terça-feira, 29 de novembro de 2016

"CONEXÃO ESPIRITUAL ENTRE IRMÃOS GÊMEOS"

"CONEXÃO ESPIRITUAL ENTRE IRMÃOS GÊMEOS"


A Doutrina Espírita nos explica que as famílias terrenas têm uma história pretérita em comum o que é ainda mais evidente no caso dos gêmeos. São espíritos unidos por grande sintonia ou por imensa repulsa.
Os gêmeos são seres unidos não só por sua consanguinidade óbvia, mas por uma longa história de convivência espiritual como encarnados ou desencarnados, fato que é ignorado pela ciência oficial. Geralmente são seres de grande afinidade que encontram nessa oportunidade de reencarne simultâneo um grande suporte para enfrentarem as incertezas em relação às tarefas e objetivos assumidos durante a fase de programação pré-encarnatória.
Não existem padrões em relação às conexões espirituais. A experiência dos gêmeos, entretanto, é muito intensa. Sei por vivê-la pessoalmente. Mesmo que um dos gêmeos não sobreviva à gravidez, ou à primeira infância, o vínculo parece persistir, como tenho ouvido em relatos tanto de encarnados quanto dos desencarnados (em nossos trabalhos de assistência espiritual mediúnica).
Os sobreviventes são pessoas que sempre parecem carregar uma pendência íntima, algo não resolvido, uma dor profunda. Isso pode gerar algumas dificuldades na vida física e nos relacionamentos.
A visão do filósofo Bert Hellinger é muito esclarecedora. A terapia por ele criada, a constelação familiar, tem ajudado muito as pessoas que perderam entes queridos de formas incomuns. O fato da perda ocorrer quando recém-nascidos faz com que se pressuponha que não haverá dor para o irmão que sobrevive, mas, a realidade é oposta.
O luto que não é adequadamente vivido e elaborado gera sentimentos confusos. E, até doença. Ainda mais em quem não sabe ainda expressar a dor. O fato da família considerar que uma perda precoce é de menor importância, ou de esquecer o morto, é muito penoso para a dupla energeticamente vinculada.
Por dois motivos: O sobrevivente fica com a impressão que se fosse ele aquele que faltasse ele também não faria diferença, que também seria esquecido. E ainda por cima se sente menos merecedor da vida em relação ao morto, como se devesse algo a ele. Não entende por que ele sobreviveu e o outro não, qual o critério de escolha?
Esses sentimentos são inconscientes e frutos de uma fantasia infantil, desconhecida pelos pais e pelo próprio gêmeo, mas que se for adequadamente elaborada vai dar novo impulso ao personagem em sofrimento.
A forma de elaborar isso é:
1- Primeiro: Reconhecer que sua irmã é sua irmã, é a segunda (terceira...ou quarta??) filha de seus pais, sua irmã gêmea que nasceu doente, viveu pouco tempo mas faz parte da família e deve ser reconhecida como membro dessa família.
2 - Segundo: Admitir que se isso aconteceu é por que a harmonia universal assim exigia, a experiência rápida na terra vivida por sua irmã foi importante e necessária.
3- Terceiro: O fato de sua mãe não a ter visto impediu que ela elaborasse essa dor e o luto adequadamente. Ela, portanto, deveria poder fazer isso, ainda que de forma simbólica.
(Esse era um erro que nós médicos cometíamos muito, achávamos que se não permitíssemos que a mãe visse seu filho morto, ou mal-formado, sua dor seria menor. Ledo engano.)
4- Quarto: O gêmeo sobrevivente também deveria viver o luto, após chorar a perda e reconhecer a dor dessa perda ele ficaria liberado para viver sua própria vida plenamente, sem culpa.
5 - Quinto: Na realidade, depois desse exercício simbólico de reconhecimento da perda você poderá sentir-se como representante de sua irmã na vida física. Uma missão que o tornará alegre, necessário e importante. E, tudo de bom que fizer e conquistar poderá dedicar a ela, em honra dela.
Funcionaria como se você tivesse sua força vital duplicada por desfrutar da experiência encarnatória, neste período, pelos dois. Depois de viver assim por algum tempo, lembrando e honrando sua irmã, ela se sentirá reconhecida e reverenciada, passará, então, a ser uma memória doce.
Esses exercícios são mentais, realizados com respeito e profundidade. Deve haver preparo pessoal e do ambiente para o exercício que corresponde à prece e à meditação. Esses exercícios permitem a nossa conexão com os nossos sentimentos mais elevados e com os espíritos queridos. Podem ser realizados de forma individual, mas se for um exercício vivido solenemente pela família será muito mais produtivo.
E, com a força desse amor, que você mal conhece mas te inunda o espírito, ela se libertará para novas experiências de aprendizado, lá no mundo espiritual ou, até mesmo aqui na terra, através da reencarnação.
E isso repercutirá em você como força, alegria, determinação, coragem, e principalmente esperança e confiança no futuro. O autoconhecimento é um caminho de libertação mas de difícil trânsito, pois exige coragem e persistência. Porém, tenha certeza, vale a pena.

Fonte: Giselle Fachetti Machado - Médica ginecologista
http://www.espiritbook.com.br/profiles/blog/show?id=6387740
Resultado de imagem para irmãos gêmeos univitelinos