sábado, 3 de setembro de 2016

QUEM ESCREVEU O LIVRO DE URÂNTIA ?

QUEM ESCREVEU O LIVRO DE URÂNTIA?

Publicado por

Poucas crônicas espiritualistas sobre as origens e o desenvolvimento do Universo são tão impressionantes quanto o Livro de Urântia, que muitos acreditam ter sido apresentado à humanidade por seres celestiais encarregados de nos instruir a respeito de nossa gênese, de nossa história e de nosso destino, bem como sobre nosso relacionamento com a divindade.
O livro é tido como uma revelação necessária aos habitantes de Urântia, o verdadeiro nome do planeta Terra. Seus ensinamentos abririam novas perspectivas a respeito do espírito humano e sua relação com o desenvolvimento do mundo material, na medida em que oferece detalhes sobre a aventura evolutiva de um universo bondoso, gerenciado por inteligências divinas.
Seu conteúdo possui contornos da mescla que se tornou frequente no século passado entre o espiritualismo americano e o cristianismo, especialmente quando apresentam a sua versão da vida e os ensinamentos de Jesus.
Outro fator que reforça esta percepção é a integração entre ciência, filosofia e religião, destinada servir como significativa contribuição aos pensamentos religiosos e filosóficos dos povos de todo o mundo.
Em todo caso, o Livro de Urantia não pode ser considerado como escritura sagrada de uma nova religião. Seus fundamentos podem ser encontrados em todas tradições religiosas, quer do passado ou do presente.
De maneira muito semelhante ao pensamento gnóstico de Samael Aun Weor, sua proposta central é a de fomentar uma religiosidade íntima, viva e pessoal. Além disso, o conteúdo do Livro de Urântia é mais uma ferramenta de reflexão e transformação da conduta humana, composta por elementos mitológicos atualizados e não por registros históricos que devam ser tomados ao pé da letra.
É importante destacar ainda que a intenção do Livro de Urântia é apresentar conceitos mais amplos e uma verdade mais avançada, em um esforço para expandir a consciência cósmica e aumentar a percepção espiritual das pessoas. Entre outros temas, o livro trata da origem e do significado da vida, do lugar da humanidade no universo e sua relação com Deus, além da vida de Jesus.
Às vezes chamado de Documentos de Urântia ou Revelações da Quinta Época, este livro espiritual e filosófico surgiu em algum momento entre os anos de 1924 e 1955, em Chicago, no estado norte-americano do Illinois. A Fundação Urântia, uma organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos, publicou o Livro de Urântia pela primeira vez em inglês no ano de 1955. Desde então, ele já foi traduzido para outros 14 idiomas.
Mesmo assim, as circunstâncias exatas da origem do Livro de Urântia são desconhecidas. Nem o livro e nem a editora apontam um autor específico ou mesmo humano. Ao invés disso, é dito que foi apresentado por numerosos seres celestiais que tinham como missão fornecer à humanidade uma revelação religiosa atualizada. Cada capítulo ou escrito é assinado por um ou mais seres celestiais.
Contudo, existe uma história a respeito do casal Sadler, médicos de Chicago, que foram abordados num certo dia do ano de 1911 por uma vizinha preocupada com o sono profundo e a respiração pesada do marido. O casal de médicos passou a acompanhar o caso e, com o passar do tempo, perceberam que o indivíduo produzia comunicações verbais que afirmava serem de entidades sobrenaturais.
Isso mudou em 1925, quando a forma de comunicação destes seres passou a ser a escrita, e desde então surgiu um volume descomunal de informações que teriam formado o Livro de Urântia. Curiosamente, um dos Sadlers era conhecido como um importante desmascarador de acontecimentos paranormais, uma espécie de Padre Quevedo da região.
Logo o casal Sadler começou a promover reuniões de amigos e colegas para discussões intelectuais a respeito das comunicações estranhas. Pouco depois, uma das comunicações informou que aquele grupo tinha a permissão para elaborar perguntas, e que respostas seriam dadas pelos seres celestiais através da personalidade de contato.
O grupo elaborou centenas de perguntas sem muito compromisso com a seriedade, e mesmo assim alegaram que isso resultou no aparecimento inexplicável de respostas na forma de documentos escritos. Eles ficaram ainda mais impressionado com a qualidade das respostas e continuaram a fazer perguntas, até que todos os escritos que agora são reunidos como o Livro de Urântia foram obtidos.
Enfim, o Livro de Urântia é composto de um prefácio introdutório seguido por 196 escritos divididos em quatro partes. O prefácio é apresentado como um guia para a linguagem desenvolvida mais detalhadamente na Parte I, e fornece uma explicação para as palavras e frases que servem para designar a Deidade e certos conceitos associados às coisas, aos significados e aos valores da realidade universal.
A Parte I consiste de 31 escritos que abordam o que são considerados os mais altos níveis da Criação, começando com o Eterno e Infinito Pai Universal, a Trindade à ele associada, e a Ilha do Paraíso. A Parte II é composta de 25 escritos referentes à origem, administração e personalidades de Universos Locais, em particular o Universo Local de Nebadon, no qual Urântia está contido. Aqui são apresentados os habitantes dos Universos Locais e seus trabalhos coordenados com o esquema de ascensão espiritual e progressão de diferentes ordens de seres.
A Parte III inclui 48 escritos que compilam uma ampla história da Terra, apresentando uma explicação da suposta origem, finalidade, evolução, e destino do nosso mundo e seus habitantes. Outros 15 escritos adicionais abrangem temas diversos, tais como a Religião na Experiência Humana, o conceito do Ajustador do Pensamento, a Sobrevivência da Personalidade, e as Honras do Cristo Michael.
Mais 77 escritos compõem a Parte IV, na qual são narrados a Vida e os Ensinamentos de Jesus, com informações sobre sua infância, adolescência, vida familiar, ministério público e os eventos que levaram à sua crucificação, morte e ressurreição. Na sequência são contadas as suas aparições depois da ressurreição, e todos estes eventos servem para ilustrar os conceitos apresentados nas três primeiras partes.
Nem todos acreditam no conteúdo do Livro de Urântia, mas muitas pessoas, como é o caso do guitarrista Steve Ray Vaughan, costumam ler suas passagens para buscar inspiração. Outros o leem como uma forma de ficção científica ou fantasia. De qualquer forma, é inegável que possui um estilo avançado de escrita e um nível altíssimo de consistência interna para os padrões da literatura.
Leia, baixe ou compre o Livro de Urântia.
Fonte:http://www.sgi.org.br/religioes/quem-escreveu-o-livro-de-urantia/

O LIVRO DE URÂNTIA