OS ARQUÉTIPOS FEMININOS-AS DEUSAS E AS TRÍADES EMOCIONAIS


As Deusas e as Tríadas Emocionais

As mulheres diferenciam-se pelos arquétipos, que definem seu funcionamento a partir dos modelos das Deusas da mitologia Grega e outras.
Conhecer estes arquétipos permite à mulher o auto-conhecimento, ajudando-a a fazer uma previsão da forma em que pode evoluir, dependendo do comportamento da Deusa ou Deusas que lhe diz respeito.
Os arquétipos são forças internas, que atuam na conduta das mulheres, e que opõem-se as forças externas ou estereótipos, ou seja aos papeis que a sociedade determina.
Desta forma, as Deusas são forças poderosas e invisíveis que moldam a conduta, e influem no mundo emocional do Universo feminino.
Dividem-se em categorias, as quais estão determinadas pelas formas de onsciência, pelos papeis relevantes vividos pelos envolvidos, e pelos fatores que servem de motivação, e levam a importantes atitudes nas relações.
Deusas Virgens:
Deusa Artemisia ou Diana Caçadora
* Artemísia: Chamada Diana “A Caçadora” pelos romanos; Ela é a Deusa da caça e da Lua.
* Palas Atenea ou Atenas: Minerva para os romanos, era a Deusa da Sabedoria e da arte feita a mão. Deusa Minerva ou Palas Atenea
* Hestia: Deusa do Lar, Vesta para os romanos;presente nas casas e nos templos como o fogo e o centro do lar.
Deusa Hestia
Representa o arquétipo do centro espiritual da personalidade da mulher.
Estas três Deusas simbolizam a capacidade de independência e a auto-suficiência nas mulheres.
Não se apaixonavam, pois os apegos emocionais não as desviavam do que elas consideravam importante; não eram vitimadas e não sofríam.
Elas representam a atitude de quem alcança as suas metas e além disso possui pensamento lógico.
Também simbolizam as mulheres que perseguem seus objetivos de vida ativamente.
Deusas vulneráveis:
Deusa Hera ou JUno
* Hera: Juno para os romanos; Ela era a Deusa do casamento e muito ciumenta.
* Deméter: Ceres para os romanos, esta Deusa das colheitas,Deusa Deméter
no seu mito, revela enfaticamente o seu papel de mãe.
Deusa Perséfone
* Perséfone: Koré ou Proserpina para os romanos, simplesmente simboliza a filha.
Estes arquétipos representam os papeis tradicionais de esposa, mãe e filha, por estarem orientados para as relações, e seu bem estar depende de ter relações significativas.
Elas representam as necessidades femininas de filiação e vinculação, e estão qualificadas como vulneráveis por ter sido raptadas, violentadas e dominadas por Deuses masculinos.
Sofrendo pelos conflitos de relações afetivas significativas, mostram sintomas de traumas psicológicos.
Deusas Alquímicas:
Deusa Afrodite ou Deusa Vênus
* Afrodite: Deusa Vênus dos romanos; era a mais bela e irresistível de todas as Deusas; teve muitas aventuras e descendência como resultado dessas relações.
Gerava amor e beleza, atração erótica e sensualidade; iniciava as relações por decisão própria e nunca foi vitimada; comparte o arquétipo da autonomia com as Deusas virgens, e estabelece relações significativas como as Deusas vulneraveis.
• Este arquétipo orienta as mulheres na busca das relações mais do que a sua permanência nelas; ele as impulsiona a valorizar o processo criativo e a estar abertas as mudanças.
Estes três conjuntos de Deusas, as Virgens, as Vulneráveis e as Alquímicas, são a representação, através de suas metáforas, do que uma mulher pode fazer de sua diversidade e de seu conflito interior, manifestando a complexidade e as múltiplas facetas do funcionamento feminino.

Fonte:http://magiabruxa.com/