ACEITAÇÃO GAY AUMENTA EM MUITOS PAÍSES;BRASIL DÁ PASSOS LENTOS

O casamento civil entre homossexuais garante benefícios como direito à herança
O casamento civil entre homossexuais garante benefícios como direito à herança

Aceitação gay aumenta em muitos países; 

Brasil dá passos lentos

A Assembleia Nacional da França, o equivalente à Câmara dos Deputados brasileira, aprovou recentemente a lei que autoriza homossexuais a casarem e adotarem crianças mesmo diante de oposição da Igreja Católica e de grupos conservadores –falta o aval do Senado.

No Reino Unido, a Câmara dos Comuns também deu sinal verde para a união entre indivíduos do mesmo sexo e o texto seguiu para a Câmara dos Lordes. Nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama afirmou no seu discurso de posse para o segundo mandato no final de janeiro: "Nossa jornada não estará completa até que nossos irmãos e irmãs gays sejam tratados como qualquer pessoa diante da lei".
Em dezembro de 2012, a Câmara dos Deputados do Uruguai, país de maioria católica, também quebrou as barreiras para o casamento homoafetivo, e o projeto seguiu para ser avaliado pelos senadores. A Argentina, outro reduto de cultura machista e catolicismo arraigado, adotou decisão semelhante à do vizinho em 2010.
 
A Holanda foi pioneira ao legalizar o matrimônio gay em 2001 e, desde então, foi seguida por países como Espanha, Portugal, Bélgica, Suécia, Dinamarca e África do Sul, que fica localizada numa das regiões mais hostis a quem empunha a bandeira com as cores do arco-íris.
Recentemente, o jornal francês "Le Monde" publicou uma reportagem com o título "Parte considerável do mundo se torna 'gay friendly'". Mas será que o planeta está mesmo mais amigável em relação aos homossexuais? E como está a situação no Brasil?
"Esse tipo de pauta geralmente é defendida por governos de esquerda, como o do atual presidente francês François Hollande", diz Julian Rodrigues, coordenador de assuntos da diversidade sexual da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura Municipal de São Paulo.

Nos Estados Unidos, o casamento entre pessoas de mesmo sexo é permitido em nove estados, mas não em nível federal. No final de 2012, esse tipo de união foi validada nas urnas em Washington, Maryland e Maine, um fato inédito nos Estados Unidos.
Ampliar


Lésbicas respondem: é difícil assumir a homossexualidade?13 fotos

5 / 13
"Minha homossexualidade veio à tona quando minha mãe me viu beijando outra menina. Até aquele momento, eu mal sabia o que significava aquilo tudo. Não havia informação sobre o assunto nem para mim nem para os meus pais, que não souberam lidar com a situação. Foram anos de conflito até que eles compreenderam que homossexualidade não significa promiscuidade ou desvio de caráter. O caminho para a aceitação da família e da sociedade em geral veio com a progressão da minha própria aceitação. Apesar de todo o doloroso processo entre a descoberta e a liberdade de poder viver minha sexualidade, penso que naquele momento não havia outro caminho. Descobrimos juntos o que era homossexualidade e que isso não me fazia ser menos do que eles esperavam de mim como filha, como ser humano. O difícil não é se assumir, é conviver com o preconceito, a intolerância e a ignorância alheia. Viver em uma sociedade em que tenho menos direitos que qualquer cidadão comum, onde minha dignidade é constantemente atacada simplesmente por ser diferente, isso sim é difícil", Nina Lopes, 40 anos, DJArquivo pessoal
Mas em outros cantos do mundo, o panorama está bem longe de ser um mar de rosas. De acordo com relatório da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo, a ILGA, 78 países contam com leis que teriam um caráter homofóbico ao perseguirem indivíduos com base em sua orientação sexual. Sem contar aqueles onde a homossexualidade é punida com morte, caso de Arábia Saudita, Iêmen, Irã, Mauritânia, Sudão além de regiões da Nigéria e da Somália.
No Brasil, a questão homossexual caminha a passos lentos. "Há um avanço e ele se dá via judiciário", diz Julian Rodrigues. Um exemplo foi a decisão unânime do Supremo Tribunal Federal que reconheceu a união estável homoafetiva em 2011, equiparando os casais gays aos heteressoxuais em termos de direitos.

"Mesmo assim, em diversas partes do país houve juízes contrariando a decisão do Supremo", conta o sociólogo Antonio Sergio Spagnol, da Universidade Estácio, em São Paulo. Estados como São Paulo, Alagoas, Piauí, Bahia, Espírito Santo, Sergipe e Ceará, além do Distrito Federal, já permitem o casamento civil entre homossexuais, garantindo benefícios como direito à herança. 
"Trata-se de um avanço parcial. O contexto geral é de retrocesso", afirma Rodrigues. Sobretudo no Executivo e no Legislativo. "Em 2008, o Lula foi o primeiro presidente a abrir uma conferência gay (1ª Conferência Nacional de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Já no governo Dilma, houve a proibição do kit anti-homofobia".

Em maio de 2011, por pressão da bancada de religiosos no Congresso, a presidente vetou o chamado kit-homofobia, material elaborado pelo Ministério da Educação com propósito de incentivar, entre estudantes do ensino médio, a aceitação da diversidade sexual. "Trata-se de uma homofobia institucional", diz o antropólogo Luiz Mott, que é fundador do GGB (Grupo Gay da Bahia), organização que levanta anualmente dados sobre a violência contra o meio LGBT no Brasil. 
  • Thinkstock
    Por causa da violência, os homossexuais procuram se manter no anonimato, segundo sociólogo

Criminalização da homofobia

Por falar em homofobia, o projeto de lei PLC 122, que a criminaliza e foi apresentado originalmente pela deputada federal Iara Bernardi (PT/SP) em 2001, está há seis anos no Senado. "O deputado federal Nelson Pellegrino (PT/BA) me disse que dificilmente será aprovado", afirma Mott. Em grande parte, essa demora deve-se ao peso dos religiosos contrários ao projeto no parlamento brasileiro. "A principal forma de atuação dos fundamentalistas homofóbicos tem sido parlamentar, no congresso, nas assembleias estaduais e câmaras de vereadores".

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) acredita que há uma limitação no legislativo e no executivo. Segundo Willys, não há políticas públicas estaduais e municipais a favor dos gays. "Isso depende da alocação de recursos. Em dez anos de governo do PT, a bancada do partido nunca se mobilizou para votar um projeto pró-LGBT".

Ele e sua colega Érika Kokay (PT/DF) apresentaram uma proposta de emenda constitucional que legaliza o casamento civil para os de mesmo sexo. "Não ter acesso ao casamento é não ter acesso a inúmeros direitos, é ser um meio cidadão e isso não existe", diz Wyllys. Segundo ele, o matrimônio gay teria um forte impacto contra a homofobia, ampliando o conceito de família ao incluir as homoafetivas além de afirmar a laicidade do estado.  

Grandes índices de violência

Entre avanços e recuos no campo político e jurídico, a violência contra homossexuais no Brasil continua em alta. O último relatório do GGB registrou 338 assassinatos de gays, travestis e lésbicas em território nacional no ano passado, uma aumento de 22% em relação a 2011. A cada 26 horas um homossexual foi assassinado.

De acordo com o documento, estamos em primeiro lugar no ranking mundial de assassinatos homofóbicos, contabilizando 44% das ocorrências no globo. "Infelizmente, a maior visibilidade de LGBT tem provocado esse crescimento da violência", acredita Luiz Mott, do GGB. Mott também aponta o dedo para homofobia por parte de pastores evangélicos.  
O arco-íris está longe de ser firmar no horizonte brasileiro, mas o panorama tem melhorado. "Houve um aumento da tolerância. A parada gay em São Paulo é um sinal disso", diz o sociólogo Antonio Sergio Spagnol. "Há 20 ou 30 anos, se alguém falasse que era homossexual na TV, a casa caía. Atualmente, as pessoas já se posicionam". Sem contar na maior disponibilidade de serviços voltados para esse público, como hotéis, lanchonetes e até cruzeiros marítimos.

A diferença entre tolerância e aceitação


Tolerância, no entanto, não é sinônimo de aceitação. Beijo gay em novela, nem pensar. "Li numa reportagem que pesquisas realizadas pelo Globo mostram rejeição do público. A pessoa pode ser homossexual, mas beijar, não", arremata Spagnol.
"Ainda por causa da violência, os homossexuais procuram se manter no anonimato", afirma o sociólogo. As relações gays, de acordo com ele, ainda são marginais. Para encontrar os amigos, às vezes, é preciso ir a boates do meio e em geral não se pode nem sair com o parceiro ou mostrá-lo.

"Em São Paulo, por exemplo, há regiões da cidade mais flexíveis, onde os gays podem andar de mãos dadas. Em outras, isso não é possível". Luiz Mott acrescenta: "De Norte a Sul, ainda se repete que viado tem que ser morto". Por isso, segundo ele, é preciso cautela para sair do armário.

"Uma vez vi um travesti sendo espancado na avenida São Luís, no centro de São Paulo, e notei que três pessoas assistiam a cena rindo como se aquilo fosse normal e merecido. Temos muito a caminhar", finaliza Spagnol.

Fonte:http://mulher.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2013/03/13/aceitacao-gay-aumenta-em-muitos-paises-brasil-da-passos-lentos.htm

Brasileiro é falso moralista e duas-caras quando se trata de sexualidade, dizem historiadores

Para historiadora, o papel da igreja na formação da nossa sociedade a formar a dupla moral brasileira. Use o campo de comentários desta página para opinar sobre o tema
Para historiadora, o papel da igreja na formação da nossa sociedade a formar a dupla moral brasileira. 

No carnaval, os desfiles das escolas de samba mostram mulheres seminuas a sambar. Emissoras de TV fazem a cobertura dos bailes gays nessa época. Telejornais exibem imagens da folia nos blocos em todo país onde a sensualidade rola solta. Fora do Carnaval, São Paulo celebra a diversidade sexual e vira palco de uma das maiores paradas gay do mundo. Em 2009, a universitária Geisy Arruda teve de sair da faculdade em São Bernardo do Campo (SP) escoltada por policiais e ouvindo xingamentos por usar um vestido considerado justo e curto. A intolerância também frequenta a Avenida Paulista, local cujas câmeras ali instaladas costumam registrar, com frequência, ataques a homossexuais.
"A mesma avenida que abriga uma das maiores paradas gay do mundo é o lugar onde se mata homossexuais. É inadmissível. Somos pessoas de duas caras, falsos moralistas", afirma a historiadora Mary Del Priore, que estuda a sexualidade no Brasil ao longo dos séculos. Mary acaba de lançar o livro "A Carne e o Sangue" (Editora Rocco), que aborda o triângulo amoroso constituído por Dom Pedro I, a Marquesa de Santos e a imperatriz Leopoldina. "D. Pedro dizia que fazia ‘amor de matrimônio’ com Leopoldina e ‘amor de devoção’ com Domitila. Do sangue nobre cuidava a mulher, que lhe dava os filhos e era a matriz. O prazer era com a outra. A imperatriz era muito religiosa e tinha horror ao sexo. A marquesa, ao contrário. E D. Pedro era um inconsequente machista, que teve dezenas de amantes", conta Mary.
Segundo a historiadora, o papel da igreja na formação da nossa sociedade no século 19 ajudou a formar essa dupla moral. "A casa tinha de ser o exemplo da sagrada família de Maria, José e Jesus, voltada para os valores mais altos que preconizava a igreja católica. A igreja consagra o matrimônio como obrigatório. Mais do que isso: o sexo dentro do casamento tinha de ser higiênico e a única preocupação era a reprodução". De acordo com a pesquisadora, a igreja regulamentava inclusive o que deveria acontecer entre quatro paredes.

“Os beijos eram condenados. Os padres confessores perguntavam o que as pessoas faziam no quarto e reprovavam todo tipo de toque no corpo com objetivo de ter prazer. A posição da mulher sobre o homem era contrária à lei divina. E ficar de quatro seria uma forma de animalizar o ato. Esse casamento sem prazer vai incentivar o sexo prazeroso fora de casa", declara a historiadora. E ela inclui outro exemplo da ambiguidade moral do brasileiro: as pornochanchadas da década de 70. "Há vários estudos que mostram que esse foi um momento de revolução sexual. Mas uma característica comum nesse tipo de filme é que o homem que pega todo mundo está sempre atrás de uma virgem. E a prostituta sonha com casamento de véu e grinalda. No Brasil, a mulher sempre teve de ser pura, virgem, não saber de sexo. Isso depunha contra o sexo feminino até pouco tempo", comenta Mary.

Fonte:http://mulher.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2012/04/27/brasileiro-e-falso-moralista-e-duas-caras-quando-se-trata-de-sexualidade.htm

Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA