O PAI NOSSO DE PARAMAHANSA YOGANANDA - CÍRCULO MUNDIAL DE ORAÇÕES,UMA EXPERIÊNCIA EM CONSCIÊNCIA CÓSMICA


O Pai Nosso de Paramahansa Yogananda

"Pai, Mãe, Amigo e Bem Amado Deus ...
Que a pronunciação incessante e silenciosa do Teu
Sagrado nome, conduza-nos à Tua semelhança.
Inspira-nos, para que a nossa adoração as coisas materiais, se transforme em adoração à Ti.
Que através da pureza de nossos corações,
possa Teu reino de perfeição vir à terra e liberar todas as nações do sofrimento.
Que a nossa vontade se torne mais forte ao vencer os desejos mundanos e sintonize-se afinal com Tua vontade perfeita.
Dá-nos o pão de cada dia, alimento, saúde e prosperidade para o corpo; eficiência para a mente e sobretudo, Teu amor e sabedoria para a alma.
É tua lei que diz: “Com a mesma medida com que medirdes, também vos medirão”.
Que possamos perdoar aqueles que nos ofendem,
sempre atentos à nossa própria necessidade de Tua imerecida misericórdia.
Não nos abandones no abismo das tentações em que caímos, pelo mal uso que temos feito da razão que nos concedeste.
E quando for Tua vontade submeter-nos à prova, oh Espírito, permite-nos compreender que Tu és muito mais fascinante do que qualquer tentação terrena.
Ajuda-nos a livrar-nos das tenebrosas cadeias do nosso único mal: não conhecer-Te.
Porque Teu é o Reino, o Poder e a Glória pelos séculos e séculos.
                                            Paramahansa Yogananda
AFIRMAÇÃO  

Eu relaxo e deixo de lado todos os encargos mentais, 
permitindo que Deus se expresse através de 
Seu perfeito amor, paz e sabedoria. 
-  Paramahansa Yogananda

Círculo Mundial de Orações

“A maioria das pessoas considera o curso dos acontecimentos natural e inevitável, não tendo idéia das mudanças radicais que são possíveis através da prece.”
- Paramahansa Yogananda
Paramahansaji enfatizava que as vibrações negativas de egoísmo, cobiça e ódio – que causam doenças e infelicidades aos indivíduos, guerras e calamidades naturais às nações – podem ser neutralizadas se um número suficiente de homens e mulheres se voltarem para Deus em meditação e prece. Mudando a nós mesmos – cultivando uma vida espiritual e a comunhão com Deus – automaticamente irradiamos vibrações de paz, que contribuem muito para neutralizar os efeitos negativos de uma vida desarmoniosa.
Assim, agindo como um canal para o poder de cura de Deus, a prece pelos outros é um dos mais elevados serviços que podemos oferecer. A caridade material, o trabalho para o bem-estar social e outras formas de assistência são valiosas e necessárias para aliviar temporariamente o sofrimento de nossos semelhantes, mas a prece científica atinge a raiz do sofrimento do mundo: os modelos de pensamentos errados da humanidade.
Participando do Círculo Mundial de Preces, cada um de nós pode ajudar de maneira mais eficiente à trazer a paz duradoura e a cura ao mundo e a qualquer de nossos entes queridos que precisem de ajuda.
Se você desejar juntar-se à família mundial através da prece, solicite o envio gratuíto do livreto “Círculo Mundial de Preces” (Worldwide Prayer Circle Booklet – portuguese), preenchendo seus dados no formulário da página oficial da Self-Realization Fellowship. Se desejar, neste mesmo formulário, você pode solicitar também o envio de material informativo sobre as lições e técnicas de meditação.
Os monges e monjas do Conselho de Preces meditam e oram profundamente pelos demais todas as manhãs e noites, através de técnicas de cura praticadas e ensinadas por Paramahansa Yogananda.
Para incluir na lista do conselho o nome de alguém que precise de orações, digite o nome destas pessoas no formulário da página “Prayer Request
Em nossos corações todos nós podemos nos libertar do ódio e do egoísmo. Rezemos pela harmonia entre as nações para que, de mãos dadas, possam transpor os portais de uma nova e justa civilização”
- Paramahansa Yogananda

Uma experiência em Consciência Cósmica

Aqui estou, guruji - Meu semblante envergonhado falava mais eloquentemente do que eu.
 
Vamos à cozinha buscar algo para comer. - A atitude de Sri Yuktéswar era tão natural como se apenas horas, e não dias, nos tivessem separado.
 
- Mestre, devo ter-lhe desapontado com minha brusca partida, abandonando meus deveres aqui; pensei que estaria zangado comigo.
 
Não, é claro que não! A cólera nasce unicamente de desejos contrariados. Eu nada espero dos outros; logo, suas ações não se podem opor aos meus desejos. Não o usaria para meus próprios fins; somente me faz feliz a sua verdadeira felicidade.
 
- Senhor, ouve-se falar de amor divino em forma vaga, mas hoje estou recebendo um exemplo concreto dele através de seu angélico espírito! No mundo, até mesmo um pai não perdoa facilmente a seu filho, se este abandona os negócios paternos sem aviso prévio. O senhor, porém, não demonstra o mais leve aborrecimento, apesar de minha partida lhe haver causado grandes inconvenientes pelas muitas tarefas inacabadas que deixei atrás de mim.
 
Nossos olhares, onde lágrimas cintilavam, engolfaram-se um no outro. Uma onda de beatitude me inundou; eu tinha consciência de que o Senhor, sob a forma de meu guru, expandia os pequenos ardores de meu coração até alcançar as vastidões do amor cósmico.
Poucas semanas haviam decorrido quando entrei na sala-de-estar do Mestre, vazia então. Eu planejara meditar, mas este louvável propósito não foi compartilhado por meus pensamentos desobedientes. Eles se dispersavam como pássaros diante do caçador.
 
Mukunda! - A voz de Sri Yuktéswar soou, proveniente de um lugar distante.
 
Senti-me tão rebelde quanto meus pensamentos. - O Mestre está sempre me incitando a meditar - murmurei para mim mesmo. - Ele não deveria me perturbar quando sabe o motivo de minha vinda a esta sala. - Novamente me chamou; permaneci em obstinado silêncio. Na terceira vez, seu tom era ríspido.
 
- Senhor, estou meditando - gritei, em protesto.
- Sei como está meditando - disse meu guru, em voz alta. - Com sua mente dispersa como folhas numa tempestade! Venha cá.
 
Contrariado e desmascarado, encaminhei-me tristemente para ele.
 
- Pobre rapaz, as montanhas não lhe podem dar o que deseja. - O Mestre falou de maneira carinhosa, confortadora. Seu olhar tranquilo era insondável. - O desejo de seu coração se realizará.
 
Raras vezes Sri Yuktéswar expressava-se por enigmas; eu estava surpreendido. Ele golpeou meu peito levemente, acima do coração.
 
Meu corpo tornou-se imóvel como se tivesse raízes; o alento saiu de meus pulmões corno se um imã enorme o extraísse. Instantaneamente o espírito e a mente romperam com sua escravidão ao físico e jorraram de cada um de meus poros como luz perfurante e fluida. A carne parecia morta e, contudo, em minha intensa lucidez, eu percebia que nunca antes estivera tão plenamente vivo. Meu senso de identidade já não se achava confinado àestreiteza de um corpo, mas abarcava os átomos circundantes. Pessoas em ruas distantes pareciam mover-se suavemente em minha própria e remota periferia. Raízes de plantas e árvores eram percebidas através de uma tênue transparência do solo; e eu distinguia a interna circulação da seiva.
 
A vizinhança inteira surgia desnuda diante de mim. Minha visão frontal comum havia se transformado em vasto olhar esférico que percebia tudo simultaneamente. Através de minha nuca. vi homens caminhando além da distante viela de Rai Ghat e também notei uma vaca branca aproximando-se preguiçosamente. Quando ela chegou à porta aberta do ashram, observei-a como se o fizesse com meus dois olhos físicos. Depois que passou para trás do muro de tijolos do pátio, continuei a vê-la, claramente.
 
Todos os objetos dentro de meu olhar panorâmico tremiam e vibravam como rápidos filmes cinematográficos. Meu corpo, o corpo de meu Mestre, o pátio com suas colunas, a mobília, o assoalho, as árvores e a luz do sol, tornavam-se, de vez em quanto, violentamente agitados até que tudo se fundia num mar luminescente, assim como os cristais de açúcar, mergulhados num copo de água, diluem-se depois de serem sacudidos. A luz unificadora alternava-se com materializações de forma e as metamorfoses revelavam a lei de causa e efeito na criação.
 
Uma alegria oceânica rebentava nas praias serenamente intermináveis de minha alma. Atingi a realização de que o Espírito de Deus é Beatitude inesgotável; Seu corpo compreende incontáveis tecidos de luz. Um sentimento de glória crescente dentro de mim começou a envolver cidades, continentes, o planeta, os sistemas solares e as constelações, as tênuesnebulosas e os universos flutuantes. O cosmo inteiro, suavemente luminoso, semelhante a uma cidade vista de alguma distância à noite, cintilava dentro da infinidade de meu ser, Para além de seus contornos definidos, a luz ofuscante empalidecia ligeiramente nos confins mais longínquos; ali eu via uma radiação branda, nunca diminuía. Era indescritivelmente sutil; as figuras dos planetas constituíam-se de uma luz mais densa.
 
Os raios luminosos dispersavam-se oriundos de uma Fonte Perpétua, resplandecendo em galáxias, transfiguradas com auras inefáveis, Vi, repetidas vezes, os fachos criadores condensarem-se em constelações e depois dissolverem-se em lençóis de transparente chama. Por reversão rítmica, sextilhões de mundos transformavam-se em brilho diáfano e, emseguida, o fogo se convertia em firmamento.
 
Conheci o centro do empíreo como um ponto de percepção intuitiva em meu coração. Esplendor irradiante partia de meu núcleo para cada parte da estrutura universal. O beatíficoamrita, néctar da imortalidade, corria através de mim, com fluidez de mercúrio. Ouvi ressoar a voz criadora de Deus, AUM, a vibração do Motor Cósmico.
 
De súbito, a respiração voltou aos seus pulmões. Com desapontamento quase insuportável, constatei que havia perdido minha infinita vastidão. Mais uma vez me limitava à jaula humilhante do corpo, tão desconfortável para o Espírito. Como filho pródigo, eu fugira de meu lar macrocósmico e me encarcerara em um estreito microcosmo.
 
Meu guru continuava de pé, imóvel diante de mim; inclinei-me, no intento de me prostrar a seus santos pés em gratidão por me haver concedido a experiência da Consciência Cósmica que tão apaixonadamente eu buscara. Mas ele me impediu e, retendo-me de pé, disse comtranquilidade: - Você não deve se embriagar com o êxtase. Muito trabalho ainda resta para você fazer no mundo. Venha, vamos varrer o chão da sacada; depois caminharemos ao longo do Ganges.
 
Fui buscar a vassoura; o Mestre, eu sabia, estava me ensinando o segredo da vida equilibrada. A alma deve alargar-se sobre os abismos cosmogônicos, enquanto o corpo executa seus deveres diários.
 
Quando Sri Yuktéswar e eu saímos mais tarde, para uma caminhada, eu ainda me encontrava enlevado em inenarrável arrebatamento. Eu via nossos corpos como duas figuras astrais, movendo-se sobre um caminho ao longo do rio cuja essência era de puríssima luz.
 
O Espírito de Deus é o que ativamente sustenta cada forma e força no universo; não obstante, Ele é transcendental e paira a sós no vácuo beatífico e incriado, além dos mundos dos fenômenos vibratórios - explicou o Mestre. - Os que alcançam na Terra a realização de seu Divino Eu vivem, à semelhança de Deus, uma dupla existência. Conscientemente executam sua tarefa no mundo e, todavia, permanecem imersos embeatitude interior. Do ilimitado júbilo de Seu próprio ser, o Senhor criou todos os homens. Embora estejam dolorosamente grampeados ao corpo, Deus contudo espera que os homens feitos à Sua imagem coloquem-se acima de todas as identificações com os sentidos e reatem sua união com Ele.
 
A visão cósmica me rendeu muitas lições indeléveis. Aquietando diariamente meus pensamentos, pude libertar-me da ilusória convicção de que meu corpo era uma massa de carne e ossos, a transitar pelo duro solo da matéria. A respiração e a mente inquietas, segundo constatei, são como tempestades que fustigam o oceano de luz, provocando ondas de formas materiais - terra, céu, seres humanos, animais, pássaros, plantas. Não se pode obter nenhuma percepção do Infinito como luz Onica, exceto acalmando essas tempestades.
 
Sempre que eu tranquilizava os dois tumultos naturais, podia contemplar as numerosas ondas de criação dissolverem-se num mar reluzente, assim como os vagalhões do oceano, quando um temporal cessa, serenamente se liquefazem em unidade.
 
Um mestre concede a divina experiência da Consciência Cósmica quando seu discípulo, pela meditação, fortaleceu sua mente a tal grau que as imensas perspectivas não o esmagam. Mera vontade intelectual ou compreensão não bastam. Somente a adequada ampliação da consciência pela prática da ioga e da bhakti devocional podem preparar alguém paraamortecer o choque liberador da onipresença.
 
A divina experiência chega com inevitabilidade natural ao devoto sincero. Seu intenso anelo começa a atrair Deus com força irresistível. O Senhor, como Visão Cósmica, é atraído por esse ardor magnético para o âmbito de consciência de quem O busca.
 
Escrevi, nos últimos anos, o poema seguinte, Samadhi, tentando transmitir um vislumbre da glória que se experimenta no êxtase:
 
"Esgarçados os véus de luz e sombra,
evaporada toda a bruma de tristeza,
e tendo, como veleiro, singrado para longe
todo o amanhecer de alegria transitória,desvaneceu-se a turva miragem dos sentidos.
Amor, ódio, saúde, enfermidade, vida, morte:
extinguiram-se estas sombras falsas na tela-de-projeção da dualidade.
A tempestade de maya serenou tangida
pela varinha de condão da intuição profunda.
Presente, passado, futuro já não existem para mim,
mas somente o hoje eterno, Eu onifluente, Eu onipresente.
Planetas, estrelas, poeira de constelações, globo terrestre,
erupções vulcânicas de cataclismos do juízo final,
o forno modelador da criação,
geleiras de silenciosos raios X, dilúvios de eléctrons ardentes,
pensamentos de todos os homens, pretéritos, atuais, vindouros,
toda folhinha de erva, eu mesmo, a humanidade,
cada partícula da poeira universal,
raiva, ambição, bem, mal, salvação, luxúria,
tudo assimilei, tudo transmutei
no vasto oceano do sangue de meu próprio Ser indiviso.
Júbilo comburente, multi-ampliado pela meditação,
cegando meus olhos marejados,
explodiu em labaredas imortais de bem-aventurança,
consumiu minhas lágrimas, meus limites, meu todo.
Eu sou Tu, Tu és Eu,
o Cognoscente, o Conhecedor, o Conhecido, unificados!
Palpitação tranquila, ininterrupta, paz sempre nova, eternamente viva.
Deleite transcendente a todas as expectativas da imaginação,
beatitude do samadhi!
Nem estado inconsciente,
nem clorofórmio mental sem regresso voluntário,
samadhi estende meu reino consciente
para além dos limites de minha compleição mortal
até a mais longínqua fronteira da eternidade
onde Eu, o Oceano Cósmico,
observo o pequeno ego flutuando em Mim.
Ouvem-se, dos átomos, murmúrios movediços;
a terra escura, montanhas, vales, são líquidos em fusão!
Mares fluindo convertem-se em vapores de nebulosas!
Aum sopra sobre os vapores, descortinando prodígios mais além,
oceanos desdobram-se revelados, eléctrons cintilantes,
até que, ao último som do tambor cósmico,
transfundem-se os fulgores mais grosseiros em raios perenes
de beatitude que em tudo se ínfiltre.
Da alegria eu vim, da alegria eu vivo,
em sagrada alegria liquefaço-me.
Oceano da mente, bebo todas as ondas da criação.
Os quatro véus do sólido, líquido, gasoso, e luminoso,
um após outro, suspensos, transpassados.
Eu, em tudo, penetro no imenso Eu.
Extintas para sempre as vacilantes, tremeluzentes sombras da
memória perecível;
imaculado é meu céu mental - abaixo, acima e excelsamente;
Eternidade e Eu, um facho de união.
Pequenina bolha de riso,
eu me converti no próprio Oceano da Alegria.
  
Sri Yuktéswar ensinou-me como repetir essa bendita experiência à vontade, e também como transmiti-Ia a outros quando seus canais de intuição se encontrarem desenvolvidos. Durante meses, depois da primeira vez, entrei em estado de união extática, compreendendo diariamente por que os Upanisháds dizem que Deus é rasa, “a suprema delícia”. Certa manhã, porém, apresentei um problema ao Mestre.
 
- Quero saber, senhor, quando encontrarei Deus?
- Você já o encontrou.
- Oh, não, senhor, penso que não!
 
Meu guru sorria. - Estou certo de que você não está esperando um personagem venerável, adornando um tronco em algum cantinho anti-séptico do cosmo! Percebo, entretanto, que você imagina ser a posse de poderes miraculosos a prova de que alguém encontrou Deus. Não! Pode-se adquirir o poder de controlar o universo inteiro e, não obstante, descobrir que Deus se esquiva. O avanço espiritual não se mede pela exibição de poderes externos, mas apenas pelo profundeza da beatitude alcançada em meditação. Deus é sempre renovada alegria. Ele é inesgotável; à medida que você prosseguir em suas meditações, durante anos, Ele o fascinará com infinita capacidade inventiva. Devotos como você, que encontraram a senda para Deus, nunca sonham trocá-lo por nenhuma outra felicidade; Ele é o sedutor para Quem é impossível conceber rival. Com que rapidez nos enfastiamos dos prazeres terrenos! O desejo por coisas materiais é infindo; o homem nunca está completamente satisfeito e persegue um objetivo após outro. Aquele “algo mais” que ele procura é Deus, o único que pode conceder alegria imperecível. Anseios exteriores nos expulsam do Éden interior; oferecem prazeres falsos que apenas arremedam a ventura da alma. Reconquista-se o paraíso perdido, rapidamente, através da meditação divina. Sendo Deus a “Eterna Novidade Imprevista”, nunca nos fatigamos Dele. Podemos nos enfastiar da beatitude, se ela é deliciosamente renovada durante toda a eternidade?
 
- Compreendo agora, senhor, por que os santos chamam de insondável a Deus. Até mesmo a vida eterna não é suficiente para apreciá-lo.
 
- É verdade; mas Ele também nos é próximo, e querido. Depois que a mente foi purificada de obstáculos sensoriais por Kriya Yoga, a meditação fornece um duplo comprovante de Deus. A sempre-renovada alegria é prova de Sua existência, convincente para os próprios átomos de nosso corpo.Além disso, ao meditar, encontramos Sua orientação instantânea. Sua resposta adequada a cada dificuldade.
 
- Compreendo, guruji; o senhor resolveu meu problema. - Sorri, agradecido. - Agora tenho consciência de que já encontrei Deus, pois sempre que o júbilo da meditação retorna subconscientemente durante minhas horas de atividade, sou levado com sutileza a adotar o procedimento correto em tudo, até nos menores detalhes.
 
- A vida humana estará sobrecarregada de tristeza até aprendermos sintonizar com a Vontade Divina, cujo “Procedimento correto” resulta frequentemente desnorteante para a inteligência egoísta - disse o Mestre. - Somente Deus dá conselho sem erro; quem, senão Ele, carrega o peso do cosmo?


Do livro: Autobiografia de um Iogue - Capítulo 14