AS CARTAS DE JOHN LENNON

(Reuters/arquivo)
Correspondência revela farpas entre
Paul McCartney e John Lennon
por causa do fim dos Beatles

 Livro de jornalista britânico traz cartas, bilhetes e autógrafos de John Lennon

Na obra são encontradas raridades, como as palavras escritas pelo ex-beatle poucas horas antes de sua morte

Todo o mundo conhece o poeta e compositor John Lennon (1940-1980). Só por esse motivo é de se imaginar que o artista nascido em Liverpool, na Inglaterra, adorava escrever. Por meio das palavras, Lennon exprimia frustrações, alegrias, medos e decepções. Em outubro de 2010, o escritor e jornalista britânico Hunter Davies – autor de A vida dos Beatles, de 1968, única biografia autorizada da banda – teve um encontro com a viúva do ex-beatle, Yoko Ono. Dali surgiu a ideia de revelar as cartas de John Lennon.

Desde então, Davies passou a compilar escritos desconhecidos do beatle, que reúnem também cartões-postais, autógrafos, bilhetes e notas. Esse é o mote do livro As cartas de John Lennon, coleção completa da correspondência do músico, que não deixa de ser uma espécie de autobiografia, pois conta a história do cantor e compositor britânico.

Para a geração acostumada a redes sociais, e-mails e afins, é especialmente interessante se deparar com um artigo cada vez mais raro: as cartas. Cada uma delas é precedida de introdução, esclarecendo quem era o destinatário e explicando melhor o conteúdo. Há raridades, como a primeira carta escrita por Lennon, aos 10 anos. Com caligrafia caprichada e ortografia e pontuação perfeitas, o menino agradecia à tia Harriet os presentes que ela havia lhe mandado no Natal de 1951.

Há cartas de um apaixonado e carente John Lennon para a futura esposa, Cynthia, enquanto os Beatles aperfeiçoavam suas canções na zona do baixo meretrício de Hamburgo, na
Alemanha. Também está ali a perversa troca de farpas com Paul McCartney depois do fim do grupo, sem falar nas, provavelmente, últimas palavras que Lennon escreveu. O autógrafo foi dado à moça que trabalhava na mesa de som do estúdio onde o ex-beatle se encontrava poucas horas antes de ser assassinado. O texto, de 8 de dezembro de 1980, dizia: “Para Ribeah, com amor John Lennon e Yoko Ono” e vinha acompanhado de uma autocaricatura e do desenho da esposa. Fato curioso: boa parte dos achados de Hunter Davies traz desenhos produzidos por John Lennon, sejam retratando a si próprio ou algo alusivo ao conteúdo da carta.

Lizzie

Um dos casos curiosos da publicação envolve a brasileira Lizzie Bravo, fervorosa beatlemaníaca. Em 1968, aos 16 anos, ela participou da gravação de Across the universe, dividindo os backing vocals com a amiga Gayleen Pease. A versão com a voz de Lizzie foi lançada no disco No one’s gonna change our world, álbum beneficente que reuniu vários artistas. O livro de Davies traz um bilhete de John Lennon para Lizzie, assinado na
foto que ela tirou do ídolo. No texto, Lennon a agradece pelo ótimo ano. 

Com prefácio de Yoko Ono, As cartas de John Lennon oferece farto e rico material para fãs e admiradores do músico. Mais que isso, traz escritos inéditos. Como o próprio autor cita na introdução: “As cartas têm de passar por duas provas antes de poder ser classificadas como boas – devem exprimir a personalidade do escritor e também do destinatário.” A obra é fiel a isso.

AS CARTAS DE JOHN LENNON
Org: Hunter Davies
Editora Planeta, 400 páginas, 
R$ 59,90

Fonte:http://www.divirta-se.uai.com.br/

Seleção de cartas de John Lennon será lançada em aplicativo

Uma seleção de cartas de John Lennon será lançada como aplicativo para o sistema iOs, da Apple, segundo o site "Digital Music News".
Hunter Davis, editor do livro "As Cartas de John Lennon" (ed. Planeta do Brasil), escolheu 68 cartas publicadas na obra e mais dez exclusivas para o app.
O pacote digital também virá com comentários do biógrafo, leituras feitas por Christopher Eccleston e um prefácio de Yoko Ono, viúva do ex-beatle.
Por enquanto, o aplicativo estará disponível somente na língua inglesa.
John Lennon utiliza uma máquina de escrever nos anos 1960
John Lennon utiliza uma máquina
de escrever nos anos 1960

Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/

Carta de John Lennon demorou trinta anos a chegar

São duas histórias separadas, mas ambas vieram a público agora. Se numa delas, o ex-Beatle John Lennon conseguiu que a missiva chegasse apenas ao destino trinta anos depois de ser assassinado, já J.C. Belsey, um homem que ninguém sabe onde está, tem um postal com 53 anos de atraso por ler.
John Lennon, assassinado em Dezembro de 1980, enviou uma carta a um músico inglês de folk que chegou ao destinatário com quase 40 anos de atraso, noticia o jornal “The Daily Telegraph”.
Na carta, assinada também pela viúva de John Lennon, Yoko Ono, o ex-elemento dos Beatles dava conselhos ao cantor folk, Steve Tilston.
Para John Lennon, Steve Tilston não devia estar preocupado face à eventualidade de um êxito financeiro lhe poder arruinar as letras das canções.
Ao que tudo indica, Lennon escreveu a Steve Tilston e ao jornalista Richard Howell depois de ter lido uma entrevista que o cantor dera a este jornalista em 1971 e que foi publicada numa revista sobre música.
O "Daily Telegraph" acrescenta que Yono Ono, actualmente com 77 anos, se recorda do momento em que o marido escreveu a Steve Tilston.
Na carta, que só agora foi tornada pública, Lennon assegurava ao cantor folk que o dinheiro não altera as coisas importantes da vida.
A carta terá sido enviada pouco depois da separação do grupo de Liverpool (Dezembro de 1970) para o escritório da revista agora desaparecida “ZigZag”, mas que só chegou ao destinatário há cinco anos, quando um coleccionador entrou em contacto com o cantor folk.
"Ser rico não altera as tuas experiências da forma que pensas, a única diferença, basicamente, é que não tens que te preocupar com dinheiro, comida, ter um tecto, etc", escreveu Lennon.
"Quanto às outras experiências: sentimentos, relações ... são as mesmas com todas as pessoas", acrescentou aquele elemento dos Beatles.
"Eu sei-o, já fui rico e pobre, tal como Yoko (rico-pobre-rico). Assim, o que te parece?", questionava Lennon, despedindo-se "com amor, John e Yoko" e acrescentando o número de telefone de casa.

Carta enviada em  1957 chega ao seu destino em 2010

Noutra história, também envolvendo os correios do Reino Unido, uma carta enviada da África do Sul em 1957 chegou finalmente ao seu destino em Dorset, na Inglaterra. A carta foi entregue no Centro de Educação Ambiental Monkton Wyld Court, perto de Bridport, no sudoeste da Inglaterra. A carta proveniente de Durban tinha como destinatário  "J.C. Belsey".
Na época em que a carta foi enviada, funcionava no lugar daquele centro uma escola privada com cerca de 36 estudantes. Os funcionários do Centro estão agora a tentar localizar "J.C. Belsey", que pode ter sido um aluno, um professor ou um funcionário da anterior instituição.
"Choveu um pouco hoje, mas ainda assim está quente" dizem os remetentes das carta que parece ter sido escrita por avós ao seu neto. Os remetentes fazem ainda referência a um passeio de autocarro e ao jantar no hotel.
"Todos  ficaram  muito animados por receber algo assim tanto tempo depois", disse Mark Fell,   administrador do centro educacional. O centro está a entrar em contacto com todos os ex-alunos, professores e funcionários, da antiga escola privada para tentar encontrar o destinatário original da carta, adiantou ainda Mark Fell. Uma das esperanças para encontrar "J.C. Belsey" reside no encontro de ex-alunos da escola agendado, para Maio de 2011.
Um funcionário dos correios da Grã-Bretanha, disse não poder “especular” o que aconteceu com a carta, mas afirmou ser “improvável “ que a correspondência tenha permanecido tanto tempo nos correios.
 "É extremamente improvável que esta carta tenha permanecido no nosso sistema este tempo todo. Nós regularmente esvaziamos todas as nossas máquinas e escritórios de triagem" , disse o funcionário dos correios, "É difícil especular sobre o que aconteceu, mas quase de  certeza que a carta foi colocada novamente numa caixa de correio recentemente."

Fonte:http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/
Publicado em 2010-08-17