MARILYN MONROE-SEX SYMBOL-A Constituição de Um dos Maiores Mitos do Século XX







Marilyn Monroe, nome artístico de Norma Jeane Mortensen, (Los Angeles, 1 de junho de 1926 — Los Angeles, 5 de agosto de 1962) foi uma atriz norte-americana.
É uma das mais famosas estrelas de cinema de todos os tempos, um símbolo de sensualidade e um ícone de popularidade no século XX.
O nome de batismo de Marilyn Monroe era Norma Jeane Mortensen. Ela nasceu no County Hospital em Los Angeles. Ela não conheceu seu pai biológico, fato que a deixava muito abalada. Muitos biógrafos acreditam que o pai biológico de Marilyn era Charles Stanley Gifford, um agente de vendas do estúdio RKO, onde Gladys Pearl Monroe, a mãe de Marilyn, trabalhava. Ela era editora de filmes, mas graves problemas psicológicos a impediram de permanecer no emprego e ela foi internada em um hospício. A certidão de nascimento diz que Martin Edward Mortensen, marido de Gladys, é que é o pai biológico de Marilyn, mas ele somente a registrou, já que ele conheceu a mãe de Marilyn grávida. Ela só recebeu o sobrenome do padrasto em seu nome. Numa entrevista ao canal de televisão Lifetime, James Dougherty, o primeiro marido de Marilyn, disse que ela acreditava que Gifford era o seu pai, já que ela investigou uma vez e viu que antes do seu padrasto sua mãe tivera um único namorado que era chamado Gifford.
Norma Jeane passou grande parte de sua infância em casas de parentes e orfanatos até que, em 1937, mudou-se para a casa de Grace Mckee Goddard, amiga da família. Em 1942, o marido de Grace foi transferido a trabalho para a costa leste e o casal não tinha condições financeiras para levar Norma Jeane, na época com dezesseis anos. Norma Jeane tinha duas opções: Voltar para o orfanato ou se casar com seu namorado.
No dia 19 de julho de 1942 casou com Jimmy Dougherty, de 21 anos, com quem namorava há seis meses. Segundo Jimmy, ela era uma menina doce, generosa e religiosa e que gostava de ser abraçada. Até então, Norma Jeane amava Jimmy e eles estavam muito felizes juntos, até que ele entrou para a Marinha e foi transferido para o Pacífico Sul, em 1944.
Após a partida de Jimmy, Norma Jeane começou a trabalhar na fábrica Rádio Plane Munition, em Burbank, na Califórnia. Alguns meses depois, o fotógrafo Davis Conover a viu enquanto tirava fotos de mulheres que ajudavam no esforço de guerra, para a revista Yank. Ele não acreditou na sua sorte, pois ela era um "sonho" para qualquer fotógrafo. Norma Jeane posou para uma seção de fotos e ele começou a lhe enviar propostas para trabalhar como modelo. As lentes adoravam Norma Jeane, e em dois anos ela tornou-se uma modelo respeitável e estampou seu rosto em várias capas de revistas. Ela começou a estudar o trabalho das lendárias atrizes Jean Harlow e Lana Turner, e inscreveu-se em aulas de teatro, sonhando com o estrelato. Porém, o marido Jimmy retornou em 1946, o que significou que Norma Jeane tinha que fazer outra escolha, dessa vez entre seu casamento e sua carreira.
Norma Jeane e Jimmy divorciaram-se em junho de 1946, pois ele não aceitava que ela se tornasse uma atriz. Norma assinou seu divórcio antes mesmo de assinar seu primeiro contrato na vida, dessa vez foi contratada oficialmente pela Twentieth Century Fox em 26 de agosto de 1946, com um salário de 125 dólares por semana. Pouco tempo depois, tingiu seu cabelo de loiro claríssimo e mudou seu nome artisticamente para Marilyn Monroe, Monroe era o sobrenome da sua avó materna e Marilyn o nome mais chique da época.
Marilyn começou a carreira em alguns pequenos filmes, mas a sua habilidade para a comédia, a sua sensualidade e a sua presença em eventos levaram-na a conquistar papéis em filmes de grande sucesso, tornando-a numa das mais populares estrelas de cinema da década de 1950. Tinha 1,67 metro de altura, 94 centímetros de busto, 61 cm de cintura e 89 cm de quadril. Apesar de sua beleza deslumbrante, suas curvas e lábios carnudos, Marilyn era mais do que um símbolo sexual da década de 50. Sua aparente vulnerabilidade e inocência, junto com sua inata sensualidade, a tornaram querida no mundo inteiro. Ao mesmo tempo que era uma menina frágil e inocente, era uma mulher dominante e irresistivelmente sedutora.
O primeiro papel de Marilyn no cinema foi uma participação não creditada em The Shocking Miss Pilgrim (br: ''Sua Alteza, a Secretária, 1947), de George Seaton. Contracenou rapidamente com Groucho Marx em Love Happy (br: Loucos de Amor, 1950), de David Miller. Nesse mesmo ano conseguiu um pequeno mas influente papel no suspense de John Huston, The Asphalt Jungle (br: O Segredo das Joias), e o papel de Claudia Caswell em All About Eve (br: A Malvada), estrelado por Bette Davis e dirigido por Joseph L. Mankiewicz, tendo recebido muitos elogios. A partir daí, participou de filmes como As Young As You Feel (br: Sempre Jovem, 1951), de Harmon Jones, Monkey Business (br: O Inventor da Mocidade, 1952), de Howard Hawks e Don't Bother to Knock (br: Almas Desesperadas, 1952), de Roy Baker. No entanto, foi sua performance em Niagara (br: Torrentes de Paixão, 1953), de Henry Hathaway, que a tornou estrela. Marilyn fez o papel de Rose Loomis, uma jovem e bela esposa que planeja matar seu velho e ciumento marido, personagem de Joseph Cotten.
O sucesso de Marilyn em Niagara lhe rendeu, no mesmo ano, os papéis principais em Gentlemen Prefer Blondes (br: Os Homens Preferem as Louras, de Howard Hawks, que contou com a participação de Jane Russell, e How to Marry a Millionaire (br: Como Agarrar um Milionário, de Jean Negulesco, com participação de Lauren Bacall e Betty Grable. A revista Photoplay votou em Marilyn como melhor atriz iniciante de 1953 e, aos 27 anos de idade, ela era sem dúvida a loira mais amada de Hollywood.
No dia 14 de janeiro de 1954, Marilyn casou com seu namorado, o jogador de beisebol Joe DiMaggio, em São Francisco, na Califórnia. Eles namoravam há dois anos quando Joe pediu a seu agente que organizasse um encontro para os dois jantarem e a pediu em casamento. "Eu não sei se estou apaixonada por ele ainda", disse Marilyn à imprensa logo no início de seu relacionamento, "mas eu sei que eu gosto dele mais do que qualquer homem que já conheci". Durante sua lua de mel em Tóquio, Marilyn fez uma performance para os militares que serviam na Coreia. A sua presença causou quase um motim, e Joe se mostrava claramente incomodado com aqueles milhares de homens desejando sua mulher. Ela era muito cobiçada, sua beleza chamava atenção e isso causava brigas e ciúmes com todos os homens com quem se relacionou.
Infelizmente, a fama de Marilyn e sua figura sexual tornaram-se um problema em seu casamento. Nove meses depois, no dia 27 de outubro de 1954, Marilyn e Joe se divorciaram. Eles atribuíram a separação a "conflitos entre carreiras", e permaneceram bons amigos.
Em 1955 Marilyn estava pronta para livrar-se da imagem de furacão loiro. Isso tinha dado a ela o estrelato, mas agora tinha a oportunidade e a experiência, Marilyn queria seguir com seriedade a carreira de atriz, queria experimentar novas sensações e poder mostrar que era mais que uma mulher que atiçava o imaginário sexual dos homens. Ela mudou-se de Hollywood para Nova York, para estudar na escola de atores de Lee Strasberg. Em 1956, Marilyn abriu sua própria produtora, Marilyn Monroe Productions. A empresa produziu os filmes Bus Stop (br: Nunca Fui Santa, 1956), de Joshua Logan e The Prince and the Showgirl (br: O Príncipe Encantado, 1957), dirigido e coestrelado por Sir Laurence Olivier. Esses dois filmes serviram para Marilyn mostrar seu talento e versatilidade como atriz. Em 1959, Marilyn brilhou em Some Like It Hot (br/pt: Quanto Mais Quente Melhor), (Some Like It Hot), de Billy Wilder, e teve seu trabalho reconhecido ao vencer o Globo de Ouro de "Melhor Atriz em Comédia".
No dia 29 de junho de 1956 Marilyn casou-se com seu novo namorado, o dramaturgo Arthur Miller. O casal se conheceu através de Lee Strasberg, e amigos disseram que ela o deixava de "joelhos bambos". Enquanto eles estavam casados, em 1961, Arthur escreveu o papel de Roslyn Taber de The Misfits (br: Os Desajustados), especialmente para Marilyn. Dirigido por John Huston e coestrelado por Clark Gable e Montgomery Clift, este acabou sendo o último filme completo de Marilyn e a despedida das telas de Gable.
Infelizmente, o terceiro casamento de Marilyn terminou, dessa vez no dia 20 de janeiro de 1961. A data do divórcio, ocorrido no México, foi escolhida por ser o dia da posse do presidente John F. Kennedy, nos Estados Unidos, numa tentativa de manter a separação fora das manchetes. A tática não funcionou e mais uma vez a vida de Marilyn foi alvo de fofocas, escândalos, capas de jornais e revistas pelo mundo.
Marylin já era amante de Kennedy muito antes dele entrar na Casa Branca. Kennedy ficara obcecado por ela durante sua recuperação de uma operação na coluna que o deixou imobilizado. Seu irmão Bobby pendurou, de cabeça para baixo, um poster onde Marilyn vestia um blusa decotadíssima, um short curto e estava de pernas totalmente abertas, em frente à cama do seu quarto e isso fez Kennedy ficar loucamente atraído por ela.
O caso entre eles teve início depois de seu divórcio de Joe di Maggio e continuou enquanto ela esteve casada com Arthur Miller. Eles se encontravam na suíte dele do Carlyle Hotel, em Nova Iorque, ou na casa de praia de Peter Lawford, em Santa Monica. O FBI grampeou a casa de praia de Lawford e John Edgar Hoover, o chefe do FBI, usou as gravações para manter seu cargo quando Kennedy tentou demiti-lo. Hoover também insinuou que alguém mais havia grampeado a casa - a Máfia, com que Kennedy cruzara durante as eleições.
Robert Kennedy, o irmão mais novo do presidente, por vezes se relacionava com as mulheres de John. Era o chefe de Hoover e, como procurador federal, estava determinado a acabar com a Máfia. Advertira o presidente para deixar Marilyn, pois os chefes mafiosos poderiam usar o caso contra ele, já que seria um escândalo se a mídia soubesse que ele mantinha um caso fora do casamento.
Apesar de suas ilusões, Marilyn sabia que Kennedy desejava apenas a estrela cintilante de cinema, não a mulher que era. Ele pretendia livrar-se dela com elegância, pois esse relacionamento lhe prejudicaria perante os poderoso da política. Marylin, então resolveu dar um grande presente a Kennedy, dar a ele um último momento de glória: Em seu aniversário, Peter Lawford levou-o à sede do Partido Democrático, onde ela cantou com voz lasciva "Feliz aniversário, senhor presidente". Ela estava com um belo vestido que o diplomata Adlai Stevenson descreveu como feito de "pele e pérolas. Só que não vi as pérolas." John Kennedy disse: "Já posso me retirar da política, depois de ter ouvido este feliz aniversário cantado para mim de modo tão doce e encantador."
Na premiação do Globo de Ouro de 1962 Marilyn foi nomeada a "personalidade feminina favorita de todo cinema mundial".
Seu fim triste aconteceu na manhã de 5 de agosto de 1962. Aos 36 anos, Marilyn faleceu enquanto dormia em sua casa em Brentwood, na Califórnia. A notícia foi um choque, propagado pela mídia, explorando sobretudo o caráter misterioso em que o fato se deu, prevalecendo a versão oficial de overdose pela ingestão de barbitúricos. O brilho e a beleza de Marilyn faziam parecer impossível que ela tivesse deixado a todos. Ninguém sabe de fato o que aconteceu naquela noite. Ouviu-se o barulho de um helicóptero. Uma ambulância foi vista esperando fora da casa dela antes que a empregada desse o alarme. As gravações de seus telefonemas e outras evidências desapareceram. O relatório da autópsia foi perdido. Toda a documentação do FBI sobre sua morte foi suprimida e os amigos de Marilyn que tentaram investigar o que acontecera receberam ameaças de morte. No dia 8 de agosto de 1962, o corpo de Marilyn foi velado no Corridor of Memories, nº 24, no Westwood Memorial Park em Los Angeles.
Há suspeitas fortíssimas de que Marilyn foi sufocada até a morte pela máfia, um grupo terrorista que assassina pessoas. Eles tinham ligação com Keneddy e ele era amante há anos de Marilyn, a máfia pode ter descoberto esse envolvimento e como precaução, já que Marilyn poderia saber da máfia, eles a assassinaram, para que ela não denunciasse a polícia que esse grupo terrorista estaria ameaçando a vida de Kennedy.
Fonte Wikipédia


Uma fita de 40 minutos gravada em noites de insônia por Marilyn poucos dias antes de morrer e deixada para o seu psicanalista Dr.Ralph Greeson foi transcrita por seu assistente, cujo nome me parece ser John Mainer ou algo assim. Não consegui pegar esse detalhe tão importante, por sinal. Esse sujeito, num dia qualquer de agosto de 2005, mês em que normalmente uma névoa rosa de poluição cobre a cidade de Los Angeles, entrou desnorteado na sede do Los Angels Times com um material debaixo do braço e entregou ao jornalista Forger D. Baderwright. Era um homem velho que tinha uma história velha para contar.
São desses encontros e desencontros entre Marilyn e seu psicanalista que se desenrola o documentário, um material consistente e cheio de indagações pertinentes em torno da enigmática figura de Marilyn e de sua obscura morte. “O que teria matado Marylin Monroe: o cinema, o sexo, a política, a loucura ou a psicanálise?”, pergunta a narradora.
Psicanalista dos artistas de Hollywood, numa época em que fazer análise era moda na Meca do cinema, um lugar onde as psicoses, neuroses e perversões invadiam a vida dos astros, Ralph Greenson manteve uma relação quase paternal com Marilyn ao longo de intermináveis terapias. Ele se assustava com o jeito estranho da artista de falar de coisas doloridas sem dor. “Marilyn tornou-se para mim minha filha, minha dor, minha loucura”, contaria Greenson, um renomado intelectual na Europa que dava aulas de psiquiatria na Universidade de Los Angeles.
O estilo de vida autodestrutivo e desnorteado de sua paciente também o deixava deprimido. Greenson se espantava, por exemplo, com o desejo desenfreado de Marilyn por sexo casual, uma rotina confirmada quando policiais apresentaram ao psicanalista, acusações contra ela por fazer amor em lugares públicos. “Como um afogado que leva a pessoa que a salva para o fundo, Marilyn estava arrastando Greenson para o fundo, para a escuridão, para o vazio de sua vida”, diz mais uma vez a narradora.
Algumas passagens da vida da diva são reveladoras, como o período em que ela ficou internada numa clínica psiquiátrica, numa ala para pessoas esquizofrênicas, lugar que chegou tão drogada que ela nem se lembraria de ter assinado a ficha de internação. Não deixa de ser triste ouvir a voz definhada e cansada de Marilyn nos seus últimos dias de vida, uma estrela que muitos ainda poderiam ver sua luz, mas que já não brilhava. “Marilyn era uma deusa insensível que podia matar ou partir seu coração apenas com um sorriso”, diz uma voz no sombrio documentário.