EQUINÓCIO DA PRIMAVERA-ARQUITETURA SAGRADA DA NATUREZA

 

Equinócio de Primavera

Que período maravilhoso do ano! Nós temos dois equinócios, o de outono e o de primavera; ambos marcam um período de extrema importância dentro dos mecanismos astrofísicos, psicológico e espiritual.
Isto só acontece quando a Luz (dia) e a escuridão (noite) possuem a mesma duração de tempo, em relação ao nosso planeta.
Aqui no nosso hemisfério -sul, este ano, o equinócio primaveril acontece no dia 23 de setembro às 09h : 04m.
Para as antigas civilizações, que eram extremamente observadoras dos astros, esse momento marcava grandes decisões. Isso porque, era exatamente quando tinham uma visão mais clara e equilibrada dos astros de importância para determinados cálculos e projetos.
Eram comuns no antigo Egito os equinócios serem usados para inícios e términos de grandes construções, como a grande pirâmide de Gisé, concluída pelo Faraó Kufu (Quéops).
No equinócio de primavera é celebrado este ato, por algumas ordens filosóficas, como por exemplo, os Rosa+Cruz.



Vejam como funciona nosso tempo e calendário relacionado aos astros:

Desde a Antiguidade foram encontradas dificuldades para a criação de um calendário, pois o ano (duração da revolução aparente do Sol em torno da Terra) não é um múltiplo exato da duração do dia ou da duração do mês. Os Babilonios, Egípcios, Gregos e Maias já tinham determinado essa diferença.
É importante distinguir dois tipos de anos:
Ano sideral: é o período de revolução da Terra em torno do Sol com relação às estrelas. Seu comprimento é de 365,2564 dias solares médios, ou 365d 6h 9m 10s.
Ano tropical: é o período de revolução da Terra em torno do Sol com relação ao Equinócio Vernal, isto é, com relação ao início da estações. Seu comprimento é 365,2422 dias solares médios, ou 365d 5h 48m 46s. Devido ao movimento de precessão da Terra, o ano tropical é levemente menor do que o ano sideral. O calendário se baseia no ano tropical.
Os egípcios, cujos trabalhos no calendário remontam a 4 milênios antes de Cristo, utilizaram inicialmente um ano de 360 dias começando com a enchente anual do Nilo, que acontecia quando a estrela Sírius, a mais brilhante estrela do céu, nascia logo antes do nascer do Sol. Mais tarde, quando o desvio na posição do Sol se tornou notável, 5 dias foram adicionados. Mas ainda havia um lento deslocamento, que somava 1 dia a cada 4 anos. Então os egípcios deduziram que o comprimento do ano era de 365,25 dias. Já no ano 238 a.C., o rei (faraó) Ptolomeu III, o Euergetes, que reinou o Egito de 246 a 222 a.C., ordenou que um dia extra fosse adicionado ao calendário a cada 4 anos, como no ano bissexto atual.” [fonte: UFRGS]

Voltando a nosso planeta, temos uma fase de renascimento. Tudo que foi plantado no inverno está a brotar e o que já existia começa a fornecer suas sementes para futuros plantios.
Trazendo isso como exemplo em nossas vidas, temos um momento de reflexão. Para aqueles, como eu, conectados com a Grande Mãe Natureza, devemos, portanto, seguir o “exemplo” e fluxo natural do movimento biológico.
Seria, portanto uma ótima fase para buscarmos nosso equilíbrio interior, alimentar e cuidar daquilo que está germinando, selecionar as sementes para novos plantios. Considerando que a Luz e a Escuridão estão em equilíbrio, isso só nos mostra que TUDO no Universo conspira a favor da balança em suas medidas simétricas.
Assim sendo, vamos procurar comungar com esse objetivo. Afinal de contas, nós fazemos parte do Sistema, e como tal, giramos com a Roda do Destino.
Considero que aqueles que não entrarem em sintonia com essa fase, possa na certeza, se sentirem desconectados com o mecanismo sazonal.
Vamos celebrar a Vida, NADA de colher flores! Vamos homenageá-las em seu habitat, vamos promover este equilíbrio e curso natural das coisas.
Apreciem, se deleitem, riam, brinquem, curtam o momento com responsabilidade e equilíbrio.

Apesar dos Antigos Egípcios celebrarem o equinócio de primavera com grande respeito e veneração; ele não estava associado a nenhum neter (deus) específico. Eu, particularmente, associo estas fazes de equinócios – outono e primavera, a deusa Ma’at, por se tratar da deusa responsável pela balança – justiça – equilíbrio. O próprio Thoth, considerados por alguns historiadores , como consorte de Ma’at, fazia a medição dos astros e calculava os ângulos de todas as construções no período equinocial.

Celebrando o equinócio de primavera com respeito e louvando a natureza, com toda certeza, vamos estar homenageando todo os De@ses Antigos, pois todos eles são frutos deste movimento astrofísico, no qual geraram seus “filhos” aqui na Terra.

Com todas as bênçãos da Primavera e de seu equinócio, me despeço de vocês, e desejo que este momento seja repleto de felicidades e recomeços.

Beijos “floridos” no coração de todos.
 
Fonte : Luqiam (R.Miranda)-http://sacroegito.blogspot.com