"MEU AMOR PELOS ANIMAIS ME TRANSFORMA EM UMA PESSOA MELHOR" - MAIRA MEDEIROS



"Meu amor pelos animais me transforma em uma pessoa melhor"

O amor dos animais pode tocar o coração de qualquer um, mesmo fazendo parte de uma família que não gostava de bichos


Um dia antes do meu nascimento minha mãe foi na casa de uma amiga que tinha um cão, e ele não saiu dos pés dela até a hora dela sair. Todo mundo riu e falou que a criança dentro da barriga iria gostar de animais. Isto seria bem improvável já que, para toda minha família, animais não tinham espaço em casa. Logo após meu nascimento, minha avó ganhou uma cadelinha que se chamava Peposa. A vira-latas foi quem me ajudou com meus primeiros passos, eu me segurava em seu corpinho e ela ia me ajudando e andando ao meu passo, acredito que reconheci e agradeci sua ajuda falando seu nome: 'Peposa' foi a primeira palavra que falei depois de mamãe e papai. Infelizmente não sei o que aconteceu com ela, me falaram coisas como 'ela fugiu' ou 'ela encontrou um namorado', mas sempre soube que na verdade ela não voltaria nunca mais.
E conforme fui crescendo, por menos provável que isso fosse, eu ia me apegando cada vez mais aos animais. Aos 4 anos vi o Orca Show no agora extinto parque de diversões Playcenter e não entendia porque as pessoas jogavam coisas como papel de sorvete e saquinho de pipocas na piscina, que eram para mim a 'casa' das baleias e dos golfinhos. (Hoje, eu continuo não entendo isso e muito menos como acharam que seria boa idéia trazer duas orcas, golfinhos e leões marinhos para um parque.)
Aos sete anos eu ganhei uma gatinha - que morreu por ter sido tirada muito cedo de sua mãe - e em seguida uma cachorrinha, que foi doada pela minha família por motivos que ainda não sei. Eu queria ter algum animal, na verdade queria cuidar deles. Sonhava em ser veterinária, e comecei a resgatar animais que eu achava que precisavam de ajuda, o que incluía tatu-bolas, lesmas, caramujos e formigas. E então com 18 anos ganhei minha cachorra e ela me fez ver o mundo dos animais de maneira diferente.


She-ra, a sharpei que ganhei há 12 anos e que mudou meu jeito de pensar nos animais. (Foto: Arquivo pessoal)
Ela, que é da raça Sharpei, foi criada desde que nasceu com a melhor ração do mercado, visitas regulares aos pet shop e veterinários e muitas regalias. Em um dia qualquer, algum tempo depois, vi um homem descartando um cachorro na rua, eu passei por ele incrédula, o xinguei, o ameacei mas não fiz nada em relação ao animal. Nesta noite choveu muito, e tudo que eu conseguia pensar era em como aquele animal estava longe de abrigo, de comida e principalmente de afeto - coisas que a minha cachorra tinha de sobra. No dia seguinte voltei ao local e ele ainda estava lá. Peguei-o, levei para um veterinário que viu que ela era fêmea e que havia sofrido muito. Mesmo assim ela foi muito boazinha e ganhou o nome de Mel, por ser excessivamente doce e carinhosa. Depois de alguns dias, encontrei uma família que resolveu ficar com ela, naquela época nem todos tinham e-mail, e a família me enviava cartas com fotos que mostravam como ela tinha engordado e como a família toda estava muito feliz com tudo isso.
Esta felicidade não me parou mais. Já sujei meu nome, já tomei calote, já pedi empréstimo por causa dos animais. Parece que os bichos que precisam de ajuda vêm até mim, seja gato, cachorro ou pássaro; não importa, eu vou lá e faço o que posso. Mesmo com tantos esforços, eu não posso nem me comparar com protetores de verdade, pessoas que literalmente vivem suas vidas para resgatar e devolver a vida a animais que sofreram maus tratos.

Curintia - o cão que eu resgatei um dia depois do Corinthians conquistar a Libertadores. (Foto: Arquivo pessoal)

Fonte:https://br.mulher.yahoo.com/meu-amor-pelos-animais-transforma-em-uma-pessoa-175200911.html

Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA