domingo, 4 de setembro de 2016

SABEDORIA DO MESTRE OMRAAM MIKHAEL AIVANHOV


SABEDORIA DO MESTRE OMRAAM MIKHAEL AIVANHOV

"Não basta que uma atividade satisfaça o vosso desejo de conhecimento, que ela vos traga a alegria, o apaziguamento ou a descontração. Em cada atividade, deveis procurar uma ocasião de aperfeiçoamento, de libertação interior. Ora, mesmo a maneira como os humanos praticam a arte, a ciência e também a religião revela que eles não procuram nelas, verdadeiramente, meios para se aperfeiçoarem. Perguntareis vós: «Então, o que significa aperfeiçoar-se?... E o que devemos nós fazer para o conseguir?» Aperfeiçoar-se é mudar a qualidade das suas vibrações, a fim de as tornar mais intensas, isto é, mais espirituais.
Tudo reside na intensidade do pensamento, do sentimento e da vida; é isso que a Ciência Iniciática nos revela. Quando o ser humano conseguir viver essa vida intensa, todas as suas atividades, tanto as físicas como as espirituais, contribuirão para o seu aperfeiçoamento."

"O sorriso é já uma saudação, um sinal de reconhecimento, que cada um dirige às pessoas que encontra antes de o fazer pela palavra. Por isso, é importante ter atenção àquilo que se exprime num sorriso. Claro que não se trata de fabricar um sorriso artificial, estudando-se num espelho. É preciso que esse sorriso, que deve exprimir a simpatia, a compreensão, a amizade, venha naturalmente de dentro.
Se fordes capazes de descer às profundezas do vosso ser para aí procurardes o silêncio e a luz, os escultores que existem em vós saberão sempre quais os nervos e os músculos que devem estender ou contrair. Podeis confiar neles. Se quiserdes fabricar por vós mesmos um sorriso, correis o risco de vos deformardes, é o mais provável. Trabalhai, pois, com o humor, a esperança e a fé, e entregai-vos à inspiração dos vossos escultores interiores."

"A espiritualidade é um domínio tão vasto, tão rico, tão complexo, que, após anos de prática, muitas pessoas ainda não sabem como se dirigir nele. Mas quem é que as obriga a aventurarem-se pelos arcanos mais misteriosos da Ciência Iniciática? Que elas se fiquem por métodos muito simples, escolhendo, por exemplo, um pensamento ou um sentimento de grande elevação. Que projetem nele toda a sua atenção, todo o seu amor. Isso será como um sulco que elas cavarão na sua alma e, quando esse sulco estiver cavado, ser-lhes-á mais fácil progredir.
Dar carne e osso ao ensinamento que recebeis – é isso a vida espiritual. A palavra “espírito” contida no adjetivo “espiritual” não deve servir de pretexto para todo o tipo de elucubrações. Na expressão “vida espiritual”, a palavra mais importante é “vida”. Sim, viver, isto é, concretizar as verdades divinas, dar-lhes forma para que elas existam em vós. Deveis ser como o gravador que inscreve caracteres, ou uma imagem, no metal. Esse metal sois vós mesmos e os traços são palavras como “amor”, “luz”, “paz”, “bondade”, que acabarão por se incrustar em vós. "

"De onde vem a serenidade que emana do rosto dos grandes sábios? Muito simplesmente do facto de eles terem conseguido vencer o medo de perder o que quer que seja. Eles elevaram-se até ao cume, onde sentem que existe neles algo de indestrutível e que não pode ser-lhes retirado. Aconteça o que acontecer, o verdadeiro sábio sabe que a única realidade, nele mesmo e em todos os seres, está nesse cume inacessível ao mal, acima de todas as atribulações: o espírito, a centelha que Deus inculcou em cada criatura humana.
Mas, como podemos chegar até lá? Trabalhando sobre nós mesmos, purificando os nossos pensamentos e os nossos sentimentos, a fim de dissolvermos, pouco a pouco, as camadas opacas que nos separam dessa centelha e nos impedem de sentir que ela é a única realidade. Aquilo a que a religião chama Providência decorre desta certeza, ancorada em certos seres que viveram essa experiência, de que algo neles nunca pode ser atingido e escapa a todas as vicissitudes."

"Quando saís de vossa casa, de manhã, para assistir ao nascer do sol, começai, desde logo, por pensar que ides ao encontro de um ser que é vivo, tal como é viva toda a natureza que vos rodeia: as aves, os insetos, as árvores, as flores…, pois a vida é o universo inteiro povoado por uma infinidade de criaturas invisíveis, mas reais.
Neste organismo vivo e consciente que a natureza é, e ao qual nós pertencemos, existem também inúmeras entidades prontas a contribuir para a evolução da humanidade. A terra, a água, o ar, o fogo e as entidades que neles habitam juraram, perante o Eterno, ajudar todos aqueles que trabalham para se tornar criaturas de paz, de harmonia e de beleza. Então, pedi-lhes que venham participar na vinda do Reino de Deus à terra. Esses espíritos que vós chamais começam logo a trabalhar nos corações e nos cérebros humanos e, um dia, o Céu reconhecerá em vós construtores da nova vida. "

"Mesmo quando põem o amor acima de tudo, mesmo quando esperam encontrar “o grande amor” e vivê-lo eternamente, por que é que os homens e as mulheres têm tantas dificuldades em conservá-lo, durante alguns anos ou até, por vezes, apenas durante alguns meses? Porque, no momento em que se sentem atraídos por um ser, eles detêm-se nele ou nela. Não sabem que essa criatura é como um canal por onde passam a beleza, a riqueza, as qualidades de um outro mundo, e que é desse outro mundo que a sua alma tem sede. Então, eles concentram-se nessa criatura e esperam tudo dela. É aí que está o erro e a origem das suas desilusões e dos seus desgostos.
O homem e a mulher devem aprender a considerar-se como pontos de partida no caminho que os conduzirá à nascente do amor, e aí a alegria já não os deixará, pois, na nascente, a água do amor é sempre límpida, pura, vivificante, mas também inesgotável, e é dessa água que eles beberão continuamente, através do ser que amam. "

"Para além daquilo que vemos dele, o nosso corpo físico está munido como que de antenas etéricas, graças às quais está em comunicação com toda a natureza: ele emite e recebe ondas. Desde a mais remota Antiguidade, sabe-se que um corpo nu é dotado de poderes mágicos, que perde quando é vestido. Deste modo, ao exporem-se nus às influências da terra, do ar, da água, do sol, os homens e as mulheres recebem correntes de energias, que podem utilizar para o seu trabalho psíquico.
Mas também é necessário saber que essas antenas com que o corpo físico está apetrechado atraem, indiferentemente, as influências boas e as más. Por isso, se vos expuserdes nus, ou quase, como acontece nas praias durante o verão, estai atentos. Essas exposições só vos serão benéficas se souberdes fechar-vos a todas as correntes negativas, tenebrosas, e abrir-vos apenas às correntes luminosas e divinas. Também neste caso, será por um trabalho do pensamento que conseguireis proteger-vos. "

"Está escrito no livro do Génesis que Deus criou o homem à sua imagem. Mas, como se pode dizer com precisão onde, nele, termina o homem e começa a divindade? É impossível. A natureza humana e a natureza divina estão tão estreitamente ligadas, tão intrincadas uma na outra, que não se pode delimitá-las. A divindade habita em todos os humanos, nos Iniciados mas também nos seres mais vulgares. A diferença entre eles está unicamente na consciência. Aqueles que não conseguem sentir que a Divindade habita neles, impedem-n’A de se manifestar. Existem seres e lugares que estão privados da presença divina porque não a recebem, não a aceitam.
Deus existe em cada um de nós e quer revelar-se aí em toda a sua plenitude, em toda a sua beleza, em todo o seu poder, em toda a sua luz, em todo o seu amor. Mas cabe-nos a nós tomar consciência dessa presença, para lhe permitir que se revele e que aja."

"Vós gostaríeis que as vossas palavras penetrassem nas almas humanas e as impulsionassem na via do bem. Então, ficai a saber que elas devem ser impregnadas pela matéria luminosa da vossa aura. Enquanto deixardes que haja sombras na vossa aura, não sereis persuasivos.
É frequente encontrarmos pessoas que estão surpreendidas por não conseguirem convencer os outros da necessidade de serem bons, generosos, honestos, justos, puros… Elas têm argumentos, exprimem-se bem… Por que é que não as escutam? Porque elas não sentem profundamente aquilo que dizem. As suas palavras soam a oco, pois não estão cheias da matéria subtil da aura, que é a quintessência daquilo que cada ser vive e experiencia no mais profundo de si mesmo. Quem quer ser convincente, persuasivo, deve fazer com que a sua vida esteja em sintonia com as suas palavras, pois é a sua vida que confere força às suas palavras. "

"Por que é que o ser humano é capaz do melhor e do pior? Porque, pela sua consciência, ele se situa na fronteira entre o mundo inferior e o mundo superior. Se ele não estiver vigilante, se a sua consciência não estiver desperta, são as forças obscuras que começam a dominar. Pelo contrário, quando ele se liga às forças do mundo superior, torna-se um canal das correntes benéficas.
A partir do instante em que nós sabemos isso, temos consciência de como é importante o lugar que ocupamos no universo, pois depende de nós que se abram as portas da luz ou as das trevas. Como nos encontramos na fronteira entre estes dois mundos, cada um de nós, pela sua atitude, contribui para as manifestações do bem e do mal na terra. Assim como o sol é a porta das forças divinas no sistema solar, nós podemos tornar-nos portas das forças solares na terra. Temos, pois, uma missão grandiosa a cumprir no universo. "

"Usar, trazer em si, objetos simbólicos ou insígnias religiosas pode ser útil e benéfico, mas só mediante certas condições. Em primeiro lugar, apenas se deve usar símbolos cujo significado se conhece. Cada símbolo é, em alguma medida, um sinal de reconhecimento para os espíritos da natureza e, se os humanos não sabem o que esses símbolos significam, os espíritos sabem-no muito bem. Os símbolos estão sempre ligados a entidades, e todos os que se servem deles relacionam-se com essas entidades e fazem com elas contratos que podem custar muito caro.
Depois, é preciso saber que as entidades luminosas do mundo invisível não gostam de ser tratadas com ligeireza. Elas aceitam ser perturbadas e até apreciam que se recorra a elas, mas combatem aqueles que querem utilizá-las para satisfazer os outros ao serviço de interesses egoístas, de projetos criminosos, e, um dia, eles tornam-se suas vítimas. Só se pode pedir sem perigo a ajuda dos espíritos se se estiver, como eles, ao serviço da Causa Divina."

"Como é o Criador que nos dá os alimentos que tomamos todos os dias, eles estão impregnados da sua vida. Então, como é possível que, quando um ser mau se alimenta, esse alimento, que é divino, não o torne melhor? É porque todo o ser transforma os alimentos na sua própria natureza. Um santo, um Iniciado, que comer dos mesmos alimentos, transformá-los-á em luz, em amor, em bondade. Tudo depende, pois, do estado daquele que come. As pessoas más continuarão más e até se tornarão piores; e as pessoas de bem ficarão ainda melhores.
É uma lei: cada criatura assimila os alimentos à sua própria substância e transforma-os. Esta lei aplica-se no plano espiritual e no plano físico. Por isso é que o místico, o Iniciado, tem um único desejo: oferecer-se em sacrifício ao Senhor para ser absorvido por Ele. Ele sabe que, ao absorvê-lo, o Senhor impregná-lo-á com a sua luz e transformá-lo-á. "

"Vós estais todos os dias em contacto com água, e de diferentes maneiras. Mas quantos de vós estão conscientes de que, pela sua natureza e pelas suas propriedades, a água é, no plano físico, uma expressão da Alma Universal? Por intermédio da água, a Alma Universal envia as suas mensagens. Se não as recebeis, é porque os vossos canais psíquicos ainda estão obstruídos. Mas libertai esses canais, alimentando-os com pensamentos puros e sentimentos puros: elevar-vos-eis até à região da água celeste, que vos encherá com a sua pureza, com a sua transparência.
Aprendei, pois, a amar a água, a trabalhar com ela. Enchei uma taça de água e focai-vos nela, concentrando-vos em imagens belas, harmoniosas, poéticas. Pode acontecer que, então, vejais aparecer essas imagens, porque a água é o verdadeiro espelho mágico. Mas o essencial é sentirdes essas imagens presentes em vós, pois é da sua substância etérica, luminosa, que a vossa alma se alimenta. "

"Não fazer nada nunca foi a melhor maneira de descansar. A melhor maneira de descansar é mudar de atividade. E o trabalho espiritual é precisamente, por natureza, muito diferente de todas as atividades a que estais habituados. Não é como ir todos os dias para um estaleiro, uma fábrica ou um escritório, para sustentardes, por vezes com dificuldade, a vossa vida e a da vossa família. No trabalho espiritual, trata-se de desenvolver a parte divina de vós mesmos que, na existência quotidiana, não é tida em conta, é abafada por toda a espécie de obrigações e de preocupações.
Por isso, o melhor repouso é aprenderdes a introduzir em vós a ordem e a harmonia, é permitirdes à vossa natureza divina que se desenvolva na luz e no amor, a fim de se tornar, um dia, um fator benéfico para o mundo inteiro."

"Quando saís de uma cidade, ficais rodeados de natureza. Então, por onde quer que fordes – às florestas, à beira dos rios, dos lagos, dos oceanos, à montanha –, procurai manifestar-vos como filhos de Deus que aspiram a uma vida mais bela, mais subtil, mais luminosa. Não estejais desatentos, não sejais negligentes, mostrai-vos conscientes da presença dos seres que habitam nesses lugares.
A natureza é um santuário onde vivem criaturas etéricas, que merecem que nos aproximemos delas com respeito. Começai, pois, por saudá-las, testemunhai-lhes a vossa amizade, o vosso amor, dizei-lhes o quanto apreciais o seu trabalho. Essas criaturas, que, de longe, se apercebem da vossa presença, ficam tão maravilhadas com a vossa atitude que se aprontam a derramar as suas bênçãos sobre vós: a paz, a luz, a energia pura. Então, vós sentis-vos banhados, envolvidos, pela atmosfera que emana desses seres espirituais e, quando regressais a vossa casa, trazeis uma enorme riqueza, revelações, pensamentos e sentimentos mais ricos, mais vastos. "

"Será que aquele que diz «Eu…» sabe sempre, verdadeiramente, de quem fala? Quando ele diz «Eu estou… (doente ou com saúde, infeliz ou feliz), eu quero… (dinheiro, um carro, uma mulher), eu tenho… (tal desejo, tal gosto, tal opinião)», acredita que se trata realmente dele, e é precisamente nisso que se engana.
Como os humanos nunca se analisaram profundamente, para conhecerem a sua verdadeira natureza, identificam-se sempre com esse “eu” representado pelo seu corpo físico, pelos seus instintos, pelos seus desejos, pelos seus sentimentos e pelos seus pensamentos. Mas, se eles procurarem conhecer-se pelo estudo e pela meditação, conseguirão descobrir, para além de todas as aparências, que o seu verdadeiro eu se confunde com o próprio Deus, pois a realidade é que não existe uma multidão de seres separados, mas um Ser único que trabalha em todas as suas criaturas, que as anima e se manifesta através delas, mesmo sem elas se aperceberem. Quando os humanos conseguirem sentir esta realidade, aproximar-se-ão da Nascente divina que é a origem todos de todos. "

"Não vos preocupeis em saber se o ser que amais é também o ser que vos ama. Porquê? Porque o amor circula, vai de um para outro: nós recebemo-lo, devemos dá-lo. O que vós dais a um ser que amais, ele dá-o por sua vez, e assim forma-se uma cadeia, uma corrente, que parte de vós e volta a vós, por intermédio de milhares de homens e de mulheres. Aqueles que se limitam a enviar amor entre si não fazem circular a corrente; pelo contrário, cortam-na.
E vou dar-vos uma outra imagem. Pensai nos humanos como alpinistas que fazem parte de uma única fileira. É preciso que cada um avance e que a corda permaneça esticada. Se disserdes àquele que caminha diante de vós: «Eu amo-te, vira-te para mim, olha para mim!», entravais o caminho de toda a coluna. Virar-se para alguém é afrouxar a corda, é impedir aqueles que estão adiante e os que estão atrás de continuarem a subir. Cada um deve avançar no sentido em que se desloca toda a fileira. Não temos de deter-nos para nos olharmos e falarmos; devemos sempre subir para o cume, sem paragens, sem desfalecimentos. A vida quotidiana apresenta inúmeras ocasiões para interpretarmos esta imagem! "

"Várias vezes, ao longo da sua existência, os humanos têm de passar por provações que os obrigam a colocar a si próprios as únicas questões verdadeiramente importantes: aquelas que dizem respeito ao sentido da sua vida. E, se lhes dizem que encontrarão as respostas na religião, a maior parte deles continua a sentir-se perdida, no vazio, porque respostas feitas não são nenhuma ajuda. Mas, por vezes, acontece que, submersos pelo sofrimento, certos seres mergulham tão profundamente neles mesmos que é aí que, finalmente, encontram as respostas. Não é a religião que os ajuda, não é a fé que os ajuda, mas eles encontram a fé por causa da experiência que estão a viver.
A verdade é que Deus pôs no homem todas as respostas para as questões que ele coloca a si próprio, todos os recursos de que ele necessita para fazer face às provações da vida. Depois de ter procurado, cavado, ele pode acabar por encontrá-las, e até é mais garantido encontrá-las assim do que em certas explicações da religião. "

"Ter fé é fazer, em cada dia, experiências que nos permitem sentir a realidade do mundo divino, pois a fé também se alimenta. Ela alimenta-se à medida que nós tomamos consciência das riquezas que Deus depositou em tudo o que nos rodeia – a terra, a água, o ar, a luz do sol – e fazendo esforços para trabalhar com elas. De que é que serve recitar e cantar que se acredita em «Deus, criador do céu e da terra», se nada se faz para que este céu e esta terra nos ajudem a reforçar a nossa fé n’Ele? As pessoas são inconscientes, negligentes, superficiais, cortam a ligação com a Fonte da vida, e depois dizem: «Nada tem sentido, Deus não existe.»
Na realidade, bastaria fazerdes um esforço para respirar e comer conscientemente, para caminhar e fazer certos gestos conscientemente, e desde logo perceberíeis que as coisas têm um sentido e sentiríeis o poder divino. Nada tem o valor das experiências que se vive, são elas que tornam firme a vossa fé… Quando tiverdes feito certas experiências, sentireis obrigatoriamente, em vós e à vossa volta, a presença do Ser sublime que criou o universo. "

"A beleza exerce um tal poder de fascínio sobre os humanos, que eles são tentados a aproximar-se dela para lhe tocar, para a agarrar, para a possuir. Mas a beleza não pode ser possuída, pois não pertence, por essência, ao mundo físico; por isso, assim que se tenta tocar-lhe, ela escapa-se. A beleza é um mundo feito exclusivamente para os olhos; ela não está destinada nem à boca nem às mãos. Ela gosta de ser olhada, mas não suporta que lhe toquem. Por isso, é preciso estar muito atento quando se encontra um ser verdadeiramente belo. Aqueles que não têm uma atitude correta podem afastar as entidades celestes que nele habitam e que lhe dão essa beleza. Talvez eles possuam o corpo desse ser, mas, se as entidades se afastarem desse corpo, também eles perderão qualquer coisa: ficarão privados do elemento impalpável que embelezava a sua própria vida.
A nossa alegria e a nossa inspiração dependem, pois, do respeito que manifestamos para com a beleza. Aprendendo, todos os dias, a contemplá-la, nós saboreamos a verdadeira vida."
 
"Existem na terra lugares e territórios onde só podeis penetrar apresentando um salvo-conduto, um passaporte, um visto. Ficai a saber que isso é ainda mais verdadeiro no mundo divino. Não basta decidirdes apresentar-vos às portas do céu para elas se abrirem. Estão lá entidades que vos dizem: «Espere aí! Primeiro, temos de ver quem você é e se podemos deixá-lo entrar.»
Em que é que essas entidades se baseiam para se pronunciar? Nas vossas virtudes. Sempre que agistes em conformidade com as virtudes divinas, estas marcam-vos com o seu selo, cada uma deixa em vós traços, registos, e isso é que constitui o vosso salvo-conduto. Quando, munidos com esse salvo-conduto, vos apresentais nas fronteiras do mundo divino, é acionada uma espécie de mecanismo e vós entrais. Talvez não sejais admitidos imediatamente no Santo dos Santos, mas entrais. "
 
"Existem seres que vos amam e isso torna-vos felizes. Sentis esse amor como uma fonte que não para de correr para vós e onde podeis sempre saciar a vossa sede. Isso é verdade, mas estai atentos, sede prudentes: quando chegais junto dessa fonte, não vos apresseis a beber. Parai diante dela, descansai do longo caminho que percorrestes, recolhei a água com as vossas duas mãos, formando uma espécie de taça, e levai-a aos lábios, lentamente, conscientemente, com gratidão. Se conseguirdes adotar a atitude correta, não tereis razões para temer que essa água do amor se esgote.
Esta é uma imagem para vos fazer compreender que o amor é uma nascente inesgotável, desde que saibais protegê-la. Nunca considereis o afeto dos seres como algo que vos é devido e que podeis usar livremente. Comportai-vos com respeito, com delicadeza, para não perturbardes a limpidez dessa água. "
 
"A palavra é criadora de mundos e esses mundos são capazes de se manter por muito tempo. É impossível saber até quando uma palavra pode produzir efeitos. Então, o que pensar de todas essas músicas que se ouvem atualmente, músicas histéricas, nas quais foram postas tantas palavras vulgares ou violentas? É perigoso para uma sociedade subestimar o seu poder destruidor.
Numa Escola Iniciática, a música e, sobretudo, o canto, têm um papel importante a desempenhar. Como no canto somos nós próprios o instrumento que produz os sons, cantar tem sobre nós, sobre o nosso corpo físico e os nossos corpos subtis, efeitos muito poderosos. Por intermédio do canto, emitimos ondas, correntes de forças, que criam em nós formas. Por isso, é essencial redescobrirmos a função mística do canto, concentrando toda a nossa atenção não só na melodia, mas também nas palavras. "

Fonte: http://naluzdamanu.blogspot.com.br/2016/09/mestre-omraam-mikhael-aivanhov.html