SOBRE A AUSÊNCIA DE PROXIMIDADE EMOCIONAL,AFEIÇÃO E CARINHO

Sobre a ausência de proximidade emocional, afeição e carinho


sexta-feira, 25 de março de 2016



[...]
Out: O que acontece à criança que não encontra esse amor no ambiente familiar, que não encontra a proximidade emocional, a afeição e o carinho?

DB: cresce um ser disfuncional, desequilibrado.

Out: essa é uma necessidade; se a criança não encontra em casa, onde buscará?

DB: saquei: nas coisas, no mundo, bebida, relações.

Out: lembra-se de eu lhe falando que "não encontrava isso nos confrades?"... comprometimento... corremos o risco de continuar buscando isso no externo, numa sociedade de adultos adulterados adulterantes. Veja como isso é sério: não há como não se desapontar, pois apontamos no outro a responsabilidade de nos dar aquilo que não recebemos no lar disfuncional; não percebemos que o outro também não tem pra dar, ai queremos que um grupo nos dê isso, que o politico nos dê isso, que o guru nos dê isso, que a confraria nos dê isso... E o mais foda: que um deus idealizado nos dê isso. 

DB: A raiz da dependência psicológica de qualquer coisa externa é isso, essa falta de amor que não tivemos na infância; é verdade, Out. 

Out: se não percebemos nossa falta de autonomia psíquica, saímos pelo mundo feito bebês carentes e, de forma inconsciente, antes de nos desapontarmos com o outro (a quem apontamos a exigência de nos dar o que nossos pais não tiveram para dar) nos afastamos e os culpamos... Percebe o movimento neurótico que recria e alimenta o ressentimento original de nossa infância?

DB: Sim! Nossa cara, é inconsciente mesmo.

Out: Então, ao não ter nossa exigência infantil atendida, caímos na birra infantil e queremos "deixar de brincar de viver"... Queremos sair do mundo, seja pelo sexo, pela droga, pelos calmantes ou, numa atitude mais extremada, pelo suicídio. Precisamos de calmantes quando não encontramos seres calmos e amantes.

DB: !!!!!!

Out: Está conseguindo ver o tamanho do buraco da toca do coelho louco?

DB: Sim, cara; é maior do que eu imaginava; é muito complexo. Estamos cegos, pelo menos me vejo assim: totalmente inconsciente.

Out: Estamos num jogo de xadrez de transferência e contratransferência. 

DB: Só culpamos o outro pela expectativa depositada da falta de amor não recebido no passado.... Que loucura! Por vezes penso seriamente em me matar, mas essa percepção que você me passou, quebra o movimento do suicídio. É birra. Eu te juro, Out: todos os dias acordo tenso e ansioso, mas ainda não sei o porque; estou escrevendo tudo o que passa na minha mente; por enquanto, o que achei foi uma extrema preocupação com minha saúde, com o modo de sobreviver.

Out: Me parece natural; se não fosse isso, talvez você já teria se matado ou enlouquecido. O problema é se esse sentimento natural (que advêm da percepção de nossas carências), extrapola a naturalidade e torna-se uma neurose, uma obsessão paranoide. Percebe? É comum ver isso, principalmente nos mais idosos... Só falam de doença. É a sua atual preocupação, que se tornou crônica. 

DB: Vejo que isso sempre existiu; agora que você falou isso, é verdade. 

Out: É a grande sacada do filme "Revolver"... Sofremos pela necessidade do tapinha nas costas, de sermos aceitos, vistos como seres importantes. E de onde vem isso? Não seria da infância?

DB: Sim, infância!

Out: Transferimos de forma inconsciente essa necessidade da fase infantil e a grande maioria parece se melindrar quando não recebe conforme a expectativa inconsciente... Sua mãe tem isso e cobra de você; você não dá, então, ela se sente no direito de surtar. Seu pai tem isso e cobra de você; você não dá, ele surta. Você tem isso e cobra deles, como eles não têm, você surta. Sua irmã tem isso e cobra de você; você não tem, ela surta. Você faz o mesmo com sua irmã: ela não tem, você surta. Levando mais longe ainda, você cobra isso do politico: ele não tem, você surta, bate panela, sai em passeata, pede pela ditadura (mais uma fora a do lar) e pede impeachment... Você não acha um abençoado nesta terra pra te dar isso, então, você idealiza um Deus conforme a sua imagem e semelhança... Ele não dá, você surta e vira um amargo ateu praguejante... Percebe a veracidade desse movimento insano?

DB: Nossa! Agora isso ficou muito claro! Movimento insano mesmo: a todo momento, transferência de uma necessidade fundamental que não recebemos.

Out: Então, para sermos aceitos, criamos um mundo de "segredos e mentiras" e, se alguém expõe essa mentira, queremos matá-lo. Não fui aceito quando fui eu mesmo, então crio uma máscara, e se essa máscara é percebida como máscara, então, me desespero: quero logo matar ou me matar.

DB: Para sair disso, só uma experiencia religiosa irreversível? Eu não sei! Não penso direito; se a pergunta foi idiota, desculpe.

Out: Veja, já está criando expectativa, só que agora, na experiência religiosa...

DB: Puutz!!!

Out: E já carregamos um condicionamento do que seja a tal experiência religiosa. Essa expectativa nos vêm por causa do desespero de se ver novamente na solidão; de se ver novamente abandonado aos próprios sentimentos não compreendidos que nos remetem novamente à situação da infância... Faz sentido para você?

DB: Cara: é um grande labirinto mesmo.

Out: Por isso o nome do filme: "Revolver"... Não quero "ré volver", então, penso logo no revolver e um balaço na cabeça...

DB: Faz sentido sim... Revolver,  é isso: voltar ao lar... Caramba, meu! 

Out: Não quero passar novamente por tudo aquilo; não quero me ver como aquela menininha trancada dentro do armário da cozinha; não quer ter o mesmo medo dela; não quero ver que meu pai tinha as mãos pregadas na mesa da adulteração psíquica do lar disfuncional; não quero ver que meu tio estava perdido no meio de suas dividas emocionais, perdido na máfia do jogo da adulteração. 

DB: Mas eu acho que temos que estar como você e a Deca para olhar para isso, porque do jeito que estou, de verdade, acho que se eu ver a infância... Fudeu!

Out: Não queremos ver que o Sr. Gold adulterou todo mundo... Só o adulto que somos poderá dar "colo" para a criança amedrontada (essa, para mim, é a libertadora experiência religiosa)

DB: É um paradoxo! Não entendo essas coisas...

Out: Os padres quiseram dar seu colo para nossa criança ferida e, muitos deles, nos feriram ainda mais.

DB: Sim, abusaram mesmo! E os professores também! Não sei porque os anônimos trabalham com a ideia de deus porque isso fode mais ainda. Eu estava lembrando de algumas coisas... Os professores fuderam comigo.

Out: Com grande parte de nós; alguns sofreram abuso sexual de padres, professores e de "amiguinhos" da escola: o troca troca sem troca real.

DB: Meu deus! 

Out: Nossa necessidade de afeto foi adulterada pela sexualização; nossa necessidade de aceitação foi adulterada pela sexualização... Consegue ver isso, ou soa como loucura?

DB: Consigo sim, isso eu consigo ver; dá até mal estar... Eu só queria a solução. Por vezes, sinto que seria melhor explodir essa merda, pois parece não ter solução. Eu sei que é imaturidade. 

Out: Isso é o sentimento da criança assustada que também não via solução lá naqueles tempos; ela entra em pânico e acha que agora vai ver ser da mesma forma; mas veja: você agora não está mais só! Agora você tem com quem pensar alto; tem com quem falar de forma aberta e franca. Já não precisa mais se esconder embaixo da cama ou atrás do sofá ou da cortina da "sala de mal estar"... Você pode falar dos seus sentimentos, da sua confusão e do seu desespero... Pra isso os Anônimos e as Testemunhas Esclarecedoras. Só não podemos mais fugir, não podemos mais evitar o enfrentamento. Lembra-se da primeira frase do filme "Revolver"?

DB: Não, qual era?

Out: "Postergar a luta é dar mais força ao inimigo!"

DB: "PQP"!!!!

Out: Aquela prisão do filme "Revolver", bem que pode ser vista como a prisão de nossa história.

DB: Cara, faz muito sentido isso, muito mesmo! Hoje vou para os anônimos; não vou faltar. 

Out: Veja que na saída da prisão, ele é acompanhado por dois vultos (seria uma representação da família?)... Os carrascos afetivos, os carcereiros emocionais?

DB: Puutz! Carrascos afetivos!!!!!! Boa! 

Out: E ele só manteve contato com livros, do mesmo modo como você se encontra agora!

DB: É verdade! kkkkkkkkk

Out: É você hoje, tentando entender a equação matemática da sua vida! 

DB: !!!!!! É bem isso que você disse: mas a matemática nunca bate! 

Out: É como nos avisa o filme "Revolver": ninguém admite isso, nem pra si mesmo, mas o processo de adulteração psíquica está por trás de toda dor que já existiu, por trás de todos os crimes que foram cometidos... Tenho que sair agora; vou almoçar; volto já! Valeu a prosa! Até mais tarde!

Fonte:http://adultosadulteradosadulterantes.blogspot.com.br/2016/03/sobre-ausencia-de-proximidade-emocional.html

DB: Ok!