) de Ísis (do feminino), mas ele(a) sozinho é um verdadeiro servo ou seguidor desta deusa, que, depois de ter ouvido e feito familiaridade com a história das ações desses deuses, busca no oculto as verdades que ela escondeu debaixo deles e examina a todo segundo os ditames da razão e da filosofia”.
Durante a Idade Média, os trovadores da Europa preservaram, em segredo, nas suas canções as lendas desta deusa egípcia. Eles compuseram sonetos para a mulher mais “bonita” de todo o mundo. Embora poucos tenham descoberto sua identidade, ela era Sophia, a Virgem da Sabedoria, a quem todos os hierofantes do mundo cortejaram. Ísis representa o mistério da geração do feminino, da maternidade, que os antigos reconheceram como a prova mais aparente da sabedoria onisciente da natureza e do poder de deus que ofuscava. Para o buscador moderno ela é o epítome do Grande Desconhecido, e somente aqueles que descobrem seus mistérios e sabedoria serão capazes de resolver os mistérios da vida, da morte, da geração e da regeneração.
A MUMIFICAÇÃO NO EGÍTO
Servius, comentando sobre o A Eneida de Virgílio, observa que “os sábios egípcios cuidavam de embalsamar os corpos de seus mortos e depositá-los em catacumbas, a fim de que a alma possa ser preservada por muito tempo em conexão com o corpo, e pode não ser em breve alienada, enquanto os romanos, com um design oposto, comprometeram os restos de seus mortos para a pilha de funeral, com a intenção de que a centelha vital possa ser imediatamente restaurada ao elemento geral ou retornar à sua natureza intocada”. (Da análise de Prichard da mitologia egípcia .)
Não há registros completos disponíveis que dêem a doutrina secreta dos egípcios quanto à relação existente entre o espírito, a consciência e o corpo que habitava. No entanto, é razoavelmente certo que Pitágoras, que havia sido iniciado nos templos egípcios, quando promulgou a doutrina da metempsicose, reafirmou, em parte pelo menos, os ensinamentos dos iniciados egípcios. A suposição popular de que os egípcios mumificavam seus mortos para preservar a forma de uma ressurreição física é insustentável à luz do conhecimento moderno em relação à sua filosofia de morte. No quarto livro de On Abstinence from Animal Food, Porphyrio descreve um costume egípcio de purificar os mortos, removendo o conteúdo (os orgãos) da cavidade abdominal, que eles colocaram em um baú separado.
Então, literalmente, os primeiros cristãos interpretaram suas Escrituras que preservaram os corpos de seus mortos, colocando-os em água salgada, para que, no dia da ressurreição, o espírito dos mortos pudesse voltar a entrar em um corpo completo e perfeitamente preservado. Acreditando que as incisões necessárias ao processo de embalsamamento e a remoção dos órgãos internos impedirão o retorno do espírito ao seu corpo, os cristãos enterraram seus mortos sem recorrer aos métodos de mumificação mais elaborados empregados pelos egípcios.
Em seu trabalho sobre a magia egípcia, os riscos do SSDD são as seguintes especulações sobre os propósitos esotéricos por trás da prática da mumificação. “Há toda uma razão para se supor”, diz ele, “que apenas aqueles que receberam algum grau de iniciação foram mumificados, pois é certo que, aos olhos dos egípcios, a mumificação efetivamente impedia a reencarnação. A reencarnação era necessária para almas imperfeitas, para aqueles que não conseguiram passar os testes da iniciação, mas para aqueles que tinham a vontade e a capacidade de entrar no Adytum secreto, raramente havia necessidade para a libertação da alma que se diz ser efetuada pela destruição da corpo.
Durante o período de sua criação, a mumificação foi limitada ao faraó e a outras pessoas de posição real, como presumivelmente compartilharam os atributos do grande Osiris, o rei divino e mumificado do submundo egípcio.
thoth-julgamento-da-alma
Osiris é muitas vezes representado com o par inferior, de seu corpo fechado em um sarcófago de múmia ou envolvido com bandagens de funeral. O espírito do homem consiste em três partes distintas, apenas uma das quais encarna na forma física. O corpo humano era considerado um túmulo ou sepulcro desse espírito encarnado. Portanto, Osiris, um símbolo do ego encarnado, foi representado com a metade inferior de seu corpo mumificado para indicar que ele era o espírito vivo do homem incluído na forma material simbolizada pelo caso da múmia.
Há um romance entre o princípio ativo de deus e o princípio passivo da Natureza. Da união destes dois princípios é produzida a criação racional. O homem é uma criatura composta. De seu Pai (princípio ativo, masculino, positivo) ele herda seu Espírito Divino, o fogo da aspiração – essa parte imortal de si mesmo que se eleva triunfante do útero da mortalidade: a parte que permanece depois que os organismos naturais se desintegraram ou foram regenerados. De sua Mãe (o princípio passivo, feminino e negativo) ele herda seu corpo – a parte sobre a qual as leis da Natureza têm controle: a humanidade, a personalidade mortal, seus apetites, vícios, seus sentimentos e suas emoções. Os egípcios também acreditavam que Osíris era o rio Nilo e que Isis (sua esposa-irmã) era o leito do rio e a terra contígua, que, quando inundada pelo rio, dava seus frutos e próspera colheita e abundância de todos os tipos de grãos.
No Egito antigo a data correspondente a 26 de julho era o evento astronômico que marcava o inicio da celebração de um novo ano e o princípio das cheias do Rio Nilo, um fato fundamental na existência do Egito, que fertilizaria a terra e traria a abundância de alimentos pela fertilização das terras às margens do rio Nilo em função das cheias.
Esta data TAMBÉM corresponde à subida, o resurgimento da estrela SÍRIUS, a principal estrela da Constelação do Cão Maior (Canis Major), e a mais brilhante nos céus da terra, minutos antes do nascer do Sol no amanhecer do dia 26 de julho, fenômeno conhecido como o nascimento HELÍACO DE SÍRIUS, e que ocorre anualmente EM TODAS AS MANHÃS DO DIA 26 de Julho.
Este auspicioso alinhamento anual de SÍRIUS (Sothis para os gregos) com o nosso Sol (Hélios) – que marca também o início do novo ano do calendário Maia de 13 luas – assegura a propagação de luz e da abundância sobre a Terra E TAMBÉM INICIA O ANO NOVO na civilização do EGITO antigo
ÍSIS atrás do trono de Osíris
Esquerda: ÍSIS atrás do trono de Osíris, segurando o ANKH, o símbolo da vida. 
Durante sete dias (uma semana, de 26 de julho a 02 de agosto), a divindade principal homenageada era ÍSIS, a principal deusa do panteão egípcio, a esposa e irmã do Faraó e o verdadeiro poder (o poder da deusa, o princípio feminino) por trás de seu trono e cuja representação nos céus é a própria estrela SÍRIUS (representada na nossa bandeira, simbolizando o Estado do Mato Grosso, no Centro-Oeste, uma região que gera abundantes colheitas de grãos anualmente). O Faraó era representado nos céus pela constelação de ÓRION (Princípio Masculino). 
Sendo a estrela fixa mais brilhante do céu e o segundo sistema solar mais próximo do nosso, SÍRIUS é, há muito tempo, vista como elo de ligação, o acesso a um estado de consciência mais elevado que auxiliaria na aceleração da evolução do nosso planeta e da humanidade cuja energia fundamental está associada ao Princípio Feminino do Divino, à energia da deusa: ÍSIS. 
Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.