LIÇÕES DA ÍNDIA PARA MELHORAR A SAÚDE

Lições da Índia para melhorar a saúde

Como hospitais conseguem oferecer serviços de alta qualidade a preços acessíveis.

A Índia é frequentemente citada como um exemplo para o Brasil em áreas como economia e educação. Ela teria algo a nos ensinar sobre saúde? Quem responde, num interessante artigo publicado na Harvard Business Review, é o indiano Vijay Govindarajan, conhecido como VG. Professor na Tuck School of Business, nos Estados Unidos, ele é reconhecido como um dos principais especialistas do mundo em estratégia e inovação.
“A Índia é o último lugar na Terra onde você esperaria encontrar alguma inovação na assistência à saúde”, escreveu ele. Concordo. Jamais esperaria. Os indicadores de saúde indianos são péssimos. A taxa de mortalidade infantil no país é três vezes mais alta que a da China e sete vezes mais elevada que a dos Estados Unidos. Nesse quesito, a Índia está muito pior que o Brasil. Enquanto lá morrem 42 crianças a cada mil nascidos vivos, aqui são catorze a cada mil. Os dados foram divulgados pelo Unicef em setembro.
Mesmo com todo o crescimento econômico ocorrido nas duas últimas décadas, a Índia continua incapaz de lidar com as mais básicas necessidades médicas da população. Não faz o básico, nem o que requer atendimento especializado. Dois milhões de pessoas precisam de uma cirurgia cardíaca. Menos de 5% conseguirão realizá-la.

Estima-se que 63 milhões sejam diabéticos e 2,5 milhões tenham câncer. Não receberão diagnóstico, nem tratamento. Uma cirurgia simples poderia restaurar a visão de 70% dos 12 milhões de cegos. Poderia, se estivesse disponível.

Se a Índia é uma tragédia na saúde, por que mencioná-la nesta coluna? Tenho uma boa razão. Vijay descreve como alguns hospitais privados inovam na difícil tarefa de cortar custos sem abrir mão da alta qualidade dos serviços.

São hospitais de alto nível, que receberam selos de qualidade da Joint Commision International e atendem a clientela abastada, sem abrir mão do mercado popular. Num país que tem 1,1 bilhão de habitantes, onde quem ganha mais de US$ 2 mil por ano é considerado classe média, os hospitais dependem dessa clientela para prosperar.

As empresas competem para atrair quem não pode pagar muito. Ganha o jogo quem consegue cortar custos sem comprometer a qualidade. É um círculo virtuoso. O volume de pacientes cresce e a empresa lucra. Segundo Vijay, a prosperidade dessas empresas é explicada pelas próprias receitas que elas próprias conseguem gerar – e não por subsídios do governo, doações e reembolsos de planos de saúde.

Vijay investigou qual é o segredo desses hospitais(veja reportagem abaixo). Sua equipe identificou 40 empresas que operam nesses moldes na Índia, mas centrou os esforços em nove delas. Os pesquisadores visitaram os hospitais, coletaram dados e conduziram mais de cem entrevistas com administradores, médicos, funcionários, pacientes e especialistas da indústria durante vários meses.

No artigo da Harvard Business Review ele descreve as estratégias inovadoras dessas empresas indianas. Creio que os hospitais brasileiros têm muito a aprender com elas. 

As principais:

• Ir onde o povo está

Para atingir as massas, os hospitais indianos criaram postos nas principais estações de metrô e abriram pequenas clínicas em áreas rurais. Se o problema do paciente não é resolvido nesses locais, ele é encaminhado ao hospital principal.
Os custos diminuem porque os equipamentos e profissionais mais caros ficam concentrados na unidade principal. Não é necessário duplicar os serviços e os equipamentos em cada pequena cidade.
Ao realizar grandes volumes do mesmo procedimento, os profissionais se tornam altamente especializados e experientes. A qualidade dos serviços melhora.

• Desonerar os experts 

Os hospitais indianos colocaram os médicos mais especializados para realizar os procedimentos mais complicados. Atendimentos ou cirurgias mais simples foram delegados a médicos menos experientes. Preenchimento de papelada e outras atividades burocráticas que atrapalham a atividade central da medicina ficam a cargo do pessoal administrativo. Como a Índia sofre com a falta de médicos altamente especializados, os hospitais precisam saber tirar o melhor proveito da presença deles.
Em vez de realizar uma operação do início ao fim, os melhores cirurgiões entram em cena para realizar apenas a parte mais técnica e complicada do procedimento. Dessa forma, segundo Vijay, os melhores especialistas se tornaram altamente produtivos.
Muitas funções foram transferidas para enfermeiros e técnicos de enfermagem. Paramédicos com dois anos de treinamento após o ensino médio assumiram atividades antes realizadas por médicos. Em um dos bons hospitais avaliados, os paramédicos compõem metade da força de trabalho.
É o contrário do que acontece nos Estados Unidos. “A primeira coisa que os hospitais americanos fazem quando querem cortar custos é demitir o pessoal de apoio e transferir tarefas burocráticas para médicos altamente especializados”, afirma Vijay. “É o tipo errado de mudança de funções”.

• Menos luxo, mais saúde

Há muito desperdício nos hospitais americanos, assim como nas instituições brasileiras que atendem a classe média e os ricos. Alguns parecem hotéis cinco estrelas, com altos investimentos em instalações que raramente têm relação com o resultado do atendimento médico prestado. 
Na Índia é bem diferente. “Os hospitais são fanáticos pelo uso sensato dos recursos”, diz Vijay. Adotam formas seguras de esterilização e reuso de alguns materiais cirúrgicos que nos Estados Unidos são descartados. 
Empresas locais produzem stents (dispositivos para desobstrução de artérias) e lentes intraoculares, produtos que custam um décimo do preço dos materiais importados. 
Os hospitais inovam também na forma de compensar financeiramente as equipes. Oferecem estímulos e prêmios aos times que conseguem evitar a indicação de exames e procedimentos desnecessários. 
Reduzir os custos de saúde é uma urgência global, mas isso só faz sentido quando a qualidade dos serviços e a segurança dos pacientes não são comprometidas. Se não for assim, qualquer racionamento se torna economia burra. 
Toda inovação tem seu charme, mas só o tempo dirá qual foi o real impacto dessas mudanças na qualidade de vida dos indianos. Em novembro, Vijay fará uma palestra em São Paulo durante a HSM ExpoManagement, o maior evento de gestão da América Latina. 
Em seguida, representantes dos principais hospitais e operadoras de planos de saúde discutirão de que forma a experiência indiana pode ser útil ao Brasil. Reconhecer (e mensurar) os erros de gestão da saúde brasileira é um bom começo.

Fonte:http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/cristiane-segatto/noticia/

20131016_3

Índia segredo para Low-Cost Health Care

Um renomado cirurgião cardíaco indiano está construindo atualmente um 2.000 leitos, credenciado internacionalmente "cidade saúde" nas Ilhas Cayman, um vôo curto das suas americanos serviços incluem procedimentos de cuidados terciários, como a cirurgia de coração aberto, angioplastia, joelho ou quadril substituição e neurocirurgia por cerca de 40% dos preços dos EUA. Os pacientes terão a opção de recuperar para uma ou duas semanas nas Ilhas Cayman, antes de voltar para os EUA
Numa altura em que os custos de saúde nos Estados Unidos ameaçam falir o governo federal, hospitais norte-americanos fariam bem em tomar uma folha ou duas do livro de médicos indianos e hospitais que estão tratando problemas do olho, coração, rim e todos o caminho para a maternidade cuidados, ortopedia e câncer por menos de 5% a 10% dos custos dos Estados Unidos por meio de práticas comumente associados com a produção em massa e produção enxuta.
Os nove hospitais indianos que estudamos não são baratos porque os seus cuidados é de má qualidade, na verdade, a maioria deles são credenciados pela norte-americana Joint Commission International , ou seu equivalente indiano, o Conselho Nacional de Acreditação para Hospitais .Quando disponíveis, os dados mostram que os resultados médicos são tão bons quanto ou melhor do que o hospital média dos EUA.
A posição ultra-baixo-custo de hospitais indianos podem não parecer surpreendente - afinal, os salários na Índia são significativamente mais baixos do que os EUA . No entanto, a cuidados de saúde disponíveis em hospitais indianos é mais barato, mesmo quando você ajustar para salários: Por exemplo, mesmo se os hospitais coração indiano pagou seus médicos e pessoal de nível de salários nos Estados Unidos, os seus custos de cirurgia de coração aberto ainda seria um quinto da aqueles em os EUA
Quando se trata de inovações na prestação de cuidados de saúde, esses hospitais indianos superaram os esforços de outras instituições de topo em todo o mundo, como discutimos no nosso artigo recente HBR . Hoje, os EUA gastam US $ 8.000 por habitante em saúde, se a comissão aprovou as práticas dos hospitais indianos, os mesmos resultados podem ser alcançados por um conjunto muito menos, salvar o país centenas de bilhões de dólares.
A chave para isso é que, diante das restrições de extrema pobreza e uma grave escassez de recursos, estes hospitais indianos tiveram que operar com mais agilidade e criatividade para servir o grande número de pessoas pobres que precisam de cuidados médicos no subcontinente. E porque os índios no urso de média de 60% a 70% dos custos de cuidados de saúde fora do bolso, eles devem entregar valor. Consequentemente, a concorrência baseada em valores não é um sonho, mas uma realidade na Índia.
Três principais práticas têm permitido a esses hospitais indianos para cortar custos e ainda melhorar a qualidade do atendimento.
Um projeto Hub-and-Spoke
A fim de alcançar as massas de pessoas que necessitam de cuidados, hospitais indianos criar centros de conexões em grandes áreas metropolitanas e abrir clínicas menores em áreas mais rurais que alimentam os pacientes para o hospital principal, similar à maneira que as rotas aéreas regionais alimentar passageiros em grande companhia aérea cubos.
Este web fortemente coordenado reduz os custos, concentrando o equipamento e conhecimento mais caro no centro, em vez de duplicá-lo em cada aldeia. Ele também cria especialistas nos centros que, durante a realização de um grande volume de procedimentos voltados, desenvolver as habilidades que irão melhorar a qualidade. Por outro lado, os hospitais em os EUA estão espalhados e descoordenados, duplicando cuidados em muitos lugares sem alta o suficiente de volume em qualquer um deles para fornecer a massa crítica para fazer os procedimentos acessíveis.Da mesma forma, um aparelho de ressonância magnética pode ser usado quatro a cinco vezes por dia em os EUA, mas de 15 a 20 vezes por dia nos hospitais indianos. Como um CEO nos disse: "Nós temos que fazer o equipamento suor!"
Hospitais norte-americanos têm vindo a desenvolver estruturas semelhantes, mas ainda há muitos centros e raios não é suficiente. Além disso, quando os hospitais consolidar, o motivo muitas vezes é aumentar o poder de mercado vis-à-vis as companhias de seguros, em vez de reduzir os custos através da criação de uma estrutura de hub-and-spoke.
Revezamento de tarefas
Os hospitais indianos transferir a responsabilidade para tarefas de rotina para os trabalhadores menos qualificados, deixando os médicos especialistas para tratar apenas os procedimentos mais complicados . Mais uma vez, a necessidade é a mãe da invenção, uma vez que a Índia está a lidar com uma escassez crônica de médicos altamente qualificados, os hospitais tiveram de maximizar as funções que desempenham. Ao concentrar-se apenas na parte mais técnica de uma operação, os médicos nesses hospitais se tornaram incrivelmente produtivos - por exemplo, realização de até cinco ou seis cirurgias por hora, em vez dos 1-2 cirurgias comuns em os EUA
Esta inovação também reduziu os custos. Depois de mudar as tarefas de médicos para os profissionais de enfermagem e enfermeiros, vários hospitais, inclusive, criaram um nível inferior de trabalhadores paramédicos com treinamento de dois anos após o ensino médio para executar as tarefas médicas mais rotineiras. Em um hospital, esses trabalhadores representam mais da metade da força de trabalho. Compare isso com o sistema dos EUA, onde o primeiro movimento de redução de custos é muitas vezes a despedir pessoal de apoio, deslocando tarefas mais mundanas, tais como faturamento e transcrição para médicos Overqualified para essas funções - precisamente o tipo errado de revezamento de tarefas.
Boa, frugalidade Old-Fashioned
Há uma grande quantidade de resíduos em hospitais norte-americanos. Você anda em um hospital em os EUA, e parece um resort de cinco estrelas, metade do prédio não tem relação com os resultados médicos, e médicos estão alegremente inconscientes de custos . Por outro lado, os hospitais indianos são fanáticos por sabiamente pastorear recursos - por exemplo, esterilização e segura reutilizar muitos produtos cirúrgicos que são rotineiramente descartados nos estados após um único uso. Eles também desenvolveram dispositivos locais, como stents ou lentes intra-ocularesque custam um décimo do preço de dispositivos importados.
Esses hospitais também têm sido inovador em médicos de compensação. Em vez do modelo de taxa de serviço-, o que cria um incentivo para realizar procedimentos e exames desnecessários, os médicos em alguns hospitais indianos são pagos salários fixos, independentemente do número de testes que encomendar. Outros hospitais empregam compensação baseada em equipe, o que gera a pressão dos colegas para evitar exames e procedimentos desnecessários.
Inovação tem-se desenvolvido em os EUA no desenvolvimento de novas pílulas, procedimentos clínicos, dispositivos e equipamentos médicos, mas em matéria de prestação de cuidados de saúde, ela parece ter sido congelada no tempo. Em muito de os EUA, sistema de cuidados de saúde é vista como um ofício e cada paciente como único. Mas através da aplicação de princípios de produção em massa e produção enxuta para a prestação de cuidados de saúde, os médicos indianos e hospitais podem ter descoberto a melhor maneira de cortar custos, enquanto ainda oferecendo alta qualidade na área da saúde.
Siga o centro visão Inovação Liderando Saúde no Twitter @ HBRhealth . E-mail parahealtheditors@hbr.org , e se inscrever para receber atualizações aqui.
Fonte:http://blogs.hbr.org/2013/10/indias-secret-to-low-cost-health-care/
Leading Innovation Saúde
A partir dos editores da Harvard Business Review e do New England Journal of Medicine

Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA