DRAMA RELIGIOSO SOBRE ESTUPRO E FÉ : FILME "AGNUS DEI" BASEADO EM FATOS REAIS DE DEZENAS DE FREIRAS GRÁVIDAS,QUESTIONANDO SUA FÉ

Diretora de "Agnus Dei" ouviu freiras para filmar drama sobre estupro e fé


Anne Fontaine nasceu em Luxemburgo, vive na França, mas passou parte de sua infância e adolescência em Lisboa, onde teve bastante contato com a religião católica, apesar de não acreditar em Deus. Algumas décadas depois, a diretora de cinema se viu imersa em dois diferentes conventos na França para se preparar para contar a história real de uma médica francesa ateia que ajudou freiras polonesas no final da Segunda Guerra Mundial. 
"Perguntamos para as irmãs o que elas achavam do roteiro, da história, pedimos para elas falarem sobre maternidade. Para mim era muito importante estar o mais próximo possível da realidade delas", conta a diretora do drama "Agnus Dei" ao UOL. Depois de ser muito bem recebida na França e em festivais nos EUA, como Sundance, a produção franco-polonesa estreia no Brasil nesta quinta-feira (14).
O drama conta a história de Mathilde Beaulieu, uma médica que trabalhou em um posto francês da Cruz Vermelha na Polônia no final da Segunda Guerra Mundial. O enredo se passa em dezembro de 1945, quando o Exército russo ainda toma conta do território polonês. Certo dia Mathilde é procurada por uma freira polonesa que clama por ajuda. Com a barreira do idioma, Mathilde resiste em um primeiro momento. Mas ao perceber a persistência da irmã, resolve acompanhá-la até o convento. Ao chegar lá descobre algumas freiras que foram violentadas durante uma invasão de soldados russos e estão prestes a dar à luz.

Transgressão positiva

A partir daí, Anne Fontaine desenvolve uma complexa trama de personagens femininas que, mesmo com personalidades distintas, precisam se unir em busca de uma solução para uma situação tão atípica como a de dezenas de freiras grávidas e questionando sua fé. "Não se pode não sentir a força do combate interno de pessoas que passaram por essa destuição vivendo sob regras tão rígidas."
Baseada em fatos reais, a história chegou às mãos de Anne através de seu produtor, Eric Altmayer, que conheceu uma pessoa da família da médica francesa. Ela havia deixado os registros em um diário. "Construímos o roteiro baseado nas personalidades. Tive que achar uma forma de humanizar aqueles documentos, pois é uma história completamente humana. Pensei na atualidade do tema e me senti muito próxima dessas mulheres", revela Anne.
Com um elenco composto quase inteiramente por mulheres, a diretora admite ver uma feminista em sua personagem principal, mas diz que essa não é a intenção. Ao expor temas como estupro, religião, aborto, abandono e suicídio, ela diz estar lidando muito mais com questões humanas do que com questões exclusivamente femininas. Anne vê o pensamento racional e a liberdade sexual e espiritual de sua personagem principal como uma "transgressão positiva" para 1945. E destaca que ambas as partes aprendem ao ter contato com questões tão distantes de seus próprios mundos. 

Mulher em foco

Apesar de abordar temas bastante atuais como a violência contra a mulher que tem sido recorrente no noticiário recente brasileiro, a diretora ainda tem dúvidas sobre a recepção de "Agnus Dei" no Brasil. "Não acho que é um filme que muitas pessoas vão ver, mas espero que seja bem recebido. O Brasil é um país que me faz recordar a minha infância", conta Anne Fontaine, que esteve em São Paulo e no Rio no ano passado para divulgar "Gemma Bovery", antecessor de "Agnus Dei".
Exibido pela primeira vez em Sundance, em janeiro, o drama traz a elogiada atriz francesa Lou de Laâge, de 26 anos, no papel principal. Ela é acompanhada por 26 atrizes polonesas que interpretam as freiras. O francês Vincent Macaigne ganha o único papel masculino de destaque do filme, interpretando Samuel, médico judeu e companheiro de Mathilde na Cruz Vermelha. Filmado no norte da Polônia, o drama de época também se destaca por sua belíssima fotografia, assinada pela diretora de fotografia francesa Caroline Champetier.



Veja abaixo filmagem de "Agnus Dei":

Agnus Dei - Making off