POR QUE A ALEMANHA NÃO SE DESCULPOU ATÉ HOJE PELO PRIMEIRO GENOCÍDIO DO SÉCULO 20

Homens e meninos herero acorrentados
Direito de imagemARQUIVO NACIONAL DA NAMÍBIA
Image captionEstima-se que pelo menos 80 mil homens, mulheres e crianças das etnias herero e nama morreram entre 1904 e 1908

Por que a Alemanha não se desculpou até hoje pelo primeiro genocídio do século 20

Para historiadores, trata-se do primeiro genocídio do século 20. Mas muitas pessoas nunca ouviram falar do assassinato de dezenas de milhares de pessoas por tropas alemãs no território que hoje é a Namíbia, na África.
Entre 1904 e 1908, quando a região era conhecida como Sudoeste Africano e estava sob colonização de Berlim, militares realizaram uma campanha implacável de extermínio de duas etnias locais, os herero e os nama.
De um total de cerca de 100 mil integrantes dos dois grupos, estima-se que pelo menos 80 mil homens, mulheres e crianças foram mortos por balas, canhões, fome ou sede. O estupro em massa de mulheres foi sistemático.
Centenas de crânios de vítimas foram enviados à Alemanha para serem analisados em estudos sobre diferenças raciais que buscavam provar a superioridade dos brancos. Vinte deles foram devolvidos à Namíbia em 2011.


Manifestação em Berlim, com cartaz exigindo pedido de desculpasDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionNesta manifestação em Berlim, em 2015, participantes pediram que governo alemão se desculpe formalmente pelas mortes
Homens e meninos herero, algemados e desnutridosDireito de imagemARQUIVO NACIONAL DA NAMÍBIA
Image captionMuitas fortes foram causadas por fome e sede

Mais de um século depois, representantes dos governos alemão e namíbio negociam uma declaração conjunta sobre o episódio - algo motivado principalmente por uma extensa campanha de ativistas herero e nama.
Segundo a imprensa alemã, Berlim deverá reconhecer pela primeira vez sua responsabilidade em um genocídio na África.
Os grupos étnicos entraram este mês em um tribunal de Nova York com um pedido de indenização junto ao governo alemão, com base em possíveis violações da Declaração da ONU sobre Direitos de Grupos Indígenas.
Porém, o principal negociador da Alemanha nas negociações com a Namíbia, Ruprecht Polenz, disse ao jornal britânico The Guardian que o ocorrido na Namíbia "não pode ser comparado ao Holocausto" - o extermínio de judeus durante a Segunda Guerra Mundial resultou no pagamento individual de indenizações pelo governo.
Acadêmicos e ativistas argumentam, porém, que as ações contra os herero e os nama foram igualmente brutais - alguns asseguram que as atrocidades na África abriram caminho para o Holocausto, quase quatro décadas depois.

Estupros e assassinatos

Na Conferência de Berlim, em 1884, as potências europeias fizeram uma partição da África. A Alemanha, que tinha colônias onde hoje é Camarões, Togo e Tanzânia, anexou também a costa sudoeste do continente.


Soldados alemães na NamíbiaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionRebelião dos herero e nama contra a ocupação fez com que o kaiser Guilherme 2º enviasse 14 mil soldados para a colônia

Indígenas foram expulsos de suas terras, que foram entregues a colonos alemães. A população nativa sofreu todo tipo de abuso, incluindo estupros e assassinatos. Isso causou as revoltas de 1903, em que guerreiros herrero e nama fizeram ataques que resultaram na morte de dezenas de colonos.
A resposta alemã veio com a ordem do imperador, o kaiser Guilherme 2º, para que 14 mil soldados fossem deslocados para a colônia. Todos sob o comando de Lothar Von Trotha, que havia reprimido brutalmente rebeliões nativas em posições do país na China e no leste da África.
Entre as represálias estavam uma morte lenta no deserto do Kalahari, onde soldados tinham envenenado os poços d´água.

Genocídio



Prisioneiros herero acorrentados, na companhia de soldados alemães montadosDireito de imagemARQUIVO NACIONAL DA NAMÍBIA
Image captionO general Lothar von Trotha ordenou em 1904 que os herero 'deixassem o país'

Von Trotha abriu os trabalhos enviando uma mensagem veemente os herero:
"Eu, general dos soldados alemães, envio esta carta aos herero. O povo herero deve abandonar o país. Se negarem, forçarei sua partida com canhões. Qualquer herero, com ou sem armas, será executado."
"Von Trotha disse a seus soldados que não atirassem em mulheres e crianças. Em vez disso, os soldados as forçaram a fugir para o deserto, onde morreram de fome e sede", disse à BBC Mundo (o serviço em espanhol da BBC) Reinhart Koessler, professor do Departamento de Ciência Política da Universidade de Freiburg e acadêmico especializado no passado colonial da Alemanha.


Gravura de época mostra batalha entre guerreiros herero e tropas alemãsDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionPara Reinhart Koessler, a proclamação de Von Trotha 'teve a intenção clara de extermínio, e isso constitui genocídio'
Descendentes de von Trotha na NamíbiaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionDescendentes do general Lothar von Trotha foram à Namíbia en 2007 para pedir desculpas por suas ações

Para Koessler, as palavras de Von Trotha "foram uma intenção clara de extermínio, e isso constitui genocídio, a vontade de eliminar um grupo étnico".
Os estupros de mulheres herero e nama foi algo tão generalizado que muitos descendentes atualmente têm algum ancestral alemão.
"Sou descendente direto dos herero. Tanto meus avôs maternos quanto paternos tinham sangue alemão em suas veias por causa do abuso sexual cometido contra meu povo", disse Ngondi Kamatuka, integrante da Asociação Herero Contra o Genocídios, à BBC Mundo.

Pedido de desculpas

As negociações entre Alemanha e Namíbia são o resultado de um longo processo iniciado logo após o país se tornar independente da África do Sul, em 1990.


Ngondi KamatukaDireito de imagemCORTESIA NGONDI KAMATUKA
Image captionNgondi Kamatuka quer pedido oficial de desculpa dos alemães

"Os povos herero e nama exigem um pedido de desculpas oficial do povo alemão, emitido pelo Parlamento. O Parlamento deve pedir perdão de forma inequívoca pelos crimes cometidos em nome do imperador (o kaiser Guilherme)", afirma Kamatuka.
Um dos temas mais complicados é o de uma possível indenização.
A Alemanha se recusa a falar sobre reparações e propõe oferecer compensações por meio de projetos de infraestrutura e ajuda financeira para a Namíbia.
"Quando um criminoso comete um delito, ele não tem direito a escolher as consequências", discorda Kamatuka.
Ativistas pedem para participar direamente das negociações e dizem desconfiar do que o governo da Namíbia, dominado por outro grupo étnico, o ovambo, fará com eventuais fundos repassados.
Alguns observadores ressaltam que a negociação direta com grupos étnicos e discutir reparações faria com que a Alemanha reconhecesse culpa com base na convenção da ONU contra o genocídio.

Indenizações

Kamatuka diz que as vítimas africanas mereciam o mesmo tipo de indenização individual que as do Holocausto.


Representantes da Namíbia no Memorial do Holocausto, em BerlimDireito de imagemCORTESIA REINHART KOESSLER
Image captionRepresentantes da Namíbia no Memorial do Holocausto em Berlim, em 2011; as representantes foram à capital alemã na ocasião da repatriação de 20 crânios de vítimas herero, devolvidos por um hospital do país europeu
Ruprecht PolenzDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionO principal negociador alemão, Ruprecht Polenz, disse à imprensa que seu país usará o termo 'genocídio', mas descartou categoricamente a indenização de familiares de vítimas

"O número de mortos no Holocausto e na Namíbia não é comparável, mas o que fizeram com nosso povo foi igualmente brutal".
Segundo o jornal The New York Times, Ruprecht Polenz, o representante alemão nas negociações, assegurou que seu país usará o termo genocídio.
Mas em entrevista a uma rádio alemã, ele disse que, na visão do governo, o uso do termo não incorre em obrigações legais, mas sim morais e políticas de "sanar as feridas".
À BBC Mundo, o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha afirmou que as negociações ocorrem desde 2014 "em busca de um enfoque comum sobre esses eventos dolorosos".
"Espera-se que um dos resultados desse diálogo seja uma linguagem comum em relação a esses eventos históricos, assim como um pedido de desculpas da Alemanha e a aceitação dessas desculpas pela Namíbia."
Ngondi Kamatuka afirma que "se Alemanha tomar a posição de não nos indenizar, pensaremos que não querem fazê-lo porque, ao contrário das vítimas da Segunda Guerra Mundial, nós temos a pele negra".
O representante herero, que vive nos EUA, diz que fundos pagos pela Alemanha poderiam ser usados na compra de "terras roubadas dos herero e dos nama, que hoje vivem em pobreza espantosa".


Mulher herero em frenta a uma casa, ao lado de um meninoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionAtivistas querem recuperar terras perdidas por nativos
Mulher hereroDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionSegundo Kamatuka, as duas etnias ocupavam 70% das terras

Segundo o ativista, esses grupos étnicos ocupavam "cerca de 70% das terras" antes da chegada dos alemães.
"Hoje ainda temos muitos proprietários de terra que só vão à Namíbia para caçar. Fomos pacientes e jamais invadimos suas fazendas, mas as indenizações permitiriam comprar algumas dessas terras para combater a miséria de nosso povo."

Genocídio esquecido

Para Koessler, há uma "amnésia colonial" na Alemanha que deve ser combatida. Na sua opinião, esse passado colonial está relacionado aos eventos trágicos mais conhecidos da história do país.


Postal mostrando crânicos de vítimas hereroDireito de imagemREINHART KOESSLER
Image captionAs mortes de nativos foram divulgadas na Alemanha em gravuras como esta

"Os perpetradores de muitos genocídios no século 20 tentaram ocultá-los, mas o caso da Namíbia foi algo muito público", afirma Koessler.
"A proclamação do general Von Trotha foi debatida em público e postais com ilustrações de atrocidades circulavam (pela Alemanha). Inclusive um que mostrava crânios sendo embalados, com o comentário de que mulheres herero foram obrigadas a limpá-los com cacos de vidro."
"Um autor da época, Gustav Frenssen, descreveu os testemunhos de soldados que participaram da repressão, e afirmou que o que ocorreu com a população negra era justificado por uma lei divina."
Koessler conta que um livro de Frenssen, A Viagem de Peter Moors ao Sudoeste Africano, legitimizando o genocídio, foi usado em escolas e cópias foram dadas aos soldados que iam ao front.

Relação com o Holocausto?

"Claro que não podemos falar de uma linha causal com o Holocausto. Mas, na minha opinião, essa mobilização de nacionalismo e a exposição pública das atrocidades combinaram para baixar o nível do que era aceitável em termos do que seres humanos podem fazer uns aos outros. De certa forma, contribuíram para o que ocorreu nas décadas seguintes e levou ao Holocausto", avalia Koessler.


Fotógrafos em frente a crânios em caixas de vidroDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption20 crânios enviados à Alemanha para estudos foram devolvidos em 2011 à Namíbia por um hospital de Berlim

Para o jornalista americano Edwin Black, a matança na Namíbia "estabeleceu um padrão" para o Holocausto.
Em um artigo recente, ele cita vários exemplos. Um dele é o caso de Eugen Fischer, médico nazista cujas pesquisas sobre diferenças raciais tiveram início na Namíbia.
"A entrada do termo campo de concentração no vocabulário alemão teve início com o estabelecimento de campos para hereros", completa Black.
Hermann Goering, que estava apenas abaixo de Adolf Hitler na hierarquia nazista, era filho de Heinrich Goering, primeiro governador alemão na Namíbia.

Herança

Para Reinhart Koessler, é importante que alemães mais jovens saibam o que ocorreu - o ensino de história na Alemanha é "muito eurocêntrico", diz.


Filas de lápides de soldados alemães
Image captionCemitério alemão na Namíbia tem filas de lápides para soldados alemães...
Placa no cemitérioDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption...mas apenas uma placa para lembrar vítimas herero.

"Na minha opinião, o Parlamento deve pedir desculpas pelo genocídio, e deve haver consequências materiais."
Já Kamatuka queixa-se da ausência de monumentos em homenagem às vítimas das atrocidades na Namíbia.
"Não se fala do genocídio nos livros escolares da Alemanha e da Namíbia", diz.
"Os jovens herero e nama precisam saber do genocídio contra seu povo. Para que saiba quem são, de onde vêm e como navegar seu futuro."
Fonte:http://www.bbc.com/portuguese/internacional-38554223

Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA