EUA E ALIADOS LANÇAM ATAQUES CONTRA ESTADO ISLÂMICO NO IRAQUE E NA SÍRIA

EUA e aliados lançam ataques contra Estado Islâmico no Iraque e na Síria


Os Estados Unidos e seus aliados alvejaram o grupo extremista Estado Islâmico com 20 ataques aéreos no Iraque e 22 na Síria na sexta-feira (20), disse o Exército americano em comunicado neste sábado (21). Entre os prováveis aliados, estariam a Turquia, segundo as agências de notícias internacionais.
Não está claro se os ataques são em apoio ao pedido do presidente da França, François Hollande, que pediu que os membros da ONU apoiem a luta contra o EI após os atentados que mataram 130 pessoas em Paris na semana passada.
Seis dos ataques no Iraque atingiram três unidades táticas do Estado Islâmico, uma instalação de comando e controle e posições de combate perto de Ramadi, segundo os militares.
Os ataques na Síria incluíram 13 perto de Mar'a, atingindo unidades táticas e três edifícios do Estado Islâmico.
Um ataque perto de Abu Kamal, na Síria, acertou um ponto de coleta de petróleo do Estado Islâmico, acrescentou o Exército no comunicado.
Segundo a agência semipública turca "Anadolu", as forças aéreas da Turquia e dos EUA lançaram uma operação com caças-bombardeiros para apoiar grupos rebeldes que combatem na Síria o Estado Islâmico. Seis caças F-16 turcos e quatro F-15 americanos, assim como um avião de combate AC-130 e três drones deram suporte a uma brigada que conseguiu ontem expulsar os jihadistas de dois povos turcomanos ao nordeste de Aleppo, próximos da fronteira turca.
O EI perdeu 70 combatentes na batalha, que durou toda a noite, estimaram as fontes militares citadas pela agência turca.

Resolução da ONU autoriza "todas as medidas necessárias"

Na sexta-feira (20), o Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou uma resolução que autoriza todos os países com capacidade a utilizarem "todas as medidas necessárias" para atuar contra o grupo extremista Estado Islâmico na Síria e no Iraque. A resolução, aprovada por unanimidade, foi apresentada pela França em resposta aos atentados do  dia 13 em Paris, que provocaram pelo menos 130 mortos.
O texto propõe "aumentar e coordenar" a luta antiterrorista e manifesta a intenção de reforçar as sanções contra cidadãos e entidades relacionados com o grupo extremista Estado Islâmico. O documento pede ainda para que seja feito um maior esforço para deter o fluxo de combatentes estrangeiros que viajam para o Oriente Médio.

Ataques da Rússia "por Paris"

Na sexta-feira (20), o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, disse que mais de 600 rebeldes haviam sido eliminados como resultado de um ataque de um míssil de cruzeiro a um alvo na província síria de Deir ez-Zour, segundo a agência de notícias RIA.
Os mísseis lançados nesta sexta pela aviação da Rússia levavam mensagens como "Por Paris" e "Pelos nossos", segundo um vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa russo.
Em um comunicado separado, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que o chefe da pasta, Sergei Lavrov, e o secretário norte-americano de Estado, John Kerry, tiveram uma conversa por telefone e discutiram a necessidade de esforços conjuntos para combater o Estado Islâmico na Síria e a necessidade de negociações entre Damasco e a oposição.  

"País em guerra"

Desde os atentados de sexta-feira (13), o presidente da França, François Hollande, e integrantes do governo, como o premiê Manuel Valls, têm reforçado em suas declarações públicas que "a França está em guerra".
O estado de emergência adotado pelo país no dia dos atentados foi ampliado por três meses nesta sexta-feira (20), após aprovação dos deputados e senadores franceses.
As novas medidas de segurança passaram por votação na Assembleia Nacional na quinta-feira, com aprovação quase unânime, de 551 deputados a favor e apenas seis contra. No Senado, no dia seguinte, a contagem foi de 336 votos a favor e nenhum contra.
O governo francês defende ainda mudanças na Constituição para tornar "mais eficiente a guerra contra o terrorismo".
Uma pesquisa de opinião pública divulgada pelo Ifop (instituto de pesquisa) na terça-feira mostrou que 84% dos entrevistados afirmaram estar "prontos para aceitar mais controles e uma certa limitação na liberdade". (Com informações da Reuters e da EFE)



Rússia bombardeia alvos em áreas de conflito na Síria


6.out.2015 - Imagem extraída de vídeo do Ministério da Defesa da Rússia mostra um caça russo lançando bombas durante ataque aéreo próximos a Idlib, na Síria. De acordo com o ministério russo da Defesa, houve pelo menos nove ataques aéreos no país. Segundo o governo russo, a ofensiva visa a combater a organização terrorista Estado Islâmico 
Ministério da Defesa da Rússia/AFP

Fonte:http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2015/11/21/eua-e-aliados-lancam-ataques-contra-estado-islamico-no-iraque-e-na-siria.htm