CABALA MÍSTICA : A ÁRVORE DA VIDA(SEPHIROT)


Cabala Mística


Com a devida autorização, passo a transcrever algumas notas extraídas de um antigo diário encontrado na biblioteca do Colégio do Espírito Santo, escrito por um Rosa+Cruz identificado como "Irmão Poimandres".
Faço-o a pedido e sem alterar qualquer passagem. Escreveu o Irmão Poimandres:

"SOBRE A ÁRVORE DA VIDA

Véus de Existência Negativa (acima da Árvore da Vida):
Ain (Não) - O vazio absoluto.
Ain Soph (Ilimitado) - O eterno, no mais puro sentido: se nada há, não existem limites.
Ain Soph Aur (Luz Ilimitada) - O eterno movimento: quando não há limites, as coisas acontecem simplesmente porque não há motivos para não acontecerem.


Árvore da Vida:

AS DEZ ESFERAS (Sephiroth; singular: Sephirah):

Kether - coroa
Chokmah - sabedoria
Binah - entendimento
Chesed - misericórdia
Gebura - força - vontade em ação
Tipheret - beleza
Netzach - vitória - imaginação criadora - emoções elevadas
Hod - Esplendor - mente universal
Yesod - fundamento
Malkuth - reino

A árvore da vida apresenta Deus sob o ponto de vista decimal.
Polaridades: Kether é positivo em relação a Chokmah, que é positivo em relação a Binah e assim por diante.

Serpente Nechushtan: Sabedoria e Iniciação.

OS TRÊS PILARES:

Centro: equilíbrio e consciência: neutro e estático.
Direita: misericórdia: positivo e ascendente - Jachin.
Esquerda: severidade; rigor/forma: negativo e descendente - Boaz.


OS QUATRO MUNDOS (OU UNIVERSOS):

Atziluth - emanação, plano divino. Adoração.
Briah - criação, plano dos arquétipos, idéias, arcanjos. Ética.
Yetzirah - formação, plano dos anjos. Aprendizado.
Assiah (Malkuth) - produção, plano físico, sistema solar visível. Vivência.

Logos - Projeto (Atziluth)
Arcanjos - Plano (Briah)
Anjos - Ordem (Yetzirah)
Elementais - Execução (Assiah)

Arquétipos são imagens primordiais, simbólicas e originais, acumuladas de forte carga energética.
Adam Kadmon é o Logos, não o Adão expulso do Paraíso.

No plano de Assiah, atuam os Chacras do Mundo, os Espíritos dos Planetas. Por exemplo, o chacra de Geburah é Marte, que não deve ser confundido com o planeta Marte, pois trata-se da imagem mágica de Marte, e não da esfera planetária física.

Em Briah, o arcanjo tem sua contraparte no demônio.

Em Atziluth, não há bem nem mal, pois se está fora do "sistema solar".

A invocação das forças de Atziluth não pode ser feita, senão mediante os arcanjos do plano de Briah; caso contrário, a personalidade humana seria destruída.

OS QUATRO PLANOS:
Neschmah (Intelectual) - Kether, Chokmah, Binah.
Ruach (Moral) - Chesed, Geburah, Tipheret, Netzach, Hod.
Nephesh (Astral, Físico-Emocional) - Yesod.
Guph (Corpo Físico) - Malkuth: resumo de tudo.

No homem:
As esferas da árvore: qualidades, aspectos.
Os caminhos que ligam as esferas: estados de consciência.
Três Pilares: forças cósmicas.
Três aspectos do logos: Kether (Yechidah)/Vontade; Chokmah (Chiah)/Amor; Binah (Neschamah)/Mente.

Deve-se subir a árvore e retornar ao físico, pois de nada vale o conhecimento sem sua aplicação concreta, assim como a experiência sem o conhecimento. Subida e descida, portanto, não estão associadas a bem/bom/mal/mau.

Vel de Queshet - o abismo menor, entre Yesod e Tiphereth: a noite da alma, quando o iniciado caminha isolado. Após atravessá-lo, une-se a seu eu superior ou Sagrado Anjo Guardião.

Vel de Paroketh - véu do templo, por trás de Tiphereth: o que se rompe com a crucificação. É análogo a Daath, mas numa oitava inferior.

Daat ("A Falsa Sephirah) - Abismo entre Tiphereth e Kether, pelo Pilar Central, acima das esferas de Geburah e Chesed - A união entre as forças sutis e a matéria.

A árvore qliphótica (projetada abaixo da Árvore da Vida):
Os qliphoth (singular: qliphah; tradução: conchas ou meretrizes) são as águas do caos. São as energias desequilibradas.
A árvore qliphótica foi formada pelo excesso das forças emanadas de Kether, projetadas nas águas inferiores, abaixo de Malkuth.

Rituais:
Devem ser iniciados com a invocação do Deus correspondente e finalizados com uma ação de graças, como se o objetivo já houvesse sido alcançado. Antes, porém, da invocação, é necessário meditar sobre a forma espiritual da Sephirah, pois o ritual deve principiar no plano espiritual.
Mesmo que pareça infrutífero, o ritual começa por imprimir na aura o benefício; depois, vem a manifestação física.

Deus é imanente e transcendente a um só tempo: o homem é uno com Deus.
A Magia pode ser subjetiva (transmutação da consciência) ou objetiva (efeitos físicos visíveis).
No princípio, o requisito básico para o magista é a Fé; com o sucesso, esta transforma-se em Certeza.
Em Magia, a dúvida é fatal.
O relaxamento é necessário às mensagens internas.

AS SEPHIROTH:

KETHER
- A Coroa -

Manifestação primeira d'O Imanifesto.
Equivale a Parabrahman.
Associação planetária: Netuno.
Imagem mágica: um rei idoso, de perfil direito. O lado esquerdo é como um livro fechado.
Arcanjo: Metraton.
Ordem angélica: Chaio-ha-kadesh.
Chacra mundano: Reshit ha gilgalim - redemoinhos, nebulosas.
Chacra humano: coronário - Yeshidah - chispa divina.
Nome divino: EHEIEH, que se relaciona com Atziluth.
E - começo;
HE - cristalização;
I - frutificação.
EH - cristalização.

Kether contém a ideia oculta dos sefiroth subsequentes.
Quem atinge seu estágio, dele não retorna.
Experiência: união com Deus.

Os quatro ases:
Paus: poderes do fogo;
Copas: poderes da água;
Espadas: poderes do ar;
Ouro: poderes da terra.

A jornada evolutiva consiste em fixar a individualização da consciência, de modo que a chispa divina mantenha sua individualidade no final da evolução.
E HE I HE = "Eu estou sempre em transformação". Trata-se do aspecto manifesto: o aspectooculto de Deus não está em transformação.

CHOCKMAH
- A Sabedoria -

Manifestação do aspecto masculino de Kether.
Yod, Falo, Torre, Pedestal.

Imagem mágica: homem barbado, viril, maduro.
Nove divino: Jeovah.
Chacra mundano: Urano / Mazloth.
Experiência: visão de Deus.
Virtude: devoção.
Conhecimento da polaridade, simbolizado pelo Caduceu de Mercúrio.
Lado esquerdo do rosto.
Arcanjo: Ratziel (pilar cinza com azul), o "Arauto de Deus".
Anjos: Seraphim ou Rodas (rodas cinzentas com fundo negro).

Os quatro "dois":
Paus: dominação;
Copas: amor;
Espadas: paz;
Ouros: modificação harmonioza.

BINAH
- Entendimento -

A mãe da forma. Entendimento interno, além da razão.
"A Grande Mãe". Dá forma à manifestação.
É menos abstrato do que Chockmah.
Yoni, Cálice.

Completa o triângulo superno: Kether, Aleph, ar primordial; Chockmah, Shin, fogo gerador; Binah, Mem, grande mar.

Entendimento + Sabedoria = Conhecimento (Daath).

Chacra mundano: Saturno, o planeta da estabilidade, conservador.
Nome divino: Jeovah Elohim.
Virtude: Silêncio.
Arcanjo: Zaphkiel.
Anjos: Aralim (Tronos), Seres Poderosos.
Lado direito do rosto.

Os quatro "Três":
paus - força;
copas - abundância;
espadas - infortúnio;
ouros - trabalhos materiais.

Em Binah, habitat da mônada, a fé se torna certeza.
A chave da Magia é a criação de formas ou canais para a manifestação de forças, e Binah é a mãe da forma.
Zaphkiel é o guardião dos Arquivos Akáshicos. É corretor e retificador (Carma).

CHESED ou GEDULAH
- A Misericórdia ou a Glória -

Imagem: Rei no trono, pacífico e legislador.
Experiência: Visão do Amor.
Chacra Mundano: Júpiter.
Braço ou ombro esquerdo.
Representa o estado de consciência dos Mestres da Sabedoria.
Virtude: obediência (à vontade divina).
Símbolos: cubo, cetro, vara, esfera.
Nome divino: EL (Aleph: começo; Lamed: movimento, coração do alfabeto hebraico).
Arcanjo: Zadkiel.
Anjos: Chamas cintilantes. Invocados, equilibram a mente e propiciam o autocontrole.
Tarô: Quatro "quatros": Paus - obra perfeita; Copas - prazer; Espadas - descanso após a luta; Ouro - poder terreno.
Chesed/Gedulah faz fronteira com o Justiceiro: Geburah.

GEBURAH
- A Fortaleza -

Imagem: Rei em guerra, em seu carro.
Chacra mundano: Marte.
Símbolos: corrente (lentidão), açoite (dinamismo).
Experiência: Visão do Poder.
Virtudes: energia e valor.
Títulos: Din - Justiça- e Pachad - Temor (ao ser supremo).
Pentagrama.
Adeptos Maiores / Espíritos Luciferinos.
Nome Divino: Elohim Gibor.
Arcanjo: Khamael (Punidor).
Anjos: Serafins, Potesdades, Serpentes de Fogo (anjos obscuros).
Quatro "Cincos": Paus (luta), Copas (prazer perturbado), Espadas (derrota), Ouros (conflito terrestre).

TIPHERET
- A Beleza -

É o centro de equilíbrio da árvore sefirótica. Completa o triângulo ético.
Nome divino: Jeovah-Eloah-Va-Daath.
Arcanjos: Raphael (Divino Médico) e Miguel (Arcanjo Solar).
Anjos: Malachin, Reis ou Virtudes.
Chacra Mundano: o Sol.
Experiência: Visão da Beleza Manifestada na Natureza; Equilíbrio da Árvore da Vida.
Imagem: Um Rei Magestoso (Melek, marido de Malkah - título atribuído a Malkuth); uma Criança, filha de Kether. A grande Face, que Tipheret produz numa espiral inferior; um deus sacrificado, que é a morte de uma energia que renasce em outro nível.
É o mediador entre o micro e o macrocosmo; representa o ponto mais baixo da individualidade.
Virtude: realização da Grande Obra (Cristo Interno).
Peito; plexo solar.

Reis elementais relacionados com Tipheret:
Paralda - Ar; Niksa - Água; Djin - Fogo; Gob - Terra (os reinos, em si mesmos considerados, se encontram em Malkuth).

Sílmbolos: Cruz, Lâmen, Cubo, Pirâmide truncada.
Cartas: os Seis - Paus - vitória; Copas - alegria; Espadas - êxito merecido; ouros - êxito material.

Em Tiphereth, ocorre a experiência conhecida como o Conhecimento e Conversação do Sagrado Anjo Guardião.

Na primeira postagem sobre o tema (http://zadkiel-rc.blogspot.com/2009/08/sobre-cabala-mistica.html), percorremos as Esferas (Sephiroth) de Kether - no topo da Árvore da Vida - a Tiphereth - no centro de Árvore. Transcreveremos, agora, as anotações do Irmão Poimandres, de Malkuth - a Esfera (Sephirah) que se encontra no ponto inferior da Árvore, representada como um pingente, até Netzach, a sétima Sephirah que, de cima para baixo, sucede Tiphereth e antecede Hod. Ou seja, iniciamos de modo descendente e finalizamos de modo ascendente, tendo Tiphereth como ponto central ou centro gravitacional. Existe um propósito nisto, pois em Tiphereth se realiza a etapa central da Grande Obra (aperfeiçoada em Geburah e Chesed). Por fim, transcreveremos as notas acerca de Daat, a "falsa Sephirah", entre as tríades intermediária e superior.

MALKUTH
~ O Reino ~

É a esfera em que tudo é visível.
Somente em Malkuth, podemos discernir o certo do errado, o verdadeiro do falso.
Em outros planos, basta pensarmos nas coisas, para que elas sejam como pensamos.
Em Malkuth, um gravador será um gravador, mesmo que pensemos que é uma cadeira.

Virtude: estabilidade.
Vício: inércia.
Experiência espiritual: Visão do Sagrado Anjo Guardião, nosso objetivo na Grande Obra (Nota de ZadKiel R+: observem que trata-se da "Visão" do Anjo, não de seu "Conhecimento e Conversação", experiência ocorrida em Tiphereth. Em Malkuth, se tem a visão do Sol como em uma Dourada Aurora; em Tiphereth, se tem um Matrimônio, como na união da Rosa à Cruz).

Há uma relação entre o Sagrado Anjo Guardião e o Eu Superior. Começamos a cumprir nossa missão quando entramos em contato com o Eu Superior.

Imagem Mágica: uma moça sentada em um trono.
Anjos: Ashin, Almas de Fogo e Querubins.
Símbolos: Altar de duplo cubo; cruz de braços iguais; círculo mágico; triângulo da Arte.

Cartas: OS DEZ
Paus: opressão;
Copas: êxito perfeito;
Espadas: ruína;
Ouros: opulência.

Consideradas microcosmicamente, as três últimas esferas do Pilar Central representam:
Malkuth: o corpo;
Yesod: o duplo etérico;
Tiphereth: o espírito superior.

Nome divino: Adonai-Ha-Aretz.
Arcanjo: Metraton (Príncipe das Faces) = Kether; Sandalphon (Arcanjo da Terra); Auriel (Arcanjo do elemento terra).
Chacra Mundano: A totalidades dos elementais, Cholem Ha Yesodoth.

Em Malkuth, somos microcosmos.
O homem é o agente divino de Asiah, e os seres elementais são o aspecto mais inferior, mas encontramo-los desde Kether.
Os elementais são seres automáticos; são leis individuais da natureza, obreiros sob o comando das hostes angelicais.

QUATRO ASPECTOS DA MATÉRIA:
- Subatômica - Adonai - Atziluth de Malkuth;
- Nuclear - Arcanjos - Briah de Malkuth;
- Atômica - Anjos - Yetzirah de Malkuth;
- Celular - Assiah de Malkuth.

Sandalphon não pode ser visualizado, pois seus pés estão na Terra e sua cabeça, no Infinito (Kether). Por isso, diz-se que Malkuth está sentada no trono de Briah. Recebe as ordens de Adonai e as transmite aos Querubins, que as executam.
Podemos invocar Adonai usando a imagem mágica de Malkuth, pois esta representa a própria Natureza.

YESOD
~ O Fundamento ~

Refere-se ao mundo etérico, governado pela Lua.

Nome Divino: Shadai-El-Chai.
Arcanjo: Gabriel.
Anjos: Querubins.
Imagem: Hércules nu.

É uma esfera de grande importância para a Magia (Hod é como um armazém de formas-pensamento humanas; Yesod é como um armazém de pensamentos cósmicos).
Em Yesod, podem-se modificar as imagens, para curar e rejuvenescer.
Corresponde aos órgãos sexuais.
Chifre voltado para cima: Phallus; chifre voltado para baixo: Kteis.

No Tarô: os quatro "Noves":
Paus - força;
Copas: sorte material;
Espadas: crueldade;
Ouros: ganância.

Em Yesod, o iniciado libera a mente subconsciente. Penetrando em sua mente, confronta-se com seis problemas psíquicos e tem a chance de erradicá-los ou corrigi-los (no desequilíbrio, há o risco de exacerbá-los).

HOD
~ O Esplendor ~

Preside o raciocínio mental, lógico e científico.

Virtude: verdade.
Vício: mentira.
Arcanjo: Miguel (proteção contra as hostes das qliphoth, plural de qliphah, as conchas abaixo da Árvore da Vida).
Anjos: Beni-Elohim.
Imagem: Hermafrodita.
Nome divino: Elohim Sabaoth.
Chacra Mundano: Mercúrio.

Há três caminhos do ocultismo que se encontram em Tiphereth:
1 - O do misticismo da natureza e da arte - instrutor: Orfeu - ligado a Netzach;
2 - O do misticismo devocional - instrutor: Jesus - ligado a Yesod;
3 - O da Magia - instrutor: Hermes - ligado a Hod.
Quando se unem em Tiphereth, se complementam. Assim, o magista pode operar sem rituais.

Hod é a esfera da Iniciação.
Nomes mágicos, versículos, talismãs, símbolos etc pertencem a Hod.

Experiência espiritual: Visão do Esplendor.

No Tarô: os quatro "Oitos":
Paus: rapidez;
Copas: êxito abandonado;
Espadas: força amortizada;
Ouros: prudência.

Corresponde ao quadril e às pernas.

Não se pode sublimar estados patológicos, mas sim instintos. Ex: a transmutação de desejos em vontade.

NETZACH
~ A Vitória ~

Estabelece o relacionamento humano, vertical e horizontalmente.
Horizontalmente, causa a amizade e, em excesso, o homosexualismo.
Sentimentos positivos -> imaginação criadora.

Arcanjo: Haniel (Anael).
Chacra mundano: Vênus (que dá vida ao mundo do pensamento).
Anjos: Elohim.
Nome divino: Jeová Sabaoth.
(Auriel = Hamiel, Haniel e Samael).
Virtude: valor, retidão.
Vício: egoísmo, luxúria.
Símbolos: rosa em botão, cinto e lâmpada.
Imagem mágica: uma bela mulher desnuda.
Experiência: a beleza triunfante.

As artes são presididas por Vênus.
Pandora, a primeira mulher.

Quando descemos ao abismo do mal, também vemos coisas estonteantes, mas perigosas.

No microcosmo, são os rins, mas também podem ser associados, como Hod, ao quadril e às pernas.

Netzach é o aspecto mais inferior do Eu Superior, e o mais superior da personalidade.
A personalidade apresenta quatro aspectos: Forma (em Malkuth), Vida (em Yesod), Mente (em Hod) e Alma (em Netzach).

---------
DAATH
~ O Conhecimento ~

Antes da Queda, Malkuth estava onde, hoje, encontra-se Daath: no Pilar do Meio, logo abaixo de Chokmah e Binah.
É uma esfera de dimensão diferente, considerada a conjunção de Chockmah e Binah.
Em Daath, a fé está alicerçada no ponto mais alto do conhecimento.
A penetração nas Supernas (Binah, Chokmah, Kether) somente ocorre através do Espírito Divino (Neschamah, plano superior), pois, atingindo-se o conhecimento pleno em Chesed, abandona-se o Átomo Permanente, o próprio Sagrado Anjo Guardião, em Daat, extinguindo-se a separatividade da personalidade e do individualismo, assumindo-se a Mônada, em Binah.

Experimenta-se a solidão espiritual, pois ali todos os conceitos são dissolvidos.
Imagem: cabeça com duas faces, olhando dois caminhos.
É a esfera do Karma.
Leva o indivíduo a ser inflexível em sua missão, com amor desprovido de egoísmo.
Experiência espiritual: visão além do Abismo.
Virtudes: desapego, purificação da justiça, confiança no futuro.
Vícios: dúvida acerca do futuro, inércia, apatia, covardia, orgulho que isola e desintegra.
Chacra mundano: Sírius ou Sothis, Alfa da Constelação Cão Maior.

Os quatro Arcanjos:
RAFAEL: Leste, Luz, Ar, Amarelo Ouro.
GABRIEL: Oeste, Visão Interna, Água, Azul.
MIGUEL: Sul, Poder, Fogo, Vermelho.
AURIEL: Norte; Estabilidade; Terra; Amarelo-limão, verde-oliva, marrom e preto.

Anjos: Serpentes Aladas.

A forma mais apropriada aos Arcanjos são grandes pilares; se antropomórficos, devem apresentar seu sigilo, ou selo, no peito.

Os anjos não são seres melhores que os homens. Sua corrente evolutiva é diferente da humana, assim como seus objetivos. São, porém, mais adiantados na evolução.
Os anjos não têm nome individual, somente coletivo.

Os elementais são evolutivamente inferiores ao homem. Estão para os anjos, assim como os animais estão para o homem.

Norte - Gob - Terra - Auriel - Fertilidade;
Oeste - Niksa - Água - Gabriel - Visão Interna;
Leste - Paralda - Ar - Rafael - Luz e Cura;
Sul - Djin - Fogo - Miguel - Proteção.

Anjos e elementais não quebram as leis naturais, consequentemente, não operam milagres.

No fim da evolução, Malkuth retornará ao lugar ocupado por Daath.

KETHER - energia pura;
CHOCKMAH - energia dinâmica;
BINAH -matriz arquetípica;
CHESED - expansão da idéia, organização;
GEBURAH - ajuste da idéia;
TIPHERETH - embelezamento;
NETZACH - composição da idéia, iluminação;
HOD - concretização;
YESOD - fundamento;
MALKUTH- corporização;
DAATH: visão total da idéia. Conhecimento.