Pular para o conteúdo principal

OS BELOS TEMPLOS DE LUXOR E KERNAK NO EGITO


Templos de Luxor e Karnak, Egito

Templo de Luxor.
Templo de Luxor: Luxor é uma cidade localizada ao sul do Egito e capital da província de mesmo nome. Com uma população atual de cerca de 150 mil habitantes, o local é o mesmo onde na antiguidade se localizava a cidade de Tebas, capital do Império Novo egípcio, existente entre 1550 A.C. e 1070 a.C.

O Templo de Luxor, foi iniciado na época de Amenófis III e aumentado mais tarde por Ramsés II, só foi acabado no período muçulmano. É o único monumento do mundo que contém em si mesmo documentos das épocas faraônica, greco-romana, copta e islâmica, com nichos e frescos coptas e até uma Mesquita (Abu al-Haggag). Este templo foi construído para ser um local de celebração em homenagem aos Deuses da antiga Tebas durante o festival de Opet (celebrando as primeiras cheias do Nilo), era dedicado ao deus Amon-Rá, assim como às divindades Mut (esposa de Amon) e Khonsu.
O seu nome antigo era Ipep-resit, traduzido como "Harém do Sul", referindo-se às festas de Opet, quando as estátuas de Amon, Mut e Khonsu eram transportadas de Karnak para Luxor.  Por volta do século II, o templo foi ocupado pelos romanos, mas foi sendo abandonado gradualmente. Foi coberto pelas areias do deserto, até que em 1881 o arqueólogo Gaston Maspero redescobriu o templo, que se encontrava muito bem conservado. Para iniciar a escavação, a vila que tinha crescido perto do templo teve de ser retirada, apenas permanecendo uma mesquita, construída pelos árabes no século XIII.

Na entrada, há uma longa linha de esfinges (que chegava até o complexo de Karnak), assim como grandes estátuas de Ramsés II. Se o grande pátio deste faraó já impressiona (apesar da mesquita de Abu al-Haggag estar encravada nela - repare na entrada do edifício, bem no alto), o destaque vai mesmo para o grande pátio de Amenhotep III, arejado e pontilhado de maciças colunas. Por todo o entorno do complexo estão outros templos e obeliscos menores, como o santuário de Alexandre, o Grande. As suas dimensões são menores do que as do Templo de Karnak.

Fotos do Templo de Luxor:




Templo karnak: O Templo de Karnak tem este nome devido a uma aldeia vizinha chamada El-Karnak, mas no tempo dos grandes faraós esta aldeia era conhecida como Ipet-sut ("o melhor de todos os lugares"). É um dos maiores templos em todo o mundo. Foi iniciado por volta de 2500 aC. e terminado por volta de 360 aC. e o conjunto de 214 km2 foi expandido através de sucessivos reinados de faraós egípcios em um período de 2.000 anos.  É um complexo religioso único que contem um conjunto de templos dedicados, fundamentalmente, à Tríade de Tebas; Amón, Mut, e Khonso, junto a outras divindades egípcias. Este complexo abrange uma área de 1,5 x 0,8 km. O Templo de Karnak atingiu o seu apogeu durante a XVIII dinastia, após a eleição de Tebas para capital do Egito. Durante a XIX dinastia, cerca de 80 000 pessoas trabalharam no templo. O templo esteve submerso nas areias egípcias durante mais de mil anos, até que tiveram início os trabalhos de escavação, em meados do século XVIII, e a enorme tarefa de restauro e conservação continua até aos dias de hoje.

A construção mais importante do conjunto de Karnak é o grande templo de Amon-Rá, cujo plano, muito complexo, abrange numerosas fases da história dos faraós. O grande eixo este - oeste é sinalizado por uma série de pátios e pilares; medindo 103m de largura por 52m de profundidade, até o sancto-sanctorum, uma pequena sala cuja entrada só era permitida para o Sumo Sacerdote, que se encontra no final do eixo monumental.
Karnak tem a célebre sala hipostila (sala cujo teto é sustentado por colunas) que é composta por 134 colossais pilares numa referencia aos 134 deuses egípcios. Os pilares tem a forma de enormes pés de papiro. Esses pilares tem 21m de altura por 4m de diâmetro, e na parte de cima há janelas, pois a intenção era preparar os crentes que vinham da luz intensa do sol do Egito para a semiescuridão do átrio até a escuridão do sancto sanctorum onde o Deus morava protegido por centenas de sacerdotes. Na sala hipostila os nomes de Seth I e Ramsés II estão inscritos e repetidos indefinidamente. Hoje em dia o teto não está mais lá, apenas os pilares. A largura de cada pilar equivale a seis pessoas com os braços esticados formando um circulo. Em outro recinto, avultam duas figuras colossais de Amon e Amonet. Não é mera coincidência que as faces apresentem semelhanças com o rei que as ergueu, Tutankâmon, que ascendeu ao trono em 1361 aC. Numerosos edifícios secundários completam a verdadeira cidade que é o grande templo de Amon-Ra: capelas de Osíris, templo de Ptah, templo de Opeth etc.

No reinado de Hatshepsut, foi erguido o mais alto obelisco do Egito. Decorado com granito rosa, o obelisco tem mais de 27 m de altura e pesa 340 toneladas, com a seguinte inscrição: "Vós que vires este monumento nos anos vindouros e falarem disto que fiz..." Até hoje, o obelisco de pedra está bem preservado e sem pichações graças ao faraó sobrinho vingativo de Hatshepsut, Tutmósis 3º. Na tentativa de eliminar qualquer traço deixado por sua tia em Karnak, ele construiu uma parede em frente ao obelisco para escondê-lo e acabou protegendo o obelisco através dos séculos. Os anais de Tutmés III, nas paredes, registram 20 anos de conquistas e arrolam as plantas e animais exóticos que o faraó trouxe da Ásia. O complexo de Karnak também inclui um santuário decorado por Alexandre, o Grande, com seu nome escrito em hieróglifos; sem mencionar um pátio onde arqueólogos encontraram escondidas impressionantes 17 mil estátuas de bronze do Templo de Amon. Karnak também conta com um Lago Sagrado cuja água era usada pelos sacerdotes do templo em um ritual de purificação, mas as más línguas dizem que era para tomar banho mesmo. Em uma das margens, há um enorme escaravelho de granito, símbolo de Amon, o deus-sol, para seu renascimento a cada manhã após sua jornada pela noite, hoje em dia anda-se ao redor dele, por 3 vezes, fazendo pedidos quê serão atendidos pelo Deus.

Fotos do Templo Karnak:








Fonte:http://www.viagensmundoafora.com.br/2014/01/templos-de-luxor-e-karnak-egito.html



Karnak foi um dos grandes locais cerimoniais do Antigo Egipto


Karnak: Complexo de Templos do Antigo Egipto



Karnak é um antigo recinto de templos egípcios localizado na margem leste do rio Nilo, em Tebas (hoje Luxor). Abrange mais de 100 hectares, uma área maior do que algumas cidades antigas.

O setor central do local, que ocupa a maior quantidade de espaço, é dedicado a Amon-Ra, um deus  masculino associado a Tebas. A área ao redor do seu principal santuário era conhecida na antiguidade como "Ipet-Sun", que significa "o mais seleto dos lugares".

Ao sul da área central fica um pequeno recinto dedicado a sua esposa, a deusa Mut. No norte, há um outro recinto dedicado a Montu, o deus da guerra com cabeça de falcão. Além disso, para o leste, existe uma área - em grande parte destruído intencionalmente na antiguidade - dedicado a Aton, o disco solar.

A construção em Karnak começou há 4.000 anos atrás, e continuou até ao momento em que os romanos tomaram o controle do Egito, há cerca de 2.000 anos atrás. Cada governante egípcio que trabalhou em Karnak deixou a sua marca própria de arquitetura. O projeto Digital Karnak da UCLA reconstruiu e modelou essas mudanças online. 


O seu modelo mostra um desconcertante conjunto de templos, capelas, entre muitos outros edifícios, que foram gradualmente construídos, demolidos e modificados ao longo de mais de 2.000 anos. Karnak teria provocado uma grande impressão nos visitantes antigos, para dizer o mínimo. "Os pilares e paredes do grande recinto foram pintados de branco com os relevos e inscrições em brilhantes cores semelhantes a jóias.

Os primeiros indícios certos de construção de Karnak apontam para o reinado de Wah-Ankh Intef II, um governante egípcio que viveu há mais de 4.000 anos atrás. A equipa da UCLA começa o seu modelo digital no reinado do rei Senwosret I (reinado 1971-1926 AC) e mostra um templo de pedra calcária, com um corte no meio, dedicado a Amon-Ra. Ele contém 12 pilares em frente as bases de que "foram adornados com estátuas do rei engajados na pose de Osíris [deus do submundo]", escreve a equipa. Esta reconstrução é um pouco hipotética já que tão pouco do templo permaneceu até hoje.

Karnak continuaria a ser um recinto modesto até ao Reino Novo, um período de tempo que decorreu entre aproximadamente 1550-1070 AC, quando o trabalho foi acelerado com muitos dos maiores edifícios a ser construídos. A partir do Novo Reino, e continuando durante os séculos seguintes, os governantes egípcios gradualmente criaram uma série de 10 "pilares" em Karnak. Essas torres foram ligadas umas ás outras através de uma rede de paredes. Eles eram frequentemente decorados com cenas que descreviam o governante que os construiu e muitos deles também tinham bandeiras coloridas.

Em Karnak os pilares começam perto do santuário principal e vão em duas direções. Um conjunto de seis torres enfrentam o oeste em direção ao rio Nilo e terminam numa entrada ladeada por uma avenida de esfinges pequenas. Outro conjunto de quatro torres de frente para o sul ao longo de uma rota da procissão usado para cerimónias.

De acordo com o projeto Digital da UCLA, o Salão Wadjet (cujo nome vem do estilo de colunas usadas) foi construído por Tutmés I (reinado 1504-1492 AC), perto do santuário principal, entre os postes de quarta e quinta. Ele mede cerca de 246 pés por 46 pés (75 metros por 14 metros) e foi usado para a coroação do rei e festival de jubileu (Heb-sed).

O festival heb sed tinha lugar 30 anos após um rei subir ao trono e repetia-se a cada três anos seguintes. "Durante o festival, o rei corria em torno de um tribunal heb-sed realizando proezas de força para demonstrar a sua capacidade para continuar a governar o Egito", escreve o pesquisador Pat Remler no seu livro "A mitologia egípcia, de A a Z" (Chelsea House, 2010).

Hatshepsut foi uma mulher faraó do Egito, que reinou entre cerca 1479-1458 AC. Em Karnak ela renovou o principal santuário, criando no seu lugar um "Palácio de Ma'at." Ela também criou uma capela feita de quartzito vermelho para segurar a casca portátil do deus (barco).

Quando o sucessor de Hatshepsut, Tutmés III, subiu ao trono, ele ordenou a destruição de imagens da mulher faraó e destruiu a sua capela de quartzito, substituindo-a por uma de sua autoria. O seu legado em Karnak não era destrutivo como ele ordenou a construção do Ahkmenu, uma estrutura de pilares construídos no lado leste do santuário central. Ele contém uma lista de reis egípcios que datam de antes das Grandes Pirâmides serem construídas.

Talvez o edifício mais fantástica em Karnak seja o "Grande Hall Hypostyle" construído apenas para o oeste do santuário principal. Construído por Seti (ou Sety) I, um rei que governou de 1290-1279 AC, abrange uma área grande o suficiente para acomodar toda a Notre Dame de Paris. O prédio é de cerca de 337 pés (103 metros) por 170 pés (52 metros). Os pesquisadores observam que há 134 colunas no total, tendo as 12 maiores 70 pés (21 metros) de altura e apoiam a parte central da estrutura. As outras 122 colunas têm cerca de 40 pés (12 metros) de altura. Pouco depois de ter sido construído, o salão tornou-se o provável cenário para cerimónias de coroação e heb-sed, substituindo o salão Wadjet nesta função.

Khonsu era o filho de Amon-Ra e da deusa Mut. Um templo dedicado a ele em Karnak foi construído, de forma adequada, colocada entre o principal santuário de Amon-Ra e o local de honra a Mut. Construído por Ramsés III, um rei que reinou 1186-1155 AC, o templo tem cerca de 230 pés (70 metros) por 88 pés (27 metros). As colunas medem cerca de 23 pés (7 metros) de altura. 

A construção continuou em Karnak periodicamente após o fim do Império Novo. O Rei Taharqa, que reinou há cerca de 2.700 anos atrás, fez parte de uma dinastia de governantes da Núbia (atual Sudão), que passou a controlar grande parte do Egito. Ele estava interessado em Karnak "lago sagrado" e construiu o "edifício do lago" ao lado, um monumento em parte subterrâneo.

O último grande programa de construção em Karnak foi realizado por Nectanebo I, um rei da 30ª dinastia final do antigo Egito. Ele reinou entre 380 e 362 AC. Depois da sua dinastia terminar, o Egito seria governado por pessoas descendentes da Pérsia, Grécia e Roma. Nectanebo construiu um muro grande que cercou o local, juntamente com um templo adicional. Ele também começou a construção de um pilar novo em Karnak na entrada ocidental (embora ele não tenha sido capaz de  o terminar).

Os governantes de origem estrangeira que assumiram o controle do Egito continuaram o trabalho em Karnak em algum grau. Ptolomeu IV (reinou entre 221-205 AC) criaria uma série de catacumbas rituais dedicadas a Osíris, deus do submundo. Após o Egito caír sob o controle de Roma, em 30 AC, o trabalho em Karnak esgotou-se e o grande monumento tornou-se o magnífico local arqueológico que hoje conhecemos.

Fonte:http://www.ciencia-online.net/2012/12/karnak-complexo-de-templos-do-antigo.html

Como é visitar o Templo de Luxor

Como é visitar o Templo de Luxor

 
ATUALIZADO EM 11 DE MAIO DE 2016
Depois de conhecer o Templo de Karnak, o maior de todo o Egito, é hora de visitar o Templo de Luxor, que também fica na margem leste do Rio Nilo. Considerada a obra-prima do faraó Ramsés II, sua imagem está espalhada por todos os cantos: logo na entrada estão quatro estátuas dele, sendo que uma foi danificada restando apenas a cabeça.
Na porta principal, está um gigante obelisco construído em uma única peça. O outro, que deveria estar a esquerda, foi oferecido ao governo francês como presente por ter ajudado na reconstrução dos templos de Abu Simbel e, atualmente, está na Place de la Concorde, em Paris.
O Templo de Luxor foi descoberto enterrado nas areias do deserto do Saara em 1884, e as escavações e buscas arqueológicas duraram até 1960. Os resultados dessas muitas pesquisas mostram que ele resistiu a vários períodos históricos, e que a sua construção só foi concluída já no período muçulmano. Por isso, aqui dentro funciona uma mesquita que foi construída nas próprias ruínas do templo, fato único em todo o país.
Como é visitar o Templo de Luxor
A cabeça de Ramsés II foi o que restou de uma das estátuas.
Como é visitar o Templo de Luxor
O pátio com as estátuas de Ramsés II.
Como é visitar o Templo de Luxor
Mesquita construída sobre as ruínas do Templo de Luxor.
Como é visitar o Templo de Luxor
Anoitecer dentro do Templo de Luxor.
Construído em grande parte durante o reinado dos faraós Amenhotep III  e Ramsés II, desde 1979 o complexo de Karnak, incluindo as ruínas do templo de Luxor e a necrópole de Tebas, é considerado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco, e uma visita aqui vai rapidamente lhe conduzir ao passado.
Com a ajuda da explicação de um guia, você vai entender que o templo era cercado de casas e comércios que agora estão soterrados sob a cidade moderna, e embora seja menos complexo do que Karnak, é no Templo de Luxor que vemos com mais clareza o que restou da avenida de esfinges que ligava os dois templos, distantes a três quilômetros.
Todo o Templo de Luxor é realmente fantástico, mas eu considero o pátio onde estão as colunas de Amenhotep III a parte mais bonita e impressionante, digna de sua apreciação por alguns minutos. E claro, as esfinges da avenida que ligava os templos também merecem ser ser vistas com calma, sem pressa.
Como é visitar o Templo de Luxor
As colunas do pátio de Amenhotep III.
Como é visitar o Templo de Luxor
As esfinges que ligam Luxor ao Templo de Karnak.

Planeje sua visita ao Templo de Luxor

Quanto custa | A entrada no Templo de Luxor custa EGP$ 60 e estudantes pagam EGP$ 30.
Quando ir | A visita pode ser feita todos os dias no ano, das 6h às 21h. Entretanto, eu aconselho você a visitar o Templo de Luxor no início do dia, quando ainda está mais vazio, ou no final da tarde, quando as luzes são acesas.
O melhor período para visitar o Egito é de outubro a maio, quando as temperaturas não são muito agressivas. Nos outros quatro meses – junho, julho, agosto e setembro – é verão no Egito e as temperaturas muitas vezes podem chegar perto dos 50 graus, principalmente em Luxor, Aswan e em outras partes do sul do país. Apesar do calor, é nessa ápoca que dá para ver o país sem aqueles milhões de turistas.
Nos feriados de fim de ano e na páscoa tudo fica muito mais tumultuado por causa dos turistas europeus que chegam aqui com frequência – principalmente para fazer um cruzeiro pelo Rio Nilo.
Como chegar | Para chegar a Luxor, cidade a 700 quilômetros do Cairo, você pode fazer a viagem de trem. Todos os detalhes eu conto neste post: O trem para Luxor e Aswan. O Templo de Luxor fica na margem leste do Rio Nilo, e daqui partem micro-ônibus que fazem o trajeto até o Centro. Basicamente usado por moradores locais, esses veículos não têm muito conforto, e por isso são bem baratos: a passagem custa EGP$ 0,50.
A maneira mais cômoda de fazer a visita é contratando um passeio com traslado e guia incluso, mas avalie bem o preço que vão lhe cobrar. Uma boa opção é consultar a recepção de seu hotel.
Como é visitar o Templo de Luxor
No pátio das estátuas de Ramsés II.
Onde ficar | Luxor é destino de muitos turistas do mundo todo – principalmente europeus e asiáticos – e a oferta de hospedagem aqui é bem ampla: vai de resorts à beira do Rio Nilo até hostels baratinhos. Veja as melhores opções disponíveis na cidade.
Visto | Brasileiros precisam de visto para entrar no Egito. Mas o processo é simples e rápido. Todos os detalhes que você precisa saber estão aqui: como solicitar o visto para o Egito.
Comida e Costumes | Se você nunca viajou para um país árabe, é importante saber um pouco da cultura para minimizar o impacto. Eu escrevi sobre algumas experiências que tive no post costumes e comida do Egito.
Fonte:http://www.penaestrada.blog.br/como-e-visitar-o-templo-de-luxor/
Luxor fica a quase 700 quilômetros ao sul do Cairo, e é a cidade onde as pesquisas arqueológicas foram mais produtivas, revelando ao mundo dezenas de monumentos da antiga civilização egípcia. Dividida pelo Rio Nilo, as margens leste e oeste abrigam abundantes relíquias que têm sido restauradas e mantidas ao longo dos anos, e uma dessas maravilhas é o Templo de Karnak, o maior de todo o Egito.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
ATUALIZADO EM 12 DE MAIO DE 2016
Luxor fica a quase 700 quilômetros ao sul do Cairo, e é a cidade onde as pesquisas arqueológicas foram mais produtivas, revelando ao mundo dezenas de monumentos da antiga civilização egípcia. Dividida pelo Rio Nilo, as margens leste e oeste abrigam abundantes relíquias que têm sido restauradas e mantidas ao longo dos anos, e uma dessas maravilhas é o Templo de Karnak, o maior de todo o Egito.
É no lado  leste, dedicado à vida e aos vivos, que está o Templo de Karnak. Com um tamanho que supera todos os outros do país, sua construção demorou quase dois mil anos e não foi totalmente concluída, segundo estimam os estudiosos. Sua restauração e conservação tiveram início no século 18, e ainda hoje não foram concluídas: as buscas no local nunca cessaram e de tempos em tempos uma nova descoberta ou uma nova interpretação sobre o Templo surge no meio desses empoeirados tijolos.
Dedicado ao deus sol, Amon-Rá, o gigantesco complexo de templos chegou a ter cerca de 80 mil trabalhadores em sua fase mais pesada. Naquela época, imensas avenidas o interligavam aos demais templos da região. A principal delas, que levava ao Templo de Luxor, era ladeada por esfinges em todos os seus três quilômetros.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
A entrada do Templo de Karnak.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
O que restou da avenida de esfinges que levava ao Templo de Luxor.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
Detalhe das paredes do templo dedicado a Amon-Rá.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
Explicação do guia sobre as esculturas e os desenhos nas paredes de Karnak.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
Como o templo foi ocupado por diferentes faraós – um deles o famoso Ramsés II –, em suas paredes há dois diferentes estilos de esculturas. O primeiro, feito em alto relevo, era mais fácil ser danificado. Já no segundo, as pedras eram talhadas em profundidade, e isso permitia que os registros permanecessem intactos por mais tempo.
Em Karnak, ainda restam algumas das mais de 130 gigantescas colunas esculpidas em pedra maciça. Cada uma delas tem mais de 20 metros de altura e não há quem se sinta minúsculo por aqui. Aliás, é bom que você dedique um tempo para visitar este complexo de construções milenares – uma manhã inteira é o suficiente -, pois qualquer visita ao Egito não seria a mesma sem uma digna visita ao Templo de Karnak.
Além disso, as descobertas desse complexo estão espalhadas por uma área de dois quilômetros quadrados, e isso significa que você poderá andar em boa parte desse território para explorar seus detalhes.
Os antigos egípcios acreditavam que aqui era onde o seu deus vivia e, justamente por isso, foi considerado o principal centro de adoração de todo o país durante três dinastias, entre os séculos 16 e onze antes da era cristã. Ainda hoje, Karnak é considerado um dos maiores complexos religiosos do mundo.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
Estátua de Ramsés II em um dos pátios do complexo.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
As colunas do templo que chegam a 20 metros de altura.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
Assim dá para ter uma ideia do tamanho das colunas.

Planeje sua visita ao Templo de Karnak

Quanto custa | A entrada no Templo de Karnak custa EGP$ 65 e estudantes pagam EGP$ 40. Dentro do templo alguns homens se apresentam como guias. Se considerar justo, você pode contratar um deles, mas eu aconselho procurar um guia profissional.
Quando ir | A visita pode ser feita todos os dias no ano, das 6h às 18h, mas eu sugiro a você que visite o Templo de Karnak no início do dia, quando ainda está mais vazio. Depois das 10h o movimento aumenta com a chegada dos ônibus de excursão.
O melhor período para visitar o Egito é de outubro a maio, quando as temperaturas não são muito agressivas. Nos outros quatro meses – junho, julho, agosto e setembro – é verão no Egito e as temperaturas muitas vezes podem chegar perto dos 50 graus, principalmente em Luxor, Aswan e em outras partes do sul do país. Apesar do calor, é nessa ápoca que dá para ver o país sem aqueles milhões de turistas.
Nos feriados de fim de ano e na páscoa, tudo fica muito mais tumultuado por causa dos turistas europeus que chegam aqui com frequência – principalmente para fazer um cruzeiro pelo Rio Nilo.
Já comprou o Seguro Viagem?
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
Homens que se apresentam como guias locais: é bom ter cuidado.
Templo de Karnak: o maior de todo o Egito
Maquete do complexo de Karnak.
Como chegar | Para chegar a Luxor, cidade a 700 quilômetros do Cairo, você pode fazer a viagem de trem. Todos os detalhes eu conto neste post: O trem para Luxor e Aswan. O Templo de Karnak fica na margem leste do Rio Nilo, e daqui partem micro-ônibus que fazem o trajeto até o Centro. Basicamente usado por moradores locais, esses veículos não têm muito conforto, e por isso são bem baratos: a passagem custa EGP$ 0,50.
A maneira mais cômoda de fazer a visita é contratando um passeio com traslado e guia incluso, mas avalie bem o preço que vão lhe cobrar. Uma boa opção é consultar a recepção de seu hotel.
Onde ficar | Luxor é destino de muitos turistas do mundo todo – principalmente europeus e asiáticos – e a oferta de hospedagem aqui é bem ampla: vai de resorts à beira do Rio Nilo até hostels baratinhos. Veja as melhores opções disponíveis na cidade.
Visto | Brasileiros precisam de visto para entrar no Egito. Mas o processo é simples e rápido. Todos os detalhes que você precisa saber estão aqui: como solicitar o visto para o Egito.
Comida e Costumes | Se você nunca viajou para um país árabe, é importante saber um pouco da cultura para minimizar o impacto. Eu escrevi sobre algumas experiências que tive no post costumes e comida do Egito.
Fonte:http://www.penaestrada.blog.br/luxor-o-templo-de-karnak/


Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA