JET LEG SOCIAL : ENTENDA A CONDIÇÃO E COMO ELA AFETA SUA SAÚDE

Mulher com sono desligando o despertador

Jet lag social: entenda a condição e como ela afeta a saúde

 Você já ouviu falar de ‘jet lag social‘? Mesmo que nunca tenha ouvido essa expressão, é bem provável que você sofre ou já tenha sofrido do problema. A condição, caracterizada por dormir e acordar aos finais de semana mais tarde do que durante a semana, pode estar confundindo o seu relógio biológico e prejudicando sua saúde.

De acordo com estudo Universidade de Pittsburgh, 85% das pessoas dormem e acordam mais tarde aos fins de semana do que durante a semana. Agora, uma pesquisa da Academia Americana de Medicina do Sono revelou que o efeito pode gerar problemas a longo-prazo, como fadiga crônica, sonolência, mal humor e problemas de saúde. Aliás, cada hora de jet lagsocial foi associado a um amento de 11% no risco de doenças cardíacas.
Veja também

Prevenção de doenças

“Os resultados indicam que a regularidade do sono, mais do que sua duração, desempenha um papel importante para a saúde. Isso sugere que um sono regular pode ser uma forma efetiva, barata e relativamente simples de prevenir doenças cardíacas, assim como outros problemas de saúde.”, disse Sierra Forbush, assistente de pesquisa do Programa de Saúde e Sono da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.
Essa não é a primeira pesquisa a revelar o impacto do jet lag social. Um estudo realizada pela Universidade de Munique, na Alemanha, já havia relacionado a condição à obesidade, que aumenta em 33% o risco a cada hora de jet lag. Os resultados também revelaram que pessoas com jet lag social tem maior tendência a fumar, ingerir bebidas alcoólicas em excesso, consumir mais cafeína e a serem mais depressivas que o resto da população.
“Esse comportamento é como se em uma sexta-feira a noite a maioria das pessoas voasse de Paris a Nova York ou de Los Angeles para Tóquio, e voltassem logo na segunda-feira. Já que os efeitos se parecem com a situação de jet lag após uma viagem, nós o chamamos de jet lag social. As pessoas vivem quase como se estivessem em um fuso horário diferente em relação ao relógio biológico.”, explicou Till Roenneberg, pesquisador da Universidade de Munique, que criou o termo.

Entenda o jet leg social

O novo estudo mediu o jet leg social dos participantes subtraindo o ponto médio de sono dos finais de semana, da média dos dias de semana.Isso significa que, se nos dias de semana você geralmente vai dormir à meia noite e acorda as 7h, e nos finais de semana vai para a cama à 1h da manhã e acorda às 8h, você tem uma hora de jet lag social.
Aqueles que relataram uma hora de jet leg social tinham uma propensão 22% maior de qualificar sua saúde como “boa”, mas não “excelente” e 28% mais prováveis a relatá-la como “ruim”.
“Muitas pessoas acordam às 7h durante a semana, mas aos finais de semana vão dormir mais tarde também acordam mais tarde como forma de compensar,as não é bem assim.”, disse Sierra .
Fatores como insônia e duração do sono não foram consideradas e o novo estudo também não analisou se mudanças nos padrões do sono eram responsáveis por isso.

Infelizmente, reverter os efeitos não é tão simples assim. Segundo Roenneberg, manter o mesmo horário todos os dias da semana resultará em pouco tempo de sono, o que também pode ter consequências graves.
Em vez disso, ele propõe que as pessoas tentem alinhar os horários de trabalho com o relógio biológico, o que precisaria de toda uma mudança estrutural. Por isso, o ideal é seguir as sete horas de sono por noite recomendadas pela Academia Americana de Medicina do Sono.

Fonte:http://www.msn.com/pt-br/saude/medicina/jet-lag-social-entenda-a-condi%c3%a7%c3%a3o-e-como-ela-afeta-a-sa%c3%bade/ar-BBCjE67?li=AAggNbi

‘Maratonas de sono’ não compensam noites mal dormidas

Pesquisa mostrou que dormir muito no final de semana não compensa as noites mal dormidas ao longo da semana

Você costuma dormir pouco e compensar nos fins de semana? De acordo com estudo da Universidade Baylor, nos Estados Unidos, o costume de dormir por horas seguidas, em ‘maratonas de sono’ para tentar contrabalançar as noites mal dormidas, pode causar sérios danos ao cérebro.
O estudo mostrou que períodos de sono irregulares, principalmente em pessoas mais jovens, deteriora a função cognitiva, afeta a atenção e a criatividade. O costume de postergar o sono pode influenciar, até mesmo, a saúde mental, causando ansiedade e depressão, segundo informações do site britânico Daily Mail. A Fundação Nacional do Sono, dos Estados Unidos, recomenda que jovens adultos durmam entre sete e oito horas por noite.

O estudo

No estudo, os pesquisadores analisaram os padrões de sono de 28 estudantes de design de interiores da Universidade Baylor, em Waco, no Texas (EUA), a partir da actigrafia – monitoramento do ciclo atividade-repouso do corpo humano. Os resultados mostraram que 79% dos participantes dormiam menos de sete horas em, pelo menos, três noites por semana. O interessante é que os próprios estudantes acreditavam que dormirem mais do que de fato dormiam.
Os participantes também completaram duas sessões de testes cognitivos, uma no início do estudo e outra no final, nos mesmos horários, que avaliavam seus níveis de criatividade e atenção. “O que chamamos de ‘criatividade’ é, muitas vezes, a capacidade das pessoas de ver o elo entre as coisas que, à primeira vista, parecem não estar relacionadas”, explicou Michael Scullin, diretor de neurociência e cognição do sono da Universidade Baylor, ao Daily Mail.

Criatividade

Três palavras vagamente conectadas entre si, como ‘sore’, ‘shoulder’ e ‘sweat’ (em português, dor, ombro e suor) eram ditas aos participantes e eles precisavam descobrir qual seria a quarta palavra que as conectaria. “O que primeiro vem à mente são palavras relacionadas ao exercício físico, mas, neste caso, nenhuma palavra desse tipo realmente funciona”, disse Scullin. “Na verdade, a palavra mais criativa e correta seria ‘cold’ [resfriado]”.
Segundo a autora da pesquisa, Elise King, professora de design na Universidade Baylor, existe um mito de que as ideias criativas ocorrem no meio da noite, por isso muitos viram a madrugada estudando. “Vimos as consequências desse tipo de pensamento: ansiedade, depressão e outras questões da saúde mental. Sem falar os perigos de dirigir tendo o sono privado“, completou.

Memória a curto prazo

A atenção executiva, mais conhecida como memória de trabalho, permite que as pessoas guardem memórias por um curto período de tempo enquanto realizam uma tarefa. Para avaliar esse nível de atenção, os voluntários observaram uma grade com quadrados pretos e brancos e então decidiram se a grade era simétrica ou não.

Fonte:https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=4017745838114193890#editor/target=post;postID=1785528888845142870