O QUE É UMA EGRÉGORA ?

Forma pensada (tulpa) da música de Charles Gounod, de acordo comAnnie Besant e C.W. Leadbeater emThought Forms (1901)

O Que é Uma Egrégora

Egrégora é a força gerada por dois ou mais indivíduos unidos por um mesmo ideal. A sua força depende do número, do tempo de existência e do envolvimento de cada um dos seus integrantes. É um verdadeiro ser vivo colectivo. Um veículo de manifestação de ideias, conceitos, de cultura! O seu poder de atuação é infinitamente maior do que o de um ser humano, é menos limitado pelo tempo e pelo espaço. Ser parte de uma egrégora é sentir a força do todo, a todo o momento. É sentir o amparo das mãos que seguramos sempre que preciso for. Não as procuramos, apenas fechamos os olhos e as seguramos. É sentir cá dentro força que vibra na mesma frequência e descobrir que se é mais do que um mero corpo, uma mera emoção, uma simples personalidade que deseja a diferença e a distinção... é o incorporar de uma missão, que transcende a vida pelo todo. Um todo que tantas vezes se magoa, sem perceber que é a si próprio que o faz, e não a outro alguém do lado de fora. Não existe lado de fora. Tudo está do lado de dentro. Todos os grupos fazem parte de um grupo maior, de algo mais abrangente. O individual faz sempre parte de um todo, e os outros todos são um todo maior, apenas muda a perspectiva. Sê consciente, escolhe as TUAS egrégoras!

Aproveita a onda, sente a energia, desfruta da vibração do grupo que tudo faz mover. Semeia as tuas ideias pela egrégora! Com certeza elas fazem parte de um puzzle do qual não possuis todas as peças, mas que podes montar com a ajuda de todos. Não guardes as peças isoladas para ti, elas perdem a beleza porque fazem parte de algo maior. Só quem não vê o todo e não percebe o esplendor da obra é que não se importará que ela esteja incompleta. Alguém que não alcance tão longe, alguém cuja consciência ainda dorme... perdida no tempo.


A figura acima é a representação máxima da criação das coisas visíveis e invisíveis da manifestação e do poder divino de Deus. Não se trata de adoração de imagem. A figura acima é o arquétipo, senão o inventário daquilo que está além do mental concreto; é abstrato e ocultamente manifesta toda inteligência de Deus. Trata-se de um símbolo de proteção pessoal e familiar.



Egrégora

Egrégora, ou egrégoro (do grego egrêgorein, «velar, vigiar»), é como se denomina a força espiritual criada a partir da soma de energias coletivas (mentais, emocionais) fruto da congregação de duas ou mais pessoas.[1] O termo pode também ser descrito como sendo um campo de energias extrafísicas criadas no plano astral a partir da energia emitida por um grupo de pessoas através dos seus padrões vibracionais.

Conceito geral

Energia concentrada da coletividade

Segundo as doutrinas que aceitam a existência de egrégoras, elas estão presentes em todas as coletividades, sejam nas mais simples associações, ou mesmo nas assembleias religiosas. Sendo assim, todos os agrupamentos humanos possuem suas egrégoras características (empresas, clubes, igrejas, famílias, partidos etc.), nas quais as energias dos indivíduos se unem e formam uma entidade autônoma e mais poderosa.
A egrégora é capaz de realizar no mundo visível e palpável as suas aspirações transmitidas ao mundo invisível pela coletividade geradora. Em miúdos, uma egrégora participa ativamente de qualquer meio, seja ele físico ou abstrato. Quando a energia é deliberadamente gerada, ela forma um padrão, ou seja, tem a tendência de se manter como está e de influenciar o meio ao seu redor. No mais, as egrégoras podem ser descritas como concentrações ou «esferas» energéticas criadas quando várias pessoas têm um mesmo objetivo comum. Trata-se de um conceito místico-filosófico com vínculos muito próximos à teoria das formas-pensamento, na qual todo pensamento e energia gerada têm existência, podendo circular livremente pelo cosmo.
Pode-se exemplificar o conceito de egrégoras ao analisar um ambiente hospitalar, no qual o principal objetivo dos circunstantes é promover a cura, independentemente do êxito. Portanto, um hospital carregaria consigo uma concentração de energias que busca a cura, e esta estaria por todo canto — no chão, nas paredes, no nome —, recebendo e influenciando o pensamento coletivo e o moral de seus frequentadores (seus funcionários, pacientes e visitantes). Da mesma maneira, uma missa, um encontro de algumas ou muitas pessoas voltadas para promover um mesmo fim, seja a cura de alguém, o fim de um problema ou a superação de uma perda, teria um grande poder de formar energias positivas e, através delas, promover mudanças.
Qualquer tipo de congregação é portanto a condição crucial a formação de uma egrégora, que são as muitas mentes voltadas para um único objetivo que gera tal concentração de energia.

Teosofia

O ponto de vista defendido pela Teosofia encontra eco em diversas outras linhas de pensamento, especialmente religiosas, pois segundo ela as incontáveis formas pensamento em que vivemos mergulhados nos afetam continuamente. Portanto, ter conhecimento delas pode nos permitir utilizá-las em nosso favor, ou ao menos evitar que sejamos influenciados negativamente. Funcionaríamos, segundo essa visão, de forma semelhante a um aparelho de rádio, «sintonizando» através de nossos pensamentos e emoções as frequências das egrégoras ao nosso redor, e dessa forma potencializando seus efeitos, tanto em nossos corpos quanto na própria egrégora interior, o que tornaria sua existência mais longa.[2]

Referências

  1. Ir para cima Editores do Aulete (2007). Verbete: egrégora Dicionário Caldas Aulete. Visitado em 15 de junho de 2014.
  2. Ir para cima Maurício Medeiros. Em Sintonia com as Egrégoras. Visitado em 18 de março de 2013.

Referências

  • BAYARD, Jean-Pierre. Os Talismãs: Psicologia e poderes dos símbolos de proteção. São Paulo: Editora Pensamento, 1985 (ISBN 85-315-0647-6).
  • BOUCHER. Jules. A Simbólica Maçônica: Segundo as Regras da Simbólica Tradicional. 11.ª Edição - São Paulo: Editora Pensamento. 2006. (ISBN 85-315-0625-5).