A CIRANDA DE SEXO,DINHEIRO E MENTIRAS DE PREM BABA

Resultado de imagem para Prem Baba ganhou projeção ao aparecer ao lado de celebridades e políticos, como Bruna Lombardi Foto: Reprodução
Prem Baba ganhou projeção ao aparecer ao lado de celebridades e políticos, como Bruna Lombardi Foto: Reprodução
A ciranda de sexo, dinheiro e mentiras de Prem Baba
A reportagem de capa de ÉPOCA desta semana revela a vida que Janderson de Oliveira levava por trás da imagem imaculada de guru do amor


Resultado de imagem para Prem Baba ganhou projeção ao aparecer ao lado de celebridades e políticos, como Bruna Lombardi Foto: Reprodução
Em janeiro de 1999, o paulistano Janderson Fernandes de Oliveira buscava um sentido para sua vida. Havia largado a faculdade de psicologia e era sócio de uma clínica que oferecia terapias alternativas, como massoterapia e acupuntura. O interesse por questões espirituais e religiosas tinha sido herdado da avó materna, evangélica e benzedeira. Desde criança contestava os ensinamentos da Bíblia. Não fazia sentido que a felicidade estivesse reservada apenas para um futuro após a morte. Recém-casado, em busca do autoconhecimento, resolveu tentar achar seu “eu” alhures. Embarcou com a mulher para a Índia. Disse aos amigos que obedecia a um chamado espiritual que o acompanhara desde a adolescência. Segundo seu relato, ouvia vozes que lhe diziam que ao atingir 33 anos deveria ir a Rishikesh — a cidade indiana aos pés do Himalaia é um dos berços da ioga e ponto de peregrinação.
Na cidade sagrada conheceu Sri Sachcha Baba Maharajji, um importante guru da linhagem hinduísta Saccha. Quatro anos depois, tornava-se ele próprio um mestre, o Sri Prem Baba. Em sânscrito, “Sri” significa senhor, “Prem” amor divino e “Baba” pai espiritual. Ele desenvolveu um método de autoconhecimento que batizou de “O caminho do coração”, uma mistura de psicologia, filosofia, práticas xamanistas da Amazônia e ensinamentos da tradição saccha. Com essa mixórdia espiritual, uma ferramenta para acalmar a mente e alcançar a felicidade, acumulou milhares de seguidores — entre eles, celebridades como Reynaldo Gianecchini, Bruna Lombardi e Marcio Garcia. Políticos como Aécio Neves, Marina Silva, João Doria e Marconi Perillo passaram a visitá-lo e a divulgar fotos a seu lado.
Nas páginas a seguir você conhecerá a vida que Janderson de Oliveira levava por trás da imagem imaculada de Prem Baba. Em meio a atividades de sua comunidade, ele mantinha com seus seguidores uma relação de hipocrisia, desfaçatez e manipulação. Três mulheres relataram a ÉPOCA ter mantido relações sexuais com o guru e dizem ter sido vítimas de abuso. Elas pediram sigilo sobre sua identidade para evitar a exposição das famílias. Outros discípulos afirmaram que o mestre se aproveitava da boa vontade da comunidade, que sempre contribuía financeiramente com seus projetos, para enriquecer. Se antes da primeira viagem para a Índia ele tinha apenas um automóvel Tempra dourado e um terreno de 400 metros quadrados em Mairiporã, Região Metropolitana de São Paulo, agora possui ao menos quatro apartamentos, entre eles uma cobertura comprada por R$ 1,7 milhão. É dono de oito empresas no Brasil e uma agência de turismo na Índia. Prem Baba só aceita viajar em classe executiva. Em São Paulo, desloca-se em um Mitsubishi Outlander branco.
Outros discípulos afirmaram que o mestre se aproveitava da boa vontade da comunidade, que sempre contribuía financeiramente com seus projetos, para enriquecer. Se antes da primeira viagem para a Índia ele tinha apenas um automóvel Tempra dourado e um terreno de 400 metros quadrados em Mairiporã, Região Metropolitana de São Paulo, agora possui ao menos quatro apartamentos, entre eles uma cobertura comprada por R$ 1,7 milhão. É dono de oito empresas no Brasil e uma agência de turismo na Índia. Prem Baba só aceita viajar em classe executiva. Em São Paulo, desloca-se em um Mitsubishi Outlander branco.
Há quase dois anos Paula* (nome fictício) vive com medo e vergonha. Casada há 15 anos com um bem-sucedido empresário paulista, ela não para de pensar sobre as mudanças que a aproximação com Sri Prem Baba causou na vida do casal. Os dois buscavam o autoconhecimento havia tempo. Já tinham viajado para a Índia várias vezes e patrocinavam eventos, retiros e a vinda de líderes espirituais ao Brasil. O casal conheceu o guru em 2016, durante um retiro no ashram de Prem Baba em Alto Paraíso, Goiás — ashrams são locais destinados à prática de ioga e meditação, sempre sob orientação de um líder religioso. Já na primeira visita, foram tratados de uma maneira diferente dos outros praticantes. “Tivemos atendimento VIP em detrimento de outras pessoas que estavam com ele havia mais tempo”, disse a ÉPOCA. “Empresários, políticos e celebridades sempre tiveram preferência e posições de destaque ao lado do Baba.”
Na foto, Prem Baba aparece entre Eduardo Paes e Marcio Garcia Foto: Divulgação
Na foto, Prem Baba aparece entre Eduardo Paes e Marcio Garcia Foto: Divulgação
Ela intentava fazer um trabalho humanitário, mas não havia encontrado nenhuma ação efetiva nos projetos que Prem Baba desenvolvera até aquele momento. Em uma reunião com o mestre, mencionou o desejo de abrir a comunidade para “pessoas de todo tipo”. O guru a escutou atentamente. Disse que gostaria de ouvi-la outras vezes e pediu que ela continuasse organizando almoços e jantares para ele conhecer pessoas que pudessem doar recursos para os projetos. “Eu disse que sim e produzi um jantar com 17 pessoas de nossa confiança”, afirmou. Sobre o trabalho voluntário, o mestre a orientou, com uma voz mansa e falando pausadamente: “Você precisa primeiro se curar antes de querer curar o mundo. Você está se escondendo de suas próprias sombras, querendo mostrar tanta luz”.
Depois de um desses jantares, Paula foi chamada por Prem Baba para uma “sessão terapêutica”. “Ele disse que tinha um presente para me oferecer, algo que abriria meus chacras, mas que precisaria ser desde o chacra-base, para eu subir e me elevar com ele, até o último chacra”, contou. Pouco antes do início da massagem, ele a questionou sobre seu casamento e perguntou se ela já tinha sido infiel. Paula disse que, durante uma crise, tanto ela como o marido haviam tido outras relações, mas agora estavam “juntos buscando mais união”. O guru ouviu e disse que a iniciaria “no tantra” para que o “casamento se fortalecesse” — na filosofia hindu, o tantra considera o corpo um instrumento para o conhecimento. Paula precisaria confiar no mestre e não deveria contar a ninguém — nem ao marido —, pois “na cultura brasileira ainda há muita cegueira e ignorância sobre o assunto”.
Segundo seu relato, ela se “entregou por completo”. “Nas primeiras duas experiências, senti nojo. Na segunda, fui ao banheiro e vomitei. Ele disse que era assim mesmo, que eu estava expurgando as dores.” Mais adiante, ele trouxe para as sessões sua shakti, Marcela Zuccon, uma mulher designada como sua companhia feminina. “Ele trazia a shakti dele e se masturbava na minha frente, enquanto ela me massageava. Eu fechava os olhos, não sentia desejo algum por ele. É asqueroso reviver tudo isso novamente e sinto muita vergonha. Nesses oito meses, eu me sentia suja”, disse.
Atores e atrizes durante encontro espiritual com Prem Baba no Rio de
Janeiro, no qual o guru defendeu a importância da meditação Foto: AgNews
Atores e atrizes durante encontro espiritual com Prem Baba no Rio de Janeiro, no qual o guru defendeu a importância da meditação Foto: AgNews
A sensação de que aquilo não era realmente um tratamento a levou a psicólogos e a um amigo psiquiatra. “Mas não consegui contar que foi o Prem Baba, porque eles o conheciam também e fiquei com medo”, explicou. Dos projetos de que havia sugerido participar, nada saiu do papel, embora o guru tenha recebido mais de R$ 2 milhões em doações com os eventos organizados por ela. “Esta sou eu, ou o que restou de mim”, desabafou.
É provável que Paula não reunisse a coragem para fazer o relato acima se duas outras mulheres não tivessem, no final de agosto, rompido a rede de silêncio que cercava o guru e destruído a confiança e devoção de seus discípulos mais próximos. A santidade de Prem Baba foi maculada na noite de 26 de agosto, um domingo. Chovia e a temperatura estava abaixo dos 10 graus quando o grupo de 23 seguidores — todos amigos do tempo em que Janderson era um simples terapeuta — se reuniu com o mestre em uma casa na Rua Machado de Assis, 789, na Vila Mariana, Zona Sul da capital paulista. No local funciona a clínica Corpo e Consciência, que até pouco tempo atrás pertencia a Prem Baba, mas agora é tocada exclusivamente por sua ex-mulher Mara Regina Caccia, hoje chamada de Prem Mukti Mayi. O espaço fora aberto exclusivamente para o encontro dos discípulos com o mestre. Era um acerto de contas.
ÉPOCA conversou com sete pessoas que estiveram na reunião. Naquela noite, em vez das vestes brancas tradicionais, Prem Baba trajava uma calça jeans e um casaco de estampa étnica branco e preto. Um dos amigos abriu a reunião dizendo que o encontro era uma oportunidade para que o mestre se sentisse “à vontade” junto de seu círculo mais íntimo e pudesse falar. Já corria solto o boato sobre a conduta inapropriada do guru. “Você reclamou que não tinha dito sua versão, agora é o momento”, afirmou o amigo. Sentado em uma cadeira, de frente para aquele grupo de seguidores considerados fidelíssimos, Prem Baba tentou explicar o que tinha feito com Madalena* e Joana* (nomes fictícios), que o encaravam.
Prem Baba diz ter recebido autorização de seu mestre Maharajji
para manter relações sexuais tântricas com sua shakti, a seguidora
Marcela Zuccon Foto: Arquivo pessoal
Prem Baba diz ter recebido autorização de seu mestre Maharajji para manter relações sexuais tântricas com sua shakti, a seguidora Marcela Zuccon Foto: Arquivo pessoal
Mestre Maharajii (à esquerda) com Prem Baba Foto: Arquivo pessoal
Mestre Maharajii (à esquerda) com Prem Baba Foto: Arquivo pessoal
Com a voz mansa e a respiração pesada, Prem Baba admitiu pela primeira vez que, diferentemente do que pregava, não tinha sido um adepto pleno de brahmacharya — a abstinência sexual no hinduísmo. Uma pausa aqui para lembrar o que o guru escreveu sobre o celibato em seu best-sellerAmar e ser livre : “O verdadeiro brahmacharya (expressão que se refere também ao adepto do celibato) não se importa em ver o outro nu, pois ele não está vendo o corpo. Para ele, não há diferença entre homem e mulher. Nesse estágio, toda a sua energia é direcionada para a ascensão. Ele está pronto para se tornar um canal puro do amor incondicional e do altruísmo”. No prefácio, a atriz Bruna Lombardi tenta destrinchar as ideias de seu mestre: “Quando Prem Baba diz que, se você domina o sexo, você domina a vida, ele fala de um estágio de transcendência”.
O relato do Prem Baba continuava. No mesmo tom, ele afirmou que, entre 2008 e 2010, manteve práticas sexuais com duas das mulheres do grupo, ambas casadas com dois de seus amigos mais íntimos. Detalhe: todos os envolvidos estavam presentes na sala. No momento mais tenso de seu relato, o guru disse ter mantido um “relacionamento amoroso” com Madalena. Afirmou que tinha desejo por ela e, olhando em seus olhos, completou: “Você quis sair comigo várias vezes”.
Madalena tomou a palavra. Contou que, em 2008, após uma sessão individual de terapia, Prem Baba havia anunciado que no próximo encontro ela praticaria “exercícios para desbloquear energia”. Era melhor que fosse em outro local, não no consultório. O marido não deveria saber, afirmou ele, justificando que havia “muita ignorância” e que “as pessoas não entenderiam”. Prem Baba sabia da crise que o casal atravessava naquele momento — ele, inclusive, antes de se tornar guru, já havia sido terapeuta do casal. Segundo Prem Baba, os exercícios ajudariam na reaproximação dela com o marido. Discípulo aplicado, o marido chegava a beijar os pés do guru.
A primeira sessão de exercícios se restringiu a um trabalho de respiração e movimentos com o corpo. Com o tempo, os movimentos guiados por ele evoluíram até que a prática se transformou em “algumas transas” — nas palavras da mulher. Ela disse que a situação se repetiu e que passou a sentir culpa. Tinha dúvidas e sentia-se extremamente desconfortável, mas o ensinamento do mestre pressupõe que o discípulo se “entregue completamente ao guru”, sem questionamentos.
O casamento de Madalena se deteriorou, e o marido se envolveu com outra. Como Prem Baba tinha sido procurado pelo casal durante a primeira crise, foi a ele que o marido recorreu naquele momento. Queria dividir a confusão de seus pensamentos. Dias depois do desabafo, quando estava a sós com o casal, ambos sentados diante de seus pés, na posição de aconselhamento, Prem Baba disse ao marido, sem aviso prévio, para contar a Madalena sobre o que havia acontecido.
Ainda de acordo com o relato que fez naquele domingo a seus amigos, o divórcio foi então consumado. Ambos seguiram na comunidade. Tempos depois ela começou a namorar, mas passou a ouvir do mestre coisas como “você caiu espiritualmente, caiu em luxúria”. Na última sessão de tratamento, a shakti — a tal parceira feminina do guru — também foi levada para estar com ele e Madalena. “E foi aí que eu vi, de uma vez, que não queria mais”, disse ela. Levou tempo para que conseguisse processar seus sentimentos sobre os episódios. Após dois anos de terapia, ela chegou à conclusão de que sofreu abuso durante todo aquele período. Impassível, o Prem Baba ouvia o relato. Ele já tinha sido confrontado por ela dias antes e admitido, numa conversa reservada com o casal, que “abusou” de sua posição como guru e que havia sido “desleal” com o amigo. (O áudio pode ser ouvido no site de ÉPOCA.)
Os presentes pareciam atônitos. Foi a vez de Joana falar. Ela também contou como os exercícios se transformaram em relações sexuais — o que acabou por afastá-la do mestre por completo. Quando ela se calou, Prem Baba a encarou e soltou um “Ok”. Virou o rosto em direção ao ex-marido dela e afirmou: “Preciso pedir perdão a você, cometi um erro moral”. Em seguida, disse que aqueles eram os únicos casos e voltou a pedir desculpas coletivas.
O clima havia se tornado insuportável e se transformado numa catarse coletiva. Alguns discípulos choravam, outros gritavam e houve até quem precisasse ser contido. Instituiu-se a balbúrdia. Passaram a falar de dinheiro e a cobrar do guru explicações sobre as doações vultosas feitas para sua “obra”. Um dos seguidores, um renomado advogado paulista, havia dado — só ele — mais de R$ 1 milhão para o até então mestre.
Perto da 1 hora da manhã, o grupo propôs a Prem Baba um acordo. Para superar o ocorrido, ele precisava redimir-se. Deveria escrever — no prazo de 24 horas — uma carta que seria repassada a todos os membros do sangha. No texto, assumiria os erros e as mentiras, em especial sobre o celibato, e anunciaria o cancelamento da turnê marcada para os Estados Unidos. E mais: precisaria admitir por escrito que não era um ser superior, reconhecer que não havia atingido a iluminação. A carta deveria ser aprovada pelo grupo antes de ser enviada aos demais integrantes do sangha. Em troca disso, todos manteriam silêncio sobre o assunto. Sem alarde, morreria Prem Baba e renasceria Janderson de Oliveira diante dos fiéis.
Prem Baba possui três ashrans para receber seus discípulos. Um deles fica em Nazaré Paulista, São Paulo, outro em Alto Paraíso, Goiânia, e um terceiro em Rishikesh, na Índia (esse da foto) Foto: Reprodução
Prem Baba possui três ashrans para receber seus discípulos. Um deles fica em Nazaré Paulista, São Paulo, outro em Alto Paraíso, Goiânia, e um terceiro em Rishikesh, na Índia (esse da foto) Foto: Reprodução
Dois dias se passaram e nada da carta. Em 28 de agosto, no final da tarde, assessores da Awaken Love, a empresa de eventos do Prem Baba, enviaram um link para diversos integrantes da comunidade informando que haveria um pronunciamento do mestre ao vivo, em transmissão fechada via internet. Minutos antes, Rodrigo Almeida, que se apresentou como “gerenciador de crise”, enviou uma mensagem ao advogado-discípulo que havia passado a representar o grupo. “Pois diga ao Janderson que considero o acordo rompido”, o advogado retrucou.
No vídeo, o guru falava de maneira ensaiada, em sincronia com uma tradutora. A cada duas ou três frases em português, a voz feminina repetia o texto em inglês. Prem Baba disse que, mesmo depois de se tornar guru, sua “sexualidade não desapareceu de uma vez”. Por isso, acabou se “envolvendo com uma pessoa casada do sangha”. Em sua versão, tratou-se de um “relacionamento amoroso”.
Prem Baba disse que Sri Sachcha Baba Maharajji, seu mestre indiano, orientou-o a ficar em celibato durante suas temporadas na Índia, mas quando estivesse fora poderia se “permitir seguir no estudo da sexualidade”. O guru indiano, inclusive, teria indicado sua shakti como uma companhia feminina para Prem Baba, e com quem, afirmou, “ocasionalmente me permitia a prática sexual tântrica”. Agora, segundo ele, estava vivendo em celibato. Ainda no vídeo, pediu perdão aos envolvidos. As consequências não poderiam ter sido piores.
“Empresários, políticos e celebridades sempre tiveram preferência e posições de destaque ao lado de Prem Baba”
SEGUIDORA
Ela diz que estranhou a atração do guru por ela
Em cólera, os ex-seguidores se rebelaram. No dia seguinte, o vídeo e as acusações de abuso já estavam nas mãos da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo. Do lado do Prem Baba, silêncio. Sua assessoria de imprensa negou as denúncias e informou que ele cancelara toda a sua agenda até fevereiro, inclusive a temporada anual na Índia.
Com a publicidade dada ao caso, a ativista social Sabrina Bittencourt publicou no Facebook que teria ouvido o relato de outras três mulheres sobre terem sofrido abuso do guru. Ou seja: já eram seis as molestadas. “Não tem só o abuso sexual. Existe um abuso psicológico coletivo, financeiro. Há todo um padrão. São vários passos até chegar a um abuso sexual”, disse-me ela por telefone.
As mulheres relataram a Bittencourt que Prem Baba se aproveitou da confiança entre guru e discípulo e também do desconhecimento delas sobre a prática. “Com quem não é iniciado no tantra, o mestre vem e faz qualquer coisa e fala que aquilo é tantra, mas o que ele está fazendo é uma relação sexual do jeito que ele quer fazer, porque é ele quem guia. Só se pode fazer o que ele diz”, contou.
A recordação de Madalena é que tudo ocorreu de modo muito sutil. Ela negou que tivessem tido um relacionamento, como o ex-guru sugeriu. “Nunca tive a ideia de ser amante dele.” Lembrou que tinha uma relação de confiança com o guru desde 1999, quando ele se tornou seu terapeuta. Ela diz que nem sequer entendeu que eram “exercícios de tantra”, porque Prem Baba nunca explicou concretamente o que faria nas sessões. “Se ele tivesse falado, eu poderia pensar e escolher”, afirmou. “Ele nunca falou isso. Nunca usou essas palavras (tantra e sexual).”
Com o caso público, o grupo de seguidores rebelados se uniu ainda mais. A questão do dinheiro tornou-se crucial. “Ele se colocava como miserável, falava que não tinha dinheiro para si”, contou um deles, que disse ter doado com sua família cerca de R$ 600 mil nos últimos cinco anos. “Paguei terceiros, despesas de obras do ashram de Nazaré Paulista e fiz depósitos em sua conta pessoal. Dei envelopes de dinheiro”, explicou. “Ele é um ‘empremsário’”, disse fazendo trocadilho com o nome “Prem”. Ainda assim, há uma outra turma de seguidores do Prem Baba que continuam fiéis a ele. Acreditam que, ainda que tenha errado, Prem Baba continua a ser um líder espiritual importante.
A ascensão do guru do amor foi acompanhada de uma próspera carreira empresarial, de acordo com um levantamento das empresas e dos bens de Janderson Fernandes de Oliveira feito por ÉPOCA. No estado de São Paulo, ele é dono de quatro apartamentos, três na Zona Sul da capital e um no Guarujá — todos adquiridos depois da viagem para a Índia. Nas escrituras, o valor pago pelos imóveis alcança um total de R$ 4 milhões. Entre eles está uma cobertura de alto padrão na Aclimação — um apartamento de 170 metros quadrados, com três vagas na garagem. Ele também possui um terreno de 430 metros quadrados em Mairiporã e um sítio em Serra Negra, no interior de São Paulo, de 57 hectares, adquirido por R$ 350 mil em 2010.
De acordo com interlocutores próximos, Prem Baba só viaja de classe executiva nos voos internacionais, enquanto sua equipe se acomoda na econômica. No cotidiano em São Paulo, troca as vestes tradicionais claras por roupas da grife Osklen e se desloca a bordo de um Mitsubishi Outlander branco. Na Índia, conta com um Mercedes-Benz, doado por um discípulo.
O salto material de Janderson de Oliveira em pouco mais de duas décadas foi significativo, mas é difícil precisar o tamanho exato de seu patrimônio. Em torno dele, há uma rede complexa de empresas, dentro e fora do Brasil, algumas em seu nome, outras no de terceiros. Atualmente, ele aparece como proprietário ou sócio de oito empresas no país. Possui também uma empresa de turismo na Índia, a Awaken Tourism. Tem duas associações sem fins lucrativos no Brasil e outras duas nos Estados Unidos e na Espanha.
Criado pela avó — sua mãe era adolescente quando deu à luz —, Janderson cresceu em uma casa de classe média baixa na Zona Sul de São Paulo. Na adolescência, trabalhou como contínuo em um frigorífico. Quando jovem, gostava de vestir roupas largas e coloridas, além de camisas com a estampa de Ganesha, o deus do intelecto, da sabedoria e da fortuna no hinduísmo. Aos 28 anos, em outubro de 1993, abriu com outras quatro pessoas a clínica Espaço Cultural Corpo & Consciência, Comércio de Produtos Esotéricos Ltda., no bairro paulistano da Vila Mariana.
“Era uma casa que no fundo tinha um porão, e foi lá que começamos a fazer os trabalhos. Todos nós estávamos com crises no trabalho ou no casamento. Aquilo tudo ajudou bastante no autoconhecimento. É um trabalho espiritual parecido com o das igrejas de daime. Você tomava o chá de ayahuasca e deitava. Depois, ele colocava uma música”, contou um ex-frequentador da clínica, que segue na comunidade de Prem Baba.
Prem Baba fala a seus discípulos durante o Congresso Internacional de Felicidade, realizado no ano passado na Ópera de Arame,
em Curitiba Foto: Rubens Nemitz Júnior
Prem Baba fala a seus discípulos durante o Congresso Internacional de Felicidade, realizado no ano passado na Ópera de Arame, em Curitiba Foto: Rubens Nemitz Júnior
O método de autoconhecimento desenvolvido por Prem Baba mistura psicologia, experiências da ayahuasca na linha cristã do santo-daime, práticas de ioga e lições de mestres orientais. Tudo isso, segundo ele, o levou a Maharajji e à descoberta “do Prem Baba dentro de si”. É especialmente grato a Osho, guru indiano muito popular entre as décadas de 70 e 90, por vezes chamado de “guru do sexo”, e que voltou à tona com a polêmica série documental Wild wild country , da Netflix. Sobre ele, Prem Baba diz se tratar de “um grande amigo”, que o “impulsionou na busca da verdade”.
Em janeiro de 1999, Janderson casou-se com a bailarina Mara Regina Caccia. Um ano antes, ela havia se tornado sócia minoritária da clínica, e os demais sócios se retiraram. “Mara foi paciente dele, ele se envolveu com ela e acabaram casando”, contou um amigo, que esteve no casamento.
Depois de viajar para a Índia e conhecer o mestre Sri Sachcha Baba Maharajji, ele fundou a associação Sachcha Mission Ashram, que tem sede até hoje no ashram de Nazaré Paulista. Lá, desde os anos 90, recebia pessoas para cerimônias semanais que incluíam o consumo do chá de ayahuasca como forma de purificação e autoconhecimento. Segundo os amigos, as cerimônias ainda existem secretamente e eles pagam R$ 367 por mês para financiá-las. Prem Baba, no entanto, pedia que os discípulos não falassem sobre o uso do chá e se dizia ex-xamã.
Depois de 2002, quando ele assumiu o nome de Prem Baba e foi autorizado por Maharajji a divulgar os ensinamentos da linhagem sachcha, começou a expandir seus negócios. Em fevereiro daquele ano, tornou-se sócio da Chama Azul Editora. Junto aos mesmos sócios, abriu uma consultoria de gestão empresarial com o mesmo nome. A empresa tem foco em desenvolvimento humano profissional e de marcas.
Ambas as empresas seguem ativas, mas a consultoria agora se chama Invok. Dos sócios originais, o professor de ética e marketing da Fundação Getulio Vargas Eduardo Farah continua ao lado de Prem Baba. Ele é autor do recém-lançado Mindfulness para uma vida melhor , que tem um capítulo sobre meditação escrito pelo guru. Disse que era uma pessoa ansiosa, raivosa, workaholic. Ao conhecer o Prem Baba, transformou-se. Sentado em seu escritório na Vila Mariana, ele afirmou que isso só foi possível pela relação guru-discípulo. “Tem uma coisa muito interessante que é o trabalho de entrega. É muito difícil se entregar para alguém.” Farah afirmou que o mestre ajuda as pessoas numa transição. “O guru é aquela pessoa que chegou ao estado de equanimidade mental. Ele sabe como chegar lá, ele chegou lá. Então ajuda a conduzir os outros para lá”, disse. “Um guru, mesmo lá na Índia, não é questionado.”
Maharajji morreu na Índia em 2011. Nessa época, Prem Baba já estava separado de Mara, com quem teve uma filha — os dois se mantêm próximos. No mesmo ano, ele deu entrada na Receita Federal para o registro do Instituto Awaken Love Action. Dois anos antes de anunciar a iniciativa no festival indiano Kumbh Mela.
O Awaken Love é hoje o maior projeto de Prem Baba. Na prática, ele se divide em três empresas: Awaken Love Hotel e Restaurante (ashram de Alto Paraíso conhecido como “Novo Portal da Chapada”), Awaken Love Treinamento e Eventos (para organizar as palestras e os retiros) e a Awaken Love Shop (para a venda de itens personalizados sobre ele), da qual Marcela Zuccon, a shakti de Prem Baba, aparece como única proprietária.
“Ajudamos a criar a marca Prem Baba, mas não foi algo consciente”, contou um assessor próximo, que se afastou depois das denúncias de abuso. Para ele, desde o lançamento do Awaken Love tudo já estava distante demais das ideias do início. “Chegaram muitas destas pessoas que trabalham com marketing e mercado, ideias de CEO, usavam esses nomes agressivos corporativos, ‘business oriented’, mas ainda tínhamos uma reverência ao mestre”, explicou. Hoje diz não saber mais o que rezar. As únicas orações que conhece são as que o guru ensinou.
Além da consultoria, das palestras e dos eventos, Prem Baba se lançou no mercado de livros. No fim de 2016, publicou Propósito , com prefácio do ator Reynaldo Gianecchini. Só em 2017, o livro vendeu 120 mil cópias, o que rendeu quase R$ 3 milhões. Prem Baba é autor de pelo menos três outros livros: Amar e ser livre , Flor do dia Transformando o sofrimento em alegria .
Há pouco tempo, Prem Baba também se lançou no mercado imobiliário com o Prem Village SPE Ltda., uma incorporadora de imóveis que pôs à venda 500 lotes em Goiás para a construção do que os discípulos chamam de “Baba Resort”. Cada lote foi posto à venda por R$ 100 mil, e, segundo eles, 50 já foram vendidos. Os terrenos ficam próximos ao hotel onde hoje funciona o centro espiritual do guru no Alto Paraíso. Aos poucos, Prem Baba está passando todas as suas empresas e os direitos autorais de seus livros para a holding Beija-Flor, que será a responsável por gerenciar os negócios milionários do guru do amor.
Por e-mail, Prem Baba disse a ÉPOCA estar em um “retiro pessoal”. Reafirmou que manteve relações sexuais de “maneira consensual” e que está refletindo sobre as mágoas que causou. “Definitivamente, não houve abuso”, escreveu. Recusou-se a comentar os episódios de sessões de tantra a três denunciados pelas duas mulheres. “É um processo de tentativa de desconstrução de um projeto espiritual e coletivo.”
Sobre o uso sigiloso do chá de ayahuasca, ele disse que é herdeiro da tradição que “tem como filosofia a discrição”. Afirmou também que não está mais regularmente à frente dos trabalhos, embora ainda participe. Para ele, é um “erro fraternal” fazer “propaganda de tal trabalho”, e, portanto, disse, não se sente ainda em contradição em relação às doações financeiras pedidas, pois elas mantêm a estrutura e viabilidade de seu trabalho. “Na Índia, mantenho o ashram, alimentação para cerca de 400 pessoas diariamente. Mantenho uma escola infantil que acolhe cerca de 300 crianças que vivem abaixo da linha da pobreza”, completou.
Em uma manhã no final de agosto — dois dias antes de estourar o escândalo na imprensa —, ÉPOCA visitou a Awaken Love House, a sede do movimento em São Paulo. Com dois andares, a parte térrea abriga a recepção, a cozinha, uma sala para o financeiro e outra para o gerenciamento dos cursos que o espaço oferece. No segundo piso, estão cinco salas para atendimento individual ou coletivo. Cada uma tem um nome, e a principal chama-se “Gentileza”, um dos seis valores ensinados por Prem Baba no movimento Awaken Love.
A recepcionista do local há dois anos, Lynda Justino, de 23 anos, resumiu a lógica do método do “caminho do coração”. De acordo com ela, a casa só oferecia atividades gratuitas às sextas-feiras, o canto dos mantras. O restante dos cursos era pago. Se eu me interessasse em fazer o “caminho da meditação”, teria de desembolsar R$ 420.
Fonte:https://epoca.globo.com/a-ciranda-de-sexo-dinheiro-mentiras-de-prem-baba-23066393
Resultado de imagem para Prem Baba