GRAND CANYON AMERICANO : UM GUIA COMPLETO


Guia para o Grand Canyon National Park

Parque Nacional do Grand Canyon - Visual
Quando você pensa em Parques Nacionais nos EUA. Pense rápido…. Quais são os 3 primeiros nomes de parques nacionais americanos que vem a sua cabeça?!
Essa foi uma pergunta que lancei propositadamente para os seguidores do Blog no Twitter/Facebook quando comecei a escrever este Post. Como previsível, o Grand Canyon National Park fez parte de pelo menos 85% das respostas e ao lado do Parque Nacional de Yosemite e Yellowstone dividiu a liderança dos parques nacionais mais lembrados nesta rápida enquete. Assista o video a baixo para entender o porque?!
Comece a se apaixonar pelo Grand Canyon  :D
Considerada uma das maravilhas cênicas mais famosas dos EUA e provavelmente do mundo, o Grand Canyon National Park reina absoluto na árida paisagem do sudoeste americano e impressiona em todos os sentidos. Com seus quase 450 Km de extensão, com uma largura que varia de 6 até 29 km nos trechos mais largos e mais 1,6 km de profundidade, o Grand Canyon é uma maravilha natural criada por forças erosivas das águas e dos ventos que ao longo de milhões de anos escavaram este que é sem dúvidas um dos maiores canyons da face da terra.
Isis Temple Rock, uma das curiosas formações do Grand Canyon National Park
O grande responsável pela formação desta paisagem é o Rio Colorado e seus afluentes, que ao longo de seus 2334 km de extensão entre o Rocky Mountains National Park nas montanhas do Colorado, passando pelos estados de Wyomming, Colorado, Utah, Nevada, Novo Mexico, Arizona e Califórnia carrega todos os anos toneladas e mais toneladas de sedimentos que ao longo de milênios modificou completamente a paisagem por onde passou (Zion National Park, Bryce Canyon National Park, Canyonlands National Park, Arches National Park, Capitol Reef National Park entre outros são prova e resultado desse processo), até finalmente encontrar o Oceano Pacífico no Golfo da Califórnia no México.
O Rio Colorado, de longe tão inofensivo mas com força suficiente para esculpir o Grand Canyon
Dentre os parques nacionais diretamente “afetados” pelo rio Colorado, O Grand Canyon National Park é sem sombra de dúvidas o mais impactante de todos. Tanto que todos os anos, mais de 4.5 milhões de pessoas viajam até o Arizona só para visitá-lo. Isto faz com que ele seja o segundo parque nacional mais visitado dos EUA, perdendo apenas para o Great Smoky Mountains National Park, na divisa entre a Carolina do Norte e o Tennessee.
Consegue reparar no tamanho do lugar comparado com o fotografo na beira do Canyon?
Destes visitantes, cerca de 90% optam por visitar apenas a borda sul do canyon (South Rim). Considerada uma das porções mais bonitas do parque e ali onde encontramos também a melhor infra estrutura turística do parque. Curiosamente, apesar de aparecer em segundo lugar no ranking do número total de visitantes, ele ocupa a primeira colocação quando se leva em consideração apenas o número de turistas extrangeiros.
Pessoas ou Formiguinhas?! Só para se ter uma noção do tamanho desse trem 
É tanta gente visitando esse lado do parque que em alguns lugares ao longo dos vários mirantes espalhados ao longo da margem sul do canyon, é visível o desgaste das rochas que parecem até terem sido polidas pelo trânsito humano. Mesmo com tanta gente assim, a visita é absolutamente inesquescível, para não dizer: de tirar o fôlego.
Grand Canyon num dia de boa visibilidade
E embora a região do Grand Canyon possua um dos melhores índices de qualidade do ar do país, com uma visibilidade média de 90-110 milhas (145-177 km) cada vez mais a interferência atmosférica causada pela a poluição atribuída a fontes de fora do parque, como fundições de cobre e áreas urbanas do Arizona, sul da Califórnia, e até mesmo do México; aliadas a fumaça oriunda de incêndios florestais em períodos de seca prolongada, tornaram os dias de má visibilidade muito mais comuns.
Grand Canyon num dia de visibilidade não tão boa assim 
Para o descontentamento dos turistas que visitam o parque nestes dias, a visibilidade do canyon pode ficar parcialmente comprometida caindo para até cerca de 40 milhas (65 km). Durante nossa visita ao parque em meados de Março, a visibilidade variou entre os 65-100 milhas (105-153 km). Depois de 2 dias com tempo “ruim” parcialmente encoberto com certa interferência atmosférica e bastante frio, na véspera de nosso retorno a Las vegas nevou durante a tarde e boa parte da noite.
Tarde de pouca visibilidade no Grand Canyon antes de começar a nevar
E para nossa surpresa (alegria), na manhã seguinte, o dia amanheceu lindíssimo, (céu de brigadeiro) e de quebra com todo o South Rim branquinho coberto pela neve. E eu que não imaginava que caia neve muito menos havia floresta na borda do Canyon fui obrigado a rever meus conceitos.
Dia de Sol e Neve no Grand Canyon.. 
E foi sob essas condições que optamos por atrasar nosso retorno a Las Vegas por algumas horas, e desta forma regressamos mais uma vez ao Grand Canyon desta vez de helicóptero para um sobrevôo de cerca de 50 minutos de duração sobre o South Rim. E tenho que dizer: foi uma das experiências mais incríveis dos últimos tempos. Afinal de contas, andar de helicóptero pela primeira vez na vida sobrevoando um Grand Canyon com as bordas nevadas não é algo que acontece todo dia :D
Céu de Brigadeiro na nossa despedida do parque 
Com um dia tão bonito como aquele, depois de um sobrevôo inesquecível, acabamos voltando de carro ao Desert View Point no South Rim só para tirar mais algumas fotos, desta vez com neve e sem nenhuma nuvem no céu. E foi assim que acabei tirando pelo menos umas 1500 fotos nesta fase da viagem em 3 dias pelo parque.
Grand Canyon no Inverno

Para entender um pouco do Grand Canyon National Park

O Grand Canyon National Park foi o 14o parque nacional criado nos EUA. Seu decreto de sua criação foi assinado pelo então presidente Woodrow Wilson em 26 de Fevereiro de 1919. Com uma área de 4926,7 km2 de área preservada, O Grand Canyon NP é o 11o maior parque em extensão territorial dos EUA e seu tamanho é equivalente ao tamanho do estado de Rhode Island e das Ilhas Virgens Americanas combinados juntos.
Paisagem quase surreal do PN Grand Canyon
Localizado inteiramente no estado americano do Arizona, o Grand Canyon pode ser visitado basicamente a partir de em 3 pontos distintos. Dois deles estão nos limites do Parque Nacional (South e North Rim) e o terceiro ponto (West Rim) dentro de uma reserva indígena da tribo Hualapai.
Visual de um dos mirantes do South Rim
A grande maioria das pessoas que vão visitar o Grand Canyon escolhem a borda sul (South Rim) como destino da viagem. Essa escolha não é por acaso. Além de contar com a melhor infra-estrutura hoteleira e gastronômica do parque, o South Rim é o lado mais próximo e acessível dos 3 aeroportos de médio e grande porte que atendem o parque. O qual possui seu Headquarters também instalado por ali.
Repare nos matizes de vermelho, Amarelo e Laranja

1. Como chegar ao Parque Nacional do Grand Canyon?

Dirigindo pelo interior do Arizona em direção ao Grand Canyon
É bastante comum para as pessoas que desejam conhecer o Grand Canyon, combinar a visita ao parque com uma passada por Las Vegas e Los Angeles . Desta forma, para chegar ao parque, o jeito mais conveniente é alugar um carro numa dessas cidades e dirigir até lá. Embora seja uma viagem relativamente longa, ir de carro geralmente apresenta o melhor custo x benefício principalmente num grupo de 3 ou mais pessoas. E de quebra você tem a chance de viajar por belas paisagens do interior dos EUA, e fazendo um pequeno desvio é possível até mesmo viajar por um dos trechos mais conservados da lendária Route 66.
Se não estiver a fim de dirigir muito (mais de 350-400 km), a alternativa é voar até Flagstaff (FLG) no Arizona e de lá dirigir ou pegar um Shuttle até o Parque (135 km aproximadamente).
Para se ter uma idéia das distâncias e tempo de viagem de carro as principais cidades relativamente próximos ao South Rim no Grand Canyon National Park. Veja a lista abaixo:
  • Flagstaff (FLG) Arizona => 134 Km – 1 hora e 40 min de viagem
  • Phoenix (PHX) Arizona => 368 Km – 4 horas de viagem
  • Las Vegas (LAS) Nevada => 439 Km – 4 h 50 min de viagem
  • Los Angeles (LAX) Califórnia =>  816 Km – 8h 15 min de viagem
Desta forma é notório: fazer um bate e volta ao Grand Canyon e algo totalmente fora de questão quando se trata tanto do South Rim quanto mais o North Rim.  Até porque, boa parte dessas estradas que levam até o parque são extremamente desprovidas de curvas e podem se transformar num perigo quando estamos cansados depois de um dia intenso de atividades.
Para quem vem de Los Angeles de carro um Pit Stop de pelo menos um dia em Las Vegas é providencial pelo mesmo motivo. Embora neste caso, se não estiver a fim de conhecer Las Vegas, o ideal mesmo é ir de avião.
Uma opção interessante para quem está em Las Vegas, é voar de “teco-teco” ou helicóptero até o aeroporto Grand Canyon em Tusayan (GCN) e de lá pegar um shuttle que passa de hora em hora, ou um táxi até o South Rim que está aproximadamente 13 km do aeroporto. Além disso, você pode (deveria) combinar a viagem com um passeio de helicóptero pelo Canyon e quem sabe até um Rafting pelas águas do rio Colorado no mesmo pacote, voltando para Las Vegas ao final do dia.
Pelo menos três empresas que operam este passeio a partir de Las Vegas (com pick-up e drop-off nos principais hotéis da cidade), assim como os passeios de helicópteros pelos canyons são a Scenic Airlines, a Maverick e a Pappilion Helicopters. Utilizamos o serviço da última para o sobrevôo do South Rim saindo diretamente do aeroportodo Grand Canyon e foi muito bom apesar do preço salgado.
Consegue encontrar o helicóptero na foto?
O West Rim pode ser uma outra alternativa (que não recomendo) para quem está em Las Vegas e tem apenas um dia para conhecer o Grand Canyon. O West Rim é a parte mais próxima do Grand Canyon de Las Vegas, até lá são uns 190Km cada perna (2h 30 min de viagem), sendo que 16km deles em estrada de terra.
Mas prepare-se para desembolsar.. Só o ingresso para entrar em a tal reserva indígena Hualapai custa 43,05 USD por pessoa e se você quiser conhecer a tal da Skywalk, aquela passarela de vidro que avança sobre a borda do canyon na qual nem fotos você pode tirar para não danificar o vidro, (motivo pelo qual recusamos visitar o local). Pode preparar o bolso para gastar pelo menos uns 75USD por pessoa.
Para quem não dirige e tem tempo de sobra e curte aventura, chegar de trem pode ser uma opção a se considerar. Era assim que a grande maioria dos visitantes faziam para visitar o parque no início do século passado, quando ter carro era um privilégio para poucos. A linha Southwest Chief da Amtrak que liga Los Angeles até Chicago pára em Flagsstaff no Arizona. De lá você pode pegar um Shuttle Bus da Amtrak direto até o parque, ou pode ir até Williams (10 – 20 minutos de ônibus da estação de Flagstaff) e de lá prosseguir a viagem com uma Maria Fumaça ou trem antigo da Grand Canyon Railway até a estação South Rim aos fundos do El Tovar Hotel.
Em ambos os casos prepare-se para encarar cerca de 12 horas de viagem de trem se você estiver vindo de Los Angeles. A título de comparação, de carro o mesmo trajeto levaria cerca de 8 horas e meia e de avião com escala em Phoenix  com a USAirways (única cia. a voar de LAX para FLG) cerca de 3 horas.
Agora se você quiser explorar o Grand Canyon num jeito digamos bem americano, o negócio e alugar de uma vez um RV (Motorhome) e acampar dentro do parque. Em quase todos os parques nacionais que visitamos nos EUA vimos esses RV trafegando (atrapalhando o trânsito em muitos casos) pelas estradas. A Cruise America é a empresa líder neste nicho de mercado e pelo que pude verificar tem escritórios em Phoenix(MesaAZ) , Las Vegas e Flagstaff.
O Aluguel custa numa faixa de 100-150 USD dependendo da época do ano para os modelos menores e 120-175 USD para modelos maiores. Vale lembrar que nem todas as estradas permitem o tráfego deste tipo de veículo. E para estacionarem/acamparem dentro do parque necessitam de uma licença especial.

2.  Como se locomover dentro do Grand Canyon National Park

Ônibus gratuito pelos principais pontos de interesse do South Rim
Como todos os parques nacionais dos EUA que já visitamos, o acesso às principais atrações podem ser facilmente feito através do uso de automóveis. Porém, devido ao grande movimento de turistas dentro do parque, principalmente nos meses de alta temporada (Maio-Setembro), recomenda-se utilizar os ônibus disponibilizados gratuitamente pelo National Park Service entre os principais pontos de interesse do South Rim.
Ao todo são 3 linhas cujas frequências são de 10 a 15 minutos na maioria das rotas. Eles costumam parar na maioria das instalações da Xanterra (concessionária que opera as opções de hospedagem e alimentação do South Rim), áreas de estacionamento, áreas de camping e mirantes.
Os ônibus operam geralmente a partir de uma hora antes do nascer do sol e até uma hora depois do por do sol. Use o mapa dado no centro de visitantes ou por ocasião do pagamento da entrada do parque para maiores informações a respeito de rotas e locais de parada.  Vale lembrar que muitas vezes vale muito mais a pena ir caminhando até o próximo mirante do que esperar pelo próximo ônibus.
Durante nossa visita utilizamos o ônibus uma única vez (Rota Vermelha) para explorarmos a Hermit Road que fecha para carros de 1 março – 30 novembro e que leva os visitantes até Hopi e Powell Points. Como era baixa temporada e durante semana, nunca tivemos  qualquer problema para estacionar o carro nos mirantes e estacionamentos do South Rim.
Lembrando que o Yaki Point e o início da Trilha South Kaibab só podem ser alcançados utilizando-se os ônibus do parque (linha verde) durante o ano todo.
Para quem quiser ir além do South Rim e explorar também o North Rim do Grand Canyon as duas opções disponíveis para chegar até lá são:
Ir de carro por conta própria.
Ir com um Shuttle operado pela Trans Canyon Shuttle.
Apesar de estarem a cerca de 16 km em linha reta um do outro, para se chegar de uma borda até a outra é preciso se fazer um desvio de cerca de 330km que levam cerca de 4 horas e meia para serem vencidos. A Trans Canyon Shuttle oferece apenas uma viagem em cada um dos sentidos por dia e é necessário fazer reserva para evitar falta de espaço na van.
E se optar por incluir o North Rim no seu roteiro sugiro também considerar uma visita ao Zion National Park que fica praticamente no caminho de volta para Las Vegas.

3. Quanto custa visitar o Grand Canyon National Park?

Entrada do South Rim do PN Grand Canyon via Tusayan no Arizona
Para visitar o Grand Canyon National Park, o NPS (National Park Service) cobra uma taxa de 25 USD de todos os veículos e de 12 USD para pessoas, motos e bicicletas que entram no parque.  O ingresso tem validade de uma semana (7 dias corridos) e pode ser usado para entrar e sair quantas vezes se fizer necessário tanto no South como no North Rim.
Porém quem pretende visitar outros parques nacionais, florestas nacionais, monumentos, sitios históricos administrados pelo NPS, o ideal é considerar a compra do Passe Anual Interagências (Anual Interagency Pass). Ele custa 80 USD e permite a entrada na maior parte dos sítios recreacionais federais dos EUA. Se você for visitar mais de 3 Parques Nacionais, ou pretende ficar mais de uma semana num e visitar outro compensa.
Se não quiser comprar o passe anual interagências e pretende ficar mais que 7 dias de carro no parque o recomendado e comprar logo o Grand Canyon Annual Pass que custa 50 USD .

4. Qual a melhor época do ano para visitar o Grand Grand Canyon?

Neve e Floresta, 2 coisas que nunca imaginaria encontrar no Grand Canyon
A melhor época para se visitar o Grand Canyon é no final da primavera e no outono. Por estar numa região fortemente influenciada pelo deserto, as variações de temperatura máxima e mínima costumam ser menos gritantes comparadas com os extremos encontrados na região durante o verão e no inverno.
Além disso, em decorrência da diferença de altitude entre o South Rim e North Rim, este último cerca de 300 m mais alto que o South Rim, as temperaturas costumam apresentar diferença de cerca de 3-5 graus de um lugar para o outro sendo as temperaturas mais altas sempre encontradas no South Rim.
 Na Primavera a visibilidade costuma ser muito boa. E graças ao derretimento da neve, os poucos riachos existentes no interior do parque costumam ter fluxo constante de água e muitas flores nativas dão o ar da graça. O que acaba consequentemente atraindo a fauna silvestre.
No entanto vale lembrar que até meados de Abril pode facilmente nevar no South Rim e nesta época costuma ventar mais do que qualquer outra estação do ano. O North Rim, por sua vez só reabre ao público na segunda semana de Maio.
No Verão o parque literalmente lota. E nesta época do ano que a grande maioria das famílias americanas tiram suas férias. As temperaturas são bastante elevadas durante o dia principalmente dentro do canyon e em alguns casos a sensação térmica pode facilmente passar dos 50o C. Porém a noite costuma refrescar.
Com o calor também chegam as tempestades, que podem se transformar num grande problema para quem decide fazer hiking canyon adentro. Além disso, altas temperaturas fazem com que a visibilidade seja parcialmente comprometida, principalmente quando o tempo fica muito seco e focos de incêndio florestal surgem nas proximidades do parque.
Se possível, deve se evitar os meses de Maio, Junho e Julho. Estes 3 meses sozinhos recebem quase 50% do número total de visitantes que visitam o Grand Canyon todos os anos. Isso significa dizer que além de cheio, é necessário fazer as reservas com bastante antecedência caso queira se hospedar dentro do Parque Nacional do Grand Canyon.
Distribuição % dos visitantes ao longo do ano no PN do Grand Canyon  (Dados 2005)
No outono, algumas poucas espécies de arvores chegam a mudar de cor colorindo a paisagem principalmente no North Rim antes de seu fechamento em 15 de Outubro. No entanto esta é uma época que pode tanto fazer 30o C num dia, como pode vir a nevar no outro. Então o ideal é estar preparado para estas mudanças bruscas de temperatura.
No inverno, a visita se restringe basicamente aos mirantes ao longo do South Rim. A vantagem desta época é que o parque recebe poucos visitantes.. Nem 10% do número de visitantes que visitam o Grand Canyon visitam o parque nos meses de Novembro-Fevereiro. As temperaturas caem bastante e com o vento a sensação térmica pode ser bastante desconfortável. No entanto ver as bordas do canyon cobertas de neve recompensa o frio.

5. Como é o Clima do Grand Canyon National Park ao longo do ano?

Veja o gráfico acima com a s médias das temperaturas máximas e mínimas e a média de precipitação ao longo do ano.

6. Onde se hospedar em Grand Canyon National Park?

El Tovar, um dos hoteis mais tradicionais dentro de parques nacionais nos EUA 
South Rim (Borda Sul)
Para se hospedar na região do South Rim dentro dos limites do parque, a empresa concessionária que administra os hotéis é a Xanterra. A mesma empresa, também explora as opções de hospedagem e alimentação no Parque Nacional de Yellowstone. Com aproximadamente 1000 quartos, distribuídos em 6 diferentes complexos que incluem 3 Lodges rústicos históricos tombados pelo patrimônio histórico nacional. Entre eles o El Tovar Hotel, o hotel mais tradicional e antigo do Grand Canyon. Reservas são feitas através deste site
Lobby do El Tovar Hotel
Caso não queira ou não consiga um lugar para se hospedar dentro do Parque, a saída e ficar num dos 5 hotéis existentes em Tusayan, AZ. Localizado a cerca de 13 km do South Rim, Tusayan é uma alternativa, muitas vezes mais em conta inclusive, para se hospedar no Grand Canyon.
North Rim (Borda Norte)
Agora se você decidir em explorar a região do North Rim, a empresa concessionária lá é a Grand Canyon Forever. Lá existem 4 diferentes opções de acomodação que funcionam apenas de 15 de Maio ate 15 de Outubro. Apesar de apenas 10% dos visitantes explorarem aquele lado do parque, fazer reservas com antecedência também é altamente recomendado.
 Dentro do Canyon
Uma terceira opção, voltada mais para aqueles com espírito aventureiro em busca de um contato mais profundo com a natureza é encarar uma das trilhas que descem até as margens do Rio Colorado e pernoitar no Phantom Ranch e subir noutro dia.
O Phantom Ranch também é administrado pela Xanterra e só se chega lá à pe, lombo de mula ou rafting. Geralmente quando se reserva o pernoite lá ele já inclui a “ mula”.
Dentre todas as opções de estadias mencionadas acima, o Phantom Ranch, assim como o El Tovar são as opções mais cobiçadas de estadia dentro do parque. Ambos são administrados pela Xanterra e recomenda-se mais uma vez efetuar as reservas com bastante antecedência para se conseguir lugar.

7. Onde comer no Grand Canyon?

Café da manhã no El Tovar dinning room 
As opções de alimentação dentro do Grand Canyon National Park estão quase sempre associadas as opções de hospedagem. Fora do parque, em Tusayan existem alguns restaurantes e alguns fast foods tradicionais americanos. Mas de uma forma geral depois de um dia intenso de atividades ao ar livre a ultima coisa que você pretende fazer é ter que fazer grandes deslocamentos para comer. Sendo assim as opções disponíveis são:
South Rim
No South Rim existem ao todo 12 diferentes opções para alimentação que vão desde lojas de conveniência, passando por cafeterias onde você pode fazer um lanche rápido até restaurantes com menu completo.  Tivemos a oportunidade de experiementar o El Tovar Dining Room para Cafe da manhã e jantar e foi aprovadíssimo.
  • Canyon Village Marketplace
  • Delicatessen at the Marketplace
  • El Tovar Dining Room
  • Arizona Room
  • Bright Angel Restaurant
  • Bright Angel Coffee House
  • Bright Angel Fountain
  • Maswik Cafeteria
  • Yavapai Cafeteria
  • Desert View Marketplace
  • Desert View Trading Post
  • Hermits Rest Snack Bar
El tovar Dinning Room

North Rim
No North Rim existe apenas 1 restaurante que abre para café da manhã, almoço e jantar. Além, é claro, de opções para compra de snacks  e uma espécie de churrasco ao ar livre o Grand Cookout Experience.
  • Grand Canyon Lodge Dining Room 
  • Grand Cookout Experience 
  • Roughrider Saloon
  • Deli in the Pines 
  • Camper Store

Dentro do Canyon
No Phantom Ranch existe uma cantina que serve café da manhã, lanches e jantar para aqueles que se aventuram até a base do Canyon. Vale lembrar que reservas são necessárias visto que toda a comida levada ate la em baixo e transportada no lombo de mulas.
  • Phantom Ranch

Fora do Parque
Em Tusayan existem alguns restaurantes, geralmente nos hotéis e alguns fast foods.
  • Cafe Tusayan
  • Canyon Food Mart
  • Canyon Star
  • General Store
  • Mc Donalds
  • Mexican Kitchen
  • Pizza Hut
  • RP Stage Stop
  • Squire Inn Restaurant
  • Tusayan Steak House
  • We cook Pizza, Etc
  • Wendy’s
Decoração do restaurante do hotel em Tusayan, AZ

8. Atrações imperdíveis e fáceis de serem visitadas no South Rim Grand Canyon National Park

Desert View Watchtower
As principais atrações e mirantes do South Rim do Grand Canyon encontram-se ao longo da Hermit Road ou da Desert View Road saindo a partir da Canyon Village.
Hermit Road 
Com seus cerca de 25 Km de ida e volta, você poderá chegar aos mirantes de Hopi, Maricopa e Pima Point, assim como o Powell Point que apresenta um memorial ao primeiro explorador a se aventurar pelas aguas do Rio Colorado por dentro do Grand Canyon John Wesley Powell.
Mapa da Hermit Road
Lá de cima, além de você ter um dos mais belos crepúsculos do parque, você enxerga a Orphan Mine, uma das últimas minas de cobre a operar no Grand Canyon. Foi nesta mina que se descobriu que algumas porções do terreno do Grand Canyon National Park é rico em Urânio.
Kolb Studio
Apesar de a estrada terminar em Hermits Rest ali encontra-se so o começo de mais de 290 km de trilhas que levam a diferentes pontos ao longo do Rio Colorado e interior do Grand Canyon.
Desfiladeiros do Grand Canyon
Desert View Road
Já a Desert View drive nos 75 km num passeio de ida e volta ao longo da Alguns dos pontos obrigatórios são:
Mapa da Desert View Drive e seus pontos de parada
Yaki Point e Mather Point apresentam uma das melhores vistas para o nascer do Sol no Grand Canyon e South Kaibab Trail é uma das poucas trilhas que leva você ao longo da borda do Canyon para dentro do mesmo, oferecendo espectaculares vistas para o Canyon e algumas formações peculiares (só alcançável por ônibus ou a pé)..
Visual do Mather Point
O Grandview Point, Moran Point entre vários outros mirantes com vistas espetaculares para o Grand Canyon.
Visite o Tusayan Ruin and Museum, onde o visitante encontra ruínas datadas do século 12 do povo Anasazi. No local existe uma exposição interessante de como os primeiros habitantes do Grand Canyon e seus descendentes viviam na região.
Museu sobre como viviam os primeiros habitantes do Grand Canyon
E para fechar com chave de ouro vá ao Desert View, de onde podemos observar os penhascos de Vermilion, o San Francisco Peaks, o Painted Desert e o Rio Colorado. Suba na torre construída por Mary Elizabeth Jane Colter, inspirado pelas estruturas ancestrais dos Anazasi. La de cima, do ponto mais alto do South Rim se tem uma impressionante vista de 360 graus do canyon.
Torre de observação do South Rim em Desert View Point
A torre é toda decorada com murais coloridos com motivos indígenas. E dentro dela funciona uma lojinha de souvenirs e artesanato feito pelos índios descendentes dos primeiros habitantes da região.  Na minha opinião, lá de cima se tem uma das vistas mais bonitas de todo o South Rim.
Interior da torre

9. O que mais eu preciso saber para conhecer o Grand Canyon?

Elks fêmeas numa área queimada do parque
A velocidade máxima permitida nas estradas dentro do parque é 70 Km/h (45 mph) ou menos dependendo da região. Dirigir fora das estradas (off road) não é permitido. Mantenha sempre uma distância segura do veiculo da frente e não estacione em local proibido. Nos meses de alto fluxo de visitantes prefira usar o transporte gratuito oferecido pelo parque.
Ponto de parada em um dos mirantes ao longo da Desert View Road
Não é permitido coletar, pedras, plantas, flores ou qualquer outra coisa que estiver dentro dos limites do parque nacional. Tal atividade é considerada crime e a não ser que seja autorizada pelo NPS pode resultar até mesmo na prisão do infrator.
Pradarias do Grand Canyon
Fogueiras e acampamentos são permitidos apenas em áreas designadas pelo NPS.
Smokey Bear, o mascote do serviço florestal americano na campanha de combate a incêndios
Cuidado com os animais selvagens, especialmente cobras venenosas.
Cervo próximo a um dos alojamentos do Canyon Village
Nunca se aventure por uma trilha para o interior do Canyon desacompanhado. E antes de iniciá-la verifique numa das Ranger Stations se ela encontra-se aberta. Muitas vezes trilhas do interior do parque são fechadas sem aviso prévio devido a sua má conservação, desmoronamento ou existência de fator elevado de risco.
Grand Canyon Visitor Center em Canyon Village
Na entrada do parque o NPS fornece um mapa completo do parque com as principais informações básicas do parque. Informações atualizadas sobre temperaturas, horários de nascer e pôr do sol, atividades nos visitors centers e outras dicas são fornecidas em qualquer Ranger Station.
Vista da janela do museu geológico 
Sempre que for caminhar leve água e snacks e um agasalho com você.  No Grand Canyon carregar agua extra nunca é de mais.
Interior do museu geológico
Quando uma tempestade se aproximar, procure abrigo num lugar seguro evitando ficar em descampados, topos de morro, borda do canyon e locais com árvores solitárias. Você está muito mais seguro numa floresta com árvores de mesma altura do que num lugar aberto. De toda forma o local mais seguro para se abrigar e dentro do seu carro.
Mirante no Lipan Point
Cuidado com as distâncias, elas enganam. Sempre que possível abasteça o seu carro quando este estiver com meio tanque, muitas vezes as distancias de um posto ao outro são elevadas e como este é um lugar digamos isolado ficar na estrada não é uma boa idéia. Até porque em muitos lugares o celular não funciona. Em outras palavras abasteça o carro antes de entrar no parque em Tusayan.
Mulas que levam visitante ate a base do Canyon no Rio Colorado

10. Dicas para tirar boas fotos do Grand Canyon

Cores incríveis do Grand Canyon
Qualquer pessoa que entende um pouco de fotografia sabe que as primeiras e as últimas horas de sol do dia são os melhores horários para fotografar. No Grand Cannyon isso fica mais visível do que em qualquer outro lugar.
Grand Canyon
O sol iluminando os objetos de um ângulo menor deixam as cores mais em destaque, realça textura e silhuetas. Os tons de amarelos, dourados, alaranjados, vermelhos em contraste com as sombras criam imagens que valem mais que mil palavras.
Final de tarde no Grand Canyon
Para aproveitar os melhores raios de sol para fotografar o Grand Canyon, independentemente do seu equipamento, vale se programar: Verificando a previsão local do tempo e horário de nascer e pôr do sol que podem ser obtidos nas ranger stations do parque.
Grand Canyon pela manhã
Para nascer do sol, procure chegar ao local 30 minutos antes que o sol desponte no horizonte e se prepare para ficar fotografando por até uma hora ou mais depois do nascimento do sol. Agasalhe-se, mesmo no verão o amanhecer no deserto pode ser bastante frio.
Cores realçadas pelo sol
Para o por do sol, procure chegar ao local 90 minutos antes do por do sol e permaneça pelo menos mais uns 10 minutos depois que ele finalmente se pôs. São justamente nestas poucas horas do dia que as cores realmente saltam a nossa vista.
Grand Canyon no Arizona
Mas se o dia amanhece nublado, como aconteceu nos 2 primeiros dias de nossa visita aí fica complicado. No último dia não esperavamos que o tempo estaria tão bom.. Mais um motivo para voltar a esta região um dia..  Incluindo outros belíssimos pontos da região como o Antelope Canyon, Sedona, Zion National Park, Monument Valley entre tantos outros.
North Rim do Grand Canyon

Mais informações sobre o Grand Canyon

Site do Parque Nacional de Grand Canyon
Grand Canyon, no Aprendiz de Viajante, por Claudia Beatriz
Grand Canyon no Viaje na Viagem por Ricardo Freire
Grand Canyon: bate-volta-morre-de-cansaço, no Mikix, por Mirella Mathiessen

Fonte:http://mauoscar.com/