COMPARANDO BUDA E JESUS : DOIS MESTRES QUE PARTILHAVAM DA DIVINDADE

 
Dois Mestres Que Partilhavam da Divindade


Eça de Queiroz


 

O escritor português Eça de Queiroz (1845-1900)

 

O texto a seguir é reproduzido

do volume “A Correspondência de

Fradique Mendes”, de Eça de Queiroz,

L& PM Pocket, 2001, 206 pp., pp. 196-198.

Trata-se de um fragmento do capítulo XVI.



Na década de 1970, seu conteúdo causou escândalo

e divisão na cúpula do movimento teosófico brasileiro. [1]



(C. C. A.)

 

Muito aprovo, minha estudiosa Clara, que andes lendo a [ história] do divino Buda. Dizes, desconsoladamente, que ele te parece apenas um Jesus muito complicado. Mas, meu amor, é necessário desentulhar esse pobre Buda da densa aluvião de Lendas e Maravilhas que sobre ele tem acarretado, durante séculos, a imaginação da Ásia.



Tal como ela foi, desprendida da sua mitologia,e na sua nudez histórica, - nunca alma melhor visitou a terra, e nada iguala, como virtude heróica, a “Noite do Renunciamento”.



Jesus foi um proletário, um mendigo sem vinha ou leira, sem amor nenhum terrestre, que errava pelos campos da Galileia, aconselhando aos homens a que abandonassem como ele os seus lares e bens, descessem à solidão e à mendicidade, para penetrarem um dia num Reino venturoso, abstrato, que está nos Céus. Nada sacrificava em si e instigava os outros ao sacrifício - chamando todas as grandezas ao nível da sua humildade.



O Buda, pelo contrário, era um Príncipe, e como eles costumam ser na Ásia, de ilimitado poder, de ilimitada riqueza: casara por um imenso amor, e daí lhe viera um filho, em quem esse amor mais se sublimara: - e este príncipe, este esposo, este pai, um dia, por dedicação aos homens, deixa o seu palácio, o seu reino, a esposada do seu coração, o filhinho adormecido no berço de nácar, e, sob a rude estamenha [2] de um mendicante, vai através do mundo esmolando e pregando a renúncia aos deleites, o aniquilamento de todo o desejo, o ilimitado amor pelos seres, o incessante aperfeiçoamento na caridade, o desdém forte do ascetismo que se tortura, a cultura perene da misericórdia que resgata, e a confiança na morte...



Incontestavelmente, a meu ver (tanto quanto estas excelsas coisas se podem discernir duma casa de Paris, no século XIX e com defluxo) a vida do Buda é mais meritória. E depois considera a diferença do ensino dos dois divinos Mestres. Um, Jesus, diz:



“Eu sou filho de Deus, e insto com cada um de vós, homens mortais, em que pratiqueis o bem durante os poucos anos que passais na Terra, para que eu depois, em prêmio, vos dê a cada um, individualmente, uma existência superior, infinita em anos e infinita em delícias, num palácio que está para além das nuvens e que é de meu Pai!”



O Buda, esse, diz simplesmente:



“Eu sou um pobre frade mendicante, e peço-vos que sejais bons durante a vida, porque de vós, em recompensa, nascerão outros melhores, e desses outros ainda mais perfeitos, e assim, pela prática crescente da virtude em cada geração, se estabelecerá pouco a pouco na Terra a virtude universal!”



A justiça do justo, portanto, segundo Jesus, só aproveita egoistamente ao justo. E a justiça do justo, segundo o Buda, aproveita ao ser que o substituir na existência, e depois ao outro que desse nascer, sempre durante a passagem na Terra, para lucro eterno da Terra. Jesus cria uma aristocracia de santos, que arrebata para o Céu onde ele é Rei, e que constituem a corte do Céu para deleite da sua divindade; - e não vem dela proveito direto para o Mundo, que continua a sofrer da sua porção de Mal, sempre indiminuída. O Buda, esse, cria, pela soma das virtudes individuais, santamente acumuladas, uma Humanidade que em cada ciclo nasce progressivamente melhor, que por fim se torna perfeita, e que se estende a toda a Terra donde o Mal desaparece, e onde o Buda é sempre, à beira do caminho rude, o mesmo frade mendicante.



Eu, minha flor, sou pelo Buda. Em todo caso, esses dois Mestres possuíram, para bem dos homens, a maior porção de Divindade que até hoje tem sido dado à alma humana conter.



De resto, tudo isto é muito complicado; e tu sabiamente procederias em deixar o Buda no seu Budismo, e, uma vez que esses teus bosques são tão admiráveis, em te retemperar na sua força e nos seus aromas salutares. O Buda pertence à cidade e ao colégio de França: no campo a verdadeira Ciência deve cair das árvores, como nos tempos de Eva. Qualquer folha de olmo te ensina mais que todas as folhas dos livros. Sobretudo do que eu - que aqui estou pontificando, e fazendo pedantescamente, ante os teus lindos olhos, tão finos e meigos, um curso escandaloso de Religiões Comparadas.



NOTAS:



[1] O presente fragmento de Eça provocou uma séria crise de poder na Sociedade Teosófica de Adyar no Brasil. Publicado sob o título “Comparação Pouco Conhecida” na revista “O Teosofista”, em sua edição número um de 1977, pp. 30-31, o texto causou profunda revolta na cúpula ritualística daquela sociedade, formada por seguidores de Annie Besant. Em correspondência datada de 28 de abril de 1977 e dirigida ao então presidente da seção nacional, Murillo Nunes de Azevedo, alguns dos principais líderes do movimento teosófico adyarista expressaram a sua “estranheza e preocupação”. Eles não podiam aceitar a publicação do texto de Eça. O motivo da indignação era que o fragmento incluía referências a Jesus que eles consideravam como “depreciativas, impróprias e inverídicas”. Para eles era um absurdo inadmissível insinuar que Buda fosse mais sábio que Jesus, ou que seus ensinamentos eram mais completos que os ensinamentos cristãos. A carta - cujo texto revela desinformação e intolerância - ameaçava com uma cisão na Sociedade. Entre os que a assinavam estavam dirigentes bem conhecidos como Cora Salles, Cinira R. Figueiredo, J. Gervasio Figueiredo, Carmen Piza e Olinda Pugliesi. Expressando a revolta da ortodoxia dos rituais besantianos, José Hermógenes de Andrade Filho renunciou ao cargo de vice-presidente nacional em carta datada de 29 de abril de 1977. Desde então, e até o final do seu mandato, Murillo teve pouca influência e participação nos rumos da Sociedade no Brasil. A história ocorre em ciclos, porém, e obedece a marés cármicas. Muitos anos mais tarde, Murillo seria nomeado pela presidente internacional Radha Burnier para ser responsável pela Escola Esotérica de Adyar no Brasil, tendo como seu principal auxiliar a Sra. Olinda Pugliesi - que havia assinado a carta de 1977. Monge budista, Murillo Nunes de Azevedo (1920-2007) foi autor de vários livros. Cópia dos documentos relativos aos fatos narrados acima fazem parte da biblioteca da loja luso-brasileira da Loja Unida de Teosofistas. Reprodução fotostática deles está à disposição de pesquisadores que desejem estudar este notável episódio histórico. (C. C. A. )



[2] Estamenha - veste religiosa.