VOCÊ NÃO É A MENTE - SAMBODH NASEEB





"Os sábios ensinam: você não é sua mente. Verifique: se te sentes cansado, vê se é o corpo ou você que está cansado? Se te sentes triste, vê se é a sua mente ou você que está triste.

Os sábios nos ensinam claramente que o Ser real não pode sair da bem aventurança. A ideia de ser alguém separado do Todo é que sente-se cansada e triste. Uma ideia aparecendo e desaparecendo. Vai desaparecer como todas as ideias.

Tornemo-nos vigilantes para o fato de que a consciência que eu sou, por não ser uma ideia, não pode ser dividida, e portanto, não está no campo dual da separação entre "sujeito eu" versus "objeto mundo".

Eu e o mundo. Eu e as pessoas. Eu e as ideias. Eu e a minha vida. Há sempre esta separação. Eu e a vida, na verdade, é VIDA. "Eu" estou implícito nesta Vida. Não há eu separado da vida. Eu é um pensamento, que também é Vida, que também aparece na Vida.

A Vida cria a vida Eu sou Vida. EU SOU. Este EU SOU é consciência.

A ideia ou sentimento do EU SOU separado da vida é conceitual e energético. O ego é uma contração energética também. Aparece e desaparece. O que somos não desaparece, pois nunca apareceu, em primeiro lugar. Como consciência pode existir ou aparecer? O que aparece, desaparece. Consciência é atemporal.

Tudo que parece existir é simplesmente uma modulação da própria consciência. Mas ela nunca desaparece, porque tudo é ela, tudo é consciência, todas mudanças são nela mesma. Uma ideia acrescida de uma contração energética - isto é que é o falso eu, o falso centro, o ego, a mente egóica.

Idéias e contrações. Idéias na mente e contrações no corpo. Mas onde tudo isto está acontecendo? Neste experienciar. Agora. E quem experiencia este momento? Veja: Ninguém. Como assim?

Ora, quem sou eu? Algo definível e fixo ou uma presença inteligente indefinível e invisível que observa o corpo/mente mudar? Você diz "eu estou triste" e depois diz "eu estou alegre". O que há de comum nessas duas proposições? EU.

Logo, o eu REAL não pode ser triste nem alegre. Ele não pode ser isto nem aquilo. Ele não pode ser nenhuma descrição da mente, porque toda a linguagem está no campo da dualidade certo/errado, feio/bonito, bom/mal, perfeito/imperfeito.

O eu deve estar ali quando a experiência do alegre ou do triste está acontecendo. A isto chamamos consciência. Logo, eu real é consciência. O pensamento não é o eu. Porque o pensamento surge na consciência e depois desaparece. Mas a consciência pura deve permanecer sempre, mesmo que não existam pensamentos. Pois a consciência pura é o sagrado, o atemporal, além da mente.

Antes, o eu era considerado um apanhado de pensamentos na sua mente, junto com sentimentos, emoções e sensações de você mesmo. Isso era sua ideia de eu. A ideia que aprendemos.

Você não é triste nem alegre porque você não existe na mente. Você na mente, este você como você se pensa, é realmente um você inexistente a não ser no pensamento, todo feito da sua riquíssima imaginação. E todos em sua volta criam uma nova verão personalizada de você. Como você pode confiar em algo que não existe? Aí você dá uma gargalhada e vive este momento sendo o momento, apenas o momento. O que quer que aconteça deixa acontecer. Quem é você? O ponto é: você não é uma ideia, porque uma ideia é vista por você. Você vem antes de uma ideia. Quem vem antes de uma ideia? Verifique por si mesmo e verá que aquilo que vem antes de qualquer ideia só pode ser você."

Por Sambodh Naseeb