O QUE É A GERAÇÃO X ?

Eddie Veddervocalista da banda Pearl Jam nascido em 1964, faz parte da Geração

O QUE É A GERAÇÃO X  ?

Geração X é uma expressão que se refere à geração nascida após o baby boomn pós-Segunda Guerra Mundial.[1] Embora não haja acordo em relação ao período que a expressão abrange,[2] ela, geralmente, inclui as pessoas nascidas a partir do início dos anos 1960 até o final dos anos 1970, podendo alcançar o início dos anos 1980, sem contudo ultrapassar 1981.[3] [4] [5] . Como Fran Kick explica, não existe uma linha rígida a separar 31 de dezembro de um ano de 1 de janeiro do ano seguinte. Frequentemente, a mudança entre gerações ocorre ao longo de 3 a 5 anos, talvez mais, dependendo de para quem se pergunta.[5] [6]
Alternativamente, o termo também foi usado em diversos tempos e lugares para referir-se a várias subculturas e contraculturas diferentes desde 1950.[7]
Baby Boom é uma definição genérica para crianças nascidas durante uma explosão populacional - Baby Boom em inglês, ou, em uma tradução livre, Explosão de Bebês. Dessa forma, quando definimos uma geração como Baby Boomer é necessário definir a qual Baby Boom, ou explosão populacional estamos nos referindo. Acontecimento que ocorreu depois da 2°guerra mundial mudando a história. Em geral, a atual definição de Baby boomer refere-se aos filhos da Segunda Guerra Mundial, já que logo após a essa houve uma explosão populacional. Nascidos entre 1943 e 1960, hoje são indivíduos que foram jovens durante as décadas de 60 e 70 e acompanharam de perto as mudanças culturais e sociais dessas duas décadas, como exemplo a Música Disco.
O termo popularizou-se no pós Segunda Guerra Mundial, quando houve aumento importante da natalidade nos Estados Unidos. Muitos soldados estavam voltando para suas casas, e a natalidade reagiu positivamente a isso. Trata-se da manifestação no ser humano de um reflexo biológico muito comum em espécies que se encontram ameaçadas. Eventos hostis de curta ou longa duração provocam aumento na atividade reprodutiva e na prole.
Slacker generation é uma expressão em inglês que significa geração da preguiça ou relaxada, uma variação do termo Geração X, muito usado na década de 1990, que denominava uma geração marcada pela apatia. Além de ser um termo usado para se referir a uma pessoa que não trabalha ou tenta escapar de serviços militares.
Seguindo os padrões comportamentais desta geração, os Slackers podem ter passado por problemas difíceis durante a infância, como separações familiares. Eventualmente podem desenvolver depressão clínica. Costumam ser identificados como pessoas tímidas que são anti-materialistas, desastradas ou despretensiosas e podem se excluir socialmente de forma deliberada. Muitos também praticam uma procrastinação excessiva.
Academicamente podem ser considerados estudantes brilhantes, porém não se esforçam ou não conseguem evoluir com estudos ou responsabilidades excessivas. Alguns também não se preocupam muito com a aparência ou higiene, vivem desempregados e raramente tem relações amorosas duradouras, devido a dificuldade de engatar nos relacionamentos pela sua falta de noção de espaço.
Na cultura popular e na música, o grunge e o ícone Kurt Cobain são considerados o porta-voz desta geração, sendo que "Smells Like Teen Spirit" é a música que os representa. Outros hinos, como "Creep", do Radiohead,"Black", do Pearl Jam e "Loser", do Beck, também são muito relembrados.

Motivos

O crescimento vegetativo em período de prosperidade social com ambiente favorável apresenta caráter linear e não costuma reproduzir o padrão espicular do "baby boom".

Impactos

O impacto sócio-econômico de um evento de "baby boom" é causa de controvérsia entre os estudiosos da demografia sócioeconômica, pois gera alteração importante e complexa na composição da pirâmide etária populacional, com repercussões na organização das cidades, no mercado de trabalho e na população economicamente ativa, incluso que, economicamente, cada bebê que nasce é uma fonte de consumo (por parte de seus progenitores), cuja criança passa a consumir, mesmo que não tenha, inicialmente, noção de consumo; durante seu crescimento, continua a consumir e, quando chega à idade adulta, além de consumir, será mão de obra para o mercado, entrando para o mercado consumidor, que por sua vez, dá origem ao mercado de trabalho. Com isso, o consumo aquece a economia, permitindo a circulação de riquezas produzidas e consequente uma maior demanda de bens fez com que mais deles fossem produzidos.

Linha do tempo

Nota: Uma vez que não há consenso sobre os anos limítrofes de cada geração, a tabela apresenta uma média simples
das datas mais comuns, exibindo na legenda concepções mais abrangentes e mais restritas de cada caso.

Ver também

Precedido por
Geração Silenciosa
Geração Baby Boom
1943 - 1960
Sucedido por
Geração X

História Da Geração X

A expressão "Geração X" foi inventada pelo fotógrafo da Agência MagnumRobert Capa, em 1950. Ele iria usá-la mais tarde como título de um ensaio fotográfico sobre homens e mulheres jovens que cresceram imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. O projeto emergiu em 1953 nas revistas "Picture Post" (Reino Unido) e "Holiday" (Estados Unidos. Descrevendo a sua intenção, Capa disse:
Cquote1.svgNós nomeamos esta geração desconhecida como Geração X e, mesmo em nosso primeiro entusiasmo, percebemos que tínhamos algo muito maior do que os nossos talentos e bolsos poderiam lidar com".[8]Cquote2.svg
O escritor John Ulrich explica:
Cquote1.svgDesde então, 'Geração X' sempre significou um grupo de jovens, aparentemente sem identidade, a enfrentar um incerto, mal definido, talvez hostil, futuro. Aparições posteriores do termo, em meados dos anos 1960 e meados de 1970, mudaram sua abrangência de geração global, atribuída por Capa, para conjuntos específicos de subculturas da juventude britânica, constituídos principalmente de homensbrancos da classe trabalhadora, desde os mods e seus rivais rockers até a subcultura minicraft, mais abertamente contestadora.[7]Cquote2.svg
O termo foi usado por Jane Deverson em um estudo de 1964 a respeito da juventude britânica. Deverson foi convidada pela revista Woman's Own para entrevistar os adolescentes da época. O estudo revelou uma geração de adolescentes para quem era normal manter relações sexuais antes do casamento, que não acreditavam muito em Deus, que não gostavam da rainha Elizabeth II e não respeitavam os pais. Na época, ainda sequer havia sido cunhada a expressão "Geração Apática", ou Slacker generation, e o estudo foi considerado inadequado para a revista. Deverson, em uma tentativa de salvar sua pesquisa, trabalhou com o jornalista Charles Hamblett para criar um livro a partir do estudo. Hamblett decidiu nomeá-lo Geração X.[9]
O termo somente viria a ser popularizado pelo romance "Geração X: contos para uma cultura acelerada" (1991), do autor canadense Douglas Coupland, sobre os jovens do final dos anos 1980 e seu estilo de vida. Um artigo da revista 1989,[10] erroneamente, atribuiu a origem da expressão "Geração X" ao músico inglês Billy Idol. Na verdade, Idol havia sido membro da banda punk Generation X de 1976 a 1981. O nome da banda havia sido criado baseado no título do livro de Deverson e Hamblett, uma cópia do qual havia sido adquirida pela mãe de Idol.[11]
Nos Estados Unidos, Generation X originalmente referia-se à "baby bust" ("quebra, falência de bebês"), geração assim nomeada por causa da queda da taxa de natalidade após o baby boom ("explosão de bebês") do pós-Segunda Guerra Mundial.[2]

Referências

  1. Ir para cima Stephey, M.J. (2008-04-16). «Gen-X: The Ignored Generation?»Time [S.l.: s.n.] Consultado em 2010-05-03.
  2. ↑ Ir para:a b Encyclopedia of Identity By Ronald L. Jackson, II
  3. Ir para cima Strauss, William & Howe, Neil. Generations: The History of America's Future, 1584 to 2069. Perennial, 1992 (Reprint). ISBN 0-688-11912-3 p. 324
  4. Ir para cima .
  5. ↑ Ir para:a b Carlson, Elwood (2008-06-30). The Lucky Few: Between the Greatest Generation and the Baby Boom Springer [S.l.] ISBN 978-1-4020-8540-6. 
  6. Ir para cima Kick, Fran (2005). What makes kids kick:inspiring the millennial generation to kick it Instruction & Design Concepts [S.l.] p. 33.
  7. ↑ Ir para:a b Ulrich, John. «Introduction: A (Sub)cultural Genealogy». In: Andrea L. Harris. GenXegesis: essays on alternative youth [S.l.: s.n.] p. 3.
  8. Ir para cima GenXegesis: essays on alternative youth (sub)culture By John McAllister Ulrich, Andrea L. Harris p. 5.
  9. Ir para cima Asthana, Anushka & Thorpe, Vanessa. "Whatever happened to the original Generation X?". The Observer. January 23, 2005.
  10. Ir para cima Coupland, Doug. "Generation X." Vista, 1989.
  11. Ir para cima Generation X - A Punk History with Pictures

Fonte:https://pt.wikipedia.org/wiki/

O termo Geração X é utilizado para rotular as pessoas nascidas após o chamado “Baby Boom”, que foi um aumento importante na taxa de natalidade dos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial. Também conhecida como Gen X, essa geração inclui a população nascida no início de 1960 até o final dos anos 70, mas também podem ser considerados como "X" os nascidos no início dos anos 80, no máximo até o ano de 1982.
Criado pelo fotógrafo Robert Capa no ano de 1950, o termo Geração X foi utilizado em um de seus ensaios fotográficos. O trabalho em questão era sobre jovens mulheres e homens que cresceram depois da Segunda Guerra Mundial. De acordo com Capa, “nomeamos esta geração desconhecida como Geração X e, mesmo em nosso primeiro entusiasmo, percebemos que tínhamos algo muito maior do que os nossos talentos e bolsos poderiam lidar”. O projeto foi divulgado pelo Picture Post do Reino Unido e pelo Holiday, dos Estados Unidos no ano de 1953. Nas palavras do escritor norteamericano John Ulrich, a geração X sempre foi considerada como um grupo de pessoas jovens, sem identidade aparente, que enfrentariam um mal incerto, sem definição, um futuro hostil.
Ainda segundo Ulrich, o termo ganhou alterações posteriores às definições de Capa. Durante os anos 60 e 70, sua abrangência, que era global, tornou-se atribuição de conjuntos específicos na em sub-culturas inglesas. Esses grupos eram, em sua maioria, formados por homens brancos da classe operária, incluía os mods, os rockers e até mesmo algumas subculturas punks.
Em 1964, um estudo de Jane Deverson a respeito da cultura da juventude britânica também foi importante para a definição do termo Geração X. Após convite da revista Woman’s Own para uma matéria onde entrevistaria adolescentes nascidos na época em questão, Deverson publicou um estudo que revelou uma geração de jovens atéia, que mantinha relações sexuais antes do casamento, odiava a Rainha Elizabeth II e era contra as regras impostas por seus pais.
Por ter sido considerada polêmica pela revista, a matéria não foi publicada. Porém, Deverson juntou-se ao jornalista Charles Hamblett para escrever um livro a partir do estudo inicial. Então, os dois publicaram a obra Generation X – Perfect hits 1975 – 1981. Tempo depois, em 1991, a Geração X ganhou mais popularidade com o romance do escritor canadense Douglas Coupland, que lançou o livro “Geração X: contos para uma cultura acelerada”. No livro, são romanceadas as atitudes e o estilo de vida dos jovens no final da década de 80.

Leia também:
Fontes:
http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos3/Geracao_X.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Geração_X
http://www.overmundo.com.br/overblog/geracao-x-adulto-com-jeito-de-adolescente
Arquivado em: Sociedade
Fonte:http://www.infoescola.com/sociedade/geracao-x/
A chamada geração X é composta por jovens que nasceram entre 1965 e 1977. Algumas características básicas definem o grupo, como as ideias e a quantidade de pessoas, que somam 40 milhões somente nos Estados Unidos. Para ageração X, a liderança, reconhecimentos e o trabalho têm uma nova importância, sendo este último deixado em segundo plano, tendo em vista pelo menos mais uma prioridade.

História da geração X

O termo foi inventado pelo fotógrafo Robert Capa, em 1950, na dificuldade de caracterizar uma juventude que viria após a segunda guerra mundial, ainda desconhecida. Suas vontades e características até então não eram conhecidas, que tinham indícios de magnitude de talentos. O grupo de jovens até então sem identidade teve sua nomeação posteriormente ampliada para conjuntos específicos de subculturas da juventude britânica, segundo outros influentes.
Jane Deverson, em 1964, fora convidada para entrevistar adolescentes britânicos na época e fazer um estudo sobre seus comportamentos. A prática das relações sexuais antes do casamento estava a todo vapor, assim como o afastamento da crença em Deus. Os jovens ainda mostravam repúdio a Rainha Elizabeth II e não respeitavam mais seus pais como há tempos atrás. Talvez o desrespeito sempre existisse, porém a coragem para explicitar os fatos só começara a aflorar desde então.
A revista então, não censurada e não publicada, quando Deverson se juntou ao jornalista Charles Hamblett e escreveu um livro a partir de um estudo inicial. A obra foi chamada Generation X – Perfect hits 1975 – 1981. Após isso, em 1991 a chamada geração Xtornou-se mais popular com um romance do canadense Douglas Coupland, que construiu o termo “cultura acelerada”. O enfoque foram as atitudes e o estilo de vida que levavam os jovens do final da década de 80.

Gerenciar a geração X

Esta geração tem entre seus 20 a 30 anos, gosta de variedades e odeia a rotina. Fazer as mesmas tarefas todos os dias se torna um pouco monótono, o que contribui para o trabalho não ser a prioridade número 1 em sua vida. As metas da carreira estão voltadas para as novas oportunidades e desafios. O dinheiro não é tudo neste momento, porém é muito importante. As prioridades giram em torno da adição de novas habilidades, chances de crescimento e de aprender coisas novas, sendo esta a forma que os difira dos demais.

Características da geração X

A sede por conhecimento é uma das principais características destes jovens. Em relação as suas preferências, querem serviços atrativos e tranquilos, com uma equipe ao seu redor. Tentar e errar são definitivamente o contrário do que se espera da geração X, sendo o aprendizado a melhor forma para chegar ao sucesso. Diferente dos jovens de décadas anteriores, a geração X tem espírito empreendedor e é auto confiante. Querem sempre estar sendo elogiados pelo desempenho de trabalho, e propõem desafios próprios para estabelecer formas diferentes de como fazer alguma coisa.

Dicas da geração X para as próximas gerações

Uma das dicas principais para a geração Y é não se deslumbrar com a possibilidade de estar trabalhando numa empresa de elite. É claro que qualquer um gostaria de fazer parte de um grupo seleto e respeitável, mas o ideal é focar nas reais chances de se conseguir algo grandioso mais pra frente. Empresas que não dão a possibilidade de crescimento ou aprendizado não estão na lista do que a geração Y precisa para seguir em frente. Campanhas publicitárias podem vender uma falsa sensação de estabilidade. A empresa ou profissão escolhida a ser seguida deve oferecer algo a mais, e então mais vale uma empresa pequena em constante expansão do que uma multinacional em que seu cargo seja apenas mais um. Os conselhos da geração X não param por aí. Um dos maiores segredos é saber usar as redes sociais e toda a globalização vigente a seu favor.

Estilo de vida da geração X

Os adolescentes dos anos 80, geração X, viveram a fim da ditadura. Politicamente, um fato que mobilizou bastante o grupo foi o Impeachment do presidente Fernando Collor de Melo. Mundialmente, viveram o final da guerra fria e a derrubada do muro de Berlim. Entre suas aspirações musicais, estão os internacionais Nirvana, U2, The Smiths, The Police, Metallica, Guns n’ Roses, Ramones, Pearl Jam, entre outros. O cenário nacional ficou por conta da Legião Urbana, Titãs, Capital Inicial e Ira.
Quanto ao modo de se vestir, não há um padrão que caracterize a geração Xcompletamente. O gótico e os estilos básicos acabam se confundindo, com a influência do punk e do urban-hardcore. Em relação ao baby boomers, a geração X tem um estilo de vida muito mais agressivo e urbanizado. A geração da “revolta” acha que tudo está errado. A crítica começa a tomar grandes proporções em relação aos mais jovens. A democracia parece ter sido o estilo mais amado e aderido pela maioria dos jovens desta época. Os protestos e manifestações tornaram-se frequentes em busca de seus ideais. A corrupção, no entanto, é desacreditada e isso trouxe para os dias de hoje uma série de consequências óbvias.

Geração Y

Depois da geração X, veio a chamada geração Y com uma série de mudanças em relação a comportamentos, aspirações e estilos de vida. Atualmente, a geração Y está entre os 20 e 30 anos e ainda tem suas bandas preferidas relacionadas às da geração X. As bandas mais atuais também foram incorporadas às preferências dos novos jovens.  No mundo moderno, desejam o sucesso pessoal, com preocupação com as diversas esferas sociais, incluindo os cuidados com o meio ambiente. Sobre política, não há a preocupação de saber o que é a esquerda ou direita, assim como o socialismo e comunismo. As maiores preocupações estão marcadas pelos movimentos sociais organizados, que defendem as mulheres, negros e gays principalmente. O jeito de se vestir, na geração Y, segue tendências de moda. Ao mesmo tempo, mostram-se desprendidos e alternativos.
Em relação ao estilo de vida da geração X e Y, a geração Y tem um espírito empreendedor fora do comum e tendem a fugir dos empregos chamados tradicionais e querem liberdade de escolha, embora tenham a indecisão como fator atenuante para as decisões.
Fonte:http://casadaconsultoria.com.br/geracao-x/

Você é da Geração X?


Patrícia, Letícia, Flávia, Andréa, Fernanda, eu e Cintia, no dia do aniversário da Flávia


7.04.2015
|
Andréia Sversut

Geração X. Quantas vezes já não ouvimos essa expressão? Usada pra se referir às pessoas nascidas entre as décadas de 60 e 80 (podendo chegar até no máximo 1984), o termo se tornou referência mundial como sendo a geração dos filhos dos Baby Boomers (os nascidos logo após a Segunda Guerra Mundial). O nome foi criado em 1950 pelo fotógrafo Robert Capa, que utilizou 'Geração X' como título de um ensaio fotográfico sobre homens e mulheres que cresceram imediatamente após a Segunda Guerra. 

Nos dias de hoje, essa expressão é muito utilizada no mundo corporativo. São homens e mulheres das gerações X (30 a 45 anos) dividindo o espaço profissional com as gerações Y (20 a 30 anos) e Z (nascidas na década de 1990). Como cada geração possui comportamentos e prioridades diferentes, os conflitos são inevitáveis. E é saudável, afinal, vivemos em épocas distintas, com vontades, necessidades e desejos diferentes.

Falando de moda, a geração X passou pela década de 80, que  foi uma das mais desencanadas e criativas (se é que podemos defini-la assim...rs). Além da versatilidade e da diversão, os anos 80 foram marcados pelos visuais extravagantes e exagerados, bem over mesmo, e as pessoas dessa geração (mais as mulheres, claro... e me incluo nessa!) passaram por alguns belos vexames. Na época era fashion, estava na "moda", mas vamos combinar que muitas coisas eram realmente horríveis! Usamos e e abusamos da liberdade de expressão...rs 


Ombreiras gigantes, mangas bufantes, calças baggy tipo "santropeito" (que ficavam acima da cintura, abaixo do peito), roupas coloridas e brilhosas, calça fiorucci (quem lembra??), conga, kichute, polainas de lã, melissa, neutrox, biquíni asa delta, saia balonê, carteiras de borracha que fechavam com velcro, o perfume Thaty do O Boticário (eu tinha!) e Styletto... e por aí vai...rs E quem não se lembra do Kid Abelha, Menudo (eu adorava o Robbie!), Paralamas do Sucesso, Legião Urbana, Nika Costa, Abba...? É muita coisa legal para lembrar...


E como anda a geração X nos dias de hoje? O que gostamos de ver, conhecer, vestir, comprar?!? As pessoas dessa faixa etária já viveram muitas coisas, porém, acho que a globalização foi algo realmente surpeendente. O celular e a internet não fizeram parte da nossa infância e adolescência (a gente só via algum tipo de "modernidade" em filmes ou seriados americanos. Algumas cenas, inclusive, mostravam um telefone no carro, ligado por um fio - acho que nem funcionava, mas achava muito chique). 
Com a expectativa de vida cada vez mais otimista, essa geração está vivendo mais, sonhando mais e consumindo mais ainda (ai, meu Deus!). Afinal, dizem que os 40 são os novos 30, então estamos bem na foto! Falando em foto, as garotas do "retrato" inicial dessa matéria são grandes amigas da minha geração: Patrícia, Letícia, Flávia, Andréa, Fernanda, eu e Cintia - da esquerda para a direita."Tops" (como nos denominamos) da geração X, prontas para as oportunidades e os desafios que a vida nos oferece. 

E com elas e outros tantos amigos dessa geração que tenho espalhados nesse mundo (amigos que tenho guardados na mente e no coração), vivi muitas histórias. E escrevendo sobre isso bateu aquela saudade... O poeta Fernando Pessoa tem um poema bem interessante  que trata desse tema: "Eu amo tudo o que foi. Tudo o que já não é. A dor que já não me dói. A antiga e errônea fé. O ontem que a dor deixou. O que deixou alegria. Só porque foi e voou. E hoje é já outro dia". Grande beijo!

Fonte:http://www.andreiasversut.com.br/





Postagens mais visitadas deste blog

APRENDA COMO FAZER CONTATO COM SEU ANJO E GUIAS ESPIRITUAIS - TEXTOS DE VÁRIOS AUTORES

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA ?

O GATO NA MITOLOGIA SAGRADA EGÍPCIA