COMO FAÇO PARA RECEBER INICIAÇÃO ?

-12 R (artigo - Sucessão Discipular e Mestre Espiritual) Iniciação (1300) (pn)1

Iniciação

Giridhari Dasa

“Como faço para receber iniciação?”. Esta é uma pergunta frequente entre aqueles que estão despertando para a vida espiritual em consciência de Krishna.

“Como faço para receber iniciação?”. Esta é uma pergunta frequente entre aqueles que estão despertando para a vida espiritual em consciência de Krishna. Em seus comentários, Srila Prabhupada enfatiza a importância de aceitar um guru e receber iniciação. Então, é natural que aqueles que leem seus livros queiram saber mais sobre como dar esse passo. A resposta, porém, é ao mesmo tempo mais complicada e mais simples do que parece.
A resposta simples é: talvez você “já tenha sido iniciado”. Como assim? Em seu aspecto mais importante e prático, a “iniciação” para nossos adeptos significa literalmente que três coisas já aconteceram: (1) Você escolheu a consciência de Krishna como o caminho que deseja seguir; (2) aceitou que as instruções sobre a vida espiritual dadas por Sua Divina Graça A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada, nosso principal guru – e também daqueles devotos seguidores de Srila Prabhupada que o vêm ajudando – são fidedignas, ou seja, “dignas de sua fé e confiança” e; (3) você está adotando as práticas recomendadas. Caso você esteja interessado em iniciação e já esteja cumprindo estes três quesitos, saiba que você… já está iniciado!
A confusão surge pelo fato de haver um processo de iniciação formal, onde os adeptos recebem um nome em sânscrito, seguido da palavra “Dasa” ou “Dasi” (servo e serva, respectivamente). Mas essa iniciação é algo institucional, que obedece a normas criadas pela ISKCON, a instituição fundada por Srila Prabhupada, à qual pertencemos (veja www.iskcon.com.br). O corpo administrativo máximo da instituição, conhecido como Governing Body Comission, ou GBC, determina quem pode ser um guruiniciador (ou diksa-guru) e quais os requisitos específicos para obter iniciação. Em termos simples, esta iniciação formal não significa o início da prática espiritual, mas sim uma oficialização ou uma confirmação da seriedade do praticante diante de Krishna, de seus gurus, da instituição e seus membros.
Em termos históricos, não existia anteriormente este tipo de “iniciação formal”. O buscador simplesmente encontrava um sábio devoto para lhe explicar o conhecimento e práticas, começava a praticar e – pronto, estava iniciado! No texto mais importante de nossa tradição, o Srimad-Bhagavatam, o termo diksha é utilizado apenas para quando um sacerdote iniciava alguém para fazer um ritual, ou seja, era algo usado para as cerimônias ritualísticas (ou sacrifícios) que hoje não mais praticamos. E mesmo na época do Senhor Caitanya, cerca de 500 anos atrás, vemos apenas alguns raros casos de mudança de nome para aqueles que iniciam suas práticas da consciência de Krishna. A maioria simplesmente aceitava as instruções, começava a cantar Hare Krishna e pronto: começava a sentir e praticar bhakti, ou devoção, por Krishna!
A iniciação formal sistemática, tal qual temos hoje na ISKCON, surgiu após a criação de instituições formais para a disseminação da consciência de Krishna, a começar com Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Gosvami Maharaja – o guru de Srila Prabhupada – no início do século XX. Ao criar a ISKCON, Srila Prabhupada manteve esse mesmo padrão.
Na ISKCON, Srila Prabhupada estabeleceu que, para ser iniciado, o devoto deveria fazer o voto de seguir quatro princípios e cantar 16 voltas diárias de japa. Os quatro princípios são: (1) Não comer nenhum tipo de carne, peixe ou ovos; (2) não se intoxicar (isso inclui café, chá preto, cigarros e bebida); (3) não participar de jogos de azar, e (4) não ter vida sexual fora do casamento. Japa é a prática de meditação mântrica que realizamos diariamente. A expressão “16 voltas” refere-se a cantar 16 vezes as 108 contas que normalmente existem em um colar de meditação, chamado japa-mala, ou seja, entoar 1728 vezes por dia, sem falta, o mantra Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare/ Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare.
Atualmente, em 2013, a instituição mantém as seguintes regras para a iniciação: (1) Somente pessoas selecionadas pelo GBC podem conceder iniciação. Eles são conhecidos como diksa-gurus. (2) Após estar seguindo os padrões de iniciação sem falhas durante seis meses, a pessoa pode então pedir abrigo a um guru para iniciação; antes disso, ela necessita cientificar a administração local de suas intenções e realizar com sucesso um exame padrão para verificar se ela entendeu de fato os pontos básicos sobre a filosofia e sobre o ato de iniciação. (3) Após o pedido de abrigo, a pessoa deve praticar os votos sem falhas durante outros seis meses, antes de ser iniciada. (4) Caso a pessoa mude de ideia e queira escolher outro guru, deverá aguardar outros seis meses antes de efetuar o novo pedido de abrigo. (5) Para ser aceito para iniciação, é necessária uma recomendação por escrito da administração de onde a pessoa interessada em ser iniciada reside ou, no caso da pessoa morar em local isolado, a recomendação por escrito do Conselho Governamental Brasileiro (CGB). Um guru que concede iniciação sem observar estas regras fica sujeito a ações disciplinares por parte do GBC.
O que é um diksha-guru?  O que ele tem a ver com Srila Prabhupada? E quanto às pessoas que vêm me ajudando em minha vida espiritual? Para compreender melhor estes pontos essenciais, veja meu ensaio “Melhor Entendendo a Ideia do Guru.
Existem alguns enganos e riscos sobre este tema de iniciação formal na ISKCON, tais como: (1) Achar que só através da iniciação formal a pessoa pode se sentir ou ser “parte” do Movimento, como um integrante “de verdade”. Não é assim. Qualquer um que aceite Srila Prabhupada, pratique a consciência de Krishna e participe das atividades da instituição é um integrante de fato e merece todo o cuidado e apreciação. (2) Pensar na iniciação por uma questão de orgulho mundano ou por desejar um nome espiritual. Neste caso, a pessoa esforça-se para seguir as práticas por um ano para obter a iniciação e, logo depois, desiste. Isso é um perigo, pois na iniciação fazemos votos sérios e vitalícios diante de Deus e Seus representantes. Assim, não devemos buscar iniciação sem a devida convicção e certeza de que conseguiremos manter estes votos pelo resto da vida.
Na ISKCON, há também uma segunda iniciação, chamada de “iniciação bramânica”. Esta iniciação, semelhantemente à primeira, não é algo que historicamente faz parte do processo de autorrealização em yoga, mas que foi adotada após o advento das instituições missionárias da consciência de Krishna. Srila Prabhupada explica:
Não é muito importante [a iniciação bramânica]. Meu Guru Maharaja [Srila Bhaktisiddhanta Maharaja] introduziu esta cerimônia de iniciação brâmane porque, no seu tempo, smartabrâmanes [brâmanes que defendiam o sistema de castas] ridicularizavam os vaishnavascomo não sendo brâmanes qualificados, pois eles não nasceram em famílias brâmanes e não haviam recebido nenhuma segunda iniciação. Então, para contrariar esta atitude depreciativa em relação à comunidade vaishnava, ele introduziu esta política, mas não é importante. Pode-se perfeitamente ser consciente de Krishna simplesmente pela primeira iniciação, a iniciação Hare Nama. Nada mais é necessário. É uma formalidade para satisfazer os brâmanes smartas. (Conversa com Hamsadutta Dasa, Boston, 1968, logo após a primeira iniciação bramânica da ISKCON)
As leis atuais da ISKCON permitem que a pessoa receba a segunda iniciação depois de, no mínimo, um ano após a primeira. Os devotos com segunda iniciação podem cumprir funções sacerdotais, como pujari (a pessoa que cuida das Deidades no templo), realizar agni-hotras (cerimônias de fogo) etc.
Em resumo, fique tranquilo! Não é necessário se afobar com a questão da iniciação formal. O importante é estar “iniciado” no sentido simples e prático da palavra, ou seja, estar de fato praticando a consciência de Krishna de acordo com o método prescrito, sob a guia de Srila Prabhupada e dos devotos que o estão ajudando. Isto é o que lhe trará avanço.
A consciência de Krishna é uma ciência espiritual. Rótulos externos e formalizações não têm tanta importância. O que importa mesmo é seu estado de consciência, seu avanço na purificação de condicionamentos mundanos e seu grau de amor por Krishna. Concentre-se em aperfeiçoar suas práticas diárias, em especial a prática da japa e o cultivo do conhecimento transcendental, e tudo mais acontecerá naturalmente.
.
Conheça o site pessoal de Giridhari Dasa: www.giridhari.com.br.

Fonte:https://voltaaosupremo.com/artigos/artigos/iniciacao/