YOGA , E OS EXERCÍCIOS DE RESPIRAÇÃO - PRANAYANAS

 

Dentre as várias práticas que constituem a ciência do yoga na Índia antiga, os exercícios de respiração, também conhecidos por Pranayamas, recebem uma atenção especial para os processos de purificações e para a melhoria na saúde do indivíduo, em geral.

Foi descrito pelo filósofo Patañjali, em seu Yoga Sutra (um famoso tratado do yoga), os oito passos para o praticante atingir o estado de Samadhi – a iluminação da consciência. Dentre estas oito categorias, a quarta etapa para tal feito seria o domínio da respiração.

O ato de respirar é tão natural, que muitas vezes não nos damos conta da importância de sua correta execução. Acredita-se que, se respirássemos de forma profunda e consciente, nossa vida seria muito mais longa...

A respiração correta é feita pelas narinas, pois assim se faz a polarização energética através dos canais de energia que percorrem toda nossa coluna, os quais culminam em nossas narinas. Quando feita pela boca, em alguns exercícios específicos, tem-se o objetivo de ativar alguns órgãos ou Chakras.

Muitas vezes o praticante não gosta, ou não tem paciência de executar os exercícios de respiração, pois estes atuam muito no corpo emocional, retirando os traumas emocionais, registrados principalmente no tórax e nas vias respiratórias. Tais processos são dolorosos de serem trabalhados, requerem disciplina e força de vontade do praticante! Para a medicina Ayurvedica, um desequilíbrio no aparelho respiratório está relacionado a um desequilíbrio emocional. Este pode relacionar-se à carência afetiva, a medos em relação à aceitação ou à rejeição afetiva e a dificuldades em lidar com o impulso da sexualidade.

É a partir destas concepções, um pouco resumidas, que deixo aqui descritas algumas técnicas respiratórias, cuja execução pode ser feita a qualquer momento de forma tranqüila, consciente!

Boa sorte, meus amigos!

OM SHIVA!

1) Respiração completa e com retenção

· Inspire lenta e profundamente pelas narinas, expanda abdômen e tórax, enchendo os pulmões de ar completamente. Encha-os primeiramente na parte baixa, depois média e depois alta e retenha o maior tempo possível. Precisando expirar, expire também pelas narinas lenta e profundamente, relaxando o tórax e contraindo um pouco o abdômen. Retire todo ar dos pulmões, primeiramente na parte alta, depois média e depois baixa, retendo com os pulmões vazios o maior tempo que conseguir. Repita várias vezes.
· Benefícios: Aumenta a capacidade pulmonar em alto grau. Acalma profundamente a mente e as emoções.

2) Respiração pela boca e expiração pelas narinas

· Com os lábios entreabertos, dentes cerrados, a língua atrás dos dentes, faça uma inspiração pela boca, fazendo um leve ruído com a passagem do ar por entre os dentes. Expanda abdômen e tórax, enchendo os pulmões de ar completamente. Encha-os primeiramente na parte baixa, depois média e depois alta. Feche os lábios e retenha o maior tempo possível. Antes de expirar engula a saliva e expire lenta e profundamente pelas narinas e retire todo ar dos pulmões, primeiramente na parte alta, depois média e depois baixa. Repita o exercício várias vezes.
· Benefícios: Refresca as vias respiratórias e todo o organismo, relaxando-o. Combate insônia e stress mental.

3) Respiração pela boca e expiração pelas narinas II

· Faça o mesmo exercício anterior, mas na inspiração coloque a língua para fora e em forma de calha (em forma de “U”) e com os lábios arredondados.
· Benefícios: os mesmos do exercício anterior.

4) Respiração quadrada

· Execute as quatro fases da respiração em um mesmo tempo, o qual você irá contar mentalmente: 1. Inspire lenta e profundamente pelas narinas, expanda abdômen e tórax, enchendo os pulmões de ar completamente e, ao mesmo tempo, conte mentalmente até dez. 2. Retenha agora com os pulmões cheios, mantendo abdômen e tórax expandidos e conte até dez. 3. Expire pelas narinas lenta e profundamente, relaxando o tórax e contraindo um pouco o abdômen e, ao mesmo tempo, conte mentalmente até dez. 4. Retenha com os pulmões vazios e mantenha o abdômen um pouco contraído, contando até dez. Repita várias vezes a seqüência.
· Benefícios: É um excelente exercício para concentrar a mente e retirar as tensões emocionais. Traz equilíbrio, harmonia e integração. Aumenta o autodomínio físico e psíquico.

PARA SABER MAIS:
Fonte:http://joanaindianarts.blogspot.com/

Pranayamas – a respiração do yoga


      Enquanto a respiração (prana) for irregular, a mente permanecerá instável; quando a respiração se acalmar, a mente permanecerá imóvel e o yogi conseguirá a estabilidade. Por conseguinte, deve-se controlar a respiração. Hatha yoga pradipika II. 2.

      Pranayama são exercícios de respiração com o objetivo de controlar energia- prana - que permeia todas as coisas, criar um corpo saudável, aquietar a mente, trazer equilíbrio das emoções, ou você nunca ouviu falar no momento de grande irritação alguém dizer: “Respire fundo!”
      A respiração é vista como um dos membros de suma importância numa filosofia tão complexa e extensa como o Yoga. É o quarto ramo do Raja Yoga de Patãnjali, que contém um caminho óctuplo, começando pela ética e subindo uma escadaria em direção a transcendência do ego e o encontro com a Realidade Suprema, ou iluminação.
      Svatmarama, o autor de Hatha Yoga Pradipika, uma obra clássica do século XIV, que é um guia para a prática avançada de Hatha Yoga – dedica um capítulo inteiro a pranayamas.
      Enquanto houver alento no corpo, haverá vida. Quando o alento parte advém à morte. Por isso, é necessário restringi-lo através da prática de pranayamas. Hatha Yoga Pradipika II. 3.
      Na respiração temos dois caminhos para atingir o entendimento: filosófico e o entendimento da existência de Deus: a inspiração e a expiração. A inspiração é o que nos conecta ao mundo externo, a expiração é o alento que nos ensina o desapego, o deixar sair. Esses dois caminhos são chamados de pravrtti marga – caminho da criação, e nivrtti marga - caminho da renúncia. A criação encontra-se na inspiração e a renúncia na expiração. O yogi (homens) ou yogini (mulheres) treinam para adquirir equanimidade entre os dois caminhos.
      Iyengar, grande mestre de yoga da atualidade, no seu livro A Arvore do Yoga, ele compara toda a filosofia do yoga com uma árvore com suas raízes, tronco, casca, galhos, folhas e frutos. Sendo assim, os pranayamas estão no posto de folhas e cada parte é imprescindível para chegarmos ao fruto.
      “Como as folhas que arejam a árvore e fornecem nutrientes para que seu crescimento seja saudável, também o pranayama alimenta e areja as células, os nervos, os órgãos, a inteligência e a consciência do sistema humano. Quando estamos realizando um àsana-(postura física), só podemos entender plenamente o corpo se sincronizarmos a respiração com o movimento. Prana é energia. Ayama é criação, distribuição e manutenção.
      Pranayamas é a ciência da respiração, que leva à criação, distribuição e manutenção da energia vital.” BKS Iyengar.
      Respiramos automaticamente, sem nos deter que as partes dos nossos músculos respiratórios que utilizamos, os pranayamas, nos auxiliam a tomar consciência e aprender a conduzir o prana.
      Cada exercício tem uma função especifica, aqui vamos detalhar alguns com seus objetivos e efeitos.
      Para todos os exercícios é importante manter a coluna ereta e utilizar as narinas na inspiração (ar para dentro) e na expiração (ar para fora).
      Tenha o hábito saudável de praticar Yoga diariamente.

RESPIRAÇÃO ABDOMINAL
      • Sente-se ou deite-se. Mantenha a coluna ereta.
      • Inspire (ar para dentro) e a barriga é projetada para fora expire (ar para fora) barriga para dentro.
      • Durante o exercício não estufe a barriga, deixe-a relaxada.

RESPIRAÇÃO MÉDIA
      • Este movimento deve ser feito com as costelas.
      • Coloque as mãos nas costelas para que você perceba distensão das mesmas. Leve também, as mãos na parte lateral do tronco e na parte de trás.
      • Inspire e movimente as costelas como uma sanfona distendendo.
      • Expire, tentando perceber as costelas fechando.
RESPIRAÇÃO ALTA
      • As mãos agora se posicionam nas clavículas.
      • Ao inspirar, os ombros se elevam naturalmente. Esse movimento não deve ser forçado.
RESPIRAÇÃO COMPLETA
      • Unir as três fases da respiração abdômen, costelas e peito.
      • Inspirar e jogar a barriga para fora, expandir as costelas e inflar o peito.
      • Expirar, agora ao contrario, primeiro no peito, depois costelas e abdômen.
NADHI SHODHANA
      • Bloquear a narina direita com o polegar mão direita, inspirar pela narina esquerda.
      • Bloquear as duas narinas e reter o ar nos pulmões.
      • Abrir a narina direita e obstruir a esquerda com o dedo anelar expirar. Inspire pela narina direita, obstrua as duas, e expire pela esquerda. Sempre alternando as narinas.
      • Podemos iniciar sem colocar um ritmo, treinando de 15 à 20 minutos por dia. Depois, fazer cada fase, inspiração, retenção (durante a retenção, levar o queixo ao peito) e expiração contando ate 10 segundos, de acordo com a capacidade pulmonar.
      • Benefícios: equilibrar as energias sutis e purificar as nadhis (correntes energéticas).
      Obs: Os Yoguins podem colocar a mão direita em Uishnu Mudrá e a esquerda em Jñana Mudrá
     


SOPRO HÁ (PRAVA HÁ)
      • Em pé, inspire ao mesmo tempo, que eleva os braços.
      • Ao soltar o ar, solte pela boca enquanto abaixa rapidamente o tronco, deixando sair o som “HÁ”. Não grite, deixe o ar sair pela pressão exercida pelo diafragma.
      • Mantenha os joelhos flexionados durante o exercício para evitar machucar a região lombar.
      • Indicações: elimina impurezas e o ar residual dos pulmões.
      Obs: Preste bastante atenção para não forçar a garganta para emitir o som.
  
KAPALABHATI
      • Inspire naturalmente utilizando respiração completa e expire rapidamente expulsando o ar dos pulmões com a força do abdômen.
      • Repetir varias vezes ( 30 ou 40 expirações)
      • Inspirar profundamente e reter o ar nos pulmões. (Kumbaka, com as narinas bloqueadas e o queixo no peito como no Nadhi Shodhana).
PRANAYAMAS

      RESPIRAÇÃO DE LIMPEZA
      • Sentado ou deitado, inspire profundamente e expire pela boca.
      • Essa prática tira energia viciada no corpo e recarrega com prana.
      • Purifica os meridianos, desbloqueia o plexo solar e carrega os chakras com prana.
      • DURAÇÃO: 10 a 20 min.
      RESPIRAÇAO DE RECARGA
      • Afaste as pernas na linha dos ombros e respire de forma curta e rápida pelo nariz, deixando o corpo sacudir junto com o ar que entra e sai.
      • Essa respiração, ativa os chakras e a kundalini, aumenta a irrigação do sangue e ativa a memória.
      • Aumenta a vitalidade e limpa as fossas nasais.
      • DURAÇÃO: 3 a 5 min.

RESPIRAÇÃO DOS CHAKRAS
      • Inspire pelo nariz e expire pela boca, visualizando cada chakra com sua cor.
      • Faça 7 respirações para cada chakra, seguindo a ordem do básico ao coronário, começando com vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, branco e violeta.
      • Trabalha com a elevação da energia kundalini, ativando todos os chakras.
      • DURAÇÃO; 20 a 40 min,

RESPIRAÇÃO SURYA
      • Obstrua a narina esquerda, inspire e expire só pela narina direita.
      • Ativa o hemisfério esquerdo do cérebro e esquenta o corpo.
      • DURAÇÃO: 7 inspirações e expirações profundas.
      Obs: Utilizar a mão direita para fechar a narina. Os Yogins devem utilizar os mudrás, assim como no nadi shodhana.
RESPIRAÇÃO CHANDRA
      • Obstrua a narina direita, inspire e expire pela esquerda.
      • Ativa o hemisfério direito do cérebro, afeta positivamente o sistema nervoso simpático, refresca o corpo e ativa a energia shakti.
      • DURAÇÃO: 7 inspirações e expirações profundas.
      Obs: A mesma do surya pranayama.
Textos de Otávio Leal e Juliana Araújo (Krishna Priyah)
Humaniversidade
(11) 5055-2800
www.humaniversidade.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA